Você está na página 1de 81

HEMENÊUTICA

(Princípios de Interpretação Bíblica)


Definição:
É a arte e a interpretação da linguagem.

Objetivos:
Autor - Leitor:

O objetivo é tornar o autor contemporâneo do leitor,


aproximando-os à compreensão da mesma época.

Esclarecer tudo que haja de obscuro

Tornar o assunto compreensível - II Pedro 3:15 e 16

É possível dizer a verdade de forma errada.


Definição:
Ciência - Porque contém regras definidas,
organizadas

Arte - Porque na hora de aplicar as regras há


necessidade de bom senso, sensibilidade.
Interpretação X Aplicação:
Interpretação - Só é o significado pretendido
pelo autor por Deus.

Aplicação - Podem ser vários, dependendo da


situação em que as pessoas se encontram
Hermenêutica - Geral e Especial :

Geral - É aquela que trata as Escrituras como um


todo. Princípios gerais, básicos. Elabora os princípios.

Especial - É aquela que trata de questões


particulares das escrituras
Crítica Textual
Ciência que estuda as possíveis mudanças que
ocorrem com o texto bíblico.

Crítica Histórica
• É aquela que estuda os fatos históricos envolvidos
com o texto
Relação da Hermenêutica com outros
campos de estudo bíblico
CRÍTICA CRÍTICA EXEGESE - BÍBLICA E
CÂNON TEXTUAL HISTÓRICA - SISTEMÁTICA

Vê se o texto Quando foi Depois de definir os


é o melhor escrito aspectos históricos,
em grego, o Porque foi chegamos à exegese. De
mais próximo escrito uma correta exegese
ao original Quem foi o depende a minha teologia.
autor
Para quem
escreveu
Teologia:
Bíblica - Limita o estudo a um livro ou um grupo
de livros. Ela focaliza o livro em si. Focaliza o livro.

Sistemática - Pega um tema bíblico e vou em


toda a bíblia para ver o que se fala sobre esse
tema. Focaliza o tema.
A necessidade da Hermenêutica :
Mesmo as Escrituras defendem a necessidade de
uma Hermenêutica Bíblica.

a) - II Pedro 3:15, 16

Algumas coisas difíceis de serem entendidas.

É possível torcer as Escrituras.

Pedro tinha dificuldade para entender alguns


dos escritos de Paulo

Naquela época, alguns já torciam a Bíblia.


A necessidade da Hermenêutica :
b) - Luc. 24:27

Estavam deprimidos por não interpretarem


devidamente as profecias messiânicas

O próprio Senhor Jesus reconheceu a


necessidade de explicar as Escrituras.

“Expunha-lhes” - δ ι ε ρ µ ην ε υ ω
(diermeneuo)

Jesus fez hermenêutica com os discípulos


A necessidade da Hermenêutica :
c) - II Tim. 2:15

“Manejar bem a palavra da verdade”

Explorar bem e ensinar corretamente a palavra


da verdade

Paulo recomenda a Timóteo que maneje bem


as Escrituras

Entender bem e ensinar corretamente a palavra


da verdade
A necessidade da Hermenêutica :
d) - II Cor. 2:17

“Mercadejando” – Falsificando

χ απ ηλ ε υ ω (capeleuo) =
corromper, falsificar, adulterar

Não devemos corromper, falsificar as


Escrituras
Bloqueios à Compreensão
Espontânea da Bíblia :

Histórico

Cultural

Costumes

Pensamentos

Lingüístico
O CONCEITO BÍBLICO DE
INSPIRAÇÃO
Nós, Adventistas do 7o Dia, defendemos o ponto de vista
ortodoxa sobre a inspiração.

Inspiração Bíblica: “A Bíblia conquanto tenha mantido os


estilos pessoais de expressão e liberdade dos escritores
humanos, é a palavra de Deus, toda inspirada por Deus
mediante o Espírito Santo, sem nenhuma diferença
qualificativa na inspiração de qualquer de seus livros, cuja
autoridade é assim normativa para a fé e a vida, para a
doutrina e proclamação, para pensamento e investigação”. -
Wilson Paroski.
O CONCEITO BÍBLICO DE
INSPIRAÇÃO
(1) A Unicidade da Bíblia

Somente a Bíblia apresenta uma dupla natureza:

1o - Sua origem divina

2o - Sua dimensão humana.

Por causa de sua origem divina, a Bíblia é a palavra


de Deus (não contem a palavra de Deus, ela é a
palavra de Deus).
O CONCEITO BÍBLICO DE
INSPIRAÇÃO
A questão da inerrância bíblica

Duas posições evangélicas:

1o - A Bíblia é totalmente privada de erros.

2o - A Bíblia é sem erro toda vez que fala sobre salvação


e fé, mas pode possuir erros em outros pontos.
O CONCEITO BÍBLICO DE
INSPIRAÇÃO
Exemplos de dificuldades na Bíblia:

a) - Mat. 27:37 - (comparar com Mar. 15:26; Luc. 23:38; João


19:19)

Mat. - Este é Jesus o Rei dos Judeus

Mar. - O Rei dos Judeus

Luc. - Este é o Rei dos Judeus

João - Jesus Nazareno, o Rei dos Judeus.


O CONCEITO BÍBLICO DE
INSPIRAÇÃO
Exemplos de dificuldades na Bíblia:

a) - Mat. 27:37 - (comparar com Mar. 15:26; Luc. 23:38; João


19:19)

Cada evangelista escreveu inspirados por Deus, mas de sua


maneira.

Ver Mat. 6:9 a 15 com Lucas 11:1 a 4 - (Oração do Pai Nosso).

Na inspiração, a personalidade do profeta é preservada, sua


linguagem é preservada, sua maneira de escrever também é
preservada.
O CONCEITO BÍBLICO DE
INSPIRAÇÃO
b) - I Cor. 10:8 com Núm. 25:9

Paulo disse que haviam morrido 23.000


pessoas

Moisés disse que haviam morrido 24.000


pessoas.

“Lindisel diz que foram 23.500”.


O CONCEITO BÍBLICO DE
INSPIRAÇÃO
c) - Levíticos 11:6
“A lebre, porque rumina, mas não tem unhas
fendidas, esta vos será imunda”.
Obs: A lebre “não rumina”.
Em muitas passagens a Bíblia usa uma linguagem
fenomenológica
Linguagem numernologica - descreve os fatos como
eles realmente são
Linguagem fenomenológica - descreve os fatos como
eles parecem ser.
O importante não é se a lebre rumina ou não, mas o
ponto central é que o homem não deve comer a carne da
lebre.
O CONCEITO BÍBLICO DE
INSPIRAÇÃO
d) - Mar. 6:8 com Luc. 9:3
Marcos - Levem um bordão (bengala)
Lucas - Não levem nada, nem bordão.
O fato de levar ou não o bordão, não muda o objetivo
de Jesus, que era o fato de eles dependeram inteiramente de
Deus.

e) - Mat. 26:34 c/ Marc. 14:30


“Antes que o galo cante...” = Mais genérico
“Antes que o galo cante, 3 vezes...” = Mais específico
Um estava sendo mais preciso que o outro, mas isto
não muda o serne da mensagem que era o fato de que Pedro
iria negar a Jesus.
5 princípios básicos de
hermenêutica
1o - Unidade - entre o Antigo e o Novo Testamentos

2o - Continuidade

3o - Progressividade

4o - Diversidade

5° - Analogia da Fé
A SOLA SCRIPTURA
O concerto católico no tempo de Lutero, era que a
Bíblia era: Bíblia + Tradições.

Diziam que a Bíblia era a Revelação de Deus, mais as


tradições dos homens.

Lutero se posicionou contra esta idéia. Sua posição


era: Sola Scriptura = Somente a Escritura.
Prioridades de Deus em relação ao
movimento adventista:
1 - Plataforma Doutrinal Básica: foi feita nos congressos
sabáticos, no final dos anos 40 (1840)

2 - Organização da Igreja: durante a década de 50

3 - Mensagem de Saúde: anos 60


1a visão grande sobre saúde: 6/6/1863
Prioridades de Deus em relação ao
movimento adventista:
Congressos Sabáticos (± 1840)

1 - Os próprios membros tomavam a iniciativa de se


reunirem

2 - Eles se auto financiavam

3 - Reuniam-se em casas de famílias


Prioridades de Deus em relação ao
movimento adventista:
Congressos Sabáticos (± 1840)

4 - Havia intenso estudo da Bíblia

5 - Quando chegavam a um ponto difícil, oravam e se


separavam em grupos menores para meditar, orar e estudar.
Às vezes isto era feito a noite toda.

6 - Quando retornavam para seus lares, havia unidade na


compreensão das verdades
Papel de Ellen White, nestes congressos:
1) - O que não foi - Não foi um substituto para a oração
e a iniciativa pessoal.

2) - O que foi - As visões confirmavam as conclusões


corretas dos irmãos e ajudavam para que um ou outro
ajuste fosse feito.
Papel de Ellen White, nestes congressos:
1) - O que não foi - Não foi um substituto para a oração
e a iniciativa pessoal.

2) - O que foi - As visões confirmavam as conclusões


corretas dos irmãos e ajudavam para que um ou outro
ajuste fosse feito.
Doutrinas Descobertas Através do
Estudo da Palavra de Deus :
1) - 2a vinda de Cristo
Guilherme Müller, Josué Himes, Carlos Fitch,
José Bates, etc.

2) - Santuário
H. Edson, Crosion, Hahn

3) - Imortalidade Condicional da Alma


J. Storrs
Doutrinas Descobertas Através do
Estudo da Palavra de Deus :
4) - Sábado
Preston. José Bates, Preble

5) - As Três Mensagens Angélicas


I - Guilherme Müller (1839-1844)
II - C. Fitch (1844)
III - Tiago White e outros
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
A Exegese Judaica Antiga

-Esdras 7:6, 10

- Esdras é o mais antigo intérprete que temos notícia.

-O povo estava falando uma língua aparentada, mas diferente


do hebraico: o aramaico. Isto levou Esdras a ensinar ao povo
as Escrituras.

- Esdras era sacerdote e era versado nas leis de Moisés.


Esdras havia proposto em seu coração guardar as leis de
Deus.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
A Exegese Judaica Antiga

-O povo daquela época perderam a facilidade com a língua


hebraica por influência ao aramaico.

-Por isso, os sacerdotes liam o Pentateuco para eles e os


interpretava.

- O Pentateuco estava todo em hebraico.


HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
A Exegese Judaica Antiga

- Neemias 8:1-8
-V. 8 - “Leram no livro..., claramente, dando explicações, de
maneira que entendessem o que se lia”.

- Dessa forma iniciou-se a ciência que nós chamamos de


Hermenêutica.

- Segundo a tradição judaica, Esdras é considerado o primeiro


a usar a exegese, foi ele quem iniciou os escribas (ele é
considerado o primeiro escriba).
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :

A Exegese Judaica Antiga

-Sopherins: Escribas:

- Foi também neste período que surgiram as sinagogas

- O templo era para serviços oficiais. A sinagoga era para


serviços informais.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :

A Exegese Judaica Antiga

-Sopherins: Escribas:

- Eram eles que ensinavam o povo sobre as Santas Escrituras

- Copiaram zelosamente as Escrituras.

- O período intertestamentário, foi o período em que surgiram


diversas seitas no Novo Testamento: escribas, fariseus,
saduceus, essênios.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :

A Exegese Judaica Antiga

-Vantagem: fidelidade ao teto bíblico original

- Desvantagem: achar que todos os pormenores, todos os


detalhes, tinham uma mensagem, cada letra era considerada
como inspirada.

A interpretação literal, não leva em conta as figuras de


linguagem
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :

A Exegese Judaica Antiga

Letrismo - ênfase demanada nas letras

Literalismo - leva em conta a existência de figuras de


linguagem
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Tipos de Interpretação do Passado

Nos tempos de Cristo:

1 - Literal - (Peshat) - nós cremos

2 - Midráshica (rabínica) - vem do hebraico:

Beth-Midrash = Escola

Beth - casa

Darash - interpretar
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Tipos de Interpretação do Passado

Nos tempos de Cristo:

Hillel (Liberal) e Shamai (conservador) eram dois rabino


fundadores de escola, importantes da época de Cristo.
Gamaliel era neto de Hillel.

Ao estudarmos a Bíblia, temos que buscar os


princípios envolvidos.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Tipos de Interpretação do Passado

3 - Pesher (essênios)

Pesher - exegese fantasiada - frase este é aquela

As 1, 2 e 3, eram mais comuns entre Judeus


Palestinos.

A 4, era entre os Judeus elemistas.


HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Tipos de Interpretação do Passado

4 – Alegórica

O alegorismo surgiu na Grécia.

Homero e Hesíodo (escritores gregos), foram os


responsáveis por toda tradição mitológica grega.

Heródoto, Tales, Tucídides, começaram a usar o


alegorismo para explicar os escritos de Homero e Hesíodo.

Os estudos foram transferido de Atenas para


Alexandria.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Tipos de Interpretação do Passado

Idéia Platônica:

Como se fosse uma bola partida no meio.

Parte de cima: Idéias (Deus, sobrenatural)

Parte de baixo: Sombras (Homem, físico)

Judeus na Grécia contavam as historias da criação e


do Êxodo.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Tipos de Interpretação do Passado

Os gregos viram esta histórias semelhantes, às


histórias da Mitologia grega (homens e Hesíodo)

Os estudiosos começaram então a usar o Alegorismo


para explicar a Bíblia, assim como usavam para explicar os
escritos de Homero e Hesíodo.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Aristóbulo

Filo (20 a.C. - 50 d.C) - empregar em seus livros o método do


alegorismo. Aplicou a filosofia grega à teologia judaica. Para
eles, o alegorismo é uma flutuação da interpretação sobre a
linha do texto.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
O uso que Jesus fez do Antigo Testamento

1o - Foi uniforme e tratava o texto, os registros, como fatos


fiéis.

2o - Fazia aplicação sem mudar o sentido do texto

3o - Denunciou o modo como os rabinos estavam


interpretando as Escrituras
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
O uso que Jesus fez do Antigo Testamento

4o - Os escribas e fariseus nunca puderam acusar Jesus de


Usar qualquer texto da Escritura de modo ilegítimo

5o - Parece que Jesus usou alguns textos de modo


antinatural, geralmente se tratava de legítimas expressão
idiomática hebraica ou aramaica, ou padrão de pensamento
que não se traduz diretamente para nossa cultura e nosso
tempo.

Obs. São geralmente passagens de cumprimento. .


HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
O uso que os apóstolos fizeram do A.T.

56 casos, pelos menos, há referências explícitas a Deus como


o autor do texto bíblico

1o - Ao citar o Antigo Testamento, com freqüência o Novo


modifica o fraseado primitivo. Como se pode justificar
hermeneuticamente tal prática?
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
O uso que os apóstolos fizeram do A.T.

R.: - Na época havia várias versões do A. T., Além da versão


em hebraico havia também quatro versões em grego
(Septuaginta, Áquila, Símaco, Teoldócio).

2o - Muitas vezes o autor do Novo Testamento faz alusões,


vale-se da memória ao transcrever os textos do A. T.

3o - Na vida comum, não estar preso à atuação é geralmente


sinal de que o autor tem domínio da matéria.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
EXEGESE PATRÍSTICA

O alegorismo predominou desde o 2o século, até à Idade


média, foi o método que mais durou na história cristã.

Os escritores bíblicos queriam mostrar que Jesus era o


Messias. Então os judeus começaram a interpretar o Antigo
testamento de Maneira errada, usando o alegorismo para
provar que Jesus não era o Messias.

Na ansiedade de mostrar que o Antigo Testamento é um


documento cristão e que Jesus não era o Messias, caíram no
erro de alegorizar os textos bíblicos.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Clemente de Alexandria

Alexandria - Berço do alegorismo grego


Nessa cidade um personagem chamado Panteno fundou a
Escola Catequética de Alexandria.
Clemente - foi o substituto de Panteno, foi o segundo professor
da escola.
Clemente foi o primeiro cristão a suar vastamente o alegorismo
para interpretar o texto bíblico. Ele era versado na filosofia
grega.
Era também de origem pagã.
Para ele, cada texto bíblico tem cinco sentidos: HISTÓRICO,
DOUTRINAL, PROFÉTICO, FILOSÓFICO e MÍSTICO
(alegórico).
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Orígenes
Foi sucessor de Clemente
Foi um gigante intelectual. Publicou obras apologéticas.
Cria ser a Escritura uma vasta alegoria na qual cada detalhe é
simbólico.
Acreditava que o homem constitui de 3 partes:
Corpo - sentido literal
Alma - sentido moral
Espírito - sentido alegórico ou místico.
Assim também as Escrituras constituem de três partes.
Produziu a “Hexapla - Hebraico, Grego, Áquila, LXX, Símaco,
Teodócio”, a maior obra respectiva à Bíblia produzida até hoje.
Tinha 12 mil páginas. Levou trinta anos para ficar pronta.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Agostinho

Escreveu o livro “Cidade de Deus”


Escreveu também o livro “A Doutrina Cristã”
Tinha 12 regras básicas para interpretar as Escrituras.
Na prática, acabou renunciando seus princípios e inclinou-se
para uma alegorização excessiva.
Cria que Escritura tinha um sentido quádruplo:
HISTÓRICO, ETIMOLÓGICO, ANALÓGICO, ALEGÓRICO.
Foi um homem mui piedoso, mas que causou uma das
maiores desgraças do cristianismo: a criação da “Santa
Inquisição”.
Forçava os “hereges” a aceitarem as idéias da igreja.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
A Escola de Antioquia da Síria

Fundada no ano 290 por 2 presbíteros: Doroteu e Luciano.

Primeira escola protestante de hermenêutica.

Criticavam o alegorismo por lançarem muitas dúvidas na


historiedade de muita coisa do Antigo Testamento.

Os princípios exegéticos da escola de antioquia lançaram a


base da hermenêutica evangélica moderna.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Exegese Medieval

Neste período os teólogos não tinham muito conhecimento da


Bíblia.
Valiam-se em grande parte das tradições e do alegorismo para
explicar as Escrituras.
Foi uma época de pouca cultura e erudição. Poucas pesquisas
foram feitas neste período.
A fonte de doutrinas não era só a bíblia, mas também as
tradições.
Tentavam harmonizar as tradições com a Bíblia.
O método do alegorismo predominava, mas não havia só este
método. Havia também o misticismo.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Exegese Medieval

Ex. Cabala - é um tratado filo, religioso hebraico que propõe


resumir uma espécie de religião secreta que se supõe haver
coexistido com a religião popular dos hebreus.
Kaballah - Kabbel: Receber.
No cabalismo, também estava presente o “letrismo” Era um
letrismo absurdo. Era uma teologia completamente mística.
Os judeus espanhóis foi fundado por Willian Champeaux, Séc.
XII.
Incentivaram o retorno a um método de interpretação histórico-
gramatical.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Nicolau de Lyra

Grande impacto. Quatro sentidos.

Influência grandemente a Lutero.


HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Exegese da Reforma

Lutero

1) - Fé é a iluminação...
2) - Vista com olhos...
3) - A igreja não deveria...
4) - Rejeitou o método alegórico...
5) - A Bíblia é um livro claro...

Ao romper com método alegórico, valeu-se do método


cristológico.
Separou textos do Antigo e Novo Testamento que
mencionavam ou se referiam a Cristo.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Exegese da Reforma

Lutero
Um dos seus princípios do Evangelho, foi a distinção entre Lei
e Evangelho.

Jogar fora a Lei é heresia

Jogar fora o evangelho também é heresia.

Deve haver uma harmonia entre a Lei e o Evangelho.

A lei mostra ao pecador a sua miséria.


HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Exegese da Reforma

Lutero
A lei condena o pecador, mostra os pecados

A lei condena porque a Lei é o caráter de Deus e Deus


não aceita o pecado. Deus condena o pecado

A lei nos mostra que precisamos de um Salvador para


nos tirar da lama do pecado

A lei nos mostra a cruz e nos conduz a ela


HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Exegese da Reforma

Lutero
A lei não pode nos salvar

Quando o homem aceita a graça de Deus a Jesus


como Salvador, quando ele passa pela cruz a lei começa a
viver em seu coração

Aquilo que lhe condenava agora não lhe condena mais

A Lei condena o que está vivem em pecado


HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Exegese da Reforma

Lutero
Se não estou mais vivendo em pecado, a Lei não me
condena mais

O caráter de Deus (a Lei) passa a viver em mim, no


meu coração.

O que nos salva é o sangue de Cristo

O que nos leva à perdição é a rejeição deste sangue


HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Exegese da Reforma

Lutero
Muitos que não fizeram crime, adultérios, etc, estarão
perdidos, por não aceitarem esta graça.

Existem dois tipos de pecado:

1 - Pecado consciente, pecado decidido, viver no


pecado

2 - Pecado ocasional, conseqüente de minha natureza


pecaminosa.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Exegese da Reforma

Lutero
Ex.:
1 - Aquele que vive pecando e não aceita a graça de
Deus

2 - Aquele fiel que vive em comunhão com Deus, mas


que por um deslize cai em pecado.

Heb. 10:26 - vícios

I João 2:1 e 3:9 - pecado por acidente


HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Exegese da Reforma

Calvino

Seguiu as mesmas linhas de Lutero.


HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Exegese Pós-Reforma

Confessionalismo

Concílio de Trento - dogmas da Igreja Católica

Contra reforma

Protestantes também firmaram suas doutrinas.


HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Exegese Pós-Reforma

Pietismo

Surgiu em resultado ao confessionalismo.

Retorno à antiga piedade bíblica. Verdadeiro estudo da Bíblia


(fé, oração).
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Exegese Pós-Reforma

Racionalismo

Diz que a razão e a única coisa que pode governar o homem.

Era uma filosofia.


HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Hermenêutica moderna

O pai da teologia liberal que aplicou os conceitos do


racionalismo na teologia cristão, foi Friedrich Schleiermacher
(1768-1834)

Lia a Bíblia como um produto puramente humano, e portanto,


esta não era nenhuma norma de vida.

- Religião humanista
Para ele, Deus é apenas mais uma experiência, um
sentimento.
O homem é agora o centro da religião. Cada um pode ter a
sua religião particular. Nenhuma autoridade externa.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Hermenêutica moderna

Liberalismo

O liberalismo está constituído sobre três coisas:


1 - Não existe o sobrenatural (Não existe Deus, pois Deus é
um sentimento)

2 - A Bíblia é um livro puramente humano

3 - A Bíblia deve ser interpretada baseada apenas em


recursos humanos (do ponto de vista humano.
Tudo que não é racional deve ser rejeitado.
Vê-se nisto um processo evolutivo (lei do mais forte).
Ainda hoje há resíduos deste tipo de liberalismo.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Hermenêutica moderna

Neo-Ortodoxa

É uma tentativa de aproximar mais os liberais e os


conservadores (meio termo, posição equilibrada).

Diz que Deus não se revela em palavras. Portanto, a Bíblia


não é a palavra de Deus.

Deus se revela a Sí mesmo, em pessoa ao homem


A Bíblia é um testemunho de homens que experimentaram um
contato pessoal com Deus.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Hermenêutica moderna

Kar Barth
“A Bíblia é a cada passo a vulnerável palavra do homem”.

Emil Brummer
Pegou o pensamento de Bubber e aplicou a Deus:
Conhecida como Teologia do Encontro.
Dizia que não devemos ver a Deus como uma coisa , mas
como alguém real.
A Bíblia é o testemunho de homens que tiveram um encontro
com Deus.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Hermenêutica moderna

Martin Bubber
Filósofo, sociólogo alemão com sangue judeu.

Para Bubber isto não tem nada a ver com Deus (religião)

Diz que homens no passado tiveram esse encontro pessoal


com Deus e baseados nesse testemunho pessoal, escreveram
a Bíblia.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Conceito Neo-Ortodoxo quanto à inspiração

A Bíblia não é inspirada por Deus ao ter sido escrito, mas a


Bíblia inspira a todos que a lêem. Para eles, isto é inspiração.

Portanto, a Bíblia deixa de ser normativa.

A religião fica sendo algo puramente pessoal.

O pensamento neo-ortodoxo é religioso, mas é extremamente


humanista.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Conceito Neo-Ortodoxo quanto à inspiração

ERRADO
O significado de um texto fica sendo aquilo que ele achar
melhor, que se adapta melhor à sua condição de vida.
Tantos significados quantos forem os leitores e não há
interpretação certa ou errada.

CERTO
Um texto tem apenas um significado, aquele pretendido pelo
autor. Ex: Efésios 4:26-27.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Conceito Neo-Ortodoxo quanto à inspiração

1 - Interpretação e Aplicação

A respeito de Efésios 4:26-27, a que tipo de relações


Paulo estava se referindo?

a) relações entre marido e mulher


b) relações entre pais e filhos
c) relações entre membros da igreja
d) relações entre patrão e empregados
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Conceito Neo-Ortodoxo quanto à inspiração

Princípio presente neste texto:

Na medida do possível, procurar resolver os problemas no


mesmo dia. Toda e qualquer aplicação deve derivar da
interpretação do texto.

Ao pregarmos, devemos fazer uma boa exegese do texto e


estar certo de sua aplicação.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Conceito Neo-Ortodoxo quanto à inspiração

2 - Sensus Plenior

O significado mais profundo intencionado por Deus em uma


passagem
Daniel 12:8 - Nem sempre o profeta entende aquilo que
ele escreve
“Mesmo os profetas... não compreendiam muitas vezes
as mensagens que recebiam” - E.G.W, G.C., pág. 343.
Ex. Isaías 40-66
Salmo 2:7
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Conceito Neo-Ortodoxo quanto à inspiração

2 - Sensus Plenior

Só se reconhece olhando o Novo testamento e achando-se


passagens do velho testamento citadas com uma outra
interpretação.

Tem que ter algo em comum.

Ex: (A.T.) - Isaías 64:4


(N.T.) - I Cor. 2:9
E.G.W. - Atos dos Apóstolos.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Conceito Neo-Ortodoxo quanto à inspiração

2 - Sensus Plenior

Não é Sensus plenior, pois não possui nada em comum.

Um profeta inspirado pode usar qualquer texto da Bíblia e usá-


lo com outro propósito. Mas não necessariamente isto seja
Sensus Plenior, mas é inspirado e é verdade do mesmo jeito.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :
Conceito Neo-Ortodoxo quanto à inspiração

3 - Verdade Prescritiva

É aquela que nos diz o que devemos fazer, uma prescrição.

Ex. Idolatria, Sábado, Deus Criador, etc.

Declaração explícita.

Verdade repetida muitas e muitas vezes na Bíblia como um


todo ou no mesmo livro.
HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA :

Conceito Neo-Ortodoxo quanto à inspiração

4 - Verdade descritiva

Não são normas de vida para hoje, são simplesmente


descrições

Ex. Véu na igreja, ósculo santo, mulheres caladas na Igreja.