Você está na página 1de 8

Ficha

formativa

Soluções
Ficha formativa
Soluções

Grupo I
A

1. A personagem principal, Batola, é um homem preguiçoso, entediado, invadido pela inércia. Por
vezes, sente-se irado, enraivecido com a mulher, embriaga-se e acaba por mostrar a sua revolta. Nos
momentos em que está calmo, é «solitário», estando em total sintonia com o espaço circundante,
onde nada de novo se passa («tem de olhar todos os dias o mesmo», ll. 25-26) e tudo parece distante
e solitário («Oh, que despropósito de plainos sem fim, todos de roda da aldeia, e desertos!», ll. 29-
30).

2. Batola recorda o velho Rata porque se sente profundamente solitário, sem ninguém que lhe faça
companhia: «os homens […] vão direito a casa e daí a pouco toda a aldeia dorme» (ll. 11-12). Quando
o velho Rata era vivo e ainda podia viajar fazia companhia ao Batola, que gostava de ouvir as
histórias que o mendigo contava «durante tardes inteiras», (l. 15). O velho Rata preenchia a solidão
de Batola.
Ficha formativa
Soluções

Grupo I
A

3.1 Os recursos expressivos presentes na expressão são a gradação e a hipérbole, através das quais
se pretende revelar a forma como o Batola vai contendo a raiva, guardando-a para si, de tal modo
que, quando a liberta, parece que a acumulou durante anos, exteriorizando-a de forma violenta.

Grupo I
B
4. As causas que conduziram a um estado de espírito de extremo cansaço são várias. As sensações
exacerbadas e as «sensações inúteis»; «As paixões violentas por coisa nenhuma»; «Os amores
intensos por o suposto em alguém»; a incapacidade para abarcar sensorialmente tudo de todas as
maneiras, levando à frustração; o querer tudo de todas as formas levam-no ao estado de exaustão
primordial, de um «Cansaço assim mesmo, ele mesmo, / Cansaço».
Ficha formativa
Soluções

Grupo I
B

5. Na terceira estrofe, e em tom irónico, o eu lírico demarca-se dos «três tipos de idealistas», não se
identificando com quem «am[a] o infinito», nem com quem «desej[a] o impossível, nem mesmo com
quem «não [quer] nada». São idealistas porque ambicionam o «infinito», o «impossível» ou o
«nada». O sujeito poético, apesar de se ficar pelo «finito» e pelo «possível», transpõe para um plano
utópico (irreal) as suas ações: amar «infinitamente»; desejar «impossivelmente» e querer «tudo».
Esta exacerbação (e consequente deceção inevitável extenuam-no («Para mim só um grande, um
profundo, / E, ah com que felicidade infecundo, cansaço», vv. 26-27).
Ficha formativa
Soluções

Grupo II

1.1. [A]

1.2. [B]

1.3. [A]

1.4. [C]

1.5. [C]

1.6. [D]

1.7. [C]

2. Oração subordinada adjetiva relativa restritiva.

3. Modalidade epistémica – valor de certeza.


Ficha formativa
Soluções

Grupo III
Sugestão de tópicos:

• Face ao tempo gasto nas atividades diárias, quanto tempo dedicam os jovens ao sono e ao

descanso?;

• Consequências para a vida familiar (as pessoas quase não se encontram e não

comunicam);

• Consequências para a vida escolar (os jovens ficam com pouco tempo livre para dedicar ao

estudo);

• Consequências para a saúde (a falta de descanso e as poucas horas de sono originam

problemas de saúde: nervosismo, irritabilidade, dificuldade de concentração;


Ficha formativa
Soluções

Grupo III

Sugestão de tópicos (continuação):

• Consequências para o ego (a autoestima diminui porque os jovens sentem que não são

capazes de fazer tudo aquilo que a sociedade espera delas);

• De que forma a sociedade pressiona os jovens a terem este comportamento?;

• O que podem os jovens fazer para alterar esta situação?;

• Argumentos e exemplos ilustrativos das situações apresentadas.


Ficha formativa
Soluções

GRUPO I GRUPO II GRUPO III


A
1.1 …. 5 pontos 50 pontos
1 ..... 20 pontos 1.2 …. 5 pontos
2 ..... 20 pontos 1.3 …. 5 pontos
1.4 …. 5 pontos
3 ..... 20 pontos
1.5 …. 5 pontos
B 1.6 …. 5 pontos
4 ….. 20 pontos 1.7 …. 5 pontos
2.1 …. 5 pontos
5 ….. 20 pontos
2.2 …. 5 pontos
2.3 …. 5 pontos
= 100 pontos
= 50 pontos

Você também pode gostar