Você está na página 1de 25

A ÉTICA

COMO FERRAMENTA DA
DEONTOLOGIA

Formador: Antero Almeida Email: antero.almeida@sapo.pt


A Ética E A Deontologia

“A deontologia quando é a expressão de um forte

corporativismo, a defesa de um monopólio ou a máscara de

uma forma de acordo, pode não ter mais do que relações

remotas com a ética e, até, ir contra esta”.


10-11-2011

[Collasse, 1997, p.108]


2

Formador: Antero Almeida


Modelos de Decisão Ética
» É oportuno saber o que se entende por “juízos de valor”.

» Os juízos de valor constituem o cerne das decisões pessoais ou

organizacionais em que a ética confere uma orientação à escolha a ser

feita.

» O objectivo é fazer um julgamento baseado na combinação entre os nossos

valores e os valores dos outros indivíduos, de forma a se conseguir uma

escolha defensável com base em princípios.


10-11-2011

Formador: Antero Almeida


Modelos de Decisão Ética
O risco da não aplicação de valores resulta num juízo de valor “pobre”. Um julgamento “pobre”, ou

uma decisão de baixa qualidade, pode resultar de um exame não adequado dos factos, da

incapacidade de aplicar princípios éticos ou da incapacidade para considerar todas as perspectivas

sobre determinada questão.

Uma decisão de baixa qualidade ética pode ter um conjunto variado de resultados:

» pode ferir os sentimentos dos indivíduos;

» baixar a moral dos colaboradores;

» causar perda de clientes;

» fazer decrescer os lucros;


10-11-2011

» levar a empresa a processos judiciais e em último caso à


4
falência.

Formador: Antero Almeida


Modelos de Decisão Ética
Fonte: Kallman, Ernest A., Grillo, John P., Ethical Decision Making and Information Technology, - an Introduction
with cases, McGraw-Hill, 2ª Ed., 1996, p. 34.

» Uma forma de conseguir juízos de valor de elevada


qualidade, consiste na realização de uma análise
estruturada conducente a um processo de tomada de
decisão, o qual pode ser dividido em quatro etapas:

˃ Etapa 1: Compreensão da situação;

˃ Etapa 2: Isolamento do principal dilema ético;


10-11-2011

˃ Etapa 3: Análise da eticidade de ambas alternativas colocadas na Etapa 2;


5
˃ Etapa 4: Tomada de decisão e planeamento da implementação.

Formador: Antero Almeida


A tomada de Decisão
Etapa 1

COMPREENSÃO da SITUAÇÃO

» A. Listar e numerar os factos relevantes.

» B. Quais desses factos manifestam ter questões éticas?

Porquê? Qual o dano potencial ou efectivo?


10-11-2011

» C. Listar os stakeholders (partes interessadas) envolvidos. 6

Formador: Antero Almeida


A tomada de Decisão
Etapa 2

ISOLAMENTO do PRINCIPAL DILEMA ÉTICO

» Qual o dilema ético para ser resolvido AGORA? Colocar a questão utilizando a

forma:

- Deverá alguém fazer ou não fazer alguma coisa?


10-11-2011

Nota: Coloca-se apenas nesta fase o dilema; os raciocínios mais profundos passam para a etapa 3. 7

Formador: Antero Almeida


A tomada de Decisão
Etapa 3

Análise da ETICIDADE de ambas alternativas colocadas na Etapa 2

Consequencialismo:

» A. Se a acção na Etapa 2 é levada a cabo, quem, caso haja alguém, será


prejudicado?
» B. Se a acção na Etapa 2 não é levada a cabo, quem, caso haja alguém,
será prejudicado?
» C. Qual a alternativa de que resulta um menor dano, A ou B?
10-11-2011

» D. Se a acção na Etapa 2 é levada a cabo, quem, caso haja alguém, será8


beneficiado?
Formador: Antero Almeida
A tomada de Decisão
Etapa 3

Análise da ETICIDADE de ambas alternativas colocadas na


Etapa 2 (cont.)

Consequencialismo:

» E. Se a acção na Etapa 2 não é levada a cabo, quem, caso haja

alguém, será beneficiado?


10-11-2011

» F. Qual a alternativa de que resulta um maior benefício, D ou E?


9

Formador: Antero Almeida


A tomada de Decisão
Etapa 3

Análise da ETICIDADE de ambas alternativas colocadas


na Etapa 2 (cont.)

Direitos e Obrigações:

A. Que direitos têm sido ou podem ser limitados? Que obrigações

têm sido ou podem ser negligenciadas? Identificar os


10-11-2011

stakeholders e o direito ou obrigação. Quando listar um direito,


10

evidencie a obrigação correspondente e vice-versa.


Formador: Antero Almeida
A tomada de Decisão
Etapa 3

Análise da ETICIDADE de ambas alternativas colocadas


na Etapa 2 (cont.)

Imperativos Categóricos de Kant:

A. Se a acção na Etapa 2 não é levada a cabo, quem, caso haja


alguém, será tratado com desrespeito?
B. Se a acção na Etapa 2 é levada a cabo, quem, caso haja
10-11-2011

alguém, será tratado com desrespeito? 11

C. Que alternativa é preferível, A ou B?


Formador: Antero Almeida
A tomada de Decisão
Etapa 3

Análise da ETICIDADE de ambas alternativas colocadas


na Etapa 2 (cont.)

Imperativos Categóricos de Kant:

D. Se a acção na Etapa 2 é levada a cabo, quem, caso haja


alguém, será tratado de forma diferenciada?
E. Se a acção na Etapa 2 não é levada a cabo, quem, caso haja
10-11-2011

alguém, será tratado de forma diferenciada? 12

F. Que alternativa é preferível, D ou E?


Formador: Antero Almeida
A tomada de Decisão
Etapa 3
Análise da ETICIDADE de ambas alternativas colocadas na Etapa
2 (cont.)

Imperativos Categóricos de Kant:

G. Existirão benefícios se ninguém levou a cabo a acção referida na Etapa 2?

H. Existirão benefícios se alguém levou a cabo a acção referida na Etapa 2?

I. Que alternativa é preferível, G ou H?


10-11-2011

13

Formador: Antero Almeida


A tomada de Decisão
Etapa 4
Tomada de Decisão e Planeamento da Implementação

A. Tomar uma decisão ética defensável

1) Baseado na análise realizada na Etapa 3, responda à questão


colocada na Etapa 2.

2) Indique as letras das categorias que melhor suportam a sua


resposta.
10-11-2011

3) Acrescente alguns argumentos que justifiquem a escolha desses 14

princípios éticos que suportam a sua decisão.


Formador: Antero Almeida
A tomada de Decisão
Etapa 4

Tomada de Decisão e Planeamento da Implementação

Tomar uma decisão ética defensável

A. Nos casos em que exista conflito de direitos e

obrigações, escolha e defenda aqueles que devem ter

precedência. (Nota: neste ponto apenas se apresenta e justifica a


escolha feita, deixa-se os outros passos de implementação para o
10-11-2011

ponto B e D que se seguem.)


15

Formador: Antero Almeida


A tomada de Decisão
Etapa 4
Tomada de Decisão e Planeamento da Implementação
Tomar uma decisão ética defensável

B. Mostrar como os principais stakeholders (partes interessadas) são


afectados por estas acções.
C. Listar os passos específicos para implementar a sua decisão ética
defensável.
D. Que outras mudanças de longo prazo (políticas, legais, técnicas, sociais,
organizacionais) poderão ajudar a prevenir problemas semelhantes no
futuro?
10-11-2011

E. O que poderia ter sido levado a cabo ou não ter sido realizado na 16

primeira etapa para evitar este dilema?


Formador: Antero Almeida
PARA REFLETIR …

» Apenas quando a questão ética está colocada de forma

clara é possível proceder a uma análise minuciosa

conducente ao processo da tomada de decisão.

» É importante aprender a avaliar situações éticas e a tomar


10-11-2011

decisões defensáveis. 17

Formador: Antero Almeida


PARA REFLETIR …
» Note-se que a expressão utilizada é “decisões defensáveis”,

não “decisões correctas”.

» Dois indivíduos, perante a mesma situação ética, podem

assumir duas posições diferentes.

» Uma decisão de elevada qualidade ética é suportada na


10-11-2011

razão e pode ser defendida de acordo com conceitos éticos.


18

Formador: Antero Almeida


PARA REFLETIR …

» Esta dualidade, ou mesmo multiplicidade de

situações, para um dilema ético, confirma-nos que a

diversidade de julgamentos de valor, tem múltiplos

impactos na tomada de decisão ética.


10-11-2011

19

Formador: Antero Almeida


PARA REFLETIR …

» Os princípios éticos dão-nos razões plausíveis para o

comportamento ético, não apenas para resolver determinado

problema (dilema), mas também para replicar o nosso

comportamento em situações similares.


10-11-2011

20

Formador: Antero Almeida


O Código De Conduta Ético

“ Um código tem que aspirar a ser verdadeiramente regulador,

sem abusar de ideais abstractos; deve proteger o interesse

público e das pessoas que exercem a actividade profissional

regulada e tem de ser controlável e controlador.”


10-11-2011

[Ibarz, 1995] 21

Formador: Antero Almeida


O Código De Conduta Ético
“Cada vez mais se redigem códigos éticos que, no entanto,

não devem ser considerados como catecismos, substitutos da

tomada de decisão pessoal, devem ser encarados apenas

como referência de uma conduta pessoal e profissional e

potenciadores de novos conceitos.”

[Cortina, 1994]
10-11-2011

22

Formador: Antero Almeida


O Código De Conduta Ético
Princípios éticos sempre presentes num código de conduta:

1) Legalidade
2) Profissionalismo
3) Confidencialidade
4) Boa fé (confiança)
5) Evitar conflitos de interesse
6) Respeito pela integridade das pessoas
10-11-2011

23

(Fernandez, 1994)

Formador: Antero Almeida


...A Reflexão Continua....
10-11-2011

24

Formador: Antero Almeida


OBRIGADO PELA VOSSA

ATENÇÃO
10-11-2011

25

Formador: Antero Almeida

Você também pode gostar