Você está na página 1de 12

Evolução fonética

e semântica

Porto Editora
A. Processos fonológicos

Com a evolução do latim para o português, ocorreram várias


alterações a nível fonológico, ou seja, nos fonemas ou sons que
constituem as palavras. No entanto, estas variações que se
verificam no plano fonológico não se devem apenas a esta
evolução: dentro da própria língua portuguesa continuam a
suceder processos evolutivos, muitos deles frequentes em
registos populares e outros decorrentes da oralidade.

Porto Editora
A. Processos fonológicos

1. Processo de inserção de segmentos

2. Processo de supressão de segmentos

3. Processo de alteração de segmentos

Porto Editora
A. Processos fonológicos

1. Processo de inserção de segmentos


Processo que consiste em inserir novos sons ou fonemas numa
palavra (no início, no meio ou no final da mesma).

1.1. Prótese – inserção de um fonema no início de uma palavra.


Ex.: stare > estar

1.2. Epêntese – inserção de um fonema no meio de uma palavra.


Ex.: creo > creio

1.3. Paragoge – inserção de um fonema no final de uma palavra.


Ex.: ante > antes

Porto Editora
A. Processos fonológicos

2. Processo de supressão de segmentos


Processo que consiste em suprimir sons ou fonemas numa
palavra (no início, no meio ou no final da mesma).

2.1. Aférese – supressão de um fonema no início de uma palavra.


Ex.: attonitu > tonto

2.2. Síncope – supressão de um fonema no meio de uma palavra.


Ex.: malu > mau

2.3. Apócope – supressão de um fonema no final de uma palavra.


Ex.: amore > amor

Porto Editora
A. Processos fonológicos
3. Processo de alteração de segmentos
Processo que consiste na mudança de sons ou fonemas numa
palavra.

3.1. Assimilação – identificação ou aproximação de um fonema


com um fonema vizinho, adquirindo os traços fonéticos
desse fonema. Ex.: ipsu > isso

3.2. Dissimilação – diferenciação de fonemas vizinhos iguais


ou semelhantes. Ex.: liliu > lírio

Porto Editora
A. Processos fonológicos

3.3. Nasalização – transformação de uma vogal oral em


nasal, por influência de outro som nasal. Ex.: fine > fim

3.4. Ditongação – desdobramento de uma vogal em dois


fonemas, levando, assim, ao aparecimento de uma semivogal
antes ou depois da vogal), originando o ditongo.
Ex.: sto > estou

3.5. Sonorização – transformação de uma consoante surda


(p, t, c) na sonora correspondente (b, d, g).
Ex.: lupu > lobo; maritu > marido; aqua > água
Porto Editora
A. Processos fonológicos

3.6. Redução vocálica – enfraquecimento de uma vogal em


posição átona.
Ex.: carta > carteiro

Nota:
Na palavra “carta”, a vogal inicial /a/ é aberta, fazendo parte da sílaba tónica.
Na palavra “carteiro”, da mesma família, a vogal inicial /a/ passa a ser
fechada, pois faz parte da sílaba átona que antecede a sílaba tónica.

Porto Editora
A. Processos fonológicos

3.7. Crase – contração de duas vogais numa só.


Ex.: pee > pé

3.8. Metátese – troca de fonemas ou de sílabas no


interior de uma palavra.
Ex.: semper > sempre

Porto Editora
B. Evolução semântica

Ao longo dos tempos, as palavras evoluem ao nível fonológico,


originando mudanças no significante (na parte gráfica e acústica da
palavra). Para além desta mudança, também é possível verificar
um outro tipo de evolução que ocorreu ao nível da semântica –
palavras cujo significante não se alterou, mas nas quais houve uma
modificação no significado.

que está só, solitário – significado inicial


Ex.: solitariu > solteiro
que não é casado – significado atual
Porto Editora
Em síntese: Evolução fonética e semântica
A. Processos fonológicos

Inserção supressão alteração

Prótese (início) Aférese (início) Assimilação

Epêntese (meio) Síncope (meio) Dissimilação


Nasalização
Paragoge (fim) Apócope (fim)
Ditongação
Sonorização
Redução vocálica
Crase

Metátese
Porto Editora
Em síntese:

Evolução fonética e semântica

A. Processos fonológicos

B. Evolução semântica

Porto Editora