Você está na página 1de 8

Maria Judite de Carvalho

“George”
As três idades da vida
O diálogo entre realidade, memória e imaginação
Metamorfoses da figura feminina
A complexidade da natureza humana
A atualidade do conto

 A condição feminina
A situação profissional
A independência económica
O amor
 Reflexão sobre a Morte e o Tempo
 Mundividência invulgar e sensibilidade artística
Reflexão sobre a complexidade da natureza humana
Reflexão sobre a constante (re)definição da complexidade humana
 Fusão da arte narrativa com diversas formas de arte
Pintura
 Amedeo Modigliani (1884-1920), pintor italiano
 Edvard Munch (1863-1944), pintor norueguês
Cinema
Fotografia
“George”

 Intriga focalizada cinematograficamente, valorizando


pormenores.
 Regresso de uma artista de renome à vila do interior,
onde nasceu, depois de 23 anos de ausência.
 Diálogo de mulheres que se cruzam
Confronto com a juventude: Gi e George
Confronto com a velhice: George e Georgina
 Partida de George no comboio que a levará para longe
da vila onde nasceu.
A protagonista

As três idades da vida

• Gi
• George
• Georgina
As personagens e o tempo

• Afastamento progressivo da infância e aproximação da


velhice:
• A infância está presente, no primeiro encontro (Gi e George)
• George e Gi movem-se lentamente, como a simbolizar a
impossibilidade de George de ressuscitar o passado e de se
despedir dele.
• O segundo encontro (George e Georgina) é marcado pela
velocidade do comboio e pela sua marcha sem retorno,
simbolizando a morte definitiva do passado e a aceleração
da marcha do Tempo em direção à velhice.
O espaço

• Vila parada do interior Regresso ao passado


Casa da infância
Ponto de confluência de lugares e de tempos
 Locais de passagem Visão de futuro
Viagem de comboio
As várias casas alugadas
Amesterdão
Estados Unidos
O narrador

• Focaliza, na terceira pessoa, os acontecimentos, conhece o


passado e o mundo interior das personagens;
• Mistura a sua voz com os pensamentos da personagem
principal e com as suas falhas de memória.
• Apresenta uma visão crítica e desprovida de autopiedade
que a protagonista tem de si própria.
• Reproduz as “falas” de Gi e de Georgina em itálico.
Maria Judite de Carvalho
“George”
As três idades da vida
O diálogo entre realidade, memória e imaginação
Metamorfoses da figura feminina
A complexidade da natureza humana