Você está na página 1de 10

DO DIREITO DAS

OBRIGAÇÕES
Direito Civil II - Prof. Mayara Moreira Magalhães
O que é Direito das Obrigações?
“Conjunto de normas (regras e princípios jurídicos) reguladoras das relações
patrimoniais entre um credor (sujeito ativo) e um devedor (sujeito passivo) a quem
incumbe o dever de cumprir, espontânea ou coativamente, uma prestação de dar, fazer
ou não fazer”. (GAGLIANO, Pablo Stolze)

“Relação jurídica transitória, estabelecendo vínculos jurídicos entre duas diferentes


partes (denominadas credor e devedor, respectivamente) cujo objeto é uma prestação
pessoal, positiva ou negativa, garantindo o cumprimento, sob pena de coerção judicial” .
(ROSENVALD, Nelson)

“A obrigação é o vínculo jurídico que confere ao credor (sujeito ativo) o direito de exigir
do devedor (sujeito passivo) o cumprimento de determinada prestação. Corresponde a
uma relação de natureza pessoal, de crédito e débito, de caráter transitório (extingue-se
pelo cumprimento), cujo objeto consiste numa prestação economicamente aferível”
(GONÇALVES, Carlos Roberto).
Evolução Histórica

 Direito Romano – Obrigações: relações


baseadas em vínculos jurídicos que compelem
pessoas a efetuar determinada prestação.
 Lex Poetelia Papiria (428 a.C.)
 Corpus Iuris Civilis (534 d.C.)
 Código Napoleônico de 1804
Dívida de alimentos – preservar a vida e a
dignidade da pessoa humana.
Características principais do
Direito das Obrigações
a) Caráter transeunte;
b) Relativo;
c) Determinabilidade dos sujeitos;
d) Vínculo jurídico entre as partes;
e) Caráter patrimonial;
f) Exercício da autonomia privada;
g) Prestação positiva ou negativa
Caráter dinâmico na relação obrigacional

Princípio da dignidade da pessoa humana – relação de

cooperação

 Relações de consumo
Elementos Constitutivos da
Obrigação
1. Subjetivo (pessoal) – Sujeitos (ou partes ou duplo sujeito)
da obrigação;
a) Sujeito ativo/pólo ativo (credor)

b) Sujeito passivo/ pólo passivo (devedor)

2. Objetivo/objeto(material) - Prestação
 Teoria Monista/Unitária (Savigny) – teoria superada;

 Teoria Dualista/Binária (Alois Brinz) – teoria atual:

Schuld (débito) e Haftung (reponsabilidade) – Recai


sucessivamente sobre a mesma pessoa (obrigação
civil/perfeita).
- Processo ou vias extrajudiciais (protesto ou a
arbitragem)
Situações Especiais na Teoria
Dualista
1. Existência de dívida/débito sem responsabilidade – a
relação obrigacional constituiu-se validamente no plano
material, mas a pretensão do credor poderá ser repelida
pelo devedor;
2. Presença de dívida sem responsabilidade própria/
responsabilidade sem débito – o dever jurídico e a
responsabilidade incidem sobre a mesma pessoa, recaindo
a garantia sobre aquele que se encontra em situação
jurídica passiva, por haver assumido e, posteriormente,
descumprido a obrigação;
3. Responsabilidade sem dívida atual – responsabilidade do
devedor efetivada em momento anterior a exigibilidade do
débito
3. Vínculo Jurídico (imaterial)- é a essência abstrata
da obrigação que liga o credor e o devedor.
Abrange o DEVER da pessoa obrigada (debitum) e
sua RESPONSABILIDADE em caso de não
cumprimento (obligatio).

 Dever de prestar Binômio: essência da obrigação


 Direito de exigir
Requisitos do Objeto
 Deve ser lícito;
 Deve ser possível: Materialmente
possível
Juridicamente
possível
 Determinável ou determinada;
 Economicamente apreciável;
Fontes das Obrigações
 É o fato gerador. É o pressuposto necessário para a existência do vínculo.
 Romanos (4 fontes):
a) Contrato – convenções e avenças firmadas entre duas partes;
b) Quase contrato – situações jurídicas assemelhadas as contratos, atos
humanos lícitos equiparáveis aos contratos (ex: gestão de negócios)
c) Delito – ilícito dolosamente cometido, causador de prejuízo para outrem;
d) Quase delito – ilícitos em que o agente atuou culposamente, por meio de
comportamento carregado de negligência, imprudência ou imperícia.
 Direito Brasileiro:
a) Fonte imediata (direita) – lei : “Ninguém é obrigado a fazer ou deixar de
fazer, senão em virtude de lei”.
b) Fontes mediatas (indiretas):
Ato jurídico negocial (o contrato, o testamento, as declarações

unilaterais de vontade)
Ato jurídico não negocial ( ato jurídico stricto sensu, os fatos materiais –

situação fática de vizinhança)


c) Atos ilícitos (abuso de direito e o enriquecimento ilícito)