Você está na página 1de 11

AGENTES

BIODETERIORADORES DA
MADEIRA – Coleóptera e
hymenóptera
Alunas:

Franciellem da Silva Lima Turma: Flo 18.2


Francilene da Silva Lima Disciplina: tecnologia de
produtos Florestais
1. introdução
• Toda e qualquer peça de madeira está sujeita a qualquer tipo de movimento. A
ação do movimento mecânico provoca um desgaste na madeira. Nada mais que
uma altera o indesejável na sua estrutura. Ex.: dormentes de estrada de ferro;
degraus de uma escada; blocos de madeira usados para pavimentação de cais, etc.

 Agente Mecânico (Escadas, pontes, blocos de madeira)

 Agentes Físicos (Calor, Umidade)

 Agentes Químicos (Ácidos fortes, bases fortes, óxidos de ferro e enxofre)

 Agentes Biológicos (Insetos, fungos, moluscos, crustáceos e bactérias)


2. INSETO: ORDEM COLEOPTERA E
HYMENOPTERA
Insetos são agentes de deterioração  Deterioração nem sempre se
da madeira importantes no mundo relaciona com a nutrição dos
inteiro, embora o número de insetos;
espécies envolvidas seja pequeno. O
 O ataque pode envolver apenas
dano que causam à madeira são
tuneis para as larvas;
resultados da ação mecânica da
mastigação de suas mandíbulas.  Ataque de insetos é menos
previsível em relação ao fungos;
 Uma vez infestada, a madeira
torna-se mais suscetível ao
ataque de fungos;
• 2.1 COLEÓPTERA
2. INSETOS  Familia Lyctidae
Geralmente a classe Insecta é subdividida • A família Lyctidae é pequena. No entanto, o gênero
taxonomicamente em 26 ordens, das quais Lyctus contém a espécie deterioradora de madeira
de maior importância econômica no País. O Lyctus
as seguintes contêm as espécies que são bruneus é responsável por sérios danos
consideradas as mais importantes entre as apresentados em madeiras secas, e é capaz de
deterioradoras da madeira: reinfesta-las tantas vezes quanto forem necessárias,
até reduzi-las ao estado de pó.
a. Coleóptera (besouros)
Característica da madeira
b. Himenóptera (abelhas, vespas e fonnigas).
atacada
c. Isóptera (cupins).  Em madeiras de folhosas observa-se o ataque
restrito ao alburno
 Normalmente com inúmeras galerias com cerca de
a 2,0 mm de diâmetro, correspondendo ao
diâmetro do inseto adulto.
2.1 COLEÓPTERA
Em madeira severamente atacada, como
ilustrado na figura, abaixo, somente uma
fina camada de material lenhoso é
mantida intacta, no seu lado externo,
ficando todo o interior reduzido ao
estado de pó.

Aspecto do coleóptero Lyctus bruneus adulto, no alto;


representação do inseto ovopositando a celta
profundidade na madeira, abaixo e à esquerda, e
aspecto de uma peça de madeira severamente atacada.
MORESSCHI, 2013
 Manter a área de estocagem e
produção higienizada;
2.1.1 Prevenção  Ações sanitárias adequadas podem
muitas vezes eliminar a necessidade de
outras medidas preventivas.
 Danos a itens manufaturados podem
frequentemente ser correlacionados
com infestações que ocorreram antes
do produto ser colocado no mercado;
 Uma vez que a madeira é infestada, a
larva continuará se desenvolvendo,
mesmo que a superfície seja pintada
Orifícios de saída do besouro Lyctus e o pó
fino associado ao ataque. (GOMES, 2018)
ou envernizada;
2.2 Hymenoptera
• Esta é a terceira ordem Insecta em
tamanho, com aproximadamente • Características do ataque
103.00 espécies descritas. Os  Galerias planas e paredes lisas;
indivíduos desta ordem, considerados
de importância econômica como  Nunca existindo perfurações ligando
agentes deterioradores de madeira, são as galerias com o exterior das peças;
pertencentes a família Formicidae.
 utilizam a galeria como abrigo;
• Elas tem cerca de 12 mm de
comprimento, são conhecidas  Não consomem a madeira
vulgarmente como “formigas  Formigas carpinteiras preferem a
carpinteiras” e atacam uma grande madeira naturalmente mole ou que
variedade de espécies de madeira.
tenha sido amolecida por alguma
podridão.
2.2.1 PREVENÇÃO
Embora as formigas carpinteiras sejam uma grave
praga estrutural no mundo inteiro, há muito poucos
trabalhos sobre elas publicados fora da América do
Norte.
 A prevenção ao ataque de formigas é muito similar
aos métodos que impedem o ataque de cupins
subterrâneos;
 Construções de madeira devem ser protegidas de
infestações e seus terrenos devem ser limpos de
material orgânico que poderia servir de ninho para
as formigas;
 Como formigas carpinteiras precisam de umidade
em seu estágio juvenil, a madeira deve ser mantida
seca;
CONSIDERAÇÕES FINAIS

• Em se tratando de madeiras da região amazônica, sérios problemas vêm aparecendo,


principalmente, quanto a qualidade de espécies com baixa durabilidade natural,
produzindo, consequentemente, uma imagem altamente negativa no cenário do
mercado externo, onde a qualidade do produto é um requisito de primeira
importância. Não obstante, o problema vem se refletindo entre os próprios
consumidores e empresários brasileiros, cujas insatisfações resumem-se praticamente
no fato do aparecimento de manchas produzidas por fungos e danos causados, na sua
maioria, por coleópteros e outros insetos xilófagos.
REFERÊNCIAS

• CASTRO, V. G. Deterioração e preservação da madeira. Mossoró:


EdUFERSA, 2018.
• MARESCHI, J. C. Biodegradação e preservação da madeira. 4ª Ed.
2013.
• MENDES, A. S. A degradação da madeira e sua preservação. Brasilia,
IDBF, 1998.
OBRIGADO!