Você está na página 1de 92

Teoria da Pena

Prof. Raquel Tiveron


Pena de morte
 CONSTITUIÇÃO FEDERAL
 Art. 5º, XLVII - não haverá penas:
 a) de morte, salvo em caso de
guerra declarada, nos termos do
art. 84, XIX;

 CÓDIGO PENAL MILITAR


    Pena de morte
         Art. 56. A pena de morte é
executada por fuzilamento.
Código Penal Militar
        Traição
        Art. 355. Tomar o nacional armas
contra o Brasil ou Estado aliado, ou
prestar serviço nas fôrças armadas de
nação em guerra contra o Brasil:
        Pena - morte, grau máximo; reclusão,
de vinte anos, grau mínimo.
Código Penal Militar
Informação ou auxílio ao inimigo
        Art. 359. Prestar o nacional ao inimigo
informação ou auxílio que lhe possa
facilitar a ação militar:
        Pena - morte, grau máximo; reclusão,
de vinte anos, grau mínimo.
Código Penal Militar
        Ato prejudicial à eficiência da tropa
        Art. 361. Provocar o nacional, em
presença do inimigo, a debandada de tropa,
ou guarnição, impedir a reunião de uma ou
outra ou causar alarme, com o fim de nelas
produzir confusão, desalento ou desordem:
        Pena - morte, grau máximo; reclusão, de
vinte 
“Vigiar e Punir”, de Michel Foucault
Cesare Beccaria x penas corpóreas
2018 Banca: FCC Órgão: DPE-AM
Prova: Defensor Público
Michel Foucault, na obra Vigiar e punir, discute três formas
punitivas históricas e relaciona, cada uma dessas formas
punitivas, a uma determinada “economia de poder”. As
formas punitivas estudadas pelo filósofo, segundo a ordem
cronológica de sua efetivação na história do direito penal
ocidental, a partir do século XVII até o século XX, são,
respectivamente,
a) penas físicas – penas proporcionais aos crimes – prisão.
b) multa – penas pecuniárias – açoite.
c) prisão – multa – prestação de serviços comunitários.
d) penas proporcionais aos crimes – multa – prisão.
e) prisão – prestação de serviços comunitários – suplícios.
-> Em um primeiro momento, as penas eram desproporcionais, ferozes,
corporais, marcadas por esquartejamento, amputação de membros, marcas
simbólicas no rosto, exposição do condenado em praças. Representavam
pura vingança através de espetáculos do horror. 
 -> No decorrer do século XVIII, inicia-se uma limitação dos castigos,
representada pela "lei de talião" (olho por olho, dente por dente), em que a
pena deveria retribuir exatamente o mal provocado pelo crime, de maneira
proporcional, portanto (Surgem as Teorias Retributivas - HEGEL definiu
crime como negação do direito e pena como negação do crime, portanto,
como reafirmação do direito).
 -> No século XIX, o "mal estar" provocado pelas penas corporais passa a ser
substituído pela "violência da alma", em que a Justiça passa a ser pública
(não mais assume a violência que produz) e há consolidação das penas de
privação de liberdade (prisões), com intensa vigilância estatal. Aqui surgem
as teorias da prevenção (geral - destinada a todos; e especial - aos que
delinquem). Ocorrem dois processos dirigidos aos apenados: por um lado,
há a prevenção especial negativa, com a neutralização (inocuização); por
outro a positiva, com a correção (ressocialização) - funções declaradas da
pena.
2018 Banca: FCC Órgão: DPE-AM
Prova: Defensor Público
Michel Foucault, na obra Vigiar e punir, discute três formas
punitivas históricas e relaciona, cada uma dessas formas
punitivas, a uma determinada “economia de poder”. As
formas punitivas estudadas pelo filósofo, segundo a ordem
cronológica de sua efetivação na história do direito penal
ocidental, a partir do século XVII até o século XX, são,
respectivamente,
a) penas físicas – penas proporcionais aos crimes – prisão.

b) multa – penas pecuniárias – açoite.


c) prisão – multa – prestação de serviços comunitários.
d) penas proporcionais aos crimes – multa – prisão.
e) prisão – prestação de serviços comunitários – suplícios.
2018 Banca: IBADE Órgão: SEPLAG-SE
Prova: Guarda de Segurança do Sistema
Prisional
São permitidas no ordenamento jurídico
brasileiro as penas:
a) cruéis.
b) de privação ou restrição da liberdade.
c) de trabalhos forçados.
d) de caráter perpétuo.
e) de banimento.
2018 Banca: IBADE Órgão: SEPLAG-SE
Prova: Guarda de Segurança do Sistema
Prisional
São permitidas no ordenamento jurídico
brasileiro as penas:
a) cruéis.
b) de privação ou restrição da liberdade.
c) de trabalhos forçados.
d) de caráter perpétuo.
e) de banimento.
2018 Banca: CESPE Órgão: TJ-CE
Prova: Juiz Substituto
( ) O princípio da humanidade assegura o
respeito à integridade física e moral do
preso na medida em que motiva a
vedação constitucional de pena de morte
e de prisão perpétua.
2018 Banca: CESPE Órgão: TJ-CE
Prova: Juiz Substituto
(CERTO) O princípio da humanidade
assegura o respeito à integridade física e
moral do preso na medida em que motiva
a vedação constitucional de pena de
morte e de prisão perpétua.
2017 Banca: CESPE Órgão: TRE-TO
Prova:
Analista Judiciário - Área Judiciária
( ) São princípios constitucionais aplicáveis
à pena a personalidade ou
responsabilidade pessoal, a legalidade, a
inderrogabilidade, a proporcionalidade, a
individualização e a humanização.
Princípio da inderrogabilidade -
constatada a prática delitiva, é imperiosa a
aplicação da pena por parte do Estado.
Não há discricionariedade ou
possibilidade de derrogação no exercício
do poder de punir.
2017 Banca: CESPE Órgão: TRE-TO
Prova:
Analista Judiciário - Área Judiciária
(CERTO) São princípios constitucionais
aplicáveis à pena a personalidade ou
responsabilidade pessoal, a legalidade, a
inderrogabilidade, a proporcionalidade, a
individualização e a humanização.
Finalidades da pena
 Reprovação

 prevenção
Código Penal
 Art. 59 - O juiz, atendendo à culpabilidade, aos
antecedentes, à conduta social, à personalidade do
agente, aos motivos, às circunstâncias e consequências
do crime, bem como ao comportamento da vítima,
estabelecerá, conforme seja necessário e suficiente
para reprovação e prevenção do crime:
         I - as penas aplicáveis dentre as cominadas;
         II - a quantidade de pena aplicável, dentro dos
limites previstos;
         III - o regime inicial de cumprimento da pena
privativa de liberdade;
         IV - a substituição da pena privativa da liberdade
aplicada, por outra espécie de pena, se cabível.
Finalidades da pena
 Reprovação = Teoria absoluta

 Prevenção = Teoria relativa


Finalidades da pena
 Teoria absoluta
 não vê um fim socialmente útil para a pena,
mas a imposição de um mal merecido ao
autor

 Teoria relativa
Teoria adotada pelo Código Penal
 Teoria mista ou unificadora
 Reprovação + Prevenção
Polifuncionalidade da sanção
penal
Retributiva
Preventiva
Mista ou unificadora
Banca: VUNESP - Órgão: PC-SP

 As teorias absolutas da pena também são


conhecidas por teorias da
 a) reeducação.
 b) restauração.
 c) retribuição.
 d) prevenção.
 e) ressocialização.
Banca: VUNESP - Órgão: PC-SP

 As teorias absolutas da pena também são


conhecidas por teorias da
 a) reeducação.
 b) restauração.
 c) retribuição.
 d) prevenção.
 e) ressocialização.
2019 Banca: Instituto Acesso Órgão: PC-ES
 Prova: 
Instituto Acesso - 2019 - PC-ES - Delegado de P
olícia
A ideia de punição é assunto base para a construção de
um sistema penal democrático. Não é à toa que, no
decorrer da história, pesquisadores, juristas,
doutrinadores, bem como a jurisprudência, trataram
das tentativas de justificação dos fins que se pretende
alcançar com a aplicação das penas em âmbito do
Direto Penal. Em observância ao Código Penal de
1940, marque a afirmativa correta em relação aos fins
atribuídos à pena, no caso brasileiro.
A De acordo com a ideia de prevenção geral que foi
construída em reação ao caso brasileiro, tal
justificativa é a adotada para aplicação da pena no
Brasil.
2019 Banca: Instituto Acesso Órgão: PC-ES
 Prova: 
Instituto Acesso - 2019 - PC-ES - Delegado de P
olícia
B De acordo com o desenvolvimento de bases estatísticas para o
direito penal, chegamos ao entendimento de aplicação da teoria
utilitarista unificada, que incorpora o modelo da civil
law e common law.
C O Código Penal de 1940, em junção com a jurisprudência, adotou
como única justificação a retribuição, tendo a pena como fim em
si mesma.
D O Código Penal de 1940 adotou a teoria mista, unificada ou
eclética, que reflete na unificação das ideias de retribuição e
prevenção como finalidade para aplicação das penas.
E De acordo com a legislação penal, a ressocialização do preso
mediante o cumprimento da pena é o único fim determinado
legalmente para a pena.
2019 Banca: Instituto Acesso Órgão: PC-ES
 Prova: 
Instituto Acesso - 2019 - PC-ES - Delegado de P
olícia
B De acordo com o desenvolvimento de bases estatísticas para o
direito penal, chegamos ao entendimento de aplicação da teoria
utilitarista unificada, que incorpora o modelo da civil
law e common law.
C O Código Penal de 1940, em junção com a jurisprudência, adotou
como única justificação a retribuição, tendo a pena como fim em
si mesma.
D O Código Penal de 1940 adotou a teoria mista, unificada ou
eclética, que reflete na unificação das ideias de retribuição e
prevenção como finalidade para aplicação das penas.
E De acordo com a legislação penal, a ressocialização do preso
mediante o cumprimento da pena é o único fim determinado
legalmente para a pena.
Finalidades da pena
 Teoria absoluta
 não vê um fim socialmente útil para a pena, mas a
imposição de um mal merecido ao autor

 Teoria relativa = prevenção


 Geral (negativa e positiva)
 Especial (negativa e positiva)
Teoria Relativa (prevenção)
 Prevenção geral
 negativa = prevenção por
intimidação, junto à sociedade,
servindo para que os demais
reflitam antes de praticar uma
infração penal.

 positiva = infundir na
consciência geral a necessidade
de respeito a certos valores,
exercitando a fidelidade ao
direito
Prevenção geral negativa
 idealizada por Paul Johann
Anselm Ritter von
Feuerbach
 teoria da coação
psicológica: criar um
contraestímulo para afastar
potenciais criminosos da
prática do crime.
 Busca intimidar os
P. J. A. R. von Feuerbach
membros da coletividade 1775 – 1833
com a gravidade e da Autor do Código Penal da Baviera
(1813)
imperatividade da pena
Críticas à prevenção geral
negativa
 Induz o terrorismo penal
 Exige a certeza da pena, o que é inviável,
diante da cifra oculta
 Não há prova de eficácia
 Parte da premissa do homem racional,
que pondera custo e benefício antes de
agir. Porém, os infratores dificilmente
fazem um cálculo da consequência
criminosa do ato antes de fazê-lo.
Críticas à prevenção geral
negativa
 Não leva em conta a confiança do delinquente
não ser descoberto
 Provém de uma visão estereotipada de que,
todos os seres humanos, se ameaçados,
deixarão de cometer delitos
 Tem sido usada do fundamento para legislar-se
penas demasiadamente desproporcionais.
 Atenta contra a dignidade da pessoa humana,
na medida em que ela converte uma pessoa a
instrumento de intimidação de outras
2015 - Banca: CESPE
Órgão: DPE-PE - Prova:
Defensor Público
 ( ) O discurso da teoria da
prevenção geral negativa é criticado
porque confunde o direito em geral e
toda a ética social com o poder
punitivo.
Prevenção geral negativa
 Fusão entre a ética social e o poder
punitivo: o Estado, ao perceber que não
consegue controlar a sociedade, utiliza-se
do Direito Penal para fazê-lo
 Busca a intimidação e reflete a pouca
maturação ética da sociedade ou
comunidade a qual é aplicada,
2015 - Banca: CESPE
Órgão: DPE-PE - Prova:
Defensor Público
 (CERTO) O discurso da teoria da
prevenção geral negativa é criticado
porque confunde o direito em geral e
toda a ética social com o poder
punitivo.
Teoria Relativa (prevenção)
 Prevenção especial
 negativa = neutralização do
agente que praticou a infração,
com a sua segregação

 positiva = fazer com que o


autor desista de praticar
futuros delitos, fazendo com
que medite sobre o crime,
sopesando suas
consequências.
Prevenção especial positiva
 Visa evitar a reincidência por meio da
correção, a reeducação e ressocialização
do condenado.

 Enfoque no ofensor e não no delito.

 Crítica: o Estado não é apto a "corrigir" os


cidadãos.
A finalidade da pena
 a moderna teoria do
delito nasce com VON
LISZT – austríaco -
1882
 Desenvolveu o
Programa de Marburgo
– A ideia do fim no
Direito Penal
A finalidade da pena
 Foi um marco na modernização do Direito
Penal com contribuições importantíssimas
para a sistematização da matéria, dando-lhe
uma complexa estrutura e admitindo a fusão
com outras disciplinas, como a criminologia
e a política criminal.
 Para Liszt, o Direito Penal deve possuir um
efeito útil
 A pena justa é a pena necessária
Ano: 2019 Banca: MPE-SC Órgão: 
MPE-SC Prova: 
MPE-SC - 2019 - MPE-SC - Promotor de J
ustiça
( ) Para- Matutina
Liszt, o fundamento da pena é
orientado às finalidades de: a)
ressocialização dos delinquentes
suscetíveis de socialização; b) intimidação
dos que não têm necessidade de
socialização e; c) neutralização dos não
suscetíveis de socialização.
Ano: 2019 Banca: MPE-SC Órgão: 
MPE-SC Prova: 
MPE-SC - 2019 - MPE-SC - Promotor de J
ustiça
(CERTO) - Matutina
Para Liszt, o fundamento da pena
é orientado às finalidades de: a)
ressocialização dos delinquentes
suscetíveis de socialização; b) intimidação
dos que não têm necessidade de
socialização e; c) neutralização dos não
suscetíveis de socialização.
 2019 Banca: FUNDEP (Gestão de Concursos)
 Órgão: DPE-MG - Defensor Público

Analise as afirmativas a seguir sobre penologia e assinale com


V as verdadeiras e com F as falsas.
( ) A característica essencial da Teoria Relativa da Pena
consiste em conceber a pena como um mal, um castigo,
como retribuição ao mal causado por meio do delito, de
modo que sua imposição estaria justificada, não como meio
para o alcance de fins futuros, mas pelo valor axiológico
intrínseco de punir o fato passado.
( ) Para a Teoria Absoluta da Pena, a pena se justifica não para
retribuir o fato delitivo cometido, mas, sim, para prevenir a
sua prática. Vale dizer, aqui a pena se impõe para que não
volte a delinquir e não pelo simples fato de ter delinquido.
 2019 Banca: FUNDEP (Gestão de Concursos)
 Órgão: DPE-MG - Defensor Público

Analise as afirmativas a seguir sobre penologia e assinale com


V as verdadeiras e com F as falsas.
(F) A característica essencial da Teoria Relativa da Pena
consiste em conceber a pena como um mal, um castigo,
como retribuição ao mal causado por meio do delito, de
modo que sua imposição estaria justificada, não como meio
para o alcance de fins futuros, mas pelo valor axiológico
intrínseco de punir o fato passado.
( ) Para a Teoria Absoluta da Pena, a pena se justifica não para
retribuir o fato delitivo cometido, mas, sim, para prevenir a
sua prática. Vale dizer, aqui a pena se impõe para que não
volte a delinquir e não pelo simples fato de ter delinquido.
 2019 Banca: FUNDEP (Gestão de Concursos)
 Órgão: DPE-MG - Defensor Público

Analise as afirmativas a seguir sobre penologia e assinale com V


as verdadeiras e com F as falsas.
(F) A característica essencial da Teoria Relativa da Pena
consiste em conceber a pena como um mal, um castigo,
como retribuição ao mal causado por meio do delito, de
modo que sua imposição estaria justificada, não como meio
para o alcance de fins futuros, mas pelo valor axiológico
intrínseco de punir o fato passado.
(F) Para a Teoria Absoluta da Pena, a pena se justifica não
para retribuir o fato delitivo cometido, mas, sim, para prevenir
a sua prática. Vale dizer, aqui a pena se impõe para que não
volte a delinquir e não pelo simples fato de ter delinquido.
( ) A prevenção geral negativa ou intimidatória assume a função
de dissuadir os possíveis delinquentes da prática de delitos
futuros por meio da ameaça de pena, ou predicando com o
exemplo do castigo eficaz; a prevenção geral positiva assume a
função de reforçar a fidelidade dos cidadãos à ordem social a
que pertencem.
( ) De acordo com a classificação sugerida por Ferrajoli, as teorias
da prevenção especial podem ser formalmente divididas em
teorias da prevenção especial positiva, dirigidas à reeducação
do delinquente, e teorias da prevenção especial negativa,
voltadas à eliminação ou neutralização do delinquente
perigoso.
( ) A prevenção geral positiva, na concepção de Feuerbach,
traduz a ideia de que a pena é, efetivamente, uma ameaça da
lei aos cidadãos para que se abstenham de cometer delitos,
quer dizer, é uma “coação psicológica” com a qual se pretende
evitar o fenômeno delitivo.
(V) A prevenção geral negativa ou intimidatória assume a função
de dissuadir os possíveis delinquentes da prática de delitos
futuros por meio da ameaça de pena, ou predicando com o
exemplo do castigo eficaz; a prevenção geral positiva assume a
função de reforçar a fidelidade dos cidadãos à ordem social a
que pertencem.
( ) De acordo com a classificação sugerida por Ferrajoli, as teorias
da prevenção especial podem ser formalmente divididas em
teorias da prevenção especial positiva, dirigidas à reeducação
do delinquente, e teorias da prevenção especial negativa,
voltadas à eliminação ou neutralização do delinquente
perigoso.
( ) A prevenção geral positiva, na concepção de Feuerbach,
traduz a ideia de que a pena é, efetivamente, uma ameaça da
lei aos cidadãos para que se abstenham de cometer delitos,
quer dizer, é uma “coação psicológica” com a qual se pretende
evitar o fenômeno delitivo.
(V) A prevenção geral negativa ou intimidatória assume a função
de dissuadir os possíveis delinquentes da prática de delitos
futuros por meio da ameaça de pena, ou predicando com o
exemplo do castigo eficaz; a prevenção geral positiva assume a
função de reforçar a fidelidade dos cidadãos à ordem social a
que pertencem.
(V) De acordo com a classificação sugerida por Ferrajoli, as
teorias da prevenção especial podem ser formalmente divididas
em teorias da prevenção especial positiva, dirigidas à
reeducação do delinquente, e teorias da prevenção especial
negativa, voltadas à eliminação ou neutralização do delinquente
perigoso.
( ) A prevenção geral positiva, na concepção de Feuerbach,
traduz a ideia de que a pena é, efetivamente, uma ameaça da
lei aos cidadãos para que se abstenham de cometer delitos,
quer dizer, é uma “coação psicológica” com a qual se pretende
evitar o fenômeno delitivo.
(V) A prevenção geral negativa ou intimidatória assume a função
de dissuadir os possíveis delinquentes da prática de delitos
futuros por meio da ameaça de pena, ou predicando com o
exemplo do castigo eficaz; a prevenção geral positiva assume a
função de reforçar a fidelidade dos cidadãos à ordem social a
que pertencem.
(V) De acordo com a classificação sugerida por Ferrajoli, as
teorias da prevenção especial podem ser formalmente divididas
em teorias da prevenção especial positiva, dirigidas à
reeducação do delinquente, e teorias da prevenção especial
negativa, voltadas à eliminação ou neutralização do delinquente
perigoso.
(F) A prevenção geral positiva, na concepção de Feuerbach,
traduz a ideia de que a pena é, efetivamente, uma ameaça da
lei aos cidadãos para que se abstenham de cometer delitos,
quer dizer, é uma “coação psicológica” com a qual se pretende
evitar o fenômeno delitivo.
 2019 Banca: FUNDEP (Gestão de Concursos)
 Órgão: DPE-MG - Defensor Público

Assinale a sequência correta.


AV V F F F
BF F V V V
CV V F F V
DF F V V F
 2019 Banca: FUNDEP (Gestão de Concursos)
 Órgão: DPE-MG - Defensor Público

Assinale a sequência correta.


AV V F F F
BF F V V V
CV V F F V
DF F V V F
2019 Banca: CESPE Órgão: TJ-DFT
 Prova: 
CESPE - 2019 - Titular de Serviços de Not
as e dea teoria
Segundo Registros - Remoção
relativa especial negativa,
Aa pena, além de infundir na consciência geral a necessidade
de respeito a determinados valores, exercita a fidelidade ao
direito e promove a integração social.
Ba reprimenda penal tem a finalidade de ressocializar o
apenado e atender a uma função social.
Ca pena deve punir o infrator, por meio de vingança do mal
causado; essa teoria não é admitida pelo ordenamento
jurídico pátrio.
Da pena possui um viés retributivo do mal praticado, e não uma
função preventiva da reprimenda.
Ea pena tem finalidade social, com aplicação de medidas
restritivas de direitos do apenado, de forma a neutralizá-lo.
2019 Banca: CESPE Órgão: TJ-DFT
 Prova: 
CESPE - 2019 - Titular de Serviços de Not
as e dea teoria
Segundo Registros - Remoção
relativa especial negativa,
Aa pena, além de infundir na consciência geral a necessidade
de respeito a determinados valores, exercita a fidelidade ao
direito e promove a integração social.
Ba reprimenda penal tem a finalidade de ressocializar o
apenado e atender a uma função social.
Ca pena deve punir o infrator, por meio de vingança do mal
causado; essa teoria não é admitida pelo ordenamento
jurídico pátrio.
Da pena possui um viés retributivo do mal praticado, e não uma
função preventiva da reprimenda.
Ea pena tem finalidade social, com aplicação de medidas
restritivas de direitos do apenado, de forma a neutralizá-
lo.
2019 Banca: CESPE Órgão: 
TJ-DFT -
Titular de Serviços de Notas e de R
egistros - Provimento
As teorias da pena buscam explicar a finalidade a ser alcançada por
meio das sanções penais. Acerca dessas teorias, assinale a opção
correta.
AA teoria da prevenção especial negativa dispõe que a pena tem viés
retributivo-preventivo, com vistas a combater a prática de crimes.
BSegundo a teoria absoluta, a pena tem a finalidade de prevenir o
delito, por meio de medidas aflitivas e ressocializadoras, de modo a
evitar o cometimento de novos crimes.
CA teoria unitária da pena define que a finalidade da pena é castigar o
indivíduo infrator, desprezando-se sua reintegração à sociedade.
DNa teoria conciliadora, a pena tem viés vingativo e visa restringir
direitos do apenado como forma de retribuir o mal injusto praticado,
promovendo a pacificação social.
EDe acordo com a teoria da prevenção geral positiva, a finalidade da
pena é levar à comunidade os valores das normas e dos bens
jurídicos tutelados pela lei penal.
2019 Banca: CESPE Órgão: 
TJ-DFT -
Titular de Serviços de Notas e de R
egistros - Provimento
As teorias da pena buscam explicar a finalidade a ser alcançada por
meio das sanções penais. Acerca dessas teorias, assinale a opção
correta.
AA teoria da prevenção especial negativa dispõe que a pena tem viés
retributivo-preventivo, com vistas a combater a prática de crimes.
BSegundo a teoria absoluta, a pena tem a finalidade de prevenir o
delito, por meio de medidas aflitivas e ressocializadoras, de modo a
evitar o cometimento de novos crimes.
CA teoria unitária da pena define que a finalidade da pena é castigar o
indivíduo infrator, desprezando-se sua reintegração à sociedade.
DNa teoria conciliadora, a pena tem viés vingativo e visa restringir
direitos do apenado como forma de retribuir o mal injusto praticado,
promovendo a pacificação social.
EDe acordo com a teoria da prevenção geral positiva, a finalidade
da pena é levar à comunidade os valores das normas e dos
bens jurídicos tutelados pela lei penal.
2015 - Banca: CESPE
Órgão: DEPEN - Prova:
Agente Penitenciário Federal - Área 3

( ) A função preventiva especial, em


razão do caráter abstrato da previsão
legal dos delitos e das penas, enfoca
o delito e não o infrator
individualmente.
2015 - Banca: CESPE
Órgão: DEPEN - Prova:
Agente Penitenciário Federal - Área 3

 (FALSO) A função preventiva


especial, em razão do caráter
abstrato da previsão legal dos delitos
e das penas, enfoca o delito e não o
infrator individualmente.
2015 - Banca: CESPE
Órgão: DEPEN - Prova:
Agente Penitenciário Federal - Áre
a3
( ) A teoria utilitarista da prevenção
especial positiva da pena está direcionada
para a coletividade, no sentido de que a
imposição e a execução da pena são
úteis, respectivamente, para intimidar e
neutralizar os criminosos.
2015 - Banca: CESPE
Órgão: DEPEN - Prova:
Agente Penitenciário Federal - Áre
a3
 (FALSO) A teoria utilitarista da prevenção
especial positiva da pena está
direcionada para a coletividade, no
sentido de que a imposição e a execução
da pena são úteis, respectivamente, para
intimidar e neutralizar os criminosos.
2016 - Banca: FCC - Órgão: DPE-BA -
Prova: Defensor Público
 “Ao nível teórico, a ideia de uma sanção jurídica é
incompatível com a criação de um mero obstáculo
mecânico ou físico, porque este não motiva o
comportamento, mas apenas o impede, o que fere o
conceito de pessoa (...) por isso, a mera neutralização
física está fora do conceito de direito, pelo menos no
nosso atual horizonte cultural. (...) A defesa social é
comum a todos os discursos legitimantes, mas se
expressa mais cruamente nessa perspectiva, porque
tem a peculiaridade de expô-la de modo mais grosseiro,
ainda que também mais coerente (...).”
 (ZAFFARONI, Eugenio Raúl; BATISTA, Nilo; ALAGIA,
Alejandro; SLOKAR, Alejandro. Direito Penal Brasileiro I.
Rio de Janeiro: Revan, 2003)
2016 - Banca: FCC - Órgão: DPE-BA -
Prova: Defensor Público
 A teoria da pena criticada na passagem acima é:
 a) agnóstica.
 b) retributiva.
 c) prevenção especial ressocializadora.
 d) prevenção geral intimidatória.
 e) prevenção especial negativa.
2016 - Banca: FCC - Órgão: DPE-BA -
Prova: Defensor Público
 A teoria da pena criticada na passagem acima é:
 a) agnóstica.
 b) retributiva.
 c) prevenção especial ressocializadora.
 d) prevenção geral intimidatória.
 e) prevenção especial negativa.
Órgão: MPE-MS
Prova: Promotor de Justiça
 Considere as assertivas abaixo,

 I. As denominadas teorias absolutas da pena


consideram que a pena se esgota na ideia de pura
retribuição, tem como fim a reação punitiva, ou seja,
responde ao mal constitutivo do delito com outro mal
que se impõe ao autor do delito. Kant, um dos seus
principais defensores, considerava que a exigência da
pena derivava da ideia de justiça.

 II. As teorias ecléticas veiculam a dúplice finalidade da


pena: presta-se tanto a reprimir o criminoso como a
prevenir a prática do crime.
Órgão: MPE-MS
Prova: Promotor de Justiça
 III. Para as teorias relativas a pena tem um fim prático e
imediato de prevenção geral ou especial do crime, não
se justificando por si mesma, mas apenas na medida em
que se cumprem os fins legitimadores do controle de
delinquência.

 IV. A teoria da prevenção especial negativa da pena


busca a segregação do criminoso, com o fim de
neutralizar a possível novação delitiva, tendo em Von
Liszt um dos seus adeptos.
Órgão: MPE-MS
Prova: Promotor de Justiça
 São corretas:
 a) Somente as assertivas I e II.
 b) Somente as assertivas I, II e III.
 c) Somente as assertivas I, III e IV.
 d) Somente as assertivas III e IV.
 e) Todas as assertivas estão corretas.
Órgão: MPE-MS
Prova: Promotor de Justiça
 São corretas:
 a) Somente as assertivas I e II.
 b) Somente as assertivas I, II e III.
 c) Somente as assertivas I, III e IV.
 d) Somente as assertivas III e IV.
 e) Todas as assertivas estão corretas.
FCC - Órgão: DPE-SP
Prova: Defensor Público
 Considere as seguintes afirmações:

 I. É com base na teoria da prevenção geral negativa que


o legislador aumenta penas na crença de conter a
criminalidade com a ajuda do Código Penal.
 II. Além de atribuir à pena privativa de liberdade a
inalcançável finalidade reeducadora, atrás das ideias
utilitárias da prevenção especial sempre há uma
confusão entre direito e moral e entre crime e pecado.
 III. A teoria retributiva parte da ideia da compensação da
culpa, do pressuposto de que a justa retribuição ao fato
cometido se dá através da individualização e
diferenciação da pena.
FCC - Órgão: DPE-SP
Prova: Defensor Público
 Considere as seguintes afirmações:

 I. É com base na teoria da prevenção geral negativa que


o legislador aumenta penas na crença de conter a
criminalidade com a ajuda do Código Penal. CERTO
 II. Além de atribuir à pena privativa de liberdade a
inalcançável finalidade reeducadora, atrás das ideias
utilitárias da prevenção especial sempre há uma
confusão entre direito e moral e entre crime e pecado.
 III. A teoria retributiva parte da ideia da compensação da
culpa, do pressuposto de que a justa retribuição ao fato
cometido se dá através da individualização e
diferenciação da pena.
FCC - Órgão: DPE-SP
Prova: Defensor Público
 Considere as seguintes afirmações:

 I. É com base na teoria da prevenção geral negativa que o


legislador aumenta penas na crença de conter a
criminalidade com a ajuda do Código Penal. CERTO
 II. Além de atribuir à pena privativa de liberdade a
inalcançável finalidade reeducadora, atrás das ideias
utilitárias da prevenção especial sempre há uma confusão
entre direito e moral e entre crime e pecado. CERTO
 III. A teoria retributiva parte da ideia da compensação da
culpa, do pressuposto de que a justa retribuição ao fato
cometido se dá através da individualização e diferenciação
da pena.
FCC - Órgão: DPE-SP
Prova: Defensor Público
 Considere as seguintes afirmações:

 I. É com base na teoria da prevenção geral negativa que o


legislador aumenta penas na crença de conter a criminalidade com
a ajuda do Código Penal. CERTO
 II. Além de atribuir à pena privativa de liberdade a inalcançável
finalidade reeducadora, atrás das ideias utilitárias da prevenção
especial sempre há uma confusão entre direito e moral e entre
crime e pecado. CERTO
 III. A teoria retributiva parte da ideia da compensação da culpa, do
pressuposto de que a justa retribuição ao fato cometido se dá
através da individualização e diferenciação da pena. FALSO
FCC - Órgão: DPE-SP
Prova: Defensor Público
 Está correto o que se afirma SOMENTE em
 a) I.
 b) II.
 c) III.
 d) I e II.
 e) II e III.
FCC - Órgão: DPE-SP
Prova: Defensor Público
 Está correto o que se afirma SOMENTE em
 a) I.
 b) II.
 c) III.
 d) I e II.
 e) II e III.
Órgão: MPDFT
Prova: Promotor de Justiça
 Sobre os fins da pena é incorreto afirmar:
 a) As teorias absolutas fundamentam a sanção penal na
mera retribuição ao delito perpetrado, sendo aplicada
por necessidade ética (Kant) ou jurídica (Hegel).
 b) A teoria da prevenção geral negativa, na concepção
de Feuerbach, funda-se no caráter intimidatório da pena
sobre os destinatários das normas jurídicas.
 c) Para a teoria da prevenção geral positiva
fundamentadora, deve o Direito Penal garantir
primordialmente a função orientadora das normas
jurídicas, vale dizer, garantir a estabilização das
expectativas sociais.
Órgão: MPDFT
Prova: Promotor de Justiça
 d) A partir da dicção do artigo 59 do Código Penal,
segundo o qual o juiz deve fixar a pena com vistas à
reprovação e à prevenção do crime, pode-se concluir,
com a maioria dos autores pátrios, que nosso
ordenamento jurídico acolheu uma teoria mista aditiva
que busca conciliar retribuição e prevenção geral e
especial.
 e) A teoria da prevenção especial implica a simples
neutralização do criminoso, sem maiores preocupações
com a ressocialização do condenado supostamente
corrigível.
Órgão: MPDFT
Prova: Promotor de Justiça
 d) A partir da dicção do artigo 59 do Código Penal,
segundo o qual o juiz deve fixar a pena com vistas à
reprovação e à prevenção do crime, pode-se concluir,
com a maioria dos autores pátrios, que nosso
ordenamento jurídico acolheu uma teoria mista aditiva
que busca conciliar retribuição e prevenção geral e
especial.
 e) A teoria da prevenção especial implica a simples
neutralização do criminoso, sem maiores
preocupações com a ressocialização do condenado
supostamente corrigível.
2018 Banca: VUNESP Órgão: PC-BA
Prova: Delegado de Polícia
A respeito da Teoria das Penas, assinale a alternativa correta.
a) A finalidade da pena, na teoria relativa, é prevenir o crime. Na
vertente preventiva-geral, o criminoso é punido a fim de impedir que
ele volte a praticar novos crimes.
b) A finalidade da pena, na teoria relativa, é prevenir o crime. Na
vertente preventiva especial, de acentuado caráter intimatório, o
criminoso é punido para servir de exemplo aos demais cidadãos.
c) A finalidade da pena, na teoria absoluta, é castigar o criminoso,
pelo mal praticado. O mérito dessa teoria foi introduzir, no Direito
Penal, o princípio da proporcionalidade de pena ao delito praticado.
d) A finalidade da pena, para a teoria eclética, é ressocializar o
criminoso. O mérito dessa teoria foi humanizar as penas impostas,
impedindo as cruéis e humilhantes.
e) O ordenamento jurídico brasileiro adota a teoria absoluta, tendo a
pena apenas o fim de ressocializar o criminoso.
2018 Banca: VUNESP Órgão: PC-BA
Prova: Delegado de Polícia
A respeito da Teoria das Penas, assinale a alternativa correta.
a) A finalidade da pena, na teoria relativa, é prevenir o crime. Na
vertente preventiva-geral, o criminoso é punido a fim de impedir que
ele volte a praticar novos crimes.
b) A finalidade da pena, na teoria relativa, é prevenir o crime. Na
vertente preventiva especial, de acentuado caráter intimatório, o
criminoso é punido para servir de exemplo aos demais cidadãos.
c) A finalidade da pena, na teoria absoluta, é castigar o
criminoso, pelo mal praticado. O mérito dessa teoria foi
introduzir, no Direito Penal, o princípio da proporcionalidade
de pena ao delito praticado.
d) A finalidade da pena, para a teoria eclética, é ressocializar o
criminoso. O mérito dessa teoria foi humanizar as penas impostas,
impedindo as cruéis e humilhantes.
e) O ordenamento jurídico brasileiro adota a teoria absoluta, tendo a
pena apenas o fim de ressocializar o criminoso.
2018 Banca: FCC Órgão: DPE-AP
Prova: Defensor Público
Sobre a finalidade da pena e sua aplicação, é correto afirmar que
a) a prevenção especial positiva pressupõe que, na sociedade moderna e plural, desenvolvem-se múltiplos
subsistemas culturais, que possuem distintos códigos de conduta, muitas vezes contrapostos. O Estado,
transformado em um órgão secular desde o Iluminismo, decide qual deve ser o modo de vida mais
correto, para em seguida impô-lo por meio do cárcere.
b) as teorias absolutas da pena tiveram aspectos positivos, como no idealismo alemão, no qual serviram
para defender o cidadão da arbitrariedade do poder do monarca. Mas, mesmo atualmente gozando de
baixa reputação, por não levarem em consideração o homem como um ser social, possuem previsão
legal.
c) a escola finalista introduz o pensamento de prevenção geral positiva, de que a pena deveria assumir uma
missão de proteção de bens jurídicos sem observar os valores ético-sociais, que pressupõe, entre outros
objetivos, a conformação dos valores morais da comunidade.
d) a individualização da pena, prevista no texto constitucional e reconhecida pela jurisprudência, tem como
fundamento maior a prevenção geral e especial, afastado o caráter retributivo por expressa definição
legal, e permite ao juiz, em qualquer fase da dosimetria, aumentar ou diminuir a pena aquém e além dos
marcos da pena prevista no tipo.
e) a base da teoria unificadora dialética da pena é a de que o direito penal enfrenta o indivíduo de três
maneiras: ameaçando com penas, impondo-as e executando-as, e que cada uma dessas três esferas de
atividade necessita de justificação em separado, sempre alternando entre retribuição, prevenção geral e
especial.
2018 Banca: FCC Órgão: DPE-AP
Prova: Defensor Público
Sobre a finalidade da pena e sua aplicação, é correto afirmar que
a) a prevenção especial positiva pressupõe que, na sociedade moderna e plural, desenvolvem-se múltiplos
subsistemas culturais, que possuem distintos códigos de conduta, muitas vezes contrapostos. O Estado,
transformado em um órgão secular desde o Iluminismo, decide qual deve ser o modo de vida mais
correto, para em seguida impô-lo por meio do cárcere.
b) as teorias absolutas da pena tiveram aspectos positivos, como no idealismo alemão, no qual
serviram para defender o cidadão da arbitrariedade do poder do monarca. Mas, mesmo
atualmente gozando de baixa reputação, por não levarem em consideração o homem como um
ser social, possuem previsão legal.
c) a escola finalista introduz o pensamento de prevenção geral positiva, de que a pena deveria assumir uma
missão de proteção de bens jurídicos sem observar os valores ético-sociais, que pressupõe, entre outros
objetivos, a conformação dos valores morais da comunidade.
d) a individualização da pena, prevista no texto constitucional e reconhecida pela jurisprudência, tem como
fundamento maior a prevenção geral e especial, afastado o caráter retributivo por expressa definição
legal, e permite ao juiz, em qualquer fase da dosimetria, aumentar ou diminuir a pena aquém e além dos
marcos da pena prevista no tipo.
e) a base da teoria unificadora dialética da pena é a de que o direito penal enfrenta o indivíduo de três
maneiras: ameaçando com penas, impondo-as e executando-as, e que cada uma dessas três esferas de
atividade necessita de justificação em separado, sempre alternando entre retribuição, prevenção geral e
especial.
2018 Banca: CESPE Órgão: PC-MA
Prova: Delegado de Polícia Civil
A respeito das teorias que tratam das funções da pena, assinale a
opção correta.
a) A teoria correcionalista considera que a pena se esgota na ideia da
retribuição como resposta ao mal causado pelo autor do crime.
b) A teoria preventiva geral positiva considera que a pena tem a
função de inibir comportamentos antissociais e moldar
comportamentos socialmente aceitos.
c) A teoria absoluta considera que a pena possui caráter retributivo,
preventivo e ressocializador.
d) A teoria preventiva geral considera a pena como um meio para
prevenir a reincidência do indivíduo.
e) A teoria preventiva especial considera a pena como um meio para
intimidar os potenciais praticantes de condutas delituosas.
ESCOLA CORRECIONALISTA
Também chamada de Correcionalismo Penal,
surgiu na Alemanha, em 1839, com Karl David
August Röeder.
Surgiu de forma inovadora e revolucionária,
afirmando que a pena tem a finalidade de corrigir a
injusta e perversa vontade do criminoso e, assim,
não pode ser fixa e determinada. A pena deve ser
indeterminada e passível de cessação somente
quando tornar-se prescindível.
2018 Banca: CESPE Órgão: PC-MA
Prova: Delegado de Polícia Civil
A respeito das teorias que tratam das funções da pena, assinale a
opção correta.
a) A teoria correcionalista considera que a pena se esgota na ideia da
retribuição como resposta ao mal causado pelo autor do crime.
b) A teoria preventiva geral positiva considera que a pena tem a
função de inibir comportamentos antissociais e moldar
comportamentos socialmente aceitos.
c) A teoria absoluta considera que a pena possui caráter retributivo,
preventivo e ressocializador.
d) A teoria preventiva geral considera a pena como um meio para
prevenir a reincidência do indivíduo.
e) A teoria preventiva especial considera a pena como um meio para
intimidar os potenciais praticantes de condutas delituosas.
Das penas
 Finalidades da pena
 Sistemas prisionais
 Espécies de penas
 Regimes de cumprimento de pena privativa de
liberdade
 Fechado

 semiaberto

 aberto

 Progressão de regime
 Regressão de regime
 Execução provisória da pena
Sistemas prisionais
 pensilvânico
 auburniano
 Progressivo ou inglês
Sistema pensilvânico
 ou da Filadélfia
 ou celular
 1790
 preso isolado dos demais, recolhido em sua
cela, sem poder trabalhar ou receber visitas,
estimulado ao arrependimento pela leitura da
Bíblia.
 crítica: severo, impossibilitava a readaptação
social do condenado devido ao seu isolamento
Sistema auburniano
 surgiu das críticas ao pensilvânico
 nome deriva da penitenciária
construída na cidade de Auburn, NY,
em 1818
 menos rigoroso que o anterior,
permitia o trabalho dos presos,
inicialmente dentro de suas celas e
depois em grupo
Sistema auburniano
 isolamento noturno mantido

 silêncio absoluto ainda imposto aos


presos (conhecido também por silent
system)

 proibia visitas, exercícios físicos,


lazer e não incentivava aprendizado e
instrução dos presos.
Sistema progressivo ou inglês
 Séc. XIX
 Alexander Maconochie
 cumprimento de penas em 3 estágios:
 1º) período de prova: preso completamente
isolado como no pensilvânico;
 2º) progressão para o trabalho comum,
observando-se o silêncio absoluto, como no
sistema auburniano;
 3º) progressão para as public work houses,
com vantagens maiores e possibilidade de
livramento condicional.
Banca: UEG
Órgão: PC-GO Prova: Delegado de
Polícia - 1ª prova
 O sistema penitenciário que prega o
trabalho dos presos nas celas e,
posteriormente, a realização de tarefas
em pequenos grupos, durante o dia e em
silêncio, é característica do sistema
 a) inglês
 b) auburniano
 c) filadélfico
 d) reformatório
 Reformatórios - Baseado no sistema
progressivo, os reformatórios são
instituições destinadas, quase que
totalmente, aos infratores adolescentes ou
aos jovens adultos e que teve grande
destaque nos EUA. Está assentado na
idéia de indeterminação da sentença e na
vigilância após o cumprimento da pena,
visando a educação e  a reinserção social
do condenado.
Banca: UEG
Órgão: PC-GO Prova: Delegado de
Polícia - 1ª prova
 O sistema penitenciário que prega o
trabalho dos presos nas celas e,
posteriormente, a realização de tarefas
em pequenos grupos, durante o dia e em
silêncio, é característica do sistema
 a) inglês
 b) auburniano
 c) filadélfico
 d) reformatório