Você está na página 1de 23

Classes de palavras:

o verbo

Porto Editora
O verbo pertence a uma de palavras e é o
classe aberta

núcleo do grupo verbal.

Flexiona-se em:
tempo

modo

pessoa

número

Porto Editora
A. Subclasses do verbo

Principal

Copulativo

Auxiliar

Porto Editora
A. Subclasses do verbo

Designa uma ação, um


acontecimento ou um estado. Os
verbos principais dividem-se em várias
subclasses, organizadas de acordo
Principal com as funções sintáticas que exigem.
Um mesmo verbo pode pertencer a
diferentes subclasses, em função do
contexto em que ocorre.

Porto Editora
A. Subclasses do verbo

Principal
1.1. Intransitivo – verbo que exige um sujeito, mas não seleciona
complementos.
Ex.: Preste João zangou-se.

1.2. Transitivo direto – verbo que exige um sujeito e um complemento


direto.
Ex.: Rei Dario acolheu os sete mancebos.

Porto Editora
A. Subclasses do verbo
Principal
1.3. Transitivo indireto – verbo que exige um sujeito e um complemento
indireto ou um sujeito e um complemento oblíquo.

Ex.: Os mancebos mentiram ao rei Dario.


Preste João morava num castelo.

1.4. Transitivo direto e indireto – verbo que exige um sujeito e dois


complementos (direto e indireto ou direto e oblíquo).
Ex.: Preste João ofereceu uma oportunidade a Dario.
Os mancebos trouxeram o rei à presença de Preste João.
Porto Editora
A. Subclasses do verbo

Verbo que relaciona o sujeito da


frase com o predicativo do sujeito.
Copulativo
Ex.: Preste João era um bom rei.

Verbos copulativos mais usuais:


ser, estar, ficar, parecer, permanecer, andar, continuar, revelar-se, tornar-
se…
Porto Editora
A. Subclasses do verbo

Verbo que ocorre antes do verbo


principal ou de um verbo copulativo.
Auxiliar Numa mesma frase, pode haver mais do
que um verbo auxiliar.

Ex.: O Preste João tinha aprisionado o rei


Dario.

Porto Editora
A. Subclasses do verbo
Os verbos auxiliares são usados, por exemplo:

o nos tempos compostos (ter/haver)


Ex.: Os mancebos tinham enganado o rei Dario.

o nas frases passivas (ser)


Ex.: O rei Dario foi traído pelos seus homens.

Porto Editora
B. Tipologia quanto à flexão

1. Verbo regular – verbo que respeita o modelo de conjugação a


que pertence.
Ex.: cantar, estudar, correr, comer, partir…

2. Verbo irregular – verbo cuja flexão não respeita o modelo


de conjugação a que pertence. As irregularidades destes
verbos podem ocorrer no radical, nos sufixos ou apenas na
grafia.
Ex.: ser, ficar, querer, vir, ver...
Porto Editora
B. Tipologia quanto à flexão

3. Verbo defetivo – verbo que só se conjuga em algumas


pessoas e tempos, ou seja, cuja conjugação é incompleta.
Ex.: falir, colorir

3.1. Defetivo impessoal – só se flexiona na 3.ª pessoa do


singular e não exige sujeito.
Ex.: trovejar, chover, anoitecer

3.2. Defetivo unipessoal – só se flexiona na 3.ª pessoa e


exige um sujeito determinado.
Ex.: ladrar, miar, solidificar
Porto Editora
C. Flexão verbal

Os verbos podem flexionar em tempo, modo, pessoa e


número. Os tempos verbais são simples quando a flexão envolve
apenas um verbo principal, havendo também tempos
compostos, quando se recorre ao verbo auxiliar ter ou, mais
raramente, ao verbo haver.

Porto Editora
C. Flexão verbal

Os verbos podem pertencer:

à 1.ª conjugação (verbos terminados em -ar),

à 2.ª conjugação (verbos terminados em -er),

à 3.ª conjugação (verbos terminados em -ir).

Porto Editora
Porto Editora
Porto Editora
D. Conjugação pronominal

1. Conjugação pronominal

1. Geralmente, o pronome coloca-se em frases afirmativas,


depois da forma verbal, ficando ligado a esta por um hífen.
Ex.: Entrego-a quando chegares. / Eu dei-lhe uma prenda.

1.1. O pronome -o/-a, -os/-as não se altera se a forma verbal


terminar em vogal ou ditongo oral.
Ex.: Comprei-o para ti.

Porto Editora
D. Conjugação pronominal

1.2. Se a forma verbal terminar em -r, -s ou -z, estas


consoantes são eliminadas e o pronome adota a forma -lo/-la,
-los/-las.
Ex.: Tu vais adquiri-lo? Mas: Tu tem-la. / Ele quere-a.

1.3. Quando a forma verbal termina em sílaba nasal (-am, -em,


-im) ou ditongo nasal (-ão, -õe), o pronome toma a forma de
-no/-na, -nos/-nas.
Ex.: Eles fizeram-nos e venderam-nos facilmente. / O João
propõe-na sempre para chefe da equipa.

Porto Editora
D. Conjugação pronominal

2. O pronome pessoal surge antes da forma verbal


nas seguintes situações (entre outras):

2.1. integrado em frases com palavras com valor negativo:


Ex.: Eu não quero ver o João. ➞ Eu não o quero ver.

2.2. integrado em frases interrogativas iniciadas por


pronomes ou advérbios:
Ex.: Quem é que comeu as maçãs? ➞ Quem é que as
comeu?

Porto Editora
D. Conjugação pronominal

2.3. integrado em frases com alguns advérbios (bem, mal,


ainda, já, sempre, só, talvez…):
Ex.: Só poderei telefonar à Ana amanhã. ➞ Só lhe poderei
telefonar amanhã.

Porto Editora
D. Conjugação pronominal

2. Conjugação pronominal reflexa

Ocorre quando a forma verbal é acompanhada de um


pronome pessoal reflexo (me, te, se, nos, vos, se), o que faz
com que a ação recaia sobre o próprio sujeito.

Ex.: A criança veste-se.

Porto Editora
D. Conjugação pronominal

3. Conjugação pronominal recíproca


Neste caso, exprime-se uma ação recíproca, ou seja, dois ou
mais sujeitos praticam a ação, mas também beneficiam dessa
ação.

Ex.: Pai e filho abraçaram-se emotivamente.

Porto Editora
D. Conjugação pronominal

Nota:
As regras de colocação do pronome (antes ou depois do
verbo) também se aplicam à conjugação pronominal reflexa e à
conjugação pronominal recíproca.

Ex.: A criança veste-se. A criança não se veste.

Pai e filho abraçaram-se emotivamente.


Pai e filho sempre se abraçaram emotivamente.

Porto Editora
Em síntese:

Subclasses de verbos
Intransitivo
Transitivo direto
Principal
Transitivo indireto
Transitivo direto e indireto
Copulativo
Auxiliar

Porto Editora