Você está na página 1de 32

Laxantes e Antidiarreicos

Obstipação ou constipação
▪ É um transtorno baseado em sintomas como
defecação insatisfatória (infrequente, difícil ou
ambas);
▪ Eliminação esporádica de fezes muito calibrosas
ou frequência de evacuações inferior a três por
semana;
▪ Acompanhado de dor.
Causas Gerais de obstipação

Obstruçõ Patologia
es s

Intolerância Hábitos
alimentar de vida
Laxantes
▪ São medicamentos que promovem a defecação e
melhoram a obstipação;
▪ Emolientes : amolecer as fezes
▪ Purgantes: Efeito laxante que aumentam a
quantidade de água das fezes sem produzir
evacuação líquida.
Laxantes
Usos de laxantes
Classificação dos laxantes

Laxantes

Agentes Agentes Laxantes Agentes Agente


hidrofílicos
formadores osmótic estimula surfacta lubrific
de massa os ntes ntes ante
Agentes hidrofílicos formadores de
massa

▪ a. Fibras dietéticas
▪ b. Psyllium (plantago)
▪ c. Policarbofila cálcica (fibras sintéticas)
▪ d. Metilcelulose
Fibras
▪ Ação:
▪ ligação à água na luz colônica: ↑ o volume fecal e ↓
consistência;
▪ Favorecem o crescimento bacteriano, ↑ o volume
fecal;
▪ Grãos e cereais: ricos em fibras insolúveis, ↑ a
velocidade do trânsito intestinal e o volume fecal;
▪ Frutas e nos vegetais: de fibras hidrossolúveis,
que reduzem a consistência das fezes
Fibras

▪ Efeitos colaterais: mínimos


▪ redução da absorção intestinal de algumas drogas
(salicilatos)

▪ Suplementação de fibras é prejudicada por


efeitos como flatulência.
Laxantes osmóticos

enema
Laxantes osmóticos

▪ Cuidados:
▪ Os sais de sódio não devem ser utilizados em
pacientes com insuficiência cardíaca ou
nefropatia.

▪ Os laxantes que contêm fosfato podem causar


hiperfosfatemia e hipocalcemia
Laxantes osmóticos

▪ Carboidratos não absorvíveis: lactulose, glicerina,


manitol e sorbitol.
▪ Ação:
▪ Carboidratos são degradados e sofrem fermentação
no intestino grosso;
▪ ↑força osmótica
▪ ↓o pH do conteúdo intraluminal;
▪ ↑a secreção e a motilidade intestinais.
Agentes estimulantes

• Estimula diretamente o plexo mioentérico,


aumentando a motilidade intestinal

 Ácidos biliares;
 Bisacodil,
 picossulfato de sódio
Agentes surfactantes

▪ óleo de rícino
▪ docusato de sódio
Agentes lubrificantes
▪ aumenta a secreção de água para a luz
intestinal e penetra nas fezes, amolecendo-as
e lubrificando-as.
▪ Oléo mineral
▪ Efeito colateral:
▪ Má absorção de vitaminas lipossolúveis.
Laxantes: Efeitos adversos
Conduta Terapêutica
1. O uso de laxantes não deve exceder 1 semana;
2. Os laxantes são inadequados na presença de dor abdominal,
cólicas, náuseas, vômitos e distensão gasosa;
3. Os pacientes hospitalizados ou acamados podem necessitar de
agentes formadores de massa intercalados com laxantes
estimulantes ou lactulose ou leite de magnésia para evitar
impactação fecal;
4. O óleo mineral deve ser evitado em idosos, crianças;
5. Pacientes com relato de infarto do miocárdio, fissuras anais,
hérnias e algumas cirurgias colorretais podem necessitar de
laxantes profiláticos;
6. As gestantes só devem fazer uso de agentes formadores de
massa ou de agentes osmóticos leves ou que amoleçam as
fezes.
ANTIDIARREICOS
Diarreia

Três ou mais evacuações de fezes com consistência


diminuída, que representa um desequilíbrio entre os
processos de absorção e secreção intestinais.

Diarreia

Aguda Persistente Crônica


Causas:
▪ Inibição da absorção iônica;
▪ Estimulação da secreção iônica;
▪ Retenção de fluido na luz intestinal;
▪ Má absorção; toxinas;
▪ Alterações na motilidade.
▪ Doenças inflamatórias.
Causas diarreia aguda

Infecções Dietéticas

Anatômic
as
Drogas
Causas diarreia crônica
Fezes Fezes Anormalidade
gordurosas sanguinolentas s metabólicas

Defeitos
imunológicos Tumores Infecção

Dietéticas Endocrin Hepatopa


( alergias) opatias tias
Consequências
Medicamentos antidiarreicos

Mecanismos gerais de ação são o oposto de


laxantes, incluindo diminuição da motilidade
intestinal e redução de efeitos de secreção de
hormônios gastrointestinais.

Anticoliné
Opióides rgicos
Opióides
Mecanismos
Loperamida (Imosec)
Mecanismo de ação:
▪ Atua diminuindo a motilidade intestinal propulsiva por ação
direta sobre as camadas musculares circular e longitudinal
da parede intestinal;

▪ Atua sobre o transporte de água e eletrólitos pela mucosa


intestinal

▪ Aumenta o tônus do esfíncter anal, reduzindo a sensação


de urgência e incontinência fecal.
Elixir Paregórico
▪ Papoula - Papaver somniferum L.
▪ Indicação: antiespasmódico, contra gases, dores
estomacais e dores intestinais;

▪ Ação: inibição de canais de cálcio, inibindo o trânsito


gastrintestinal;

▪ Posologia: Tomar diluído em água - 1ml = 20 gotas ou 1


gota = 0,05ml. 40 gotas, 3 vezes ao dia
Anticolinérgicos

▪ Diminuem as funções secretoras e de motilidade


gastrointestinal. Se usa em combinação com
opióides.
▪ O protótipo dos anticolinérgicos é a atropina, mas se
utilizam preferencialmente a escopolamina
(Buscopan) ou a homatropina (em associação com
dimeticona – gases e cólicas).
Referências
▪ GOMEZ, R; TORRES, I.L.S. Farmacologia clínica. 1ª edição. Rio de
janeiro:Elsevier, 2017.
▪ FUCHS, F. D.; WANNMACHER, L..Farmacologia clinica : fundamentos da
terapêutica racional. 4.edição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010.
▪ CLARK, et al. Farmacologia ilustrada .5.ed. Porto Alegre : Artmed, 2013.
▪ Brunton, L.L; Chabner BA; Knollmann BC. Goodman & Gilman: As Bases
Farmacológicas da Terapêutica. 12ª edição. Rio de Janeiro, McGraw-
Hill,2012.
▪ Rang, H. P.; Ritter, J. M.; Flower, R. J.; Henderson G. Rang & Dale.
Farmacologia. 8ªedição. Rio de Janeiro, Elsevier, 2016.
▪ Silva, P. Farmacologia. 8ª edição. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2010.
▪ Katzung, B.G.; Masters SB; Trevor AJ. Farmacologia Básica e Clínica. 12ª
edição. Rio de Janeiro. McGraw-Hill, 2014.

Você também pode gostar