Você está na página 1de 41

IMT

Helena MagnoMarço 2009 1


Estrutura do Código
Incidência – 1º a 5º (+ 24º a 29º + 55º)
Isenções – 6º a 11º + EBF + 34º
Matéria colectável – 12º a 16º + 30º
Taxas – 17º e 18º
Pagamento– 36º a 40º
Reembolsos - 44º a 47º
Reclamações / Impugnações – 41º a 43º
Liquidação (Modelo 1) – 19º a 23º + 32º, 33º e 35º
Adicional – 31º

Helena MagnoMarço 2009 2


ESQUEMA DO ARTº 2º
Nº 1 – TRANSMISSÃO DA PROPRIEDADE
PLENA E DE FIGURAS PARCELARES

Nº 2 – TRANSMISSÕES FICCIONADAS

Nº 3 – NEGÓCIOS SOBRE IMÓVEIS


ASSIMILADOS A TRANSMISSÃO

Nº 4 – SUJEITOS PASSIVOS ESPECIAIS


(3º NOMEADO + SOC. EM CONSTITUIÇÃO)

Nº 5 – FORMAS ESPECIAIS DE TRANSMISSÃO


INCIDÊNCIA
 transmissões, a título oneroso, do direito de propriedade sobre
imóveis e das figuras parcelares desse direito,
2º/1
Facto 1 / 2 / 31 / 32 / 34
 transmissões ficcionadas - operações que se revestem de
características económicas que directa ou indirectamente
implicam a transmissão de bens imóveis
2º/ 2
FACTO 3 2º/2/A) + 29º
FACTO 4 / 5 2º/2/B) + 12º, 4, 14ª + 12º, 5, G)
FACTO 6 / 7 2º/2/C) + 12º/4/10ª
FACTO 20 2º/2/D) + 2º/3,C) + D) + 12º/4/19ª

Helena MagnoMarço 2009 4


INCIDÊNCIA
 negócios jurídicos quetêm um resultado
económico equivalenteà formalização de
contratos translativos de imóveis,embora
anteriores ou mesmo laterais
2º /3 + 4
FACTO 8 E 9 2º , 3, A) + B) ; 4º, E); 10º, 6, E),
12º, 4, 18ª; 17º, 5, 20º, 1, C), 22º,
2 + 3, 36º, 10
FACTO 12 E 13 2º , Nº 3, C) + D) 4.º/ F); 12.º:/4/ 19ª;
22º/2
FACTO 10 2º/3/ E) – 4 + 4º G) + 36º/9
FACTO 11 2º/3/ E) – 4; 4º/B); 25º, 36º , Nº 9

Helena MagnoMarço 2009 5


INCIDÊNCIA
 transmissões sob diversas formas ou ocorrer na
constituição ou extinção de diversos tipos de
contratos, a título oneroso, do direito de
propriedade sobre imóveis e das figuras
parcelares desse direito
2º/5
FACTO 18 2º/5/D)
FACTO 19 + 21 2º/5/E); 12º/4/12ª
FACTO 22/ 23/24 2º/5/F); 12º/4/12ª
FACTO 25 2º/5/G) + 12º/4/13ª + 60º EBF
FACTO 14 + 34 2º/5/A); 12º, Nº 4, 6ª, 44º E 45º
FACTO 15 E 16 2º/5/B); 4º, C) + D); 5º/3 + 12º/4/4ª
+ 20º, Nº 2
FACTO 26 + 27 2º /5/ H) + 12º, 2 E 3 + 14º
FACTO 28 + 33 + 17 2º/5/C) + 6; 4º, A) + 12º / 4/ 1ª + 11ª
+ 21º,3 + 36º, 7
Helena MagnoMarço 2009 6
APLICAÇÃO DA LEI NO TEMPO
 ARTº 5º
INCIDÊNCIA
À DATA DA TRANSMISSÃO/FACTO TRIBUTÁRIO
ARTº 16º
MATÉRIA COLECTÁVEL
À DATA DA LIQUIDAÇÃO
ARTº 18º
TAXA
À DATA DA TRANSMISSÃO
À DATA DA LIQUIDAÇÃO

Helena Março
MagnoMarço
2009 2009 7
ISENÇÕES

6º A 9º - ENUMERA-AS
10º - FORMALIDADES
QUEM, QUANDO COMO CONCEDE
11º - CADUCIDADE DAS ISENÇÕES
SISTEMA DE CONTROLO DE
BENEFÍCIOS FISCAIS
ANTERIOR À LIQUIDAÇÃO

BENEFÍCIOS FISCAIS (liquidação)


VER CAMPOS DA DECLARAÇÃO MODELO 1

Helena MagnoMarço 2009 9


VALOR PATRIMONIAL
Artº 12º
VALOR PATRIMONIAL TRIBUTÁRIO (apurado de acordo com
o CIMI)
OU
VALOR DECLARADO (tudo que o adquirente paga / entrega em
contrapartida do bem recebido, seja tudo de uma só vez, seja
fraccionadamente, seja tudo em dinheiro ou parte em dinheiro e
parte em géneros) → O MAIOR
REGRAS DO Nº 4
Aplicam-se para apurar o valor patrimonial ou o valor declarado
em casos especiais
ARTº 13º
aplica-se para corrigir o valor patrimonial tributário. ao valor
declarado não se fazem correcções e quando superior prevalece
sobre o valor patrimonial tributário corrigido
ARRENDAMENTO COM CLÁUSULA DE AQUISIÇÃO NO
FINAL DO PAGAMENTO DE TODAS AS RENDAS
ACORDADAS

LOCAÇÃO VENDA  LEASING  ARRENDAMENTO A


LONGO PRAZO
Facto Tributário 5
Locação venda é um arrendamento
Matéria colectável 12º/5/g)– valor das rendas do contrato
NOTA: atenção que se os contratos forem
estabelecidos por prazo > 30 anos já terá que ser
considerado arrendamento a longo prazo - Facto
tributário 6
Facto Tributário 4
Locação venda só está sujeito se e quando adquirir antes
do final do contrato pq falta repercutir o resto do IMT
nas rendas (o locatário)
Matéria colectável 12/4/14ª - valor residual

Helena MagnoMarço 2009 11


ARRENDAMENTO COM CLÁUSULA DE AQUISIÇÃO
NO FINAL DO PAGAMENTO DE TODAS AS RENDAS
ACORDADAS – locação venda

Beatriz, casada com Mário, residente em Vila


Nova de Gaia, estabeleceu com a sociedade
financeira Agiotas um contrato de locação
relativo a um imóvel urbano com o VPT de
201.000€ destinado a comércio mediante o
qual terá que pagar 1550€/mês de renda
durante 12 anos, findos os quais terá
completado o valor atribuído pela agiotas ao
imóvel ficando proprietária do imóvel.
Qual o IMT a pagar?

Helena MagnoMarço 2009 12


ARRENDAMENTO COM CLÁUSULA DE AQUISIÇÃO
NO FINAL DO PAGAMENTO DE TODAS AS RENDAS
ACORDADAS – locação venda

Facto 5– artº 2º, nº 2, b)


Artº 12º, nº 5, g) do CIMT
Artº 19º, 21º e 22º
 
1550€*12*12= 223.200€
223.200€ > 201.000€
 
223.200€ x 6.5% =14.508€

Helena MagnoMarço 2009 13


ARRENDAMENTOS /SUBARRENDAMENTOS A
LONGO PRAZO
(DURAÇÃO ESTABELECIDA NO INÍCIO DO
CONTRATO OU
POR PRORROGAÇÃO)
 A tipografia B, Lda., com sede em Aveiro, celebrou, um
contrato de arrendamento por um período de 25 anos
com António Baltazar, relativamente a um prédio
urbano inscrito na matriz predial com o nº 324, sito
naquele mesmo concelho, no qual se estabelecia uma
renda mensal de € 1.750. O contrato veio, entretanto, a
ser prorrogado por igual período, durante a vigência do
mesmo. Sabe-se que o valor patrimonial actualizado
para efeitos de IMT é € 1.500. Indique qual o valor do
IMT a pagar.
 Facto tributário 6 - art. 1025º (CC)
Juntar contrato de arrendamento - Artº 12º/4/10ª/ 1ª parte
Aquisição pelo arrendatário no final do contrato . Facto
Tributário 7
Artº 12º/4/10ª/ 2ª parte
Helena MagnoMarço 2009 14
ARRENDAMENTOS /SUBARRENDAMENTOS A LONGO
PRAZO
(DURAÇÃO ESTABELECIDA NO INÍCIO DO CONTRATO OU
POR PRORROGAÇÃO)

INCIDÊNCIA – 2º, 2, c) + 4º
MATÉRIA COLETÁVEL
20 x renda anual ou valor patrimonial
tributário
20 x 12 x 1.750€ = 420.000€
420.000€ x 6,5% = € 27.300
12º/5/g)

Helena MagnoMarço 2009 15


CONTRATO PROMESSA
CLÁUSULA DE LIVRE CEDÊNCIA
Em 5-02-2009 A, promete vender, por contrato de promessa que
consigna uma cláusula de livre cedência a terceiros da posição do
promitente adquirente, a fracção autónoma X destinada
exclusivamente a habitação e B promete comprar-lha por € 400
000.
Pagou-lhe nessa data, a título de sinal, € 30 000
Em 13 de Março de 2009 reforçou o sinal e princípio de
pagamento com mais € 10 000.
Em 31 de Março de 2009 o promitente adquirente B cede a sua
posição por 60 000 € a C que este lhe pagou nessa data
A escritura veio a realizar-se em 30 de Junho de 2009.
Por motivo desta escritura, esta fracção foi avaliada tendo-lhe
sido atribuído o VPT de € 420000
Artºs 2º , nº 3, a) + b) ; 4º, e); 12º, 4, 18ª; 17º, nº 5 e nº 1, 20º, nº
1, c), 22º, 2 + 3, 36º, nº 10
art. 424º (CC)

Helena MagnoMarço 2009 16


CONTRATO PROMESSA
CLÁUSULA DE LIVRE CEDÊNCIA

Incidência
celebração do contrato - FT 8
reforço do sinal - FT 8
Cedência de posição - FT 9
Escritura / DPA - FT 1, sujeito a IMT tb IS verba 1.1.
Avaliação - art 15.º DL 287/2003, de 12.11 - liquidação adicional,
 devido pelo promitente adquirente e pelos cessionários (alínea e)
do artigo 4.º)
devido pelo adquirente do imóvel (artigo 4.º)
 Matéria colectável
Contrato promessa - parte do preço paga - € 30 000
reforço do sinal - € 10 000
Cessão de posição - € 60 000
celebração da escritura pública /DPA - . € 400 000
No momento da avaliação - € 420 000
 
Helena MagnoMarço 2009 17
CONTRATO PROMESSA
CLÁUSULA DE LIVRE CEDÊNCIA

TAXAS
Contrato / cedência de Posição
ao tempo da ocorrência do FT
a que corresponder à totalidade do preço aplicada
ao valor do sinal ou reforço
(n.º 1, artigo 18.º + b) do n.º 1, artigo 17.º).
Escritura
IMT já pago é abatido ao IMT devido no momento
da celebração da escritura ou DPA
Avaliação
IMT resultante da avaliação – IMT pg na escritura
 

Helena MagnoMarço 2009 18


CONTRATO PROMESSA
CLÁUSULA DE LIVRE CEDÊNCIA

LIQUIDAÇÃO / PAGAMENTO
Antes cedência (22.º n.º 2 + 36º 10)
no próprio contrato, deverá ser feita prova
desse pagamento (n.º 1 do artigo 49.º).
antes da celebração da escritura ou DPA
(22º, nº 1)
Entidade que intervier na celebração da escritura
/DPA deverá exigir a prova desse pagamento (n.º 1
do artigo 49.º).
no prazo dado na notificação da adicional - 30
dias

Helena MagnoMarço 2009 19


CONTRATO PROMESSA
SEM CLÁUSULA DE LIVRE CEDÊNCIA

A Lda., em 5-02-2008, prometeu vender a fracção autónoma X


destinada a habitação própria a B, por 400 000 €, que lhe pagou nessa
data de sinal 30 000 €. O contrato de promessa NÃO consigna qualquer
cláusula de livre cedência a terceiros
Em 23 de Março de 2008 reforçou o sinal e princípio de pagamento com
mais 10 000 €.
Entretanto, entre A Lda e B, não se fez escritura, e, em 31 de Março de
2008, B cedeu a sua posição a C por 40 000 €
Um ano depois, a escritura veio a realizar-se pelo preço inicialmente
previsto no contrato.
Por motivo desta escritura, esta fracção foi avaliada tendo-lhe sido
atribuído o VPT de 420 000€.
.

Helena MagnoMarço 2009 20


CONTRATO PROMESSA
SEM CLÁUSULA DE LIVRE CEDÊNCIA

Incidência
1-

1.1 - Contrato Promessa e reforço


 Até à realização da escritura não existe qualquer facto tributário
uma vez que não existe qualquer cláusula de livre cedência.

1.2 - Escritura Pública /DPA


 transmissão civil – facto tributário 1, sujeito a IMT nos termos
gerais (n.º1 do artigo 2.º).
 IMT devido pelo adquirente do imóvel (artigo 4.º), devendo ser
pago antes da celebração do contrato (n.º 1 do artigo 22.º)

1.3 – Cedência de Posição


 IMT pode ser devido pelo cedente se não cumprir a condição do
artº 4º, g)

Helena MagnoMarço 2009 21


CONTRATO PROMESSA
SEM CLÁUSULA DE LIVRE CEDÊNCIA
2 - Matéria colectável e Taxa
2.1 - Contrato Promessa
Não existe sujeição.
2.2 - Cedência de posição ( se não excluída de tributação) –
400 000€ x 6,5%
2.3 - Escritura Pública / DPA
regra geral (n.º 1 do artigo 12.º).- 400 000 € às taxas do artº
17º, nº 1, a)
2.4 - Avaliação
liquidação adicional – 420 000€ às taxas do artº 17º, nº 1, a)
3 – PAGAMENTO
Escritura Pública – antes da realização
Cedência de posição – 30 dias a contar da escritura (36º, 9)
Adicional – 30 dias a contar da notificação (36º, nº 5)

Helena MagnoMarço 2009 22


CONTRATO PARA PESSOA A
NOMEAR
António pagou num SF o IMT relativo à aquisição
efectuada para pessoa a nomear, de uma vivenda
sita em Esposende, tendo beneficiado da redução
de taxas do artº 17º, nº 1, b).
No 4º dia posterior à escritura identificou junto do
mesmo SF o 3º para quem adquiriu o imóvel,
acrescentando que aquele o vai destinar a habitação
própria e permanente. Nesta data há pagamento de
IMT? Em caso afirmativo por quem é devido?

Face à exibição da escritura no SF, é averbado no


IMT inicial o nome do nomeado e a data da escritura
e anula-se o IMT pago inicialmente por António.

Helena MagnoMarço 2009 23


Procuração
 Em Maio de 2009 a X Lda outorgou com André
uma procuração irrevogável conferindo-lhe
poderes de alienação de uma vivenda
individual com o VPT de 100.000€, tendo
André entregue 50.000€ à X Lda.
 Em Agosto de 2009 foi celebrado entre a X
Lda e André um DPA , tendo este entregue
mais 70.000€ e um automóvel com o valor de
mercado de 40.000€ e ficado responsável pelo
pagamento de uma hipoteca que onerava a
vivenda no valor de 90.000€. Tendo sido
cumpridas todas as disposições legais o IMT
devido em Agosto de 2009 é de __________

Helena MagnoMarço 2009 24


Procuração
 Maio de 2009
IMT devido por André - 2º, nº 3, c + 4º, f)
100.000€ x 6,5% = 6.500€
 Agosto de 2009
IMT e Selo devidos por André
50.000€ + 70.000€ + 40.000€ + 90.000€ =
250.000€
(250.000€ x 7%) - 8.821€ = 8.679€
8.679€ - 6.500€ = 2.179€
Selo – verba 1.1 = 250.000€ x 0,8% = 2.000€

Helena MagnoMarço 2009 25


Sociedades
SOCIEDADES

Na realização do capital social da X cada


um dos 3 sócios entrou com os
seguintes bens: A com imóveis com o
VPT de 120.000€; B com imóveis com o
VPT de 100.000€ e C com 100.000€ em
numerário. Os imóveis de A e B foram
inscritos no activo da sociedade com o
valor de 120.000€. Por este acto é
devido IMT?

Helena MagnoMarço 2009 26


SOCIEDADES
Sociedades

Incidência
2º, 5 , e) + 4º: IMT a pagar por C
Matéria Colectável
12º, 4, 12: 240.000€
240.000€ / 3= 80.000€
Taxa
80.000€ x ?
Momento da liquidação: antes da celebração
da escritura ou DPA de constituição da
sociedade

Helena Março
MagnoMarço
2009 2009 27
PARTILHAS
 FT 33
4º, a) + 12º / 4/ 1ª + 11ª + 21º, nº 3 + 36º, nº 7
 Por morte de Adalberto, Bárbara e Carla
receberam 4 imóveis que vão agora partilhar.
 Qual o IMT a pagar e por quem?

Helena Março
MagnoMarço
2009 2009 28
Valor a
Considerar
para
Partilhantes que
Valor deVPT partilha porficam com os
Bem Partilha (vpt+benf) ser maior bens

U - 600 100.000,00 €
120.000,00
€ 100.000,00 € A  
U - 601 40.000,00 € 50.000,00 € 40.000,00 € B C
U - 96676 25.000,00 € 27.465,46 € 25.000,00 € C  
U - 5555 100.000,00 € 10.300,00 € 100.000,00 € B  
Total 265.000,00 €
207.765,46
€ 265.000,00 €    
Quota 265000/3=
parte     88333    
Helena MagnoMarço 2009 29
Valor Tributável dos Bens

Quota parte Valor recebido Excesso U - 600 U - 601 U - 96676

88.333,00 11.667,00
A € 100.000,00 € 11.667,00 € €    

B 88.333,00 € 120.000,00 € 31.667,00 €  


26.389,17
5.277,83 € €

C 88.333,00 € 45.000,00 € -43.333,00 €      

5,277,83 = 31667*20000/1200000 + 26.389,17 = 31667*100000/1200000

Helena MagnoMarço 2009 30


TRANSMISSÃO DE IMÓVEL
SIMULTANEAMENTE GRATUITA E
ONEROSA
SUCESSÕES TESTAMENTÁRIAS
 com encargo de pensão a pagar ao herdeiro ou legatário;
 com encargo de pensão a pagar a 3º
 com encargo de divida a pagar ao herdeiro ou legatário;
 com encargo de divida a pagar a 3º
art. 2244º (CC) - testamento com encargos - cláusulas modais

DOAÇÕES
 doação com entradas (pagamento duma prestação única);
 doação com encargo de pensão a pagar ao doador;
 doação com encargo de dividas a pagar a 3º; ou
 doação com encargo de dividas a pagar ao doador.
art. 963º (CC) - doação com cláusula modal
art. 964º (CC) - doação com encargo de pgto de dívidas
Helena MagnoMarço 2009 31
PERMUTA
FT 15 e 16
Artº 2º, nº 5, b) + 4º, c) + d); 5º/3 + 12º/4/4ª + 14º, nº 3 +
20º, nº 2 + 36º, nº 10
art. 939º (CC)

APENAS se existir diferença declarada de


valores ou diferença entre VPT

Helena MagnoMarço 2009 32


PERMUTA
A e B vão permutar dois prédios urbanos. A entrega
um prédio com o VPT de 175.000€ a que atribui
200.000€ e B entrega um prédio também urbano
com o VPT de 160.000€ a que atribui 200.000€. B
dá ainda a A 10.000€. Qual o valor do IMT a
pagar e por quem?
Prédio de maior valor o prédio entregue por A
Paga B que leva o imóvel de > valor
VPT vs. Diferença declarada de valores
Prédio de A 175.000€
Prédio de B 160.000€ 10.000€
15.000€ 10.000€
Paga 15.000€ x ?
Helena MagnoMarço 2009 33
PERMUTA
FT 15 e 16
Artº 2º, nº 5, b) + 4º, c) + d); 5º/3 + 12º/4/4ª + 14º, nº 3 +
20º, nº 2 + 36º, nº 10
art. 939º (CC)

APENAS se existir diferença declarada de


valores ou diferença entre VPT

Helena MagnoMarço 2009 34


PERMUTA
FT 15 e 16
Artº 2º, nº 5, b) + 4º, c) + d); 5º/3 + 12º/4/4ª + 14º, nº 3 +
20º, nº 2 + 36º, nº 10
art. 939º (CC)

APENAS se existir diferença declarada de


valores ou diferença entre VPT

Helena MagnoMarço 2009 35


PRÉDIOS PARA REVENDA
ANTES DA AQUISIÇÃO:
 apresentada a declaração do 112.º IRS / 109.º IRC (código de actividade de
comprador de prédios para revenda)
 comprovar que exerce normal e habitualmente a actividade (no ano anterior, foi
adquirido para revenda ou revendido algum prédio antes adquirido para esse
fim)
 A partir de 2009 - inclusão do NIF numa aplicação informática substitui
certidão do SF e é válida por 1 ano civil, tendo que ser renovada ano a ano.

APÓS A AQUISIÇÂO:
 Terá que revender o prédio adquirido com isenção até 3 anos (por escritura e
sem ser para outro revendedor) Se o não fizer caduca a isenção
 Também caduca a isenção se for dado destino diferente aos prédios.
 

Helena MagnoMarço 2009 36


PRÉDIOS PARA REVENDA
X Lda tem por objecto social a aquisição de
prédios para revenda, tendo beneficiado de
isenção de IMT na aquisição de um prédio
em propriedade total efectuada em 2008.
Em 2009 revendeu esse terreno à empresa Y
Lda que se dedica à revenda de prédios
adquiridos para esse fim e que se encontra
em condições de beneficiar de isenção de
IMT nos termos do artº 7º do CIMT.
Perante a transmissão supra, quem paga IMT?

Helena MagnoMarço 2009 37


PRÉDIOS PARA REVENDA

A X Lda. Que terá que pagar IMT no prazo de


30 dias após a revenda à Y Lda, com a
matéria colectável e a taxa em vigor em
2009
Art.º 10, n.º 6, al.a)
Art.º 11, n.º 5 + Art.º 16.º + 18º + 36º, nº 9

Helena Março
MagnoMarço
2009 2009 38
AQUISIÇÕES DE IMÓVEIS
POR INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO OU SOC.
COMERCIAIS DIRECTA OU INDIRECTAMENTE POR ELAS
DOMINADAS

Condições:
DESDE QUE SE DESTINEM À REALIZAÇÃO DE CRÉDITOS
RESULTANTES DE EMPRÉSTIMOS FEITOS OU DE FIANÇAS
PRESTADAS
Nº 1 - EM PROCESSO DE EXECUÇÃO OU PROCESSO DE
FALÊNCIA OU DE INSOLVÊNCIA
Nº 2 - SEM PROCESSO EXECUTIVO
•PRÉDIOS URBANOS DESTINADOS A HABITAÇÃO -
DACÇÃO EM CUMPRIMENTO, SEM TEMPO MÍNIMO DE
DIVIDA
•OUTROS PRÉDIOS – DIVIDA EXISTENTE HÁ + DE 1 ANO
E NÃO EXISTIREM RELAÇÕES ESPECIAIS ENTRE
BANCO E VENDEDOR
“Os melhores estímulos são os que
provocam desejo de aprender.”
F. Nietzsche

Quando atingimos o objectivo,


sabemos que seguimos o bom caminho

Helena MagnoMarço 2009 40


FIM

Helena MagnoMarço 2009 41