Você está na página 1de 8

Nordeste

Professor: Diogo Souza


Alunos: Gabriel Bispo
Gustavo Nery
Henrique Dionísio
Hermenegildo Gabriel
Tiago Ferreira
Formas de falar e sotaques
 O português é uma língua românica
derivada do latim. Originou-se onde hoje
estão o norte de Portugal e a Galiza.
Começou a se espalhar por outras terras
durante as Grandes Navegações e hoje é a
quinta língua mais falada no mundo.
 No Brasil, o português foi implantado
primeiramente no nordeste, pois foi onde
Pedro Álvares Cabral aportou. O sotaque
nordestino se originou dessa influência
portuguesa, juntamente com uma
influência francesa depois de alguns anos.
Variantes
 Subdialeto do Interior Nordestino: É a forma típica do dialeto nordestino, falada
propriamente no interior da maioria do estados da região, caracterizada por não
apresentar palatalização nas consoantes /d/ e /t/ antes da vogal /i/ e da semivogal
/j/ (mesmo em sílabas finais "de" e "te") e também a mais difundida pelos meios de
comunicação quando se trata do Nordeste. Falado nas regiões Agreste e Sertão,
possui expressões bem típicas em cada estado.
 Subdialeto da Zona da Mata: Ocorre, como o nome mesmo sugere, na região
da Zona da Mata, em estados que possuem essa região. Muito parecido com o
dialeto interiorano, porém sofre influências dos dialetos de outras regiões do Brasil,
e até mesmo de outras variantes dialetais nordestinas. É conhecido pela maneira de
falar "mais rápida" que a do interior, além de expressões não existentes no dialeto
interiorano.
 subdialeto do Meio-Norte: Fala já bastante influenciada pelos
dialetos nortista e costa norte, havendo um meio-termo entre a palatalização de
fricativas, que pode ser mais fraca ou mais intensa, dependendo da proximidade dos
estados que falam essa variante com outras regiões, podendo até não haver
nenhuma palatalização de fricativas.
As principais variantes dialetais em
que se subdivide o dialeto nordestino

Meio norte

Sertão

Agreste

Zona da mata
Fonética
 O sotaque do nordeste apresenta os fonemas /t, d/ palatalizados quando
estão antes da vogal palatal alta /i/ ou depois da semivogal palatal alta /j/.
O fonema /R/ é forte e aspirado e, por fim, o /s/ soa como /x/.
 Além disso, o nordeste apresenta diversas gírias, muitas chegaram a outros
estados do Brasil. Veja, abaixo, algumas dessas expressões:
 Aturar: Suportar
 Zuada: Barulho
 Beber fumo: Fumar
 Ó Xente: Espanto
 Ixi Maria: Espanto
10 frases usadas no Nordeste
Asa Branca

Luiz Gonzaga Hoje longe, muitas léguas


Numa triste solidão
Quando olhei a terra ardendo Espero a chuva cair de novo
Qual fogueira de São João Pra mim voltar pro meu sertão
Eu perguntei a Deus do céu, ai Espero a chuva cair de novo
Por que tamanha judiação Pra mim voltar pro meu sertão
Eu perguntei a Deus do céu, ai Quando o verde dos teus olhos
Por que tamanha judiação Se espalhar na plantação
Que braseiro, que fornalha Eu te asseguro não chore não, viu
Nem um pé de plantação Que eu voltarei, viu
Por falta d'água perdi meu gado Meu coração
Morreu de sede meu alazão Eu te asseguro não chore não, viu
Por farta d'água perdi meu gado Que eu voltarei, viu
Morreu de sede meu alazão Meu coração
Até mesmo a asa branca
Bateu asas do sertão
Entonce eu disse, adeus Rosinha
Guarda contigo meu coração
Entoce eu disse, adeus Rosinha
Guarda contigo meu coração
Comida típica do Nordeste
 Ingredientes - Bolo Cremoso Modo de Preparo - Bolo Cremoso de Milho
de Milho Bata bastante todos os ingredientes no liquidificador. Depois
acrescente coco ralado, fermento e misture. Coloque para assar.
 1 lata de milho verde com
Coloque na forma redonda com buraco e na quadrada. A forma
água e tudo
deverá ser untada e enfarinhada.
 1/2 lata da mesma de óleo O tempo de preparo na redonda é mais rápido, mas a receita fica
 1 lata da mesma de açúcar menor. Para aumentar, faça com o dobro dos ingredientes.
O bolo fica parecendo pamonha, bem cremoso, uma delicia!
 1/2 lata da mesma de fubá Leve ao forno preaquecido a 180ºC por, aproximadamente, 40
 4 ovos minutos.
 2 colheres bem cheias de
farinha de trigo
 2 colheres de coco ralado
 1 colher e 1/2 de chá bem
cheia de fermento em pó