Você está na página 1de 19

Ordem Carnivora

Introdução
Os carnívoros representam ordem de mamíferos mais rica em espécies e
possuem uma incrível variedade de comportamentos sociais e características
morfológicas, como por exemplo: elefantes-marinhos que podem pesar
facilmente 2 toneladas1 e são perfeitamente adaptados a vida marinha, doninhas-
anãs que pesam aproximadamente 70 g2, ou o urso-polar que é o maior dos
ursos existentes3, com o macho pesando em média 450 kg.
Devido essa enorme diversidade, são animais extremamente adaptáveis e
podem ser encontrados em todos os continentes. Sendo apenas na América do
Sul conhecidas, até o momento, 47 espécies, das quais 27 ocorrem no Brasil4.
Características
Algumas características comuns que definem a ordem dos carnívoros são:

• Dentição: Presença de caninos bem desenvolvidos usados para agarrar e


matar, além de possuir dentes extremamente afiados e adaptados para
rasgar carne e quebrar ossos, o que favorece a mastigação5.
• Sua dentição apresenta uma característica única que é a chamada
mordedura em cisalhamento6, onde os dentes não convergem verticalmente,
mas sim próximos um do outro, ficando como um tesoura fechada. Essa
característica permite que esses animais tenham maior facilidade em cortar a
carne em pedaços menores, facilitando assim a digestão dos alimentos.
Características
• Dentição:
Características
• Membros: Todas as espécies possuem membros quadrupedes, em geral
com cinco dígitos nos membros anteriores e quatro nos membros
posteriores. Podem ser digitígrados, aqueles que andam sobre os dedos
(cães, gatos, raposas), ou plantígrados, aqueles que apoiam toda a planta
dos pés ao andar (ursos, guaxinins, doninhas)7. Os membros da Superfamília
Pinnipedia possuem os membros modificados em nadadeiras, onde os dedos
são conectados por uma membrana que facilita a locomoção na água 8.
• Órgãos: Devido a alimentação especifica possuem um estomago simple e o
intestino pequeno. Seus cérebros são relativamente grandes, o que
influencia em sua organização social9, além de seus sentidos que são bem
desenvolvidos, principalmente visão, olfato e audição.
Características

Pegada de onça (digitígrados) Pegada de guaxinim (plantígrados)


Estilo de vida
• Comportamento social: Os carnívoros são animais com uma grande
diversidade de comportamentos sociais, que varia muito entre cada grupo, onde
na maioria das vezes está associada ao estilo de caça e dieta, podendo viver em
bandos10 (leões, lobos), colônias11 (leões marinhos) e em alguns casos
solitários12 (onça pintada, urso pardo).
Estilo de vida
• Alimentação: A maioria dos carnivoros se alimentam de caça ou comendo carniça, porém, grande parte da
ordem é onivora, consumindo outros alimentos como frutas e outras partes de plantas. Algumas espécies
menores, como suricatos, possuem uma alimentação composta principalmente por invertebrados, enquanto
outros animais deste grupo são prioritariamente herbivoros, como os pandas gigantes, por exemplo.
Estilo de vida
• Caça: As estrategias de caça são extremamente variadas dentro da ordem. Alguns exemplos que podemos citar são:
os lobos que tentam dispersar grandes grupos para poderem emboscar individuos isolados; os leões13 que costumam
esqueirar-se esperando uma oportunidade para atacar de surpresa uma presa que pode ser significativamente maior
que eles; as focas-leopardo que são excelentes nadadoras e usam essa habilidade pra caçar suas presas; ou os
ursos pardos14 que são hábeis pescadores.
Estilo de vida
• Reprodução: Em geral as fêmeas possuem a capacidade de acasalar uma vez
por ano, porém em espécies menores ocorrem varias ninhadas. Já nas
espécies, como ursos e felinos, costumam haver intervalos de dois a tres anos
entre os nascimentos.
• O periodo de gestação pode variar bastante de espécie pra espécie, como por
exemplo a doninha-anã (36 dias) e a morsa (15 – 16 meses)
• Os filhotes geralmente nascem pequenos, cegos e incapazes de sobreviver
indepentemente, justificando o cuidado parental da maioria das espécies. E
geralmente os carnívoros aquáticos possuem uma expectativa de vida maior
que a de carnívoros terrestres , podendo chegar, em alguns casos, aos 40 anos,
enquanto espécies menores como furões vivem cerca de 1 ano na natureza.
Estilo de vida
• Reprodução:
Sistemática
• Antigamente a ordem era dividida em 2 grandes
grupos, sendo eles: terrestres e aquáticos, mas
essa classificação entrou em desuso. Atualmente a
ordem é separada em 2 subordens: os Caniformia
ou Canoidea (lobos, focas, ursos) e os Feliformia ou
Feloidea (Gatos, hienas, suricatos).
• Essa classificação foi baseada em estudos
genéticos, morfologicos e moleculares. Dessa forma
definiu-se os Pinnipedia (focas, leões marinhos)
como grupo pertencente à subordem Caniformia.
Sistemática
• Feliformes: É a subordem dos Carnívoros
“semelhantes” a gatos. Tendem a ser mais
carnívoros que os caniformes e geralmente
são caçadores de embosca.
• Muitos feliformes possuem garras retráteis ou
semi-retráteis. Grande parte destes são
arbóreos ou semi-arbóreos. E os feliformes
tendem a ser mais digitígrados.
• Existem 7 famílias atualmente, que são: os
Eupleridae (Fossa), os Herpestidae
(Suricatos), os Felidae (Gatos), os
Hyaenidae (Hienas), os Nandiniidae (Civeta-
de-palmeira-africana), os Prionodontidae
(Linsangues) e os Viverridae (Civetas).
Sistemática
• Feliformes:
Sistemática
• Caniformes: É a subordem dos Carnívoros
“semelhantes” a cachorros, porém os pinípedes
também pertencem ao grupo. Tendem a ser mais
onívoros e são caçadores oportunistas.
• Os caniformes possuem garras não retráteis e
tendem a ser mais plantígrados, com exceção
dos canídios. Suas mandíbulas são mais longas
e com mais dentes.
• São conhecidas 9 famílias de Caniformes
atualmente, que são os: Canidae (Cachorros),
Ursidae (Ursos), Ailuridae (Panda-vermelho),
Mephitidae (Cangambá), Mustelidae (Doninha),
Procyonidae (Guaxinins). E os pinípedes que
são formam um grupo separado dentro dos
Caniformes e estão divididos em 3 famílias:
Phocidae (Focas verdadeiras), Otariidae
(Leões-marinhos) e Odobenidae (Morsa).
Sistemática
• Caniformes:
Principais ameaças
• Redução de habitat: Os Carnivora em sua grande
maioria são animais de porte grande e cobrem grandes
territórios. Com o avanço das cidades e redução das
áreas verdes, cada vez mais o humano acaba entrando
em contato direto com esses animais o que os torna
cada vez mais ameaçados.

• Caça: Outro risco para esses animais são os caçadores.


Muitas espécies desta ordem estão em sérios riscos de
extinção devido a caça, grande parte das vezes apenas
por interesses em suas peles.
Obrigado!
Referências bibliográficas
1. HAMILTON, J. E. Weight, etc., of elephant seal. Nature, v. 163, n. 4144, p. 536-536, 1949.

2. GILLINGHAM, Bruce J. Meal size and feeding rate in the least weasel (Mustela nivalis). Journal of Mammalogy, v. 65, n. 3, p. 517-519, 1984.

3. DEMASTER, Douglas P.; STIRLING, Ian. Ursus maritimus. Soc., 1981.

4. Prevosti, F.J. & Soibelzon, L. 2012. Evolution of the South American carnivores (Mammalia, Carnivora). A paleontological perspective. pp. 102-122 In: Bones, clones, and biomes.
The history and geography of recent Neotropical mammals. Patterson, B.D. & Costa, L.P. (eds). Chicago. University Press. 419 p.

5. VAN VALKENBURGH, Blaire. Carnivore dental adaptations and diet: a study of trophic diversity within guilds. In: Carnivore behavior, ecology, and evolution. Springer, Boston, MA,
1989. p. 410-436.

6. VAN VALEN, Leigh. Evolution of dental growth and adaptation in mammalian carnivores. Evolution, p. 96-117, 1969.

7. TAYLOR, Mark E. Locomotor adaptations by carnivores. In: Carnivore behavior, ecology, and evolution. Springer, Boston, MA, 1989. p. 382-409.

8. PIERCE, S. E.; CLACK, J. A.; HUTCHINSON, J. R. Comparative axial morphology in pinnipeds and its correlation with aquatic locomotory behaviour. Journal of Anatomy, v. 219, n.
4, p. 502-514, 2011.

9. FINARELLI, John A.; FLYNN, John J. Brain-size evolution and sociality in Carnivora. Proceedings of the National Academy of Sciences, v. 106, n. 23, p. 9345-9349, 2009.

10. MECH, L. David. Canis lupus. Mammalian species, n. 37, p. 1-6, 1974.

11. WOLF, Jochen BW et al. Social structure in a colonial mammal: unravelling hidden structural layers and their foundations by network analysis. Animal Behaviour, v. 74, n. 5, p. 1293-
1302, 2007.

12. DE AZEVEDO, Fernando Cesar Cascelli; MURRAY, Dennis Lewis. Spatial organization and food habits of jaguars (Panthera onca) in a floodplain forest. Biological conservation, v.
137, n. 3, p. 391-402, 2007.

13. LOARIE, Scott R.; TAMBLING, Craig J.; ASNER, Gregory P. Lion hunting behaviour and vegetation structure in an African savanna. Animal Behaviour, v. 85, n. 5, p. 899-906, 2013.

14. LUQUE, Michael H.; STOKES, Allen W. Fishing behaviour of Alaska brown bear. Bears: Their Biology and Management, p. 71-78, 1976.