Você está na página 1de 12

ASPECTOS

DO REINO
O Reino de Deus
Uma
Uma Visão
Visão Dispensacionalista
Dispensacionalista

© Carlos Osvaldo Pinto e Marcelo Dias 2


I. Maneiras de Entender o
Reino
Conceitos do Reino Explicação Mais Comum Textos Relacionados

Restabelecimento do
Nacional reino davídico Atos 1.6
Tempo do reinado de
Milenar Cristo sobre a Terra Apocalipse 20.4
Autoridade de Cristo
Eclesiástico sobre a Igreja Mateus 16.19

Celestial Domínio de Cristo no céu João 18.36a


Domínio de Cristo no
Espiritual ?Lucas 17.21?
coração humano
Imposição da ética de
Moral Mateus 5-7
Jesus à humanidade

3
© Carlos Osvaldo Pinto
II. Aparentes Contradições Quanto ao
Reino de Deus
É identificado como É apresentado como
eterno (Sl 10.16) P temporal (Dn 2.44)
Seu escopo é universal Manifesta-se
(Sl 103.19) O localmente (Is 24.23)
É exercido diretamente É exercido
R
por Deus (Sl 59.13) mediatoriamente (Sl 2.4-6)

Apresenta-se como É Manifesta-se no


futuro (Zc 14.9) presente (Sl 29.10)
M
É realidade incondicional Expresso
(Dn 4.34-35) condicionalmente (Sl 89.27-
37)
© Carlos Osvaldo Pinto 4
ASPECTOS DO REINO

Alguns diferenciam reino dos céus (como futuro


reino mediatório de Cristo) e reino de Deus
(como reino universal de Deus), o que os
evangelhos não fazem (Mt 4:17 cp. Marc 1:15;
Mt 13:11 cp. Mc 4:11; Mt 13:31 cp. Mc 4:30-31,
Lc 13.18-19)

O conceito bíblico de reino vem do AT, e


significa, de forma geral, que Deus tem o
domínio sobre tudo e todos os reinos (Dn 4:17,
25-26). Reino é a imposição da autoridade de
Deus sobre este planeta.
ASPECTOS DO REINO

O salmista afirma que Deus é rei eterno (Sl


10.16), por isto Seu reino abrange todas as eras
(Sl 145.13 cp. Dn 4.34).

Tem aspecto local e temporal (Is 24:23), mas


com abrangência universal (Sl 103:19).

Seu exercício pode ser direto (Sl 59:13), ou


mediatório (Moisés - Êx 14:21, a Assíria - Is
10:5-15, e ainda Jesus, o Filho do Homem -
Dn 2:44, 7:13-14)
ASPECTOS DO REINO

Conquanto presente (Mt 12.28; Lc 10.11), também


será futuro (Dn 2:44, 7:13-14; Zc 14:9; Ap 20:4),
sob o domínio do Filho do Homem, Jesus (Lc 1.32;
João 18:36; Atos 1:6)

Tem aspecto celestial e também terreno (João


18:36 obs.: futuro)

É espiritual, pois Deus senhoreia os corações das


pessoas que o buscam (Mt 6:9-10 cp. Lv 22:32) e
governa a igreja por meio de Seu Filho (Ef 1:22,
4:15, 5:23).
ASPECTOS DO REINO

Uma nova fase do reino é iniciada com


o advento de Cristo (Mt 4.17). E ele, o
Reino, já estava entre (“ἐντός - entre”)
o povo (Lc 17.20-21).

Havia um critério para participação


nele (Mt 5.20)
ASPECTOS DO REINO

A mensagem do reino teria vários níveis de


receptividade (Mt 13.18-23) à luz de que o bem
e o mal estariam presentes no reino. No
entanto, serão separados no futuro (Mt 13.36-
43, Mt 25.1-13)
Nesta fase, o reino cresce imperceptível e
gradativamente até ter grande alcance (Mt
13.33, Lc 17.20), além de exigir prioridade no
coração dos súditos (Mt 13.45-46).

A igreja faz parte do reino (Mt 16:19), é reinada


pelo Filho (Cl 1.13, 18; Ef 5.23)
ASPECTOS DO REINO

Para Jesus, as riquezas poderiam se tornar


empecilho para a entrada no reino (Mc 10.23-25).

E embora tenha declarado que o reino já havia


chegado (Mt 12.28; Lc 11.20), ele também ainda
estava por vir (Mc 14.25; Lc 22.18).

A recompensa futura do cristão é partilhar da


autoridade do Rei no Reino (Mt 11.11; Lc 7.28;
19.17,19). Critérios: o serviço ao rei, a atitude do
coração dos súditos (Mc 9.34, 10.35-45),
perseverança diante da provação (2Tm 2.12),
santidade (2Pe 1.11), etc.
ASPECTOS DO REINO

Este reino deveria ser pregado


abnegadamente pelos seguidores de
Jesus (Lc 9.59-62).

Aqueles que permanecerem em suas


iniquidades, sem o perdão delas, não
participarão do reino (Lc 13.27-28)
ASPECTOS DO REINO

Portar a mensagem do reino seria privilégio dos


filhos de Israel (Mt 10.7), que seriam os agentes
de Deus. Mas, à luz da rejeição nacional (Mt
12.22-28), este privilégio seria tirado dos Judeus, e
dado a um povo que produziria frutos (Mt 21.43;
1Pe 2.9-10 cp. Êx 19.5-6).

Os integrantes da igreja receberam a


responsabilidade de proclamar Jesus como acesso
a este reino (At 8:12; 19:8; 20.25; 28.23, 30-31;
1Pe 2.9), embora isto implique sofrimento (At
14:22).