Você está na página 1de 11

ANTROPOLOGIA EM MOÇAMBIQUE.

 Após a independência

A saída da população colona  e as características ex
cludentes do sistema educacional colonial
implicaram uma cesura no trabalho científico a
quando da independência moçambicana. Ademais
os conteúdos e a escassez da antropologia
portuguesa na colónia não legaram uma linha de
actuação disciplinar. No país esta entronca na
agenda do processo inicial de formação nacional e
sua articulação com as dinâmicas, na África Austral,
em especial as geradas nos conflitos com a Rodésia
e a África do Sul (Emerson2013).
Então exigiu-se às ciências sociais o empenhamento político,
investigando modalidades de reprodução da exploração
internacional e formando técnicos desenvolvimentistas,
aspirando à socialização da produção, Vingou um ambiente
adverso à antropologia, que se manteve nos 1980s. Assente
num marxismoconciso, para o qual contribuíram a influência
de First e a docência oriunda da Europa comunista
 Oscilando entre notar a sua marca na metodologia e análises
praticadase a acusação de cumplicidade, qual saber utilitário
serviçal das administraçõescoloniais e neocoloniais, mácula
afirmada até aos seus primórdios Não seimpõe peneirar essas
críticas mas frisar o quão frutíferas algumas foram e o estéril
radicalismo de outras.
ANTROPOLOGIA EM MOÇAMBIQUE.

A área de Ciências Sociais em Moçambique é relativamente


nova e vem passando por rápidas e constantes
transformações. Para compreendê-las, talvez seja necessário
fazer menção a alguns aspectos da história recente do país.
Moçambique se tornou independente de Portugal em 1975,
duas décadas depois dos primeiros processos de
independência no continente; essa conquista tardia se deve
ao anacronismo do colonialismo português, que tinha nas
suas possessões na África a sua única fonte de riqueza. Desse
anacronismo resulta outra característica distintiva de
Moçambique – e outras ex-colônias portuguesas – que é o fato
de ter se libertado por via de uma luta armada e não por
acordo com a ”Metrópole”, como foram as primeiras
independências africanas. Além disso, por força das
ANTROPOLOGIA EM MOÇAMBIQUE.
Assim, o colonialismo e o socialismo deixaram
marcas profundas na sociedade moçambicana
contemporânea em geral, e como não podia deixar
de ser, também na produção intelectual. Para a
Antropologia, isso significou um longo período de
ostracismo no momento imediatamente posterior à
independência porque havia a percepção por parte
do regime socialista de que a disciplina era um
“instrumento do colonialismo”... e realmente era.
Aqui, devemos nos reportar ao desenvolvimento da
Antropologia como disciplina acadêmica, que teve
A antropologia colonial (não apenas
portuguesa) se pautava pelo velho
“conhecer para melhor dominar”, irmão
mais novo do “dividir para conquistar”;
somado a isso, há o fato de que o
colonialismo português se deu sob um
regime fascista – a ditadura de Salazar –
no qual a produção intelectual era
ideologicamente subordinada aos
interesses do governo.
Por sua vez, o socialismo do pós-independência
também implicou nesse tipo de subordinação,
desta vez tendo como substrato o materialismo
histórico de Marx. O ostracismo a que a
Antropologia foi relegada durante a vigência do
regime foi radical:
ANTROPOLOGIA EM MOÇAMBIQUE.

Em algum tecido (académico e não só) nacional persiste o menosprezo


pela antropologia, dita defiliação colonial, aplicabilidade colonialista e
culturalismo conservacionista, disso se retirandolimites para o seu
exercício actual.
 A sua redução a ciência colonial habita no vulgo, sendo ecoadapor
influentes académicos, entre a visceral crítica de Ngoenha (1993: 15-
51) e a bombástica de Serra, no seu ritual de ascensão a catedrático:
“a antropologia  nasce nas colónias para ajudar oscolonizados a pagar
impostos e a trabalhar nas plantações ”(2005: 27).
 Há que discernir as causascontextuais dessa perspectiva e seus
efeitos, articuláveis aos anseios utilitários nas ciências sociais,aqui
desde cedo presentes ainda que hoje com diferentes contornos.
 
 
É escassa a influência dos conteúdos pós-coloniais no país. É
usual associar-lhes a temática degénero, mas esta neles não
deve ser restringida.
Aquicedo ela surgiu, inscrita na modernização desejada, até
como gnoses alternativas à “ciência eurocêntrica”, a esta
recusando.
Neste eixo surge o etnomatemático ,mas cujabusca de
complementaridades não afronta a epistemologia científica.
Nos estudos culturaissalienta-se, inscrito no núcleo original
dessa problematização, a representaçãoda alteridade
(africana) na literatura colonial (portuguesa). Mas é explícito
que não recusa oprimado analítico do cânone científico.
Diverso surge a reflexão pós-colonial mais acerada no
país, que afronta a abordagem à alteridade na tradição
Esta escassez tem raízes históricas: o marxismo, e sua
temática classista, e a guerra civil noprocesso
nacional inicial barraram a recepção dessas correntes,
tantas vezes ditas “pós marxistas” e cuja pujança lhes
foi contemporânea E a unicidadenacionalista cerceou
olhares sobre as pluralidades identitárias, temas caros
no pós-colonialismo, eainda quase tabus no país, lato
sensu (des)ditas “culturais”.
 Também por isso este deslustre actualdeve-se mais
às disposições iniciais na academia nacional do que
aos debates posteriores.
Na 2ª metade de XX na África Austral os inimigos
eram os regimes coloniais e, depois, asditaduras
rodesiana e sul-africana, ligados ao complexo
constrangendo conteúdos do trabalho intelectual
e implicando a adesão aos aliados políticos de
então No “ocidente” o ambiente era diverso. O
inimigo político e intelectual era o comunismo, o
ditatorialmarxismo, na sua expansão mundial,
pressionante na Europa e migrante em África e
Ásia.
 
Muito Obrigada pela
Atenção.