Você está na página 1de 31

Existencialismo:

Existencialismo:

Para essa corrente, a filosofia tem como objetivo


a análise e a descrição da existência concreta,
considerada como ato de uma liberdade que
se constitui afirmando-se e que tem
unicamente como gênese ou fundamento
essa afirmação de si.”
Sören Kierkegaard (1813 – 1855)

05/27/2020 www.nilson.pro.br 4
O EXISTENCIALISMO

Para Kierkergaard, o próprio indivíduo é a entidade


moral suprema e, portanto, os aspectos pessoais,
subjetivos, da vida humana é que são os mais
importantes.
 A relação do homem com o mundo – outros
seres humanos e a natureza – é dominada pela
angústia, que é entendida como o sentimento
profundo que temos ao perceber a instabilidade
de viver num mundo de acontecimentos
possíveis, sem garantia de que nossas
expectativas sejam realizadas.
Os três estágios da vida:

Estético: estar no
mundo. O indivíduo
vive apenas para
desfrutar de
prazeres
momentâneos.
Os três estágios da vida:

Ético: é preciso
adotar
determinadas
escolhas para se
viver. Vive-se
conforme a moral
de uma religião,
de um lugar etc.
Os três estágios da vida:

Religioso: os homens fazem a


grande passagem, que ocorre
quando abandonam todos os
velhos hábitos e ideologias
para encontrar a verdade
transcendente, divina.

O desespero, quando
aparece, é uma oportunidade
que a vida oferece ao ser
humano de mudar seus
hábitos e fazer um “salto”
para um estilo de vida mais
aprimorado.
É pela fé que o indivíduo é capaz de transcender
sua condição humana, ligando-se a Deus.

É uma fé que se vive na existência, entendendo


cada situação e momento da vida como um
aprendizado.

Essa transcendência, portanto, não está no


conceitual, no genérico, no abstrato, mas na
existência concreta, naquilo que cada pessoa
enfrenta em sua vida.
O
Existencialismo
de Jean-Paul
Sartre
1905-1980
França
O Existencialismo Ateu

No homem:

“A existência
precede a
essência.”
O homem é uma
subjetividade existencial
e indeterminada.

“O homem deve ser


inventado a cada dia”.
O homem é seu
próprio
projeto. A
característica
tipicamente
humana é o
nada.
“O homem é
condenado a ser livre.”

Liberdade é escolha
incondicional que o
próprio homem faz de
seu ser e de seu
mundo.
“O existencialismo
é humanismo."

RESPONSABILIDAD

"O homem nasce


livre, responsável
e sem
desculpas."
ESCOLHER É INVENTAR

Nossa
responsabilidade e
maior, pois
envolve toda a
humanidade.
RESPONSABILIDADE

Mesmo que sejamos mais de


6 bilhões, o que eu faço faz
diferença.

COMPROMISSO
ENGAJAMENTO

O existencialismo é uma
filosofia moral. Moral de
ação, pois a única coisa
que define o homem é o
seu ato.
Voltar-se para a situação
concreta em que se vive, ser
ENGAJAMENTO
solidário nos acontecimentos
sociais e políticos. Liberdade
comprometida na ação.
Angústia

Decorre do vazio da
liberdade.

Criar um valor,
ter de escolher entre
inúmeras possibilidades.
A MÁ – FÉ
CONFORMISMO

. Fuga da angústia da
escolha.
. Aceitar os valores
estabelecidos sem criticá-los.
Simone de Beauvoir
(1908 – 1986)
“ Ninguém nasce mulher:
torna-se mulher.

Nenhum destino biológico,


psíquico, econômico define
a forma que a fêmea
humana assume no seio da
sociedade; é o conjunto da
civilização que elabora
esse produto intermediário
entre o macho e o
castrado, que qualificam de
feminino.
Feminismo e construção social

O que define o papel e o comportamento


femininos resulta de algo construído socialmente
e não de um dado puramente natural.

A ideia de que o papel da mulher é definido em


relação ao homem, e não como o de um sujeito
autônomo, foi fundamental para o movimento
feminista, que teve na obra da escritora os
fundamentos para empreender uma luta contra
a desigualdade de gêneros.
“A humanidade é masculina e o homem
define a mulher não em si, mas
relativamente a ele: ela não é
considerada um ser autônomo.”
Baseada na dialética de Hegel, ela afirmou que a
mulher é definida pelo olhar masculino, não em si
mesma — uma ideia que, em 1949, foi revolucionária
ao tornar possível entender que a desigualdade de
gênero foi historicamente e ideologicamente
construída.

Um pensamento fundamental para a construção de um


novo campo de investigação, hoje tão em voga: os
Estudos de Gênero.
Com rigor acadêmico, Simone desmontou o
determinismo biológico e os ideais de
maternidade e de feminilidade, ao mesmo tempo
em que colocou em discussão a sexualidade
feminina, a contracepção e o aborto, e o papel
do trabalho e da independência econômica na
construção da liberdade da mulher.

“Em seus projetos, a mulher afirma-se


concretamente como sujeito”.
“Casamento é o destino tradicionalmente
oferecido às mulheres pela sociedade. Também
é verdade que a maioria delas é casada, ou já
foi, ou planeja ser, ou sofre por não ser.”

“Não são as pessoas que são responsáveis


pelo fracasso do casamento, é a própria
instituição que é pervertida desde a origem.”
“É pelo trabalho que a mulher vem diminuindo a
distância que a separava do homem, somente o
trabalho poderá garantir-lhe uma independência
concreta.”

“Entre as que se vendem pela prostituição e as que


se vendem pelo casamento a única diferença
consiste no preço e na duração do contrato.”

“Que nada nos defina. Que nada nos sujeite. Que a


liberdade seja a nossa própria substância.”