Você está na página 1de 38

Prof.

Heloisa Pandolpho
     A
embriologia é a parte da Biologia que estuda o
desenvolvimento dos embriões animais. Há grandes
variações, visto que os animais invertebrados e
vertebrados apresentam muitos diferentes aspectos e
níveis evolutivos.

Em Biologia, o desenvolvimento envolve diversos aspectos:

• multiplicação de células, através de mitoses sucessivas


(clivagens);
• diferenciação ou especialização celular, com
modificações no tamanho e forma das células que
compõem os tecidos.

Essas alterações é que tornam as células capazes de


cumprir sua funções biológicas.
Ou isoalécito ou insetos
alécito
Mamíferos,
equinodermos Ou heterolécito Ou telolécito
anfíbios Répteis e aves
OLIGOLÉCITOS / ISOLÉCITOS / ALÉCITOS
São aqueles que possuem pequena quantidade de vitelo
uniformemente distribuída pelo citoplasma. São próprios das espécies
nas quais o embrião não obtém alimento do ovo, mas do corpo
materno ou do meio ambiente.
Aparecem em poríferos, celenterados, equinodermos protocordados e
mamíferos.
 Apresentam nítida polaridade, distinguindo-se o
pólo animal com pequena quantidade de vitelo, e o
pólo vegetativo com abundante quantidade de
vitelo, permitindo a nutrição do embrião durante
algum tempo. Aparecem em platelmintos,
moluscos, anelídeos e anfíbios.
TELOLÉCITOS /
MEGALÉCITOS

Com grande quantidade de vitelo


ocupando quase todo o ovo, ficando o
citoplasma e o núcleo reduzidos a uma
pequena área, há a cicatrícula ou disco
germinativo, situado no pólo animal.
Ocorre em cefalópodes, peixes, répteis
e aves.
 O vitelo concentra-se no centro do óvulo e
separa-se em duas zonas de protoplasma:
uma central, contendo o núcleo, e a outra
periférica, circundando o vitelo. São óvulos
típicos dos artrópodes.
 Holoblástica: ocorre  Meroblástica: ocorresó em
divisão do citoplasma, parte do ovo. Pode ser:
núcleo. Ovo todo se  Discoidal: as divisões
divide. Pode ser: ocorrem apenas na região
 igualformam-se 8 da cicatrícula(sem vitelo).
blastômeros de mesmo Ovos teloléticos.
tamanho. (Alécitos )  Superficial: ocorre nos
 ou desigual:formam-se 4 ovos centroléticos. As
blastômeros grandes e 4 células embrionárias ficam
menores.(Heterolécito) dispostas na superfície do
ovo. Ocorre em ovos
centrolécitos.
HOLOBLÁSTICA / TOTAL
TOTAL IGUAL
É próprio dos oligolécitos, onde a distribuição uniforme de vitelo
permite a divisão em blastômeros de mesmo tamanho. Serve como
exemplo a segmentação do ovo e do mamíferos.

TOTAL DESIGUAL
Ocorre em ovos heterolécitos e, devido à desigual distribuição do vitelo, produz
blastômeros de tamanhos diferentes. Serve como exemplo a segmentação do ovo
dos anfíbios.
MEROBLÁSTICA / PARCIAL

MEROBLÁSTICA
DISCOIDAL

É típico dos ovos


telolécitos e atinge
apenas o disco
germinativo. Pode ser
observada na evolução
do ovo das aves e
répteis.

MEROBLÁSTICA
SUPERFICIAL

Ocorre em ovos
centrolécitos dos
artrópodes.
MÓRULA
Constitui a forma embrionária encontrada após sucessivas divisões
celulares. Caracteriza-se, fundamentalmente, pela forma esférica e
por apresentar-se maciça, isto é, formada inteiramente por células
embrionárias. Só ocorre no tipo de segmentação holoblástica igual.

BLÁSTULA
Caracteriza-se, de um modo geral, pela forma globosa e por
apresentar uma única camada de células (blastoderma), delimitando
uma cavidade completamente fechada (blastocele).

GASTRULAÇÃO
Processo de formação da gástrula. Caracteriza-se pela presença de
duas camas celulares; pode ocorrer por embolia - formação da
gástrula por invaginação de um dos pólos da blástula (como se vê o
anfioxo) - ou por epibolia - formação da gástrula nos vertebrados a
partir do recurvamento do disco embrionário.
NEURULAÇÃO
Fase do desenvolvimento embrionário dos animais ditos
cordados, imediatamente posterior à gástrula, durante o qual
se forma o tubo neural. É o estágio em que se intensifica a
diferenciação celular.

ORGANOGÊNESE
Fase em que há formação dos órgãos do animal; estágio em
que as células que compõem os respectivos tecidos se
apresentarão especializadas.
DETALHE DO DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO
Embriologia do Anfioxo ESTRUTURA DO
ANFIOXO E SEU
DESENVOLVIMENTO

Desenvolvimento no Anfioxo
Visão do Anfioxo

O ESTUDO DO
DESENVOLVIMENTO DO
ANFIOXO SERVE COMO
BASE PARA
VERIFICAÇÃO DAS
FASES DO
DESENVOLVIMENTO
EMBRIONÁRIO DOS
CORDADOS.
•Fecundação
•Nidação
•Ovulação
Anexo em Aves
Desenvolvimento fetal 1º mês
Desenvolvimento fetal 2º mês
Desenvolvimento fetal 3º mês
Desenvolvimento fetal 4º mês
Desenvolvimento fetal 5º mês
Desenvolvimento fetal 6º mês
Desenvolvimento fetal 7º mês
Desenvolvimento feta 8º mês