Você está na página 1de 20

Constituem o maior grupo de metabólitos secundários vegetais, os

terpenóides, substâncias cuja origem biossintética deriva de unidades do


isopreno.
• Estes compostos encontram-se em sementes, flores,
folhas, raízes e madeira de plantas superiores assim como
em musgo, algas e líquenes.
• Do ponto de vista químico, são hidrocarbonetos,
compostos apenas de carbono e hidrogénio. Alguns são os
precursores de certas vitaminas, como A, K e E.
• Os monoterpenos são constituintes dos óleos voláteis ou
óleos essenciais, atuando na atração de polinizadores.
O caminho do mevalonato
Monoterpenos
• Os sesquiterpenos, em geral, apresentam funções
protetoras contra fungos e bactérias, enquanto muitos
diterpenos dão origem aos hormônios de crescimento
vegetal.
Camomila, Matricaria chamomilla, Compositae / Asteraceae
As flores contêm 0,5 a 1,5% de óleos essenciais sesquiterpenos como
-bisabolol (10 a 25%), óxidos do bisabolol e chamazuleno.
È digestiva, antiinflamatória e antiespasmódica. O bisabolol e o
chamazuleno são antiinflamatórios, sendo o primeiro também
antibacteriano e protetor de úlceras gástricas.
Sesquiterpenos

chamazulen
o

-bisabolol
Artemisia annua, Compositae / Asteraceae
Planta usada na medicina chinesa tradicional como antimalárica. A
artemisinina, uma lactona sesquiterpênica, é a substância responsável
pela atividade antimalárica causada pelo Plasmodium falciparum.

Diterpenos
Taxus brevifolia, Taxaceae
As cascas de três árvores, de 100 anos de idade, contém
1% de taxol, substância antitumoral. Para um tratamento
são necessárias 2 g.
Ginkgo, Ginkgo biloba L., Ginkgoaceae
Parte usada: folhas
Membro primitivo das gymnospermas e a única espécie sobrevivente da
família Ginkgoaceae, todas as outras são encontradas como fósseis. Os
constituintes ativos são os lactonas terpênicas e os glicosídeos flavônicos.
Internamente usado para asma, alergia, processos inflamatórios,
insuficiência cerebral, varizes.
Stevia rebaudiana, Asteraceae / compositae
O ent-kaureno é precursor do steviosídeo que está
presente nas folhas da espécie em grande quantidade (3 a
10 %) e é 100 a 300 vezes mais doce que a sacarose e
usado como adoçante.
Valeriana officinalis L.; Valerianaceae
Erva perene, nativa na Europa, cujas raízes secas contém
os valepotriatos que são responsáveis pela atividade sedativa da
droga. Pesquisadores atribuem também esta atividade ao ácido
valerênico (0,3 %), um sesquiterpeno, e aos óleos essenciais como
o borneol e valeranona. O ácido aminobutírico ou GABA e
glutamina, também identificados no extrato, sugerem contribuir
para as propriedades sedativas.
Triterpenos e Esteróides
Os terpenos de peso molecular mais alto aparecem nas plantas e
animais, e muitos deles desempenham papéis biológicos importantes.
O triterpeno lanostererol, por exemplo, é precursor dos hormônios
esteróides.
Os triterpenos e os esteróides, apresentam uma gama de funções; como
de proteção contra herbívoros, antimitóticos, e outros atuam na
germinação das sementes e na inibição do crescimento da raiz.
Trabalhos preliminares sustentam o potencial antitumoral
destes triterpenos e, neste contexto, podemos citar as inibições do
crescimento tumoral in vivo em camundongos com tumores
implantados.
As três principais atividades farmacológicas que estão
relacionadas ao mecanismo antitumoral destes triterpenos são a
citotóxica, antiinflamatória e antioxidante.
A continuação desses estudos provavelmente levará à
descoberta completa deste mecanismo de ação responsável pela
atividade citotóxica destes triterpenos nos próximos anos.
O AU e outros triterpenóides comuns em plantas são
conhecidos por sua atividade antiinflamatória e, sendo assim, é
possível que a atividade antitumoral dos mesmos também esteja
relacionada às suas propriedades antiinflamatórias.
Esteróides
Triterpenóides contendo o sistema de anel
tetracíclico sem metil em C-4 e C-14.
Outros terpenos, como o fitol, formam parte da clorofila dos
carotenóides.

Os carotenóides são tetraterpenos que estão presentes em


quase todos os vegetais verdes, podendo ser imaginados como
dois diterpenos ligados "pé com pé". Todos os carotenos são
precursores da vitamina A, pois podem ser convertidos à
vitamina A por enzimas do fígado.
As cucurbitacinas, as saponinas, os glicosídeos cardíacos e os
ésteres de forbol são terpenóides de grande interesse, devido à
alta toxicidade que apresentam para os mamíferos.
BIBLIOGRAFIA
DEWICK, P. M. Medicinal Natural Products. A biossynthetic approach. John Wiley & Sons,
2002.

SIMÕES, C.M.O.; SCHENKEL, E.P.; GOSMANN, G.; MELLO, J.C.P.; MENTZ, L.A.; PETROVICK,
P.R. Farmacognosia da planta ao Medicamento. Porto Alegre: Editora da Universidade
Federal do Rio Grande do Sul, 5a. ed., 2003. 1102 p.

VECHIA, L. D.; GNOATTO, S. C. B.; GOSMANN G. Derivados oleananos e ursanos e sua


importância na descoberta de novos fármacos com atividade antitumoral, anti-inflamatória
e antioxidante. Quim. Nova, v. 32, n. 5, p.1245-1252, 2009.

PASSOS, C. S.; ARBO, M. D.; RATES, S. M. K.; POSER, G. L. Terpenóides com atividade
sobre o Sistema Nervoso Central (SNC). Revista Brasileira de Farmacognosia, v.19,
n.1A, p. 140-149, 2009