Você está na página 1de 57

A FORMADORA: Cidália Correia

A Formadora: Cidália Correia 1


 Comunicação Assertiva

Particularidades e vantagens do perfil


assertivo
Empatia
Escuta ativa/escuta dinâmica
Conceito de contexto comum
Semântica/Sintaxe
Paralinguagem  

A Formadora: Cidália Correia 2


 Comunicação Assertiva

É o estilo de comunicação que nos permite ser mais


construtivos na relação com os outros.
Não é uma caraterística inata ou um traço de
personalidade que alguns de nós possuem e outros não.
É uma aptidão que pode ser aprendida, isto é, que cada
um pode desenvolver mediante um treino sistemático e
estruturado.
A maior parte das pessoas não é assertiva em todas as
situações.
A Formadora: Cidália Correia 3
 Comunicação Assertiva
Por exemplo, podemos comunicar assertivamente com um
colega de trabalho e ter bastante dificuldade em fazê-lo com
familiares.
Não será correto dizer que uma pessoa é simplesmente
assertiva ou não assertiva, mas sim que há ou não tendência
para comunicar assertivamente em determinadas situações.

A Formadora: Cidália Correia 4


 Razões para utilizar a Comunicação
Assertiva

1. Ser assertivo aumenta o respeito por nós


próprios.
2. Reduz a noção de insegurança e
vulnerabilidade.
3. Aumenta a autoconfiança no relacionamento
com os outros, diminuindo a necessidade de
aprovação para aquilo que fazemos.
A Formadora: Cidália Correia 5
 Razões para utilizar a Comunicação
Assertiva

4. Faz com que os outros aumentem o seu


respeito e admiração por nós.
5. Permitir que, ao defendermos os nossos
direitos, consigamos que as nossas
preferências sejam respeitadas e as
nossas necessidades satisfeitas.

A Formadora: Cidália Correia 6


 Razões para utilizar a Comunicação
Assertiva

6. É um estilo de relacionamento interpessoal que


poderá ser extremamente recompensante, uma vez
que proporciona maior proximidade entre as
pessoas e maior satisfação na comunicação das
nossas emoções.

É possível que se goste mais de uma pessoa


quando ela age assertivamente.

A Formadora: Cidália Correia 7


 Razões para utilizar a Comunicação
Assertiva

7. Um aspeto que é importante em conta é que


NINGUÉM é 100% assertivo com todas as pessoas
e em todas as situações.
8. Para cada pessoa, a facilidade que tem em
comportar-se de forma assertiva depende muito da
pessoa a quem esse comportamento se dirige
(pais, professores, amigos, familiares, etc.) e da
situação em que se encontra (auto-afirmação,
expressão de sentimentos positivos, etc.).
A Formadora: Cidália Correia 8
Atitudes Assertivo
Como me sinto Esclarecido
como receptor Valorizado
Respeitado
Escutado
Como se sente Confiante
sobre si próprio Calmo
Ideias claras
Elevada auto estima
Com sentido de poder interior
Recompensas Ter resultados
Ser claro
Agarrar oportunidades
Desenvolvimento de relações honestas
Aumento do auto-respeito
Consequências Mover-se clara e seguramente para as metas
a longo estabelecidas.
prazo Construção de relações sólidas.
Construção de respeito mútuo.
A Formadora: Cidália Correia 9
O ASSERTIVO NÃO DIZ O ASSERTIVO DIZ

1. Estás sempre a 1. Eu gostaria de realizar o meu trabalho sem


interromper o meu interrupção. Pode ser?
trabalho.

2. Tu és um traidor. 2. Eu senti-me traído na confiança que tinha


em ti.

3. És um incompetente
3. Há tarefas em relação à tua função que
tens que aprender a fazer para seres mais
competente.

4. Só um idiota como tu
4. Como chegaste a essa solução? Quais as
é que apresenta essa
consequências dessa solução?
solução.
A Formadora: Cidália Correia 10
 Comportamento Assertivo

COMPONENTE VERBAL

• Defender os seus direitos respeitando e


promovendo as opiniões, vontades e sentimentos do
interlocutor.

• Transparência na linguagem: simplicidade e ser


directo.

• Rigor na afirmação.

• Resolução de conflitos através Ada negociação.


Formadora: Cidália Correia 11
 Comportamento Assertivo

COMPONENTE NÃO VERBAL


• Congruência entre o que se diz e a
gesticulação.
• Rosto descontraído.
• Moderação do tom de voz consoante o
que está a ser dito.

A Formadora: Cidália Correia 12


 Princípios de Assertividade

Exprimir opiniões, sentimentos e vontades, sem


violar os direitos dos outros.

Escutar ativamente as opiniões dos outros.

Não utilizar nem entender subentendidos.

A Formadora: Cidália Correia 13


 Princípios de Assertividade

Não se sentir na obrigação de justificar os seus


comportamentos.

Solicitar informação sempre que não compreender


algo.

Establelecer as próprias prioridades.

A Formadora: Cidália Correia 14


Comportamento Assertivo
Determinação

• Saber o que se quer.

•Criar diversos objetivos.

•Escolher os objetivos mais mobilizadores, mas


que sejam razoáveis.
• Aprender a medir o risco e a correr riscos de
forma controlada.

A Formadora: Cidália Correia 15


Comportamento Assertivo
Ser ASSERTIVO - a expressar afeto e prazer
•Ser breve e direto.
•Elogiar atividades e resultados concretos.
•Utilizar com frequência o EU.
•Evitar comparações com os outros ou com
o passado.
•Elogiar de forma imediata.
•Variar a forma de elogiar consoante o
grau de agrado.
A Formadora: Cidália Correia 16
Comportamento Assertivo

Ser ASSERTIVO - a receber elogios


•Aceitar o elogio, quando se considera o elogio
merecido.
•No caso de se considerar o elogio não
merecido, agradecer e exprimir a nossa
opinião.
•Não pensar que é presunção concordar com
os elogios.

A Formadora: Cidália Correia 17


Comportamento Assertivo
Ser ASSERTIVO - a fazer pedidos

•Não se desculpar nem se auto-justificar


enquanto se faz um pedido.
•Ser discreto e breve.
•Não explorar a boa vontade do outro.
•Dar razões para o pedido (poucas mas
autênticas).

A Formadora: Cidália Correia 18


Comportamento Assertivo
Ser ASSERTIVO - a recusar pedidos

•Esclarecer o pedido.

•Reconhecer o pedido.

•Dar razões que justifiquem a recusa .

•Não “almofadar a recusa” com pedidos de


desculpa e com razões suplementares.

A Formadora: Cidália Correia 19


Vantagens do Comportamento
Assertivo

Permite defender os próprios direitos e,

tratar as restantes pessoas com o devido

respeito, enquanto seres humanos;

Melhores resultados em negociações;

Facilita a solução de problemas

interpessoais;
A Formadora: Cidália Correia 20
Vantagens do Comportamento
Assertivo

Aumenta a auto-eficácia e a auto-estima;

Melhora a qualidade dos relacionamentos;

A pessoa sente-se mais tranquila;

A Formadora: Cidália Correia 21


Vantagens do Comportamento
Assertivo
Reduz o stress físico e mental, porque as pessoas

deixam de ser vítimas para passar a ser atores com

protagonismo no processo de comunicação;

•A comunicação assertiva é mais clara e objetiva, o

que permite acabar com os mal-entendidos e

contribuir para a clarificação das ideias e

expectativas.

A Formadora: Cidália Correia 22


Comportamento Assertivo

Em resumo…

Uma pessoa assertiva:


Tem respeito pelos outros e por si próprio;
Defende os seus direitos sem ir contra os
dos outros;
Não disfarça os seus sentimentos;
Cria relações baseadas na confiança.
A Formadora: Cidália Correia 23
Empatia

Para escutar eficazmente, é necessário ser


empático!

A empatia é considerada um
“nutriente psicológico”, porque sem ela a
vida humana não pode existir.
A Formadora: Cidália Correia 24
Empatia

Muitas vezes, é caracterizada como a


capacidade de “se colocar no lugar do
outro”.

A Formadora: Cidália Correia 25


Empatia
Ser Empático é então…
Mostrar desejo de compreender o outro, os seus
pensamentos e sentimentos, é
imaginarmo-nos na situação do outro.
O indivíduo empático deve ser genuíno e exibir
comportamentos não verbais que estejam de
acordo com esse desejo de compreender a
perspetiva do outro (o olhar, a postura, etc.).

A Formadora: Cidália Correia 26


Para se ter empatia, o primeiro passo é
OUVIR.

A arte da empatia, mais do que a simpatia é o


grande segredo de uma boa comunicação.

A Formadora: Cidália Correia 27


Para se ter empatia, o primeiro passo é
OUVIR.

No processo de comunicação:
-Veja o problema do ponto de vista do
outro;
- Identifique as questões-chave e as
preocupações envolvidas;
-Determine que resultados constituiriam
uma solução plenamente aceitável;
- Identifique novas opções possíveis
A Formadora: Cidália Correia para 28
Empatia – Competência Inata ou Adquirida?

Como a maior parte das características


pessoais, a empatia tem tanto de natural como
de aprendizagem. Na realidade, nem todos
possuímos inatamente esta característica e,
mesmo entre quem a tem,
poucos a sabem utilizar
a seu favor. No entanto,
qualquer um a pode desenvolver.
A Formadora: Cidália Correia 29
Empatia – Competência Inata ou Adquirida?

E para uma empatia de qualidade, que


conduz a resultados concretos e ao sucesso,
requer-se sempre treino.
Assim, com alguma prática e persistência,
poderemos desenvolver esta capacidade de
modo a que depois possa funcionar de forma
automática.

A Formadora: Cidália Correia 30


Empatia e Comunicação

A empatia é uma ferramenta poderosa que


permite com que duas ou mais pessoas
interajam de forma proveitosa. No fundo, é
através da empatia que se criam as pontes de
comunicação entre duas pessoas.

A Formadora: Cidália Correia 31


Empatia e Comunicação

Nem sempre a forma que escolhemos para


transmitir uma ideia é suficiente para que ela
seja perfeitamente entendida pelo nosso
destinatário.

A empatia tem tudo a ver com as palavras que


escolhemos e a forma como as organizamos
para comunicar as nossas ideias.
A Formadora: Cidália Correia 32
Empatia e Comunicação

Se temos algo a dizer, é essencial sabermos


escolher a forma de, não só transmitir a ideia,
mas fazê-la ser bem compreendida por quem
nos ouve.

A Formadora: Cidália Correia 33


3. Saber escutar

Tão importante como a forma como se


comunica, é a forma como se escuta. A base
de toda a empatia está em demonstrar que só
quer dar o que o outro precisa. A isto se chama
empatia. O que temos não é mais nem menos
que a resposta, na medida certa, às
necessidades dos outros.

Para tudo isto, torna-se essencial compreender


as necessidades do seu interlocutor, ouvi-lo e
entendê-lo.
A Formadora: Cidália Correia 34
4. Os limites da palavra

O segredo da boa empatia passa igualmente por manter


limites na forma como se expressa.
Não seja excessivo, nem ostentoso.
O excesso de ênfase nas suas palavras podem criar o efeito
inverso e suscitar a dúvida sobre as suas reais capacidades e
a veracidade das suas afirmações.

A Formadora: Cidália Correia 35


Escuta Activa/
Escuta ativa Dinâummica
é
procedimento mediante o qual
realizamos um esforço para nos
centrarmos no que a outra
pessoa nos quer dizer; é uma
técnica que utilizamos para
descobrir o que preocupa as
pessoas e encontrar
oportunidades para satisfazê-
las.
A Formadora: Cidália Correia 36
A chave para essa escuta ativa ou eficaz é a vontade e a
capacidade de escutar a mensagem inteira (verbal e não-verbal), e
responder apropriadamente ao conteúdo e à intenção da mensagem.

A Formadora: Cidália Correia 37


Princípios de escuta activa:

•Saber deixar falar ;


•Colocar-se em empatia com o outro;
•Centrar-se no que é dito;
•Não interromper o outro;
•Controlar as emoções pessoais;
•Resistir ao efeito de halo - consiste em deixar que uma
característica da pessoa encubra todas as demais,
influenciando a sua avaliação é o chamado julgamento à
primeira vista;
A Formadora: Cidália Correia 38
•Demonstrar interesse e concentração no que diz o outro.
•Mostrar interesse genuíno na pessoa e nas suas ideias.
•Afastar o desconforto usualmente gerado pelos silêncios.
•Colocar questões assertivas.
•Prestar atenção à ideia que está a ser transmitida.
•Focalizar a atenção do outro.

A Formadora: Cidália Correia 39


O ser humano demora dois anos
para aprender a falar e muitos
demoram uma vida para aprender a
escutar!

A Formadora: Cidália Correia 40


Regras da Escuta Ativa
O recetor não pode ouvir e
falar ao mesmo tempo; é
necessário suspender o
Saber deixar falar discurso para que o outro
diga o que tem a dizer e
sinta de forma clara que
está a ser escutado.
A Formadora: Cidália Correia 41
Regras da Escuta Ativa
O recetor deve dar tempo
ao emissor que diga tudo
Não
até ao fim, evitando
Interromper
antecipar o que pensa que
lhe iria ser dito.

A Formadora: Cidália Correia 42


Regras da Escuta Ativa
O recetor deve tentar
colocar-se no lugar do
emissor, para o
Mostrar
compreender; deve assumir
Empatia
o seu quadro referencial,
perceber a razão da sua
opinião.

A Formadora: Cidália Correia 43


Regras da Escuta Ativa
O recetor deve concentrar
toda a sua atenção nas
Centrar-se no
palavras, expressões,
que é dito
silêncios e hesitações do
emissor.

A Formadora: Cidália Correia 44


Regras da Escuta Ativa
O recetor deve colocar-se
de frente para o emissor,
olhando-o com atenção e
Manter os interesse, para que este
canais abertos perceba que os canais de
comunicação estão
disponíveis para a receção
da mensagem.

A Formadora: Cidália Correia 45


Regras da Escuta Ativa
Um juízo demasiado rápido
Evitar Fazer pode provocar reações de
juízos defesa por parte do emissor
imediatos e interromper o processo de
comunicação.

A Formadora: Cidália Correia 46


Regras da Escuta Ativa
O recetor deve manter-se
atento e interessado,
Não deixar tentando controlar acordo
transparecer as ou desacordo, agrado ou
emoções desagrado, expressões que
pessoais podem condicionar o
emissor e deturpar a
mensagem

A Formadora: Cidália Correia 47


Regras da Escuta Ativa
O recetor deve concentrar-
se no que é dito,
Resistir ao
independentemente do que
Efeito Halo
pensa do emissor; deve ser
o mais objetivo possível

A Formadora: Cidália Correia 48


Regras da Escuta Ativa
Sempre que a mensagem
se torna vaga, o recetor
deve recapitular o que foi
Reformular transmitido, para se
certificar de que a
mensagem recebida é a
mesma que a emitida.

A Formadora: Cidália Correia 49


Regras da Escuta Ativa
O ritmo médio de um sujeito
falante é de cerca de 120
palavras por minuto,
enquanto que a velocidade
de pensamento é de
Utilizar as aproximadamente 400
capacidades palavras por minuto. Esta
cerebrais diferença permite ao recetor
ganhar algum tempo que
pode utilizar no controlo do
processo de comunicação e
na tarefa de compreensão.
A Formadora: Cidália Correia 50
A Formadora: Cidália Correia 51
Exercício:
Escuta Ativa

Facilmente a nossa mente vagueia e somos levados pela


distração. Não olhe pela janela quando pretender escutar a
outra pessoa!...

A Formadora: Cidália Correia 52


Quando te peço para me escutares e tu começas a dar-me
conselhos, não fazes o que te peço.
Quando te peço para me escutares e tu começas a dizer-
me que não teria que me sentir assim, não respeitas os
meus sentimentos.
Quando te peço para me escutares e tu sentes o dever de
fazer algo para resolver o meu problema, não respondes às
minhas necessidades.
Escuta-me!
Tudo o que te peço é que me escutes, não fales, nem faças.
Escuta-me apenas.
A Formadora: Cidália Correia 53
Aconselhar é fácil. Mas eu não sou um incapaz. Estou
desanimado e com dificuldade, mas eu não sou um inútil.
Quando tu fazes por mim aquilo que eu poderia fazer e que
não necessito, não fazes mais que contribuir para a minha
insegurança.
Mas quando aceitas simplesmente, o que sinto pertence-
me, mesmo que seja irracional, então não tenho que tentar
fazer-te entender, mas antes começar a descobrir o que
existe dentro de mim.
O´Donnell, 1989

A Formadora: Cidália Correia 54


Semântica e Sintaxe

Semântica Sintaxe

Significado de cada Estrutura gramatical das


palavra e das palavras frases.
quando estão ordenadas
numa frase.

A semântica e a sintaxe são dois elementos fundamentais para a


elaboração e compreenssão do discurso no processo de
comunicação.

Ex. O padre casa muitas pessoas na casa de Deus.

A Formadora: Cidália Correia 55


Paralinguagem

 A paralinguagem é um conceito que se aplica às modalidades da voz


(modificações de altura, intensidade, ritmo...) que fornecem
informações sobre o estado afectivo do locutor, e ainda outras
emissões vocais tais como o bocejo, o riso, o grito, a tosse.... 

A qualidade da voz e as vocalizações que emitimos durante a fala


dividem-se em quatro índices paralinguisticos:

•Qualidade de voz, que inclui a altura do tom de voz, a qualidade da


articulação e o ritmo.
A Formadora: Cidália Correia 56
•Caracterizadores vocais, que são sons bem reconhecíveis tais como
o riso, o suspiro, o choro, o bocejo, o grito...

•Qualificadores vocais, que incluem a maneira como as palavras são


proferidas, tais como a intensidade, o timbre e a extensão.

•Secreções vocais, incluem os sons que contribuem para o fluxo da


fala e que não sendo considerados palavras comunicam alguma coisa:
“hum”, ou “ahn”, ou “hem”, pausa e outras interrupções de ritmo.

A Formadora: Cidália Correia 57