Você está na página 1de 118

TREINAMENTO DE

TRANSFORMADORES
ÍNDICE
•Transformador
• Fundamentos;
• Tipos;
• Construção;
• Projeto: impedância, perdas, aquecimento, resfriamento e curto-
circuito;
• Acessórios;
• Ensaios em fábrica.

•Reator
• Definição;
• Aplicações;
• Projeto;
• Ensaios.
TRANSFORMADOR

• Definição
• De acordo com NBR 5356-1 Transformadores de Potência, o
transformador é:
• Equipamento elétrico estático;
• Dois ou mais enrolamentos;
• Indução eletromagnética;
• Transforma um sistema de tensão e corrente alternada em outro sistema de
tensão e corrente usualmente de diferentes valores;
• Mesma frequência;
• Propósito de transmitir energia elétrica.

V I
S S ⇒ VI V I ⇒ 
V2 I1
TRANSFORMADOR
Fundamentos

TRANSFORMADOR
Fundamentos
Unidades de Grandeza - Múltiplos e Submúltiplos

Fator Prefixo Símbolo Exemplo:


10^12 tera T
10^9 giga G
10^6 mega M
10^3 kilo k Potência: 10 MVA
10^-1 deci d
10^-2 centi c
Tensão: 145 kV
10^-3 mili m
10^-6 micro µ
10^-9 nano n
10^-12 pico p

Grandeza Símbolo Unidade


Tensão V V (volt)
Corrente I A (Ampere)
Potência S V.A
TRANSFORMADOR
Fundamentos
• Como entrada temos: uma tensão e uma potência;
• Como saída temos: uma outra tensão e a mesma potência (virtualmente).
Potência (MVA) = Sqrt3 x Tensão (kV) x Corrente (A) Uma pequena parte
Assim a corrente é dada indiretamente! de energia
dissipará em calor
no transformador.
100% POTÊNCIA 99.7% POTÊNCIA

TENSÃO 1 TENSÃO 2

Ex: 100 MVA e 230 kV dará 251 Ex: 100 MVA e 23 kV dará 2510
A A
TRANSFORMADOR
Fundamentos
Geração, Transmissão e Distribuição.
TRANSFORMADOR
Fundamentos
TRANSFORMADOR
Fundamentos
TRANSFORMADOR
Fundamentos
TRANSFORMADOR
Tipos
TRANSFORMADOR
Elevador
• Conectados a Estações Geradoras (10-25 kV) para ”erguer” a
tensão para tensão de transmissão (100 – 800 kV);
• Grande Potência Nominal (100 – 1000 MVA).

• Considerações Técnicas Específicas para Transformadores GSU


• Altas correntes no lado primário;
• Extra e Ultra Alta Tensão no lado secundário.

420 MVA, 400+3-1x2.5%/18 kV


TRANSFORMADOR
Interconexão
• Interconecta dois sistemas de transmissão de altas tensões de transmissão;
• Grande Potência Nominal (100 – 1000 MVA).
• Altas Tensões (110 para 220 kV, 110 para 400 kV, 230 para 500kV, 400 para 800
kV etc.)

• Se o cliente deseja separar o neutro do sistema de


aterramento é feito um transformador;
• Se ambos os sistemas utilizam o mesmo sistema de neutro,
é construído de um auto transformador.

Auto Transformador 750 MVA 525/230±2,5%/66 kV, 3-fase

•Considerações Técnicas Específicas de Transformadores ICTs


• Alta Tensão;
• Tensão de Regulação;
• Enrolamentos Terciários.
TRANSFORMADOR
Abaixador
• Conecta de níveis tensão de transmissão
(V > 110 kV) a níveis de potências de
”distribuição” para níveis de baixa tensão
(10 – 20 kV);

• Potência Nominal de 20 - 80 MVA;

• Tensão de Regulação.

• 40 MVA
• 130+- 9*1,25% / 11 kV
TRANSFORMADOR
Conversor
Buchas de Conexão Y Buchas de Conexão D

• Sempre um par de transformador é necessário.


• 621 MVA monofásico, 3 enrolamentos, Transforma para
• 500kV HVDC para transmissão
•Considerações Técnicas Específicas para Transformadores
HVDCs
• Stress em Corrente Contínua;
• Nível de Corrente Contínua;
• Perdas extra devido as harmônicas.
TRANSFORMADOR
Industriais

• Fornos de CA para derreter sucata;


• Fornos de CA para refine;
• Fornos de CA para derreter ligas de ferro;
• Fornos de CA para aplicações especiais;
• Retificadores CC de Tiristores para Eletrólise;
• Retificadores CC de Diodo para Eletrólise;
• Retificadores CC de Tiristores para grandes equipamentos;
• Retificadores CC de Tiristores para derreter sucata em
fornos.
TRANSFORMADOR
Seco

• Bobinas de AT e BT confeccionadas em
alumínio, minimizando os esforços mecânicos
do transformador quando submetido a
situações de sobrecarga ou curto-circuito.

• Bobinas encapsuladas em resina epóxi sob alto


vácuo, anulando assim a presença de micro-
bolhas de ar no isolamento.

• Encapsulados em resina epóxi sob vácuo,


classe F (155º C) ou H (180º C)
TRANSFORMADOR
Industrial – Parte Ativa

Núcleo Enrolamentos&
Isolações

Tanque de Aço-Inox
Barramento de
Altas Correntes
Placas de Fibra
de Vidro
Buchas de
Altas Correntes

Considerações de Especificação Técnica para Transformadores Industriais


• Altas correntes na Baixa Tensão é um grande indicador de custo
TRANSFORMADOR
Principais Componentes Ativos

• NÚCLEO
• carrega o fluxo magnético.
• ENROLAMENTOS
• carregam as correntes e fornecem uma tensão correta.
• PARTE ATIVA
• O conjunto do enrolamento e o núcleo, mais os isoladores elétricos e os
suportes mecânicos
TRANSFORMADOR
Núcleo
• Existem dois caminhos práticos para colocar o NÚCLEO e o
ENROLAMENTO juntos na PARTE ATIVA, eles são chamados de:
• Core type ou núcleo envolvido;

• Shell type ou núcleo envolvente;


TRANSFORMADOR
Núcleo - Modelo
TRANSFORMADOR
Núcleo

NÚCLEO ENVOLVIDO
COM BOBINAS
O NÚCLEO ENVOLVIDO TEM VÁRIAS
VANTAGENS SOBRE O NÚCLEO
ENVOLVIDO

• MENOR PESO E MENOR VOLUME.

• FACILIDADE PARA MONTAR ,


NÚCLEO E PARTE ATIVA.

• O TAMANHO DO NÚCLEO
DEPENDE DA POTÊNCIA DO
TRANSFORMADOR

• >PARA NÚCLEOS GRANDES O


PROJETO PODE SER DIFERENTE
MAS O CONCEITO BÁSICO DOS
COMPONENTES CONTINUA O
MESMO.

Núcleo envolvido
TRANSFORMADOR
Núcleo
• NÚCLEO ENVOLVENTE COM BOBINAS

Núcleo envolvente
TRANSFORMADOR
Enrolamento

SE TIVERMOS UMA BOBINA:


PORÉM ESTE FLUXO VAI SER
E NELA APLICARMOS UMA TENSÃO. VAI MUITO DISPERSO E PARTE
SER CRIADO UM FLUXO. DELE SE PERDERA NO AR, NÃO
CONTRIBUINDO NADA PARA A
E SE APROXIMARMOS OUTRA BOBINA INDUÇÃO.
DELA.
PARTE DESTE FLUXO ATINGIRA ESTA BOBINA
INDUZINDO NESTA UMA TENSÃO.
TRANSFORMADOR
Enrolamento
•> PARA OTIMIZAR O FLUXO QUE ABRANGE AS DUAS BOBINAS
•> INTRODUZIMOS UM NÚCLEO DE FERRO CRIANDO ASSIM UM CAMINHO QUE O FLUXO PERCORRE COM
FACILIDADE.

Fluxo magnético
TRANSFORMADOR
Enrolamento
• SHUNT MAGNÉTICO

•EM TRANSFORMADORES DE ELEVADA POTÊNCIA, O FLUXO PERCORRE PELO NÚCLEO, PORÉM


O FLUXO DE DISPERSÃO NO TOPO SUP. / INF. DO BLOCO DE BOBINAS ASSUME VALORES MUITO
ALTO .

•PARA EVITIR ISTO UTILIZA-SE

•SHUNT MAGNÉTICO NO TOPO DOS BLOCOS DE BOBINAS.


TRANSFORMADOR
Enrolamento
•PARA EVITAR ISTO:

•REVESTIMOS AS PAREDES DO TANQUE COM BLINDAGENS MAGNÉTICAS.

• EM TRANSFORMADORES DE ELEVADA POTÊNCIA, O FLUXO PERCORRE PELO NÚCLEO, POREM HÁ UM FLUXO DE


DISPERSÃO MUITO ELEVADO QUE ATINGE AS PAREDES DO TANQUE PROVOCANDO AQUECIMENTO E PERDAS
SIGNIFICATIVAS.
TRANSFORMADOR
Enrolamento
•CARACTERÍSTICAS DO COBRE:
•>ALTO GRAU DE PUREZA (CONDUTIVIDADE)
•>DUREZA CALIBRADA ( SUPORTABILIDADE AO CURTO-CIRCUITO)
•>SUPERFÍCIES LISAS ( CANTOS ARREDONDADOS COM RAIO CALIBRADO)
•>DIMENSÕES COM TOLERÂNCIAS PRECISAS.

•CARACTERÍSTICAS DO PAPEL:
•>ÓTIMA RIGIDEZ DIELÉTRICA ( ALTA TENSÃO)
•>ÓTIMA ABSORÇÃO DO ÓLEO ISOLANTE.
•>RESISTÊNCIA MECÂNICA ( TRACIONAMENTO )

•CARACTERÍSTICAS DO PRESSPHAN:
•>ÓTIMA RIGIDEZ DIELÉTRICA (ALTA TENSÃO)
•>BOA ABSORÇÃO DO ÓLEO ISOLANTE.
•>FACILIDADE DE TRABALHAR O MATERIAL.
TRANSFORMADOR
Enrolamento
• CABO SIMPLES
• encapamento com sobreposição

CINCO CAMADAS DE
PAPEL E QUATRO DE ENCAPAMENTO DE
ÓLEO.
FIO COM PAPEL
SOBREPOSTO
TRANSFORMADOR
Enrolamento
• CABOS TRANSPOSTOS
• CARACTERÍSTICAS:
• > COLA CEMENTAVEL ( SUPORTABILIDADE AO CURTO-CIRCUITO)
• > CONTROLE DAS PERDAS ADICIONAIS.
• > OTIMIZA A PRODUTIVIDADE.

Cola
TRANSFORMADOR
Enrolamentos

Exemplo:
130+-9*1,25% / 11 kV
Baixa Tensão
Tipos de Enrolamentos

Regulação da Alta Tensão


Alta Tensão

Enrolamento Helicoidal Enrolamento Disco Enrolamento Camada


Poucas Espiras Muitas Espiras Camadas separadas do enrolamento
Baixas Correntes com saídas para o regulador de tensão
Altas Correntes
- tap
Baixa Tensão Alta Tensão
TRANSFORMADOR
Enrolamento

ENROLAMENTO TIPO HÉLICE


CARACTERÍSTICAS:
>POSSUEM CALÇOS SEPARANDO AS ESPIRAS.

>CONSTRUIDA COM VÁRIOS FIOS NO SENTIDO


RADIAL E NO SENTIDO AXIAL.
>BAIXO Nº DE ESPIRAS E CORRENTE ALTA.

12
3
132 12
3

Hélice simples (H1) com Hélice dupla (H2) com


3fios// radiais. 3fios// radiais e 2axiais.
TRANSFORMADOR
Enrolamento
ENROLAMENTO TIPO CAMADA
CARACTERÍSTICAS:
> NÃO POSSUEM CALÇOS SEPARANDO AS
ESPIRAS.
> CONSTRUIDA COM VÁRIOS OU 1 FIO EM //
> BAIXO Nº DE ESPIRAS .

>USUALMENTE UTILIZADO EM TERCIÁRIO OU REGULAÇÃO .

Camada com 2//


Camada com 3 fios // Camada com 1 fio
TRANSFORMADOR
Enrolamento
• ENROLAMENTO TIPO DISCO

•>BOBINA DE DISCO CONTÍNUO COM ENTRADA CENTRAL

• >1/2 BOBINAA DIREITA E 1/2 BOBINA A ESQUERDA.


• CARACTERÍSTICAS.
•>POSSUEM CALÇOS SEPARANDO AS ESPIRAS (REFRIG.,ISOLAÇÃO….)

• >ELEVADO Nº DE ESPIRAS. ( ALTA TENSÃO )


• >USUALMENTE UTILIZADA EM MÉDIA E ALTA TENSÃO.
• >FABRICABILIDADE GRAU MÉDIO.
• >PODEM SER ENROLADAS COM 1 OU VÁRIOS FIOS // NO RADIAL
TRANSFORMADOR
Enrolamento
• Características
• BOBINA DISCO ENTRELAÇADO
•>Utilizado em tensões elevadíssimas;
•>Possuem calços separando os discos;
•>Elevado nº de espiras;
• >Sempre construído com nºs pares de fios;
•>Alto grau de dificuldade de fabricação.
:

9 3 8 2 7 1

938271 4 10 5 11 6 12

410511612
2 1 2 1 1 1
1 5 0 4 9 3

1 2 1 2 1 2
6 2 7 3 8 4
TRANSFORMADOR
Parte Ativa = Núcleo + Bobinas - Modelo
TRANSFORMADOR
Parte Ativa
• As bobinas são montadas nas colunas do núcleo.
• Todos os suportes e elementos distanciadores são
feitos de pressphan
• Papel e pressphan devem ser completamente seco em

uma estufa antes de colocado no transformador.


• O tanque será preenchido com óleo mineral/vegetal

através de vácuo.
• Fixadores suportam o peso do transformador.’
TRANSFORMADOR
Parte Ativa
• Cleats& Leads conectam as bobinas para as buchas e
o comutador do transformador.
• Os comutadores afetam toda a concepção mecânica
e dimensão do transformador.
• Fixadores do transformador geralmente integram o
comutador em um suporte mecânico.
TRANSFORMADOR
Parte Ativa
Buchas

Isolação
Núcleo
Cleads
Isolaçãoedos
&
Comutador
Núcleo enrolamentos
doVigas
Leads
Enrolamentos – Ligações e
Núcleo
Suportes
TRANSFORMADOR
Ligações internas conectam enrolamentos com
os comutadores
TRANSFORMADOR
Projeto
• Projeto
• Impedância
• Perdas
• Aquecimento
• Resfriamento
TRANSFORMADOR
Impedância

• Impedância é a medida da energia localizada no fluxo


de dispersão, ou seja, fora do núcleo;
• Clientes normalmente especificam a impedância por
razões de correntes de curto circuito;

• Uma impedância adequada irá proporcionar uma boa estabilidade ao


sistema elétrico;
• Impedância pode ser usada para limitar a corrente de curto-circuito em um
ponto da rede.
TRANSFORMADOR
Impedância
• Impedância e Materiais

Impedância e Perdas
Perdas

Alta Alto Fluxo


Corrente de
de Curo- Dispersão
Circuito
Perdas sob
Carga
Forças
Mecanicas:
-Dentro dos
enrolamentos
-Entre
Enrolamentos Pontos Quentes e
problemas de
Resfriamento

Perdas em Vazio

Baixa Alta
Impedância Impedância
Impedância
TRANSFORMADOR
Perdas
TRANSFORMADOR
Resfriamento

ABNT/IEC Antiga ANSI

Óleo Natural Ar Natural Radiadores ONAN OA

Óleo Natural Ar Forçado Radiadores com ONAF FA


Ventiladores

Óleo Forçado Ar Forçado Trocadores de


OFAF FOA
Calor com Bomba e Ventiladores

Óleo Dirigido Ar Forçado Trocadores de ODAF


Calor com Bombas e ventiladores + FOAa

Tubulação guiando para o enrolamento


Óleo Forçado Água Forcada Trocadores com OFWF FOW
água e bombas
TRANSFORMADOR
Resfriamento
• ONAN/ ONAF - Radiadores e Ventiladores
TRANSFORMADOR
Resfriamento
• OFAF/ ODAF - Trocador de Calor óleo-ar
TRANSFORMADOR
Resfriamento
• OFWF - Trocador de Calor óleo-água
TRANSFORMADOR
Resfriamento
TRANSFORMADOR
Resfriamento

CIRCULAÇÃO DE ÓLEO
NATURAL.

AS SETAS INDICAM CAMINHO E


DIREÇÃO QUE O ÓLEO CIRCULA.
TRANSFORMADOR
Elevação de Temperatura – Norma ABNT 5356-2
TRANSFORMADOR
Resfriamento
Dentro do enrolamento o óleo pode fluir na direção vertical
TRANSFORMADOR
Resfriamento
• O óleo deve circular pelo enrolament o de forma natural.
TRANSFORMADOR
Elevação de Temperatura – Norma
Papel comum
Papel termoestabilizado Isolação de aramida
TRANSFORMADOR
Elevação de Temperatura

Uso do Nomex – Norma IEC 60076-14: 2005

6
TRANSFORMADOR
Elevação de Temperatura
Uso do Nomex – Norma IEC 60076-14: 2005
TRANSFORMADOR
Curto-circuito
• Durante o curto circuito o valor máximo da corrente pode aumentar
mais de 20 vezes a corrente nominal;
• Estas correntes irão produzir um enorme campo magnético e assim
enorme forças, principalmente nos enrolamentos;
• A geometria simétrica dos enrolamentos é essencial para evitar
grandes forças de deslocamento;
• Força de curto-circuito são decompostas em duas componentes: forças
axiais e forças radiais.
TRANSFORMADOR
Elevação de Temperatura
Uso do Nomex – Norma IEC 60076-14: 2005 – Anexo B
TRANSFORMADOR
Curto-circuito

CURTO-CIRCUITO AXIAL
>FORÇAS AXIAIS
>COMPRESSÃO DO MATERIAL
ISOLANTE.

>RISCO DE TOMBAMENTO DO FIO


TRANSFORMADOR
Curto-circuito

F1
BOBINA INTERNA
F1
F1
F2
F2
CURTO-CIRCUITO RADIAL:

>A BOBINA EXTERNA SE EXPANDE


F2
AUMENTANDO O DIÂMETRO ( FORÇAS
F2 EXPANSIVAS F1 )
F1 >A BOBINA INTERNA SE CONTRAI
F1 NÚCLEO
FECHANDO O DIÂMETRO. ( FORÇAS
COMPRESSIVAS F2 )
F2
F2 >SURGEM FORÇAS COMPRESSIVAS /
EXPANSSIVAS NAS BOBINAS ESMAGANDOS AS
CONTRA AS CULATRAS SUPERIOR E INFERIOR.

F2 F2
F1 F1
BOBINA
EXTERNA

F1
TRANSFORMADOR
Curto-circuito
• PARA QUE O TRANSFORMADOR SUPORTE CORRENTE DE CURTO-CIRCUITO ATÉ O SISTEMA DE SEGURANÇA ATUAR, ELE TEM QUE ESTAR MUITO
BEM:
• >CALCULADO, PROJETADO E CONSTRUÍDO;
• >BOBINAS ENROLADAS BEM APERTADAS;
• >CALÇOS E ESPAÇADORES E TIRAS ALINHADOS;
• >FIO COM DUREZA ESPECIFICADA CORRETA;
• >AMARRAÇÕES DOS DISCOS E ESPIRAS;
• >BOBINAS TRATADAS E AJUSTADAS CONFORME PRECEITOS E PROJETO;
• >BLOCO DE BOBINAS PERFEITAMENTE AJUSTADAS E NIVELADOS OS EIXOS DE SIMETRIA;
• >ESCORAS , CALÇOS COLETIVOS , VIGAS DE GRAMPOS , CULATRAS BEM AJUSTADAS E APERTADAS.

Eixo de simetria das


bobinaA,B e C.
TRANSFORMADOR
Curto-circuito
• Quando bobina não está bem projetada

Eixo de simetria das


bobina A e C .

Eixo de simetria da bobina


B deslocado .( devido
folga na cabeça superior).
TRANSFORMADOR
Curto-circuito
• Quando ocorre curto-circuito

Forças de pressão
contra a culatra sup.

F5 F5 F5 F5 F5 F5

Forças de compressão na
bobina.
F3 F3 F3 F3 F3 F3

Forças de pressão
contra a culatra inf. F4
F4 F4 F4 F4 F4
TRANSFORMADOR
Curto-circuito – verificação de cálculo’
• A ITAIPU desenvolveu ferramentas para prever o que
acontecerá com o transformador em condições de
ensaio.

• Y Transitórios
• • Distribuição de Tensão
• • Cálculo de Stress

• Curto-Circuito
Y

• •Distribuição de Fluxo

•Forças•

• Y Ensaios em CA
• • Stress Elétrico
TRANSFORMADOR
Acessórios
• SÃO PEÇAS MUITO IMPORTANTES QUE COMPLETAM O TRANSFORMADOR, NÃO PARTICIPAM
DIRETAMENTE DO FENÔMENO DA TRANSFORMAÇÃO PORÉM SÃO DE ENORME IMPORTÂNCIA ,A ELES
DEVEM SER DEDICADOS MUITA ATENÇÃO:
• > ELES PERMITEM: CONTROLE , SEGURANÇA E COMANDO.
• >SEU MAL FUNCIONAMENTO PODE COMPROMETER O TRANSFORMADOR E ATÉ MESMO PROVOCAR SUA
DESTRUIÇÃO.
• >COMUTADOR
• >BUCHA
• >RELÉ DE GÁS , OU RELÉ BUCHOLZ
• >VÁLVULA DE ALIVIO
• >INDICADOR DE NIVEL
• >TANQUE DE EXPANSÃO
• >RADIADORES / VENTILADORES
• >SECADOR DE AR
• >TC BUCHA
• >INDICADOR DE TEMPERATURA
• >CENTRAL DE MANOBRA
TRANSFORMADOR
Desenho para orçamento
TRANSFORMADOR
Projeto Externo - Modelo
TRANSFORMADOR
Acessórios - DETC
• COMUTADOR SEM CARGA (DETC)
• >MUDA AS POSIÇÕES DAS LIGAÇÕES DOS ENROLAMENTOS
AUMENTANDO OU DIMINUINDO A TENSÃO COM O TRANSFORMADOR
DESLIGADO.
TRANSFORMADOR
Acessórios - OLTC
• COMUTADOR SOB CARGA (OLTC)
• >MUDA AS POSIÇÕES DAS LIGAÇÕES DOS
ENROLAMENTOS AUMENTANDO OU
DIMINUINDO A TENSÃO COM O
TRANSFORMADOR EM FUNCIONAMENTO
TRANSFORMADOR
Acessórios - OLTC
• UC/ UB
• Montado dentro do tanque do transformador
TRANSFORMADOR
Acessórios - OLTC
• UZ
• Montado fora do tanque do transformador
TRANSFORMADOR
Acessórios
• BUCHA
• Traz a alta tensão e corrente da linha de energia para a parte ativa do
transformador.

• RIP
TRANSFORMADOR
Acessórios
• RELÉ DE GAZ , OU RELÉ BUCHHOLZ
• PROTEGE O TRANSFORMADOR CONTRA DEFEITOS GERADORES DE GASES COMO:
• >DESCARGAS INTERNAS PROVOCADAS POR ISOLAÇÃO DEFEITUOSA DA BOBINAS;
• >ATERRAMENTO COM MAL CONTATO NAS PARTES METÁLICAS DO NÚCLEO,GRAMPOS ETC;
• ACIONA POR VARIAÇÃO BRUSCA DE VOLUME DE ÓLEO;
• FUNCIONAMENTO: SE DÁ ATRAVÉS DO ACÚMULO DE GÁS EM UMA CÂMARA QUE PROVOCA O
ACIONAMENTO DE UMA BÓIA FECHANDO OS CONTATOS DE ALARME E/OU DESLIGAMENTO.
TRANSFORMADOR
Acessórios
• VÁLVULA DE ALÍVIO
• PROTEGE O TRANSFORMADOR DE DEFORMAÇÕES , RUPTURAS DE SOLDAS OU
ATÉ MESMO SUA EXPLOSÃO.
• > TEM UM MECANISMO COM MOLA CALIBRADA PARA SUPORTAR 0,7 KG/cm2.
• FUNCIONAMENTO: SE DÁ QUANDO OCORRE UMA SÚBITA VARIAÇÃO DE PRESSÃO
NO INTERIOR DO TANQUE, JOGANDO O ÓLEO PARA FORA.
TRANSFORMADOR
Acessórios
• INDICADOR DE NÍVEL DE ÓLEO
• INDICA COM PRECISÃO O NÍVEL DE ÓLEO NO TANQUE DO TRANSFORMADOR E/OU COMUTADOR SOB CARGA.
• >NORMALMENTE POSSUI TRÊS POSIÇÕES:
• >MÍNIMO = NÍVEL DE ÓLEO MÍNIMO.
• >25 °C = NÍVEL DE ÓLEO NORMAL.
• >MÁXIMO = NÍVEL DE ÓLEO MÁXIMO.
• FUNCIONAMENTO: OCORRE QUANDO ATRAVÉS DE UMA BÓIA QUE OSCILA CONFORME VARIA O NÍVEL DE
ÓLEO DO TANQUE DE EXPANSÃO.
TRANSFORMADOR
Acessórios
• TANQUE DE EXPANSÃO
• >ABSORVE A VARIAÇÃO DE VOLUME DE ÓLEO NO
TRANSFOMADOR
• >GARANTE O NÍVEL DE ÓLEO ATÉ A PARTE MAIS
ALTA DO TRANSFORMADOR.
TRANSFORMADOR
Acessórios

TIPO SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO OFAF


TIPO SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO ONAN / ONAF
TRANSFORMADOR
Acessórios
• TCB TRANSFORMADOR DE CORRENTE TIPO BUCHA
• TRANSFORMA A ALTA CORRENTE QUE PASSA NAS BUCHAS PARA CORRENTES
QUE POSSAM SER LIDAS PELOS ACESSÓRIOS DE MEDIÇÃO E PROTEÇÃO
TRANSFORMADOR
Acessórios
• SECADOR DE AR
• GARANTE QUE O AR QUE ENTRA NO TANQUE DE EXPANSÃO SEJA ISENTO DE
UMIDADE E IMPUREZAS;
• O MATERIAL SECANTE É SILICA GEL
TRANSFORMADOR
Acessórios

TERMÔMETRO E
MONITOR DE
INDICADOR DE
TEMPERATURA TEMPERATURA
APARELHOS ANÁLOGICOS QUE APARELHO DIGITAL QUE
MEDEM DIRETAMENTE O
ÓLEO E INDIRETAMENTE A MEDE
TEMPERATURA. DIRETAMENTE O ÓLEO E
INDIRETAMENTE A
TEMPERATURA.
TRANSFORMADOR
Acessórios
• CENTRAL DE MANOBRA
• centraliza todas as informações dos equipamentos auxiliares do transformador e comandos elétricos
dos motoventiladores, comutador, paralelismo e monitoramento

• Disjuntor Motor
• Contator de Força para Motor
• Monitor de temperatura
• Relés auxiliares
• Disjuntores termomagnético
• Transformadores auxiliares
• Bornes de interligação
• Relés temporizados
• Contatores auxiliares
TRANSFORMADOR
Gaxetas

• Borracha Nitrílica

• Fluor-Silicone

• Viton

• Cortiça

• Tealon
TRANSFORMADOR
Ensaio
• Por que Ensaiar Transformadores?
• Para confirmar que o transformador satisfaz as especificações do cliente,
segundo as normas e os limites garantidos com relação ao cálculo,
projeto e fabricação;
• Teste adequados irão provar que o transformador pode lidar com
condições normais e anormais que irão ocorrer durante o uso;
• Temperaturas não podem exceder limites especificados e normalizados
durante operação normal;
• Os valores de perdas não podem exceder os valores de perda
especificado pelo cliente;
• Transformadores têm que suportar stress dielétrico das redes;
• Transformadores têm que suportar correntes de curto-circuito devido a
falhas nas redes e terminais.
• Testes são fatores de custos. É essencial para o cliente especificar
claramente no contrato!!!
TRANSFORMADOR
Ensaio
• Ensaio de Transformadores:
• Os ensaios de rotinas são realizados em todos os
transformadores.
• Os ensaios tipo são realizados normalmente em uma só
unidade no caso de inúmeras unidades, para verificação do
projeto.
• Os ensaios especiais são realizados quando o cliente solicitar.
• Todos os transformadores são ensaiados de acordo com a
necessidade de cliente e com normas ABNT/NBR 5356, IEC
60076, 60146, 60358 ou ANSI/IEEE C57
• e etc.
TRANSFORMADOR
Ensaios conforme NBR 5356-1:2007

• Ensaios de Rotina
• Resistência do enrolamento;
• Relação, polaridade, deslocamento angular e sequência de fase;
• Impedância de Curto-Circuito e perdas em carga;
• Perdas em vazio e corrente de excitação;
• Ensaios dielétricos de rotina (conforme NBR 5356-3);
• Teste de OLTC-comutador quando necessário;
• Medição da resistência de isolamento;
• Estanqueidade e resistência à pressão;
• Verificação do funcionamento dos acessórios; • Ensaios de Tipo

• Elevação da temperatura;
• Ensaios de óleo isolante; • Ensaios de dielétrico tipo

• Verificação da espessura e aderência da pintura. (conforme NBR 5356-3).


TRANSFORMADOR
Ensaios conforme NBR 5356-1:2007
• Ensaios Especiais em Transformadores:
• Ensaios dielétrico Especial (conforme NBR 5356-3);
• Medição de Capacitâncias enrolamento-terra e entre enrolamentos.
• Medição das características da tensão transitória transferida;
• Medição de Impedância de Seqüência Zero em transformadores trifásicos;
• Ensaio de suportabilidade a Curto-Circuito (NBR 5356-5);
• Determinação de nível de ruído (NBR 7277);
• Medição de harmônicas da corrente de excitação;
• Medição de potência absorvida pelos motores das bombas de óleo e ventiladores;
• Medição do fator de dissipação da isolação (tg delta);
• Análise cromatográfica do gás isolante
• Vácuo interno
• Ensaio para verificação do esquema de pintura;
• Nível de tensão de radiointerferência;
• Medição de resposta em freqüência e impedância terminal;
• Ensaio de grau de polimerização do papel;
• Medição do ponto de orvalho;
• Levantamento da curva de saturação e medição da reatância do núcleo em ar do enrolamento;
TRANSFORMADOR
Ensaios
• Norma NBR 5356-3 2007 – Ensaios Dielétricos
TRANSFORMADOR
Ensaios
TRANSFORMADOR
Óleo
• Histórico
•1886. Primeiro Transformador.
•1930. Início do uso de óleo mineral
•1960. Utilização de óleo mineral se torna comum, porque foi verificado que:
TRANSFORMADOR
Óleo
TRANSFORMADOR
Óleo
TRANSFORMADOR
Óleo
• Função do óleo

• Refrigerante (Viscosidade - Custos); Isolante

(Rigidez Dielétrica); Proteger a isolação sólida.


TRANSFORMADOR
Óleo
• Testes e controles realizados ASTM D 3487
• •Físicos
•Ponto de anilina, Cor, Ponto de combustão, Tensão
interfacial, Ponto de fluidez, Peso específico, Viscosidade,
Inspeção visual.
• •Tensão interfacial (ASTM D 971)
TRANSFORMADOR
Óleo

• Testes e controles realizados ASTM D 3487


• •Elétricos
• Rigidez dielétrica, Fator de potência,
Tendência absorver gases.

• •Rigidez dielétrica ASTM D 877 e VDE 0370


TRANSFORMADOR
Óleo
• Testes e controles realizados ASTM D 3487
• •Químicos
• Estabilidade a oxidação, Teor de Inibidor, Enxofre corrosivo,
Teor de Agua, Numero de neutralização, Teor de PCB´s
(Ascarel).

• Quantidade de umidade ASTM D 1533.


TRANSFORMADOR
Óleo
• •Diagnóstico
• Gases combustíveis diluídos, furanos.
TRANSFORMADOR
Óleo
• Óleo novo X Óleo usado

Óleo usado
•Rigidez Dielec.
•Fator de potência
•Quantidade de
umidade
•Cor
•Número Neutralização
•Tensão interfacial
Óleo novo

Óleo usado
TRANSFORMADOR
Óleo
• Estimativa de Vida:
• – Com o uso do transformador o calor, a água Oxigênio e produtos liberados do óleo agem sobre o papel
rompendo a cadeia da celulose

• – Onde analisando-se os gases Furanos existente no óleo ou a quanlidade da isolação existente do


transformador (grau de polimirização)
TRANSFORMADOR
Óleo
• Grau de Polimirização:
• – este ensaio preve uma estimativa de vida de um transformador, é feito colhendo-se amostras de
material isolante (preferencialmente do papel do enrolamento)
TRANSFORMADOR
Óleo
• Gases Furano (2FAL):
– Este ensaio preve uma estimativa de vida de um transformador, é feito colhendo-se amostras de
material isolante (preferencialmente do papel do enrolamento)

• Enxofre corrosivo
– Todo óleo isolante possui em sua composição Enxofre, sendo esse elemento o responsável por
sua estabilidade.

• – Porém dependendo de sua localização no radical essa ligação é fraca fazendo com que seja
facilmente rompida, liberando-o dessa forma para que possa reagir quimicamente com o cobre.
TRANSFORMADOR
Óleo
• Com a liberação o Enxofre e na ausência de Oxigênio o Cobre do Enrolamento reagira com esse Enxofre formando o
Sulfeto de Cobre (Cu2S), e como fica aderido ao condutor do enrolamento teremos conseqüentemente a redução da
rigidez dielétrica do papel (iniciando pela primeira camada) causando assim curto circuito entre espiras

S + Cu + O2 Cu2S
Ausência O2
CuSO4
Presença O2 Cu2SO3

Rigidez dielétrica da 1ª camada de papel junto ao cobre: 20 vezes menor


TRANSFORMADOR
Óleo
• Exemplo de Falha
TRANSFORMADOR
Óleo
• Maior probabilidade de ocorrência

•Transformadores selados (baixo teor de O2)


•Altas Temperaturas de operação (> 80 - C)

• Menor probabilidade de ocorrência

•Transformadores abertos (alto teor O2)


•Enrolamento / Fio cobre: Envernizado
•Menor Temperatura = Menor risco
TRANSFORMADOR
Óleo
• Gabarito de corres para análise do se o cobre esta sendo atacado ou não pelo Enxofre
TRANSFORMADOR
Óleo
• Caso o enxofre corrosivo já iniciou o ataque ao cobre do enrolamento não é possível eliminar o Cu2S
produzido, porém é possível parar esse ataque com a colocação de aditivo ou passivador no óleo, assim
o enxofre liberado reagira com esse aditivo e parando de reagir com o cobre
TRANSFORMADOR
Óleo

•DBDS ou DIBENZIL DISSULFETO


•É obtido por reação do Cloreto de Benzila com Disulfeto de Sódio Esse

composto é:
• Antioxidante (substância que previne a oxidação, ou inibe reações causadas por oxigênio
ou peróxidos)

• Estabilizador de frações de petróleo

• Porém o seu radical é altamente corrosivo, atacando o cobre do enrolamento


REATORES

• Definição;
• Aplicações;
• Projeto;

• Ensaios.
REATORES
Definição
• Reator de Potência – Definição NBR 5119
• Equipamento elétrico destinado a introduzir impedância num sistema de

potência, sendo a sua principal componente a reatância indutiva;


REATORES
Aplicações
• Tipos de Reatores
• Derivação ou Shunt - destinado a ser ligado entre fases, ou entre fase e neutro ou entre fase e terra, num
sistema de potência, normalmente para compensação da corrente capacitiva do sistema;
• Série - Reator destinado a ser ligado em série num sistema de potência, seja para limitação da corrente nos
casos de falta no sistema, seja para distribuição de carga em circuitos paralelos;
• Reator de Aterramento de Neutro - Reator monofásico destinado a ser ligado entre o neutro de um equipamento
elétrico e a terra, para limitar as correntes de falta para a terra;
• Reator de Supressão de Arco - Reator de aterramento de neutro projetado para compensar a corrente capacitiva
durante uma falta para a terra;
• Reator trifásico de aterramento - Reator de características adequadas para constituir um neutro artificial, num
sistema trifásico sem neutro.

Controla tensão

Controla corrente
REATORES
Exemplos
• Monofásico
• 65 MVAr, 145 kV
REATORES
Exemplos

• Trifásico, 50 Mvar,
• 145 kV
• Refrigeração : ONAN Perdas: 105 kW
• Nível de Ruído: 70 dB Massa Total: 102 ton
REATORES
Shunt
• Para longas linhas de transmissão de alta tensão ou por sistemas de cabos muito
grandes
• Reatores Shunt consomem potência reativa gerada pela baixa carga
nas linhas de transmissão.
• Sem reator a tensão aumentará,com reator a tensão estabilizada será
alcançada.

• A alternativa mais compacta e econômina para absorver potência reativa


- Perdas
- Custo de Instalação
Reator Shunt
Fatores que influenciam na tensão
• Carregamento
• Carregamento Alto/Baixo

• Fator de Potência

• Dispositivos de Regulação de tensão


• Gerador Síncrono

• Transformador Regulador (TAP)

• Fonte ou Sumidouros de Potência Reativa

• Reatores de Derivação

• Capacitores de Derivação

• Condensadores Síncronos

• Compensadores Estáticos de Var (SVC)

• Capacitores Série
REATOR SHUNT
Projeto
• O Conceito do Núcleo com Entreferro
Vantagem dos Projetos ABB:

• Alta Confiabilidade
• Baixas Perdas, < 0,2%

• Utilização eficiente dos materiais

• Baixa vibração e ruído

• Manutenção Mínima

• Longa vida útil


REATOR SHUNT
Projeto
• Rigido Entreferro no núcleo para baixo nível de ruído
• 1. Chapas de aço silício de grão orientado sem flexibilidade
• 2. Espaçadores de Esteatite Rígido e bem delimitadas
• 3. Espaçadores são usinados exatamente da mesma altura
• Precisão do Processo Artesanal Garante:
• Pequeno movimento axial
• Baixa vibração & ruido
REATOR SHUNT
Projeto
• A perna do núcleo deve estar rígida para resistir forças
pulsantes e prevenir vibrações.

• Baixo Nível de Ruído;


• Baixa Vibração;
• Longa Vida Útil;
REATOR SHUNT
Projeto
REATOR SHUNT
Fontes de Ruído

Estrutura do Entreferro do Enrolamentos


Núcleo Núcleo
REATOR SHUNT
Ensaios
• Basicamente os mesmos ensaios feitos em
transformadores são utilizados em reatores
• Exceção: medição de relação de tensão
• Adicional: ensaio de vibração