Você está na página 1de 10

O MODERNISMO EM

PORTUGAL
Início do século XX: apogeu da Belle Époque.
A sociedade é composta de burgueses comportados, tranquilos, contando
seus lucros. ´
O capitalismo monetário gera a industrialização e o neocolonialismo. Porém,
a massa faz reivindicações e greves.
Há no ar a ameaça do Socialismo.
O progresso científico é alcançado: eletricidade, motor a combustão;
automóvel, avião; telefone, telégrafo. É o mundo da máquina, da informação,
da velocidade.
Nos grandes centros comerciais do país, as pessoas deslumbram-se com
concreto armado: “arranha-céu”.
Primeira Guerra Mundial e Revolução Russa.
A Literatura e as Artes Plásticas pregam a abolição de todas as regras
impostas pelo passado. Nada de modelos a seguir.
A Arte agora é Moderna, inquieta. A ordem é recomeçar, rever, reeducar,
chocar, buscar o novo: multiplicidade e velocidade, originalidade e
incompreensão, autenticidade e novidade. Vanguarda - estar à frente,
repudiar o passado e sua arte. Abaixo o padrão cultural vigente.
MOMENTO HISTÓRICO DO
MODERNISMO EM PORTUGAL
1910: Proclamação da República
1910-1926: Primeira República
― Domínio do Partido Democrático, com
predominância centro-esquerdista.
― Participação do país na Primeira Guerra Mundial.
― Instabilidade político-social.
1926: Golpe de Estado
1933-1974: Ditadura militar salazarista.
AS TRÊS GERAÇÕES DO MODERNISMO
PORTUGUÊS
Cronologia
Primeira geração: Orpheu
Início: 1915 – Fundação da revista Orpheu.
Término: 1927 – Fundação da revista Presença.

Segunda geração: Presença


Início: 1927 – Fundação da revista Presença.
Término: 1940 – Eclosão do Neo-realismo.

Terceira geração: Neo-realismo


Início: 1940
AS TRÊS GERAÇÕES DO MODERNISMO
PORTUGUÊS
Principais escritores

Primeira geração: Orpheu


Principais escritores: Fernando Pessoa e Mário de Sá-Carneiro
Principal característica do grupo:comportamento iconoclasta.

Segunda geração: Presença


Principais escritores: Branquinho da Fonseca, José Régio e João Gaspar
Simões.
Principal característica do grupo: elitismo, “arte-pela-arte”.

Terceira geração: Neo-realismo


Principais escritores: Ferreira de Castro, Carlos de Oliveira, Fernando
Namora, Alves Redol, José Cardoso Pires e Virgílio Ferreira.
Principal característica do grupo: literatura engajada.
ORFISMO
CARACTERÍSTICAS
 Domínio da Metafísica e do Mistério.

Impregnados de uma religiosidade esotérica, do gosto pelas


ciências ocultas, de um sebastianismo místico, os escritores
da Geração Orpheu tornaram-se herméticos, pouco
acessíveis. A obra de Fernando Pessoa, uma das mais
significativas já escritas em língua portuguesa, só foi
publicada dez anos após a sua morte, que se deu em 1935.
 Desejo de “escandalizar” o burguês.
 Desajuste social e cultural.
 Cosmopolitismo.
 Elitismo.
 Incorporação das propostas das vanguardas.
 Idolatria do poético, do não-prático, do não-burguês.
ORFISMO

O Orfismo constitui o primeiro movimento


propriamente moderno. Inicia-se em 1915, com a
revista Orpheu, que aglutinou alguns jovens
insatisfeitos com a estagnação da cultura
portuguesa.
ORFISMO

De ideias futuristas, entusiasmados com as


novidades trazidas pelas mudanças culturais
postas em curso com o século XX, defendiam a
integração de Portugal no cenário da
modernidade europeia. Para tanto, pregavam o
inconformismo e punham a atividade poética
acima de tudo.
ORFISMO

Fernando Pessoa é a grande figura da


geração, seguido de perto por Mário de Sá-
Carneiro, Alfredo Pedro Guisado, Santa Rita
Pintor, Armando Cortes-Rodrigues e Almada
Negreiros, este último autor de um romance,
Nome de Guerra, uma das raras obras em
prosa numa geração primordialmente poética.
ORFISMO

De Orpheu ainda sairia um segundo número,


em 1915, mas o terceiro, anunciado para o ano
seguinte, não chegaria a vir a público.