Você está na página 1de 14

Modelo atómico

Modelo atómico

Ao longo dos tempos, muitos foram os que se dedicaram a tentar explicar a


constituição da matéria.

Modelo atómico de Dalton

No início do seculo XIX, o físico inglês John Dalton ainda


imaginava os átomos como corpúsculos indivisíveis e
indestrutíveis. 1766 - 1844

Modelo atómico de Thomson

O físico inglês Joseph Thomson explicou que os átomos


eram constituídos por uma massa positiva onde se
encontravam dispersos os eletrões, com carga negativa e em
número suficiente para a carga global ser nula.

1856-1940
2
Modelo atómico

História do modelo atómico

Modelo atómico de Rutherford

Segundo Rutherford os átomos eram constituídos por:

um núcleo muito pequeno, com carga positiva,


onde se concentra toda a massa do átomo;

eletrões
eletrões, com carga negativa, movendo-se
em volta do núcleo, tal como os planetas
se movem em volta do Sol.

Núcleo
3
Modelo atómico

História do modelo atómico

Modelo atómico de Bohr


1885-1962
Em 1913, o físico dinamarquês Niels Bohr completou o modelo de
Rutherford com as seguintes ideias:

os eletrões movem-se à volta do núcleo em órbitras circulares, a


distâncias bem definidas do núcleo;

a cada órbita corresponde um determinado valor de energia;


núcleo
os eletrões com mais energia movem-se em
órbitas mais afastadas do núcleo, os que têm
menos energia movem-se em órbitas mais
próximas do núcleo. 1ª órbita
2ª órbita
3ª órbita Energia
crescente
Surgiu assim um modelo planetário de átomo. 4
Modelo atómico

História do modelo atómico

Modelo da nuvem eletrónica


Modelo aceite atualmente

Os eletrões dos átomos movem-se sem órbitas definidas e com velocidade


elevadíssima. Por isso, não é possível dizer onde estão os eletrões num
certo instante.

Apenas se pode falar na probabilidade de os encontrar à volta do núcleo.

A zona de grande probabilidade de encontrar os eletrões chama-se


nuvem eletrónica.
Núcleo
Nuvem
eletrónica

5
Modelo atómico

Constituição dos átomos


Protões - carga +
mp=1,673 x 10-24 g
núcleo
Neutrões - sem carga
mn=1,675 x 10-24 g
Responsável
pela massa
do átomo

Nuvem eletrónica Eletrões – carga negativa


me=9,11 x 10-28 g

Fig. 2 | Átomo

O átomo é eletricamente neutro N.º de eletrões = N.º de protões


6
Modelo atómico

Número atómico e número de massa

O número de protões existentes no núcleo dos átomos de um elemento


chama-se número atómico, representa-se pela letra Z e caracteriza o
elemento químico.

O número total de partículas existentes no núcleo dos átomos, que


corresponde à soma dos protões e dos neutrões, chama-se número de
massa. Representa-se pela letra A.

Número A=Z+N
de massa

X
A
Número neutrões

Z Número atómico
Número
atómico Número de massa
7
Modelo atómico

Isótopo de um elemento

Os isótopos de um elemento têm:

o mesmo número atómico Z;

diferente número de massa A, pois o número de neutrões N é diferente.

Cloro-35 Cloro-37
37
35
17 Cℓ 17 Cℓ
17 protões 17 protões
18 Neutrões 20 Neutrões

17 eletrões 17 eletrões

8
Modelo atómico

Massa dos átomos

Como a massa dos átomos é muito pequena para a exprimirem,


os químicos comparam-na com um padrão adequado.

O padrão é a duodécima parte da massa do átomo de carbono-12, a


que se atribui o valor unitário da massa atómica, 1 u.

Massa de C
12

  da massa de 12C Este número indica quantas vezes


a massa do átomo é maior do que
=1u a massa do padrão e chama-se
massa relativa do átomo.

9
Modelo atómico

Massa atómica relativa dos elementos

Quando um elemento tem isótopos, a massa atómica relativa, Ar do


elemento corresponde a uma média das massas relativas dos seus
isótopos, que tem em conta as suas abundâncias na Natureza.

Isótopo Massa isotópica relativa Abundância (%)


14,003 99,3
15,000 0,7

 𝐴r ( N )=𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎 × 𝑝𝑒𝑟𝑐𝑒𝑛𝑡𝑎𝑔𝑒𝑚+𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎 × 𝑝𝑒𝑟𝑐𝑒𝑛𝑡𝑎𝑔𝑒𝑚


14 15
 7 N  7 N
  99,3 0,7
𝐴r ( N )=14,003 × +15,000 × ↔ 𝐴 r ( N )=14,01
100 100 10
Modelo atómico

Iões monoatómicos: representação evidenciando Z e A

Quando um átomo perde ou ganha eletrões, transforma-se num ião.

carga
X
A A carga do ião é igual à diferença entre o

Z número de eletrões do átomo e do ião.

17 protões
Átomo de cloro Ião cloreto 18 Neutrões (N = A – Z = 35 – 17)
35 -1 18 eletrões (17 do átomo +1)
17 Cℓ
35
Ganhou 1 eletrão
17 Cℓ

17 eletrões 18 eletrões

11
Modelo atómico

Síntese

Modelos atómicos

Dalton Thomson Rutherford Bohr Nuvem eletrónica


Átomo Cargas negativas Os eletrões Os eletrões Há regiões do espaço
indivisível dispersas numa movem-se em movem--se em onde é maior a
massa positiva torno do núcleo torno do núcleo em probabilidade de
positivo órbitas circulares encontrar um eletrão

Os átomos são constituídos por um núcleo com protões e neutrões e um


espaço à volta do núcleo, onde se movem os eletrões.

A massa do protão é praticamente igual à do neutrão e muito maior do que


a do eletrão.

A massa de um átomo está praticamente concentrada no núcleo.


12
Modelo atómico

Síntese

A carga do protão é +1, a do eletrão é -1 e o neutrão não tem carga.

O número de protões é característico dos átomos de cada elemento químico


e chama-se número atómico, Z.

A soma dos protões e neutrões de um átomo chama-se número de massa, A.

Cada tipo de átomos é caracterizado por um número atómico e um número de


massa, e pode representar-se por: A
Z X
Os isótopos de um elemento são átomos que têm igual número atómico,
Z, mas diferente número de massa, A, pelo que têm massa diferente.

A massa relativa de um isótopo ou massa isotópica relativa indica-se


apenas por um número, sem unidades, em relação a um padrão
estabelecido que é
  da massa de 12C
13
Modelo atómico

Síntese

Chama-se massa atómica relativa de um elemento Ar à média das


massas relativas dos seus isótopos, tendo em conta a sua abundância na
Natureza. Indica-se apenas por um número.

Os átomos transformam-se em iões monoatómicos quando perdem ou


ganham eletrões, sendo:

carga do ião = n.º de eletrões do átomo – n.º de eletrões do ião.

Os iões monoatómicos podem representar-se por:

A carga

Z
X

14