Você está na página 1de 59

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

UNESP – Campus de Bauru/SP


FACULDADE DE ENGENHARIA
Departamento de Engenharia Civil

2323 - ESTRUTURAS DE CONCRETO II

DIMENSIONAMENTO DE VIGAS DE
CONCRETO ARMADO À FORÇA CORTANTE

Prof. Dr. PAULO SÉRGIO DOS SANTOS BASTOS

Fev/2020

1
FONTE:

Apostila do Professor
“DIMENSIONAMENTO DE VIGAS
DE CONCRETO ARMADO À
FORÇA CORTANTE”, disponível em:

http://wwwp.feb.unesp.br/pbastos/concreto2/
Cortante.pdf

2
5.1 INTRODUÇÃO

No projeto de uma viga:

Dimensionamento à flexão e desloca-


mentos verticais (flecha) são fatores
determinantes para a especificação das
dimensões (h) da seção transversal da
viga.

Dimensionamento da armadura transver-


sal (estribos) para a força cortante
geralmente é feito após o de flexão. 3
5.1 INTRODUÇÃO

A NBR 6118 admite dois Modelos para


cálculo da armadura transversal:

- Modelo de Cálculo I (treliça clássica)

- Modelo de Cálculo II (treliça generalizada)

4
5.1 INTRODUÇÃO

Outros modelos mais refinados:


“Rotating angle softened truss model”
(RA-STM) e “Fixed angle softened truss
model” (FA-STM), de HSU;
“Truss model with crack friction” de
REINECK, “Diagonal compression field
theory” (CFT) de MITCHELL e COLLINS;
“Modified compression field theory”
(MCFT), de VECCHIO e COLLINS. 5
5.1 INTRODUÇÃO

A ruptura de vigas por efeito de força


cortante é iniciada após o surgimento de
fissuras inclinadas, sendo frequente-
mente violenta e frágil, devendo sempre
ser evitada. A ruptura deve se desen-
volver lenta e gradualmente:
“é necessário garantir uma boa
ductilidade, de forma que uma eventual
ruína ocorra de forma suficientemente
avisada, alertando os usuários” (NBR
6
6118, item 16.2.3).
5.2 TENSÕES PRINCIPAIS EM VIGAS
SOB FLEXÃO SIMPLES

Vídeos:

https://www.youtube.com/watch?v=Xba_9X
vtP0A

https://www.youtube.com/watch?v=nJLtTo2
hWg4

https://www.youtube.com/watch?v=AMaQs
T_sNNE
7
5.2 TENSÕES PRINCIPAIS EM VIGAS
SOB FLEXÃO SIMPLES

Figura 5.1 – Viga biapoiada e diagramas de esforços


solicitantes.[9] 8
 Figura 5.1 - Comportamento resistente de uma viga biapoiada.[9]
 
Figura 5.1 - Comportamento resistente de uma viga biapoiada. [9]
 
Figura 5.2 - Fissuras na viga no Estádio II.[9]
Figura 5.4 – Trajetórias das tensões principais de uma
viga biapoiada no Estádio I.[9]
12
5.3 MECANISMOS BÁSICOS DE
TRANSFERÊNCIA DA FORÇA
CORTANTE

Figura 5.6 – Três mecanismos de transferência da força cortante em viga com


armadura transversal: Vcz proporcionada pelo banzo de concreto comprimido, V ay
proporcionada pelo engrenamento dos agregados ou atrito das superfícies nas
13
fissuras inclinadas, e Vd proporcionada pela ação de pino da armadura
longitudinal.[11]
5.3 MECANISMOS BÁSICOS DE TRANSFERÊN-
CIA DA FORÇA CORTANTE

5.3.1 Ação de Arco

Figura 5.7 – Ação de arco ou de pórtico atirantado nas


14
proximidades dos apoios. [9]
5.4 FATORES QUE INFLUENCIAM A
RESISTÊNCIA À FORÇA CORTANTE

Ler e estudar na apostila.

15
5.5 COMPORTAMENTO DE VIGAS
COM ARMADURA TRANSVERSAL

Figura 5.10 – Ruptura da viga por rompimento do banzo


superior comprimido de concreto. [9]

16
5.5 COMPORTAMENTO DE VIGAS COM
ARMADURA TRANSVERSAL

Figura 5.11 – Ruína de viga por


rompimento dos estribos. [9] 17
5.5 COMPORTAMENTO DE VIGAS COM
ARMADURA TRANSVERSAL

Figura 5.12 - Ruptura das diagonais comprimidas no caso de


seções com mesa comprimida e armadura transversal
reforçada. [9]

18
5.5 COMPORTAMENTO DE VIGAS COM
ARMADURA TRANSVERSAL

Figura 5.13 – Atuação do estribo no


modelo de treliça.[21] 19
5.6 TRELIÇA CLÁSSICA DE RITTER-
MÖRSCH ( = 45)

Analogia de viga fissurada (Estádio II) com


treliça isostática:
-banzo inferior é a armadura longitudinal de
tração;
-banzo superior é o concreto comprimido pela
flexão;
-diagonais inclinadas de 45 representam o
concreto comprimido (bielas de compressão)
entre as fissuras de cisalhamento;
-diagonais tracionadas inclinadas representam
os estribos (montantes verticais no caso de
20
estribos verticais).
5.6 TRELIÇA CLÁSSICA DE RITTER-MÖRSCH
( = 45)

a) estribos inclinados; b) estribos verticais.

Figura 5.14 – Analogia de treliça clássica com as forças


internas de uma viga na região próxima ao apoio.[9]

21
5.6 TRELIÇA CLÁSSICA DE RITTER-MÖRSCH
( = 45)

Treliça clássica: banzos paralelos e


diagonais comprimidas de 45°.

Figura 5.16 – Viga representada segundo a treliça 22


clássica de Ritter-Mörsch.
5.6 TRELIÇA CLÁSSICA DE RITTER-MÖRSCH ( =
45)

Dedução das forças da treliça clássica:

No quadro!

23
5.6 TRELIÇA CLÁSSICA DE RITTER-MÖRSCH ( =
45)

Tabela 5.1 – Resumo das relações para a treliça


clássica em função do ângulo  de inclinação das
diagonais tracionadas.
Relação em função de   = 45  = 90
Força na diagonal compri-
2V 2V 2V
mida (Rcb)
Tensão na diagonal 2V V V
2
comprimida (cb) b w z 1  cotg   bw z bw z
Força de tração na armadura V V
V
transversal (Rs) sen  sen 45
Tensão na armadura V s V s V s
transversal (sw) z  sen   cos   A sw , z Asw , 45 2 z A sw ,90

24
5.7 TRELIÇA GENERALIZADA
( variável)

Com base em resultados experimentais


verificou-se que a inclinação das fissuras
de cisalhamento é geralmente inferior a
45°, e consequentemente também das
bielas de compressão, e de até menos
que 30°, em função principalmente da
quantidade de armadura transversal e da
relação entre as larguras da alma e da
mesa comprimida (seções T e I por
exemplo). 25
5.7 TRELIÇA GENERALIZADA
( variável)

A treliça também não considera a ação


de arco nas proximidades dos apoios.

Por não fazer essas considerações a


treliça clássica é conservadora, e resulta
armadura transversal um pouco superior.

26
5.7 TRELIÇA GENERALIZADA
( variável)

Figura 5.18 - Treliça generalizada para vigas seção T 27


com alma espessa e alma delgada.[26]
5.7 TRELIÇA GENERALIZADA
( variável)

Figura 5.19 - Treliça generalizada com diagonais


comprimidas inclinadas com ângulo  e armadura transversal
28
inclinada com ângulo .
5.7 TRELIÇA GENERALIZADA
( variável)

Dedução das forças na treliça GENERA-


LIZADA:

NO QUADRO!

29
5.8 DIMENSIONAMENTO SEGUNDO
A NBR 6118

De modo geral, a NBR 6118 segue o MC-


90 do CEB-FIP (1990) e o Eurocode 2,
com algumas modificações e adap-
tações.

Uma das principais inovações em


relação à NB1/78 está na possibilidade
de se poder considerar inclinações
variáveis (30    45) para as
diagonais comprimidas (bielas de
compressão). 30
5.8 DIMENSIONAMENTO SEGUNDO A NBR 6118

A NBR 6118 admite analogia de viga


fissurada com uma treliça isostática,
associada a mecanismos resistentes com-
plementares (componente Vc).

Modelo de Cálculo I: treliça clássica, com


ângulo  de 45;

Modelo de Cálculo II: treliça generalizada,


com  podendo variar entre 30 e 45.
31
5.8 DIMENSIONAMENTO SEGUNDO A NBR 6118

A condição de segurança do elemento


estrutural é satisfatória quando é aten-
dido o Estado-Limite Último, simultanea-
mente para as duas condições:
VSd  VRd 2
VSd  VRd 3  Vc  Vsw

32
5.8 DIMENSIONAMENTO SEGUNDO A NBR 6118

VSd = força cortante solicitante de cálculo;


VRd2 = força cortante resistente de cálculo,
relativa à ruína das diagonais comprimidas
de concreto;
VRd3 = Vc + Vsw = força cortante resistente de
cálculo, relativa à ruína por tração
diagonal;
Vc = parcela de força cortante absorvida
por mecanismos complementares ao de
treliça;
Vsw = parcela absorvida pela armadura 33
5.8.1 MODELO DE CÁLCULO I

5.8.2 MODELO DE CÁLCULO II

NO QUADRO!

34
5.8.3 LAJES E ELEMENTOS LINEARES COM
bw  5d

A força cortante em lajes e elementos


lineares com bw  5d é verificada no item
19.4 da NBR 6118. A norma faz distinção
entre laje sem e com armadura
transversal para a força cortante.

35
5.8.3.1 LAJES SEM ARMADURA PARA FORÇA
CORTANTE

“As lajes maciças ou nervuradas,


conforme 17.4.1.1.2-b), podem prescindir
de armadura transversal para resistir as
forças de tração oriundas da força
cortante, quando a força cortante de
cálculo, a uma distância d da face do
apoio, obedecer à expressão:” (NBR 6118,
19.4.1)
VSd  VRd1
36
5.8.3.1 LAJES SEM ARMADURA PARA FORÇA
CORTANTE

A força cortante máxima VRd1 é:

 
VRd1   Rd k 1,2  401   0,15cp b w d

37
5.8.3.1 LAJES SEM ARMADURA PARA FORÇA
CORTANTE

N Sd
 cp 
Ac

NSd = força longitudinal na seção devida


à protensão ou carregamento (compres-
são com sinal positivo).

Não existindo a protensão ou força


normal que cause a compressão, a Eq.
38
5.8.3.1 LAJES SEM ARMADURA PARA FORÇA
CORTANTE

Não existindo protensão ou força normal


que cause tensões de compressão, a Eq.
5.37 fica:

VRd1    Rd k 1,2  401   b w d

 Rd  0,25f ctd

Rd = tensão resistente de cálculo do


concreto à força cortante. 39
5.8.3.1 LAJES SEM ARMADURA PARA FORÇA
CORTANTE

f ctk ,inf
f ctd 
c
A s1
1   0,02
bw d
bw = largura mínima da seção ao longo da altura
útil d;
As1 = área da armadura de tração que se estende
até não menos que d + b,nec além da seção
40
considerada (Figura 5.23);
5.8.3.1 LAJES SEM ARMADURA PARA FORÇA
CORTANTE

k = coeficiente que tem os seguintes


valores:

- para elementos onde 50 % da armadura


inferior não chega até o apoio: k = |1|;

- para os demais casos: k = |1,6 – d|, não


menor que |1|, com d em metros.

41
5.8.3.1 LAJES SEM ARMADURA PARA FORÇA
CORTANTE

Comprimento de ancoragem necessário


(b,nec):

A s ,calc
b ,nec   b  b ,mín
A s ,ef

b = comprimento de ancoragem básico,


mostrado na Tabela A-2 e Tabela A-3;
Ac,calc = área da armadura calculada;
As,ef = área da armadura efetiva; 42
5.8.3.1 LAJES SEM ARMADURA PARA FORÇA
CORTANTE

 = 1,0 para barras sem gancho;


 = 0,7 para barras tracionadas com
gancho, com cobrimento no plano normal
ao do gancho  3;
 = 0,7 quando houver barras transver-
sais soldadas conforme o item 9.4.2.2 da
norma;
 = 0,5 quando houver barras transver-
sais soldadas conforme o item 9.4.2.2 da
norma e gancho com cobrimento normal
no plano normal ao do gancho  3. 43
5.8.3.1 LAJES SEM ARMADURA PARA FORÇA
CORTANTE

Comprimento de ancoragem mínimo:

0,3b

b ,mín  10
100mm

44
5.8.3.1 LAJES SEM ARMADURA PARA FORÇA
CORTANTE

Figura 5.23 – Comprimento de ancoragem necessário


para as armaduras nos apoios.
45
5.8.3.2 LAJES COM ARMADURA PARA FORÇA
CORTANTE

No caso de se projetar a laje com


armadura transversal para a força
cortante, a NBR 6118 recomenda que
sejam seguidos os critérios apresenta-
dos em 17.4.2, que trata do dimensiona-
mento de vigas à força cortante.

46
5.8.3.2 LAJES COM ARMADURA PARA FORÇA
CORTANTE

A tensão nos estribos deve atender o


seguinte (NBR 6118, 19.4.2):
“A resistência dos estribos pode ser
considerada com os seguintes valores
máximos, sendo permitida interpolação
linear:
- 250 MPa, para lajes com espessura até
15 cm;
- 435 MPa (fywd), para lajes com
espessura maior que 35 cm.”
47
5.9 ARMADURA MÍNIMA
5.10 DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS

Ver na apostila.

48
5.11 EQUAÇÕES SIMPLIFICADAS

São equações mais simples deduzidas com


base na formulação teórica contida na NBR
6118. Tornam o cálculo manual mais rápido.
Ver a dedução das equações na apostila.

49
Tabela 5.3 – Equações simplificadas segundo o Modelo de Cálculo I
para concretos do Grupo I.
(estribo vertical, c = 1,4, s = 1,15, aços CA-50 e 60, flexão simples)

C o n c re to V Rd2 V S d ,m ín A sw

C15 0 , 27 b d 0 , 083 b d V Sd
w w 2 , 55  0 , 14 b w
d

C20 0 , 35 b d 0 , 101 b d V Sd
w w 2 , 55  0 , 17 b w
d

C25 0 , 43 b d 0 , 117 b d V Sd
w w 2 , 55  0 , 20 b w
d

C30 0 , 51 b d 0 , 132 b d V Sd
w w 2 , 55  0 , 22 b w
d

C35 0 , 58 b d 0 , 147 b d V Sd
w w 2 , 55  0 , 25 b w
d

C40 0 , 65 b d 0 , 160 b d V Sd
w w 2 , 55  0 , 27 b w
d

C45 0 , 71 b d 0 , 173 b d V Sd
w w 2 , 55  0 , 29 b w
d

C50 0 , 77 b d 0 , 186 b d V Sd
w w 2 , 55  0 , 31 b w
d
Tabela 5.4 – Equações simplificadas segundo o Modelo de Cálculo II
para concretos do Grupo I.
(estribo vertical, c = 1,4, s = 1,15, aços CA-50 e 60, flexão simples)

Concreto VRd2 VSd,mín Asw

C15 0,54 b w . d . sen . cos  0,029. b w . d . cot g   Vc1


C20 0,71 b w . d . sen . cos  0,035. b w . d . cot g   Vc1

C25 0,87 b w . d . sen . cos  0,040 . b w . d . cot g   Vc1


 VSd  Vc1 
C30 1,02 b w . d . sen . cos  0,045 . b w . d . cot g   Vc1 2,55 tg 
d
C35 1,16 b w . d . sen . cos  0,050 . b w . d . cot g   Vc1

C40 1,30 b w . d . sen . cos  0,055 . b w . d . cot g   Vc1

C45 1,42 b w . d . sen . cos  0,059 . b w . d . cot g   Vc1

C50 1,54 b w . d . sen . cos  0,064 . b w . d . cot g   Vc1


5.12. CONSIDERAÇÕES SOBRE O
ÂNGULO DE INCLINAÇÃO DAS
DIAGONAIS DE COMPRESSÃO ()
Após iniciado o processo de fissuração na
viga, ocorre uma redistribuição dos esforços
internos, proporcional à rigidez, principal-
mente das diagonais de compressão e do
banzo comprimido.
No caso de seção retangular as diagonais de
compressão são rígidas em relação ao banzo
comprimido, o qual inclina-se em direção ao
apoio, criando o efeito de arco atirantado na
viga.
O banzo comprimido, ao inclinar-se em
direção ao apoio pode até mesmo absorver
toda a força transversal, por meio de sua52
componente vertical.
Figura 5.20 – Efeito de arco ou pórtico atirantado na viga.
Figura 5.26 – Efeito de arco em viga de seção retangular e seção T com
inclinação do banzo comprimido em direção ao apoio.[9]
Com a diminuição da relação b/bw ocorre um
aumento da inclinação da força no banzo
comprimido e uma diminuição da inclinação das
diagonais comprimidas (diminuição de ) e, como
conseqüência, os esforços de tração na alma
diminuem progressivamente em comparação
aqueles calculados segundo a treliça clássica.
Os ensaios experimentais realizados na
Alemanha e descritos por LEONHARDT & MÖNNIG
(1982) mostraram também que “a inclinação das
fissuras de cisalhamento ou das diagonais
comprimidas varia com a relação b/bw; essa
inclinação situa-se em torno de 30 para b/bw = 1 e
cresce para cerca de 45 para b/bw = 8 a 12. As
diagonais de compressão que possuem uma
inclinação menor que 45 conduzem a esforços de
tração na alma de menor valor.”
Seção retangular: fissuras por cortante com
inclinação inferior a 45, reduzindo-se até 30.
Portanto, é adequado considerar ângulos
 variando de 30 a 38.

Seções com banzos comprimidos mais rígidos,


como seções em forma de T, I, etc: a força no
banzo comprimido inclina-se pouco, e as
fissuras por cortante têm inclinação de aproxi-
madamente 45. Recomen-da-se neste caso
adotar  variando de 38 a 45.
5.13. REDUÇÃO DA FORÇA CORTANTE

Ver na apostila.

57
5.14. CARREGAMENTO APLICADO
NA PARTE INFERIOR DAS VIGAS

5.15. ARMADURA DE SUSPENSÃO

Ver esses itens na apostila.

58
5.16 EXEMPLOS NUMÉRICOS 1 E 2

NA LOUSA!

59