Você está na página 1de 65

MATERIAIS DE

CONSTRUÇÃO CIVIL II

Curso: Técnico em Edificações


Professora: Michelle Trevisan
E-mail: michelle.silva@passofundo.ifsul.edu.br
INTRODUÇÃO

O QUE SÃO AS
INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS?
INTRODUÇÃO

O QUE SÃO AS
INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS?
INTRODUÇÃO

 São as instalações prediais de água e esgoto que compreendem as


canalizações, aparelhos, conexões, acessórios e peças especiais
destinados ao abastecimento de água e ao afastamento de águas
servidas e pluviais dos prédios, ou seja, abastecem as residências com
água potável e retiram os dejetos provenientes de serviços e higiene.
INTRODUÇÃO

 Os sistemas hidráulicos prediais devem ser projetados de modo a:


 Prover água nos locais de uso;
 Prover a possibilidade de uso da água;
 Destinar a água utilizada acompanhada de resíduos introduzidos
pela utilização.
INTRODUÇÃO

 Para realizar estas finalidades, elas trabalham com os três


subsistemas interrelacionados:
 Suprimento de água;
 Equipamento sanitário;
 Coleta de Esgotos Sanitários.
INTRODUÇÃO

 Essas ligações compreendem desde a captação de água da rede


pública e sua destinação até os prédios e residências e o seu retorno
ao coletor público de esgotos ou aos sistemas de águas pluviais nas
ruas.
INTRODUÇÃO

 Como requisito hidráulico, há de se fornecer água de qualidade


apropriada, em quantidade suficiente e sob pressão adequada a todos
os aparelhos.
 Como requisito sanitário, há de se impedir o retorno de águas
poluídas nas canalizações de alimentação dos aparelhos e a entrada
de gases de esgoto nos prédios.
MATERIAIS E COMPONENTES

 Os projetos de instalações
hidrossanitárias devem contemplar a
especificação dos materiais.
 Isso significa que incluem
reservatórios inferior e superior,
bombas, tubos, válvulas, medidores,
ligações externas, peças de conexão
e, eventualmente, cisternas para o
reaproveitamento da água,
contemplando todas as fases da obra,
desde o início até a execução dos
acabamentos.
MATERIAIS E COMPONENTES

 O tipo de material utilizado nas instalações hidráulicas, seu tamanho


e espessura devem estar listados no memorial descritivo fornecido
pelo projetista especializado, pois variam conforme o escoamento e
os fluidos a serem transportados. 
MATERIAIS E COMPONENTES

 Graças à tecnologia, existe no mercado uma vasta opção de tubos e


conexões para o transporte de água fria, de água quente e de esgoto.
 Para a escolha, deve-se optar pelo material que alie características
como longa vida útil (durabilidade), redução de procedimentos de
manutenção e resistência à pressão de serviço.
 Para água quente, ainda, deve ser escolhido um material que suporte
temperaturas elevadas.
MATERIAIS HIDROSSANITÁRIOS

 COMPONENTES DO SISTEMA:
 TUBOS E CONEXÕES;
 APARELHOS SANITÁRIOS;
 DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE FLUXO;
 ACESSÓRIOS HIDRÁULICOS SANITÁRIOS.
TUBOS E CONEXÕES – TUBOS
GALVANIZADOS
 Os tubos de galvanizados são utilizados em sistemas prediais de água fria,
água quente, sistemas para auxilio ao combate a incêndios e de gás.
 Os tubos utilizados nestes casos são de classe média, com baixo teor de
carbono; submetidos a pressão de teste de 5000 kPa (500 m.c.a.), fabricados
em varas de 6 metros de comprimento, rosqueados nas extremidades com
diâmetros de referências e nominais que variam de (1/2") DN 21 mm a (6") DN
166 mm.
 Os tubos são fabricados a partir de chapas de aço ou lingotes de aço.
 As conexões são de ferro maleável que é uma liga constituída de ferro
carbono e silício, obtido por fusão.
TUBOS E CONEXÕES – TUBOS
GALVANIZADOS
 As tubulações em aço galvanizado geralmente são utilizadas para condução de
gás e água de combate a incêndio, no abastecimento de hidrantes e sprinklers
(sistema de “chuveiros” automáticos de combate a incêndio).
 O material possui boa resistência mecânica e à pressão, mas não deve ser
utilizado embutido (interno) em alvenarias.
 O problema comumente associado à condução de água em tubos galvanizados
é a corrosão. A intervenção de múltiplos fatores como água de pH muito
baixo, alta concentração de bicarbonatos, velocidades altas, etc., podem
desencadear o processo de deterioração da superfície interna dos tubos.
TUBOS E CONEXÕES – TUBOS
GALVANIZADOS
TUBOS E CONEXÕES – COBRE

 O cobre é um metal de cor avermelhada, muito dúctil e maleável, embora


duro e tenaz.
 Nos tubos de cobre a corrosão normalmente é uniforme, uma vez que, na
presença de oxigênio dissolvido, desenvolve, em toda a sua superfície
interna, uma película protetora e aderente, responsável pela taxa bastante
lenta e generalizada de deterioração.
 Porém, exposto ao ar cobre-se rapidamente de uma camada de óxido e
carbonato, formando o azinhavre, muito venenoso, mas que protege o núcleo
do metal, dando-lhe duração quase que infinita.
TUBOS E CONEXÕES – COBRE

 Os tubos de cobre podem ser utilizados para a condução de água fria ou


quente e de gás.
 Uma importante característica do cobre é sua resistência a elevadas
temperaturas, sem sofrer rompimento ou deformações.
 Existem também os tubos de cobre flexíveis, que agilizam a montagem e
dispensam as conexões para execução das instalações hidráulicas.
 Para evitar perdas excessivas de calor, no caso do uso para água quente, as
tubulações podem ser revestidas com polietileno expandido.
 O cobre é bactericida, fungicida e algicida, ou seja, inibe o crescimento de
bactérias, fungos e algas no interior das tubulações.
TUBOS E CONEXÕES – COBRE

 Classe E: os tubos possuem as paredes finas e são utilizados em


instalações de água fria e quente;
 Classe A: os tubos apresentam as paredes intermediárias e são
utilizados para instalações de gás;
 Classe I: os tubos apresentam paredes mais grossas, destinadas as
instalações industriais e combate a incêndios.
 São fabricados nos diâmetros que variam desde (1/2") DN de 15 mm até
(4") DN de 104 mm.
 As conexões são de cobre e de latão (liga de cobre e zinco). Estas
conexões podem ser rosqueadas numa das extremidades e lisas na
outra, para serem soldadas, ou ainda lisas em ambas as extremidades.
TUBOS E CONEXÕES – COBRE
TUBOS E CONEXÕES – TUBOS PLÁSTICOS
 A designação genérica de tubos plásticos compreende uma grande variedade
de tubos fabricados com polímeros orgânicos sintéticos, de origem
petroquímica, cuja classificação, pode ser feita em:
 Tubos termoplásticos:
 Polipropileno (PP);
 Cloreto de polivinila (PVC);
 Cloreto de polivinila pós-clorado (CPVC);
 Polietileno reticulado (PEX).
 Tubos termoestáveis ou termofixos:
 Resinas de poliéster;
 Epoxi.
TUBOS E CONEXÕES – TUBOS PLÁSTICOS

 TUBOS TERMOPLÁSTICOS: que podem ser submetidos, repentinamente, ao


amolecimento e endurecimento através da variação de temperatura, dentro
de escala própria de cada material, sem ocorrência de qualquer alteração
apreciável de suas propriedades.
 Os principais utilizados em instalações prediais são:
 Polipropileno (PP);
 Cloreto de polivinila (PVC);
 Cloreto de polivinila pós-clorado (CPVC);
 Polietileno reticulado (PEX).
TUBOS E CONEXÕES – PVC

 Dependendo da finalidade podem ser divididos nos seguintes tipos:


 Água fria: que funcionam como condutos forçados possuem uma parede mais
grossa, e são fabricados para pressões máximas de serviço de 750 Kpa a uma
temperatura de 20 ºC. Podendo neste caso ser roscáveis ou soldáveis, com
diâmetro que varia desde (1/2") DN 20 mm até (4") DN de 110 mm;
 Esgoto sanitário e ventilação: que funcionam como condutos livres, são fabricados
com paredes mais finas, de forma a suportar até 50 ºC de temperatura. São
fornecidos com diâmetros nominais de 40, 50, 75 e 100 mm. Os tubos apresentam
extremidades com ponta e outra com bolsa.
 Águas pluviais: podem-se utilizar os tubos para esgoto sanitário, mas recomenda-se
a aplicação dos tubos desenvolvidos especialmente para essa finalidade que são os
chamados reforçados, pois as colunas verticais de águas pluviais podem, sob
determinadas condições de precipitação e altura da edificação, funcionarem como
condutos forçados e não livres. Estas possuem diâmetros de 75, 100 e 150 mm.
TUBOS E CONEXÕES – PVC

 Os tubos de PVC (policloreto de vinila) são encontrados em duas linhas


distintas:
 Linha hidráulica – para conduzir água fria;
 Linha sanitária – para sistemas de esgoto, ventilação e captação de água
pluvial.
 São os mais empregados nos sistemas hidrossanitários devido à facilidade de
instalação, leveza, boa resistência à pressão, durabilidade quase ilimitada,
menor perda de carga (bom desempenho) e baixo custo.
TUBOS E CONEXÕES – PVC

 Os tubos de PVC da linha hidráulica podem ser do tipo:


 Junta roscada, que permite a montagem e a desmontagem das ligações
sem danificar os tubos ou conexões;
 Junta soldada, que não permite o reaproveitamento das conexões já
utilizadas, porém apresenta maior facilidade de execução,
proporcionando maior rapidez nos serviços de instalação; além disso,
dispensa qualquer ferramenta especial, como tarraxa e transforma a
junta em ponto de maior resistência.
 Os tubos de PVC da linha sanitária permitem outras alternativas no sistema de
acoplamento (encaixe), como:
 Junta elástica com anel de borracha;
 Junta soldada.
TUBOS E CONEXÕES – PVC
TUBOS E CONEXÕES – CPVC

 Os tubos de CPVC (policloreto de vinila clorado) possuem as mesmas


propriedades dos tubos de PVC, mas são próprios para condução de água
quente.
 O CPVC é um plástico que permite a passagem de água quente a uma
temperatura máxima de 80º C.
 A instalação da tubulação dispensa isolamento térmico na maioria dos casos,
mas se for deixada aparente é recomendável a proteção.
 A junção dos tubos é feita com soldagem química a frio, e as conexões de
transição possuem roscas macho-e-fêmea com vedação da passagem de água.
TUBOS E CONEXÕES – CPVC

 Os tubos e conexões são dimensionados para trabalharem com as seguintes


pressões de serviço:
 600 Kpa conduzindo água a 80 ºC;
 2400 Kpa conduzindo água a 20 ºC.
 Os tubos são fabricados com diâmetros externos de 15, 22 e 28 mm.
 As suas juntas são executadas com solda química a fria, com técnica bem
diferente dos tubos e conexões de PVC. Pois são utilizados dois produtos, o
primeiro produto químico primer ataca as superfícies do tubo e conexões para
facilitar a ação do adesivo, que deve ser aplicado imediatamente após o
primer. Atualmente, o fabricante já fornece junto com o adesivo o primer.
TUBOS E CONEXÕES – CPVC
TUBOS E CONEXÕES – POLIPROPILENO

 O polipropileno é um material plástico que vem sendo utilizado em sistemas


prediais de água fria e quente.
 Apresenta resistência a temperaturas elevadas e a produtos químicos.
 Os tubos são fabricados em dois tipos:
 Soldáveis com paredes standard, para pressões de até 600 Kpa;
 Soldáveis com paredes grossas para pressões de até 1000 Kpa;
 Ambos com temperatura de 100 ºC.
TUBOS E CONEXÕES – POLIPROPILENO

 São fornecidos com diâmetros de 20 mm até 160 mm, sendo que os tubos vem
em varas de 6 metros de comprimento.
 Nos diâmetros de 20 ,25 e 32 mm os tubos podem ser fornecidos em rolos de
100 metros.
 As juntas de polipropileno são soldáveis pelo processo de polifusão de topo ou
com o emprego de conexões que oferecem uma melhor qualidade de solda.
 A polifusão consiste no aquecimento controlado, através de resistências
elétricas, do tubo e conexão, e posterior acoplamento de ambos.
TUBOS E CONEXÕES – PPR

 O Polipropileno Copolímero Random - Tipo 3, ou PPR, é uma resina de


última geração e o que existe de mais moderno em condução de água
quente.
 O PPR superou diversos testes nos mais avançados laboratórios e
também as mais exigentes condições, além de ser resistente a
temperaturas muito acima das exigências das normas técnicas
brasileiras, ou seja, picos de até 95ºC
 O PPR é atóxico e proporciona menor perda de carga.
 A baixa condutividade térmica conserva a temperatura da água
transportada por mais tempo, evitando a transmissão de calor para a
parte externa do tubo, o que dispensa a necessidade de isolamento
térmico.
TUBOS E CONEXÕES – PPR

 A linha PPR é composta por tubos com comprimentos comerciais de


quatro metros e conexões disponíveis nos diâmetros de 20, 25, 32, 40,
50, 63, 75 e 90 mm.
 Permite realizar de instalações hidráulicas das mais variadas formas,
com um excelente resultado no tempo de aplicação.
 A união entre as peças é feita pelo processo de termofusão, o que
significa que tubos e conexões se fundem molecularmente a
260°C,passando a formar uma tubulação contínua para a segurança
total do sistema dispensando o uso de solda, roscas e colas.
TUBOS E CONEXÕES – PPR

 Com essas características, o PPR agiliza o processo de instalação e,


consequentemente, reduz o tempo de execução da obra, quando comparamos
com uma instalação tradicional em cobre.
 O material feito em PPR é projetado para durar mais de 50 anos sem
apresentar qualquer tipo de corrosão ou perfuração das tubulações, conforme
as mais rigorosas normas (ISO 15874).
 A linha PPR é recomendada para residências, edifícios residenciais e
comerciais, hotéis, restaurantes e instalações que tenham alta exigência de
desempenho e durabilidade, como hospitais e centros médicos.
 Diante da excelente resistência à pressão, ataques físico-químicos e absorção
de vibrações e movimentos, também pode ser utilizada em larga escala para
condução de fluidos em embarcações e em instalações industriais.
TUBOS E CONEXÕES – PPR
 Outros benefícios do PPR:
 É livre de incrustações, por ter paredes internas muito lisas;
 Livre de corrosão, não oxida e tem boa resistência física;
 Não requer isolamento térmico, pela reduzida transferência de calor para a parte
externa do tubo;
 Melhor Isolamento acústico que o cobre;
 É atóxico, podendo ser utilizado em hospitais, centros médicos, etc.;
 Mais flexível que o cobre, podendo ser instalado com curvas longas e desvios;
 Instalação fácil e rápida;
 Preço menor. Uma instalação completa para água quente em PPR custa
aproximadamente 20% menos que a mesma instalação em cobre;
 Garantia total das juntas entre tubos e conexões, pois não há união entre tubos e
conexões, mas sim termofusão que forma uma tubulação contínua para a segurança total
do sistema;
 Baixa atração para os ladrões, diferente do que acontece com o cobre;
 Não é necessário fazer aterramento da tubulação para proteção contra raio
TUBOS E CONEXÕES – PPR
TUBOS E CONEXÕES – PEX

 Tubos de Polietileno Reticulado (PEX): O polietileno é uma resina plástica


composta de macromoléculas lineares constituídas de Hidrogênio e Carbono
em ligações alternadas.
 A RETICULAÇÃO nada mais é que expulsar o Hidrogênio do sistema fazendo
com que as novas ligações espaciais formadas de Carbono mais Carbono,
gerem ao novo produto suas principais qualidades.
 As tubulações são fornecidas em rolos de 100 metros para os diâmetros de 16,
20 25 e 32 mm.
TUBOS E CONEXÕES – PEX

 As principais características dos tubos PEX são as seguintes:


 Flexibilidade;
 Alta Resistência à Pressão e Temperatura (100 m.c.a à 95ºC continuamente);
 Resistência Química;
 Ausência de fissuras por fadiga;
 Vida útil prolongada (norma DIN estima mínimo de 50 anos);
 Excelente resistência à abrasão;
 Coeficiente de atrito abaixo de qualquer material convencional;
 Sem soldas e colagens;
 Maior rendimento da mão de obra (o dobro com relação ao cobre).
TUBOS E CONEXÕES – PEX
TUBOS E CONEXÕES – OUTROS

 Tubos de ferro fundido: são usados em sistemas de esgoto sanitário,


ventilação e águas pluviais, são fornecidos com diâmetros que variam desde
50 mm até 250 mm, apresentando em uma das suas extremidades ponta e
outra bolsa, as conexões apresentam também ligações de tipo ponta e ponta
com anel de borracha ou luva externa ao tubo, fixadas com abraçadeiras de
aço inoxidável;
 Tubos de fibrocimento: São utilizados para coletores de esgotos sanitários e
águas pluviais, com diâmetro de 100 mm a 500 mm. As extremidades dos
tubos são tipo ponta e ponta e as conexões de ponta e bolsa com juntas
elásticas.
DURABILIDADE DOS MATERIAIS

 A durabilidade das tubulações em uso nos edifícios depende de uma série de


fatores:
 Natureza do material dos tubos e conexões - PVC, CPVC, PPR, PEX, cobre,
aço galvanizado ou ferro fundido.
 Tipo de junta - solda, rosca com vedante, fusão pelo calor, fusão por
adesivo solvente, anel de borracha elástico.
 Condições de exposição - embutido em alvenaria, dentro de argamassa de
contrapiso de laje, instalação aparente com e sem incidência de radiação
solar, sujeição a variações térmicas, sujeição a movimentações e
acomodações estruturais, sujeição a oscilações cíclicas de pressão interna,
 Natureza química e temperatura do líquido transportado pela tubulação -
água potável clorada, água quente, esgoto doméstico, águas pluviais e
outros.
CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS

Os tubos metálico apresentam as seguintes vantagens


Elevada resistência à pressão interna;
Reduzida dilatação térmica característica;
Estabilidade dimensional;
Elevada resistência ao calor;
Elevada resistência mecânica;
Elevada resistência aos efeitos de fadiga mecânica e térmica;
Resistentes à exposição à radiação ultravioleta e à ação do tempo;
Eliminam pouca fumaça e gases tóxicos quando sob combustão;
Confiabilidade em informação de desempenho sob uso prolongado;
São incombustíveis em temperaturas alcançadas em incêndios em edifícios.
CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS

Os tubos metálicos apresentam desvantagens ou inconvenientes:


Elevada condutividade térmica;
Maior peso comparativo;
Menor facilidade de manuseio,
Maior dificuldade de execução das juntas rosqueadas ou soldadas;
Maior resistência hidráulica ao escoamento;
Baixa flexibilidade e elasticidade;
Menor segurança na execução das juntas;
Elevada transmissão acústica (ruído);
Maior custo relativo de aquisição;
Susceptibilidade à corrosão;
CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS

 Os tubos metálicos são especialmente indicados para uso em funções


onde ficarão submetidos a elevadas pressões, como é o caso das
tubulações da rede de hidrantes de incêndio e da tubulação de
recalque, que conduz água potável desde as bombas hidráulicas da
cisterna até o reservatório elevado do edifício.
CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS

 Os tubos plásticos apresentam as seguintes vantagens:


 Elevada resistência à corrosão ou oxidação;
 Boa durabilidade quando abrigados da ação do tempo;
 Baixa condutividade térmica e elétrica;
 Baixo peso comparativo;
 Facilidade de manuseio;
 Rapidez e facilidade de execução das juntas (as juntas a quente
requerem termofusor);
CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS

 Os tubos plásticos apresentam as seguintes vantagens:


 Baixa resistência ao escoamento;
 Pouca acumulação de detritos;
 Boa flexibilidade e elasticidade;
 Maior segurança na execução das juntas (dispensam emprego de
maçarico);
 Baixa transmissão acústica;
 Baixo custo relativo de aquisição.
CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS

 Os tubos plásticos também apresentam as seguintes desvantagens ou


inconvenientes:
 Baixa resistência ao calor;
 Baixa resistência mecânica;
 Baixa resistência aos efeitos de fadiga mecânica e térmica;
 Degradação devida à exposição prolongada à radiação ultravioleta;
 Elevada dilatação térmica unitária;
 Eliminação de fumaça e gases tóxicos quando sob combustão;
APARELHOS SANITÁRIOS

 É função do sistema de esgoto sanitário coletar as águas servidas e


encaminhá-las a um destino (coletor público, tanque séptico, ou local
adequado).
 A função de coletar as águas servidas é cumprida pelo uso das peças
sanitárias, que são projetadas de modo a tender o usuário
ergonometricamente e na sua maneira de utilizá-las.
APARELHOS SANITÁRIOS

 BACIA SANITÁRIA: As bacias podem ser divididas em dois grupos quanto ao


fornecimento de água para limpeza:
 Válvulas de descarga;
 Caixa de descarga.
APARELHOS SANITÁRIOS

 LAVATÓRIOS:
APARELHOS SANITÁRIOS

 BANHEIRA:
APARELHOS SANITÁRIOS

 PIA DE COZINHA:
APARELHOS SANITÁRIOS

 TANQUE DE LAVAR ROUPAS:


DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE FLUXO

 São aqueles usados para controlar e/ou interromper o fornecimento


de água às tubulações e aparelhos sanitários.
 São fabricados em bronze, ferro fundido, latão e PVC.
DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE FLUXO

 MISTURADORES:

LAVATÓRIO BIDÊ PIA DE COZINHA


DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE FLUXO

 TORNEIRAS:

LAVATÓRIO PIA DE COZINHA TANQUE


DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE FLUXO

TORNEIRAS BÓIA REGISTRO DE GAVETA


DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE FLUXO

 REGISTRO DE PRESSÃO OU GLOBO


DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE FLUXO

 Válvulas de Retenção

Tipo Portinhola Tipo Levantamento Horizontal


DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE FLUXO

 Válvula Redutora de Pressão


ACESSÓRIOS HIDRÁULICOS SANITÁRIOS

 Em geral os sistemas hidráulicos são embutidos nas paredes e/ou


pisos, constituindo o que costumamos chamar de pontos terminais de
água fria e quente.
 O esgotamento dos aparelhos sanitários em geral também necessita
de dispositivos para realizarem o seu escoamento.
 Nas figuras seguintes estão apresentadas as principais interligações
usadas em sistemas hidráulicos prediais.
ACESSÓRIOS HIDRÁULICOS SANITÁRIOS

 DESCONECTORES

Caixa Sifonada Ralo Sifonado


ACESSÓRIOS HIDRÁULICOS SANITÁRIOS

 DESCONECTORES
ACESSÓRIOS HIDRÁULICOS SANITÁRIOS

 TUBOS DE ENGATE FLUXÍVEL


ACESSÓRIOS HIDRÁULICOS SANITÁRIOS

 TUBO PARA VÁLVULA DE DESCARGA


ACESSÓRIOS HIDRÁULICOS SANITÁRIOS

 VÁLVULA DE ESCOAMENTO