Você está na página 1de 15

Diferenças entre os

motores de ciclo
Diesel e os motores
de ciclo Otto

John Douglas Mendes Cunha


Diferenças - USO
• OTTO • DIESEL
Maior no setor automobilístico e no setor de aviação. Setor de grandes potencias e dimensões:
Segue vídeo demonstrando o funcionamento de um • Sendo lentos com rotações entre 400 e 800rpm para
motor de avião. embarcações marítimas e motores estacionários onde
https://www.youtube.com/watch?v=L_E4JRy5YZQ pode se relevar a relação peso/potência; Imagem de
fundo mostra um motor da CATERPILLAR;
• Sendo normais com rotações entre 800 à 2000rpm
para locomotivas, caminhões;
• Sendo principalmente hoje mais velozes com rotações
acima de 2000rpm para alguns veículos de passeio
produzidos atualmente como mostram links abaixo:

https://www.youtube.com/watch?v=fpER7v0NtpQ
Diferenças Estruturais – Câmara de Combustão
• Tipos
• OTTO • DIESEL

A imagem acima e o video abaixo comparam os sistemas


de injeção direta e indireta.

https://www.youtube.com/watch?v=BmelCcJdTfA
Diferenças Estruturais – Pistões
 •Formato de topo da cabeça do pistão, processo de fabricação e pressão suportada;
• Numero de anéis;
• Relação L/ “comprimento/diâmetro no sentido axial do pistão” (diâmetro interno do cilindro);
• OTTO • DIESEL
Plano Convexo Irregulares
Concavo

 • Fabrição: fundidos em coquilha ou areia  • Fabrição exige pistões forjados com


obtendo-se formas complexas pore com resistência de 20% a 40% maior que outros
menor resistência. métodos de fabricação.

• Pressão Suportada de 50kg/cm^2 • Pressão Suporta de 110kg/cm^2

• Numero de anéis variando de 1 à 4 • Numero de anéis variando de 3 à 8

• L/ variando de 0,5 à 1 • L/ variando de 1,75 à 2


Diferenças Estruturais – Pistões
• Temperatura

Motor do Ciclo Otto


      TEMPERATURA MÉDIA
MOTOR REFRIGERAÇÃO MATERIAL A B D D
para veiculos água liga AL 240-280 190-240 130-160 110-130
para veiculos água ferro fundido 410-440 270-300 150-170 120-140
para aviação água liga AL 290-340 240-280 160-190 120-150
para aviação ar liga AL 320-360 260-300 170-200 130-160

Motor Diesel
      TEMPERATURA MÉDIA
MOTOR REFRIGERAÇÃO MATERIAL A B D D
injeção direta água liga AL 330-360 200-220 140-160 110-130
injeção direta água ferro fundido 400-440 340-380 150-170 120-140
injeção indireta água liga AL 360-440 230-310 150-200 110-130
Diferenças Estruturais – Pistões
• Tipo de faces laterais dos anéis
• Otto • Diesel
É um anel de seção retangular empregado onde as Anel trapezoidal – Tipo K
condições de operação não requerem anéis com
formato especial. O anel trapezoidal tem as faces laterais inclinadas na direção do
diâmetro interno do anel.
Proporciona um assentamento melhor e mais rápido e um
bom controle de óleo, na fase inicial de funcionamento,
As canaletas do pistão precisam ter também suas faces inclinadas com
mesmo que o cilindro apresente pequenas ovalizações e
distorções. um ângulo igual ao do anel, porém, com pequena variação na
tolerância. Esta construção possibilita que exista uma variação
A ação similar à dos anéis trapezoidais com menor contínua da folga entre as laterais do anel e da canaleta do pistão.
capacidade de quebra dos depósitos e melhor controle de Este anel é usado principalmente em motores de avião e diesel.
óleo e vedação à passagem de gases em comparação com
os trapezoidais.

Esse tipo de anel é usado principalmente nas canaletas


intermediárias dos pistões, podendo também ser utilizado
nas primeiras canaletas.

Pode-se dizer que este é um anel de compressão com


propriedades de um anel raspador de óleo.
Diferenças Estruturais – Ignição
• Tipos
• Otto • Diesel
Por intermédio de centelha elétrica tanto nos motores de 2 tempos Por intermédio de compressão somente em 4 tempos: aspiração,
quanto nos de 4 tempos. compressão, combustão/expansão e descarga.
- Comprime-se mistura ar+combustível; - Na compressão somente ar comprimido;
- Compressão em menores pressões com temperaturas abaixo da de - Ar é comprimido atingindo temperatura acima da de auto-ignição;
autoignição; - Combustivel é injetado (quase no final da corrida do pistão) e
- Combustivel entra em ignicção através de faíscas; entra em autoignição;
- Taxas de compressão baixas; - Taxas de compressão altas
Curiosidade: Volante
A energia ativa fornecida ao pistão durante a fase de
combustão é transferida ao volante do motor, o qual por sua
vez armazena na forma de energia cinética, que
posteriormente será restituída às outras 3 fazes
passivas(aspiração descarga e compressão).
Diferenças Estruturais – Ignição
• Sistema de Alimentação
• Otto Sistema Carburado • Otto Injeção Indireta
Combustivel é aspirado pelo motor juntamento com o ar O combustível é injetado no coletor de admissão durante a fase de
mas o carburador provoca a pulverização do combustível, aspiração, geralmente atrás da válvula de onde é aspirado
misturando-o homogeneamente com o ar. juntamente com o ar.
Video abaixo mostrando o funcionamento de alimentação Video abaixo mostrando o funcionamento do sistema de injeção
de um motor carburado. indireta.
https://www.youtube.com/watch?v=U17XM6ADXQA https://www.youtube.com/watch?v=kGs_-ZOT3ec
Diferenças Estruturais – Ignição
• Sistema de Alimentação
• Diesel Injeção Direta
O combustível é injetado por intermédio dos injetores diretamente na
câmara de combustão, por injeções pneumática ou mecânicas.
Podendo ainda se ter bombas unitárias ou múltiplas.
Vídeo mostra injeção direta
- https://www.youtube.com/watch?v=fTAUq6G9apg

Atualmente, injeção direta não é mais exclusividade de modelos Diesel visto que é comum veículos sendo
projetados para funcionar com injeção direta funcionando com eficiência por meio de outros combustíveis.
https://www.youtube.com/watch?v=n_wV4AwbuMA
https://www.youtube.com/watch?v=fpER7v0NtpQ
Diferenças - Principais
VARIÁVEL OTTO DIESEL
Pressão no fim da compressão 8 à 15kg/cm^2 40 à 50 kg/cm^2
Pressão máxima de combustão 45 à50 kg/cm^2 60 à 75 kg/cm^2
Pressão no fim da explosão 4 à5 kg/cm^2 3 à 4 kg/cm^2
Teor da mistura ar/combustível 11/1 a 17/1 20/1 a 50/1
tempo de formação da mistura antes da combustão simultâneo à combustão
formação da mistura no carburador na câmara ou pré câmara
volatibilidade do combustível alta baixa
Tipo de combustível em relação ao poder antidetonante alta baixa
Temperatura dos gases de descarga 800ºC 600ºC
Custo de fabricação baixo alto
Rendimento térmico menor maior
Ignição faísca compressão
Taxa de compressão 6/1 a 12/1 18/1 a 23/1
Relação peso/potência menor maior
Diferenças
• Vantagens e Desvantagens de um motor do ciclo Diesel em relação ao Otto
• Vantagens • Otto Injeção Indireta
1. Maio rendimento térmico por caua da  
alta taxa de compressão; 1. Mais robusto, portanto maior custo de fabricação;
2. Baixo consumo específico de combustível 2. Utiliza órgãos de alto custo como: bomba injetora
em torno de 120 a 150gr/cvh, contra 210 e injetores;
a 240gr/cvh do motor Otto, portanto 3. Elimina na descarga, um maior índice de NOx;
maior economia de utilização; 4. Elimina na descarga, um maior índice de fuligem,
3. Uso de combustível de menor custo; principalmente quando o motor está desregulado;
4. Menor sensibilidade às variações 5. Maior relação peso/potência;
atmosféricas como: temperatura, pressão 6. Menor elasticidade dinâmica;
e umidade do ar; 7. Maior trepidação (vibração);
5. Maior segurança de funcionamento, pois 8. Mais rumoroso;
não depende do sistema elétrico que é o
causador de grandes problemas nos
motores;
6. Eliminação de uma porcentagem mais
baixa de “CO”;
7. Não necessita de baterias, velas,
platinados, etc...;
Diferenças – Entre Ciclos Reais e Teóricos

• Otto • Diesel
Perda por bombeamento; Semelhantes aos do ciclo Otto sendo que em alguns pontos
Perda pela combustão não instantânea; as perdas no Diesel são maiores do que no Otto e vice-versa;
Perdas pela dissociação do combustível; Injeção;
Perdas devido à abertura antecipada da válvula de descaga; Perdas devido ao retardo da combustão;
Perdas de calor; Perdas devido a dissociação do combustível;
Perdas devida a variação os calores específicos do fluido;
Perdas devido à
combustão não
instantânea;
Perdas devido à troca de
calor com o meio
ambiente;
Abertura de vávula de
descarga;
Perda devido à abertura
antecipada da válvula de
descarga;
Perda por bombeamento;
Diferenças
• Comparação
Transformações termodinâmicas do ciclo Diesel são A figura abaixo mostra uma comparação entre ciclo Diesel
semelhantes ao ciclo Otto, variando somente na forma, onde se lentos e rápidos;
verifica que os valores dos pontos de pressão de combustão do
Diesel são bem superiores aos do Otto
Referências
 PENIDO FILHO, Paulo 1949 Os motores de combustão interna: para curso de maquinas térmicas, engenheiros, técnicos
e mecânicos em geral que se interessam por motores – Belo Horizonte: Lemi, 1991. 2v

 VAN WYLEN, Gordon John; SONNTAG, Richard E.; BORGNAKKE, C.Fundamentos da termodinâmica. Tradução da 6ª
Edição Americana São Paulo, SP: E. Blücher, 2003.