Você está na página 1de 53

HUMANISMO E

RENASIMENTO
PROFESSOR: FÁBIO MARTINS
Renascimento Cultural

- Renascimento, Renascença ou
Renascentismo é o termo utilizado
para identificar o período da História
Europeia, durante os séculos XIV, XV
e XVI. Em oposição à cultura feudal,
o Renascimento foi um movimento
cultural que expressou a
mentalidade burguesa.
- Denomina-se “Renascimento”
devido à redescoberta e à
revalorização das referências
culturais da antiguidade clássica,
base para as transformações do
período em direção a um ideal
humanista e naturalista.
Imagem: Estátua de Baco, feita por Michelangelo / Fotografia por Attilios / Disponibilizada
por Tetraktys / Domínio Público
Um renascer europeu
- Formação dos Estados Modernos
 Reforma religiosa
 Expansão Marítima
 Crescimento de centros urbanos (burguesia)
- Renascimento cultural e urbano
 Universidades
 Movimento Humanista
Os humanistas desejavam:
Grupo de comerciantes, em feira medieval, cerca de 1470.
Occhi
O Humanismo
• Movimento intelectual que propunha • Naturalismo: fenômenos
o estudo dos autores antigos passaram a ser passíveis de
(gregos e romanos) para construir explicação, de catalogação e
um novo conhecimento do ser de desmistificação.
humano e do mundo.
• Individualismo
• Eram cristãos que queriam
reinterpretar a Bíblia. • Teocentrismo x Antropocentrismo

• Traduziram e divulgaram textos dos


antigos.
• Aprofundaram o conhecimento de
línguas, literatura, filosofia, história e
matemática. (Revolução científica)

• Propuseram o uso da razão e da


experiência para se chegar à verdade.
7
Perseguições religiosas
Galileu Galilei – defesa do Heliocentrismo = preso.
Dante Alighieri – Contra a dominação do papado em
Florença = Queimado se ficasse em Florença ou Exílio.
Tomas Mouros – Contra o divórcio de Henrique VIII com
Catarina de Aragão = Decapitado
Giordano Bruno (1548-1600) Defendia a teoria heliocêntrica,
afirmava a existência de outros mundos e ainda questionava a
natureza divina de Jesus Cristo. Giordano Bruno defendia que
o Universo era infinito e estava inacabado. Ou seja, não era a
obra perfeita e concluída por Deus, como postulado pela
Igreja Católica = Queimado na fogueira.
CRÍTICAS AOS CONCEITOS CATÓLICOS
HELIOCENTRISMO x GEOCENTRISMO
Fundamentos:

Do grego anthropos “humano” e


kentro “centro”, ou seja, o Homem
no centro das atenções.

Esta doutrina afirma que existe uma


Antropocentrismo causa inteligível em tudo, mesmo
que não possa ser demonstrada de
fato, como a origem do Universo.
Racionalismo
individualismo em oposição ao
teocentrismo e às concepções da
Humanismo e individualismo filosofia escolástica.

Esta nova concepção expressou-se


nas Artes Plásticas e na Literatura e
fez desenvolver o estudo da
Imagem: Homem vitruviano / Leonardo da Medicina, da Física, entre outras
Vinci (1452 – 1519) / Disponibilizada por
Lviatour / Domínio Público
ITÁLIA: BERÇO DO RENASCIMENTO
Posição geográfica
Ricas cidades
Arqueologia romana
Rivalidades artísticas
Universidades
Fuga de sábios Bizantinos
FLORENÇA: capital das artes
O renascimento começou em Florença; quando poetas,
pintores, escultores e arquitetos criaram, entre os
séculos XIII e XV, uma quantidade infinita de obras de
arte.

Imagem: Florença, Ponte Vecchio, Italia / Fotografia e disponibilização por Idéfix /


GNU Free Documentation License
FASES DO RENASCIMENTO: TRECENTO

No século XIV,


manifesta-se,
predominantemente na
Itália, mais
especificamente na
cidade de Florença, polo
político, econômico e
cultural da região;

Giotto, Boccaccio e
Petrarca estão entre Imagem: Lamentação / Giotto (1266 – 1337) /
seus representantes. Disponibilizada por Eloquence / Domínio Público.
FASES DO RENASCIMENTO: QUATROCENTO

Século XV: o Renascimento


espalha--se pela península itálica,
atingindo seu auge. Nesse período,

Imagem: A Coroação da Virgem / Sandro Botticelli (1445-1510) /


atuam:
Botticelli;
Leonardo da Vinci;

Disponibilizada por Sailko / Domínio Público


Rafael;
Michelangelo
FASES DO RENASCIMENTO: CINQUECENTO
O Renascimento torna-se, no

Imagem: Altar plateresco da Igreja de Santa Maria - Valtierra, Espanha /


século XVI, um movimento

Fotografia e disponibilização por Zarateman / Domínio Público


universal europeu, tendo, no
entanto, iniciado sua decadência.
Ocorrem as primeiras
manifestações Maneiristas e a
Contrarreforma instaura o
Barroco como estilo oficial da
Igreja Católica.

 Estilo Barroco
CINQUECENTO:
Na literatura, atuaram Ludovico Ariosto
Torquato Tasso e Nicolau Maquiavel; já na
pintura, destacaram-se Rafael e Michelangelo;

O Renascimento marcou o declínio das


bibliotecas de tipo monástico: as primeiras
coleções particulares dos humanistas podem ser
consideradas como o ponto de partida das
bibliotecas modernas.
Técnicas do
Renascimento

O realismo nas Mona Lisa também


representação conhecida como A
Gioconda ou ainda Mona
Lisa del Giocondo é a mais
notável e conhecida obra
O domínio da A iniciativa de de Leonardo da Vinci, um
perspectiva e o artista pintar dos mais eminentes
Sfumato a si próprio homens do Renascimento
italiano. Sua pintura foi
iniciada em 1503 e é nesta
obra que o artista melhor
concebeu a técnica17 do
ARTE NA IDADE MÉDIA
ARTE NA IDADE MÉDIA
ARTE NA IDADE MÉDIA
A nova maneira de representar o mundo

Na pintura medieval, as figuras são estáticas de expressões invariáveis, fixas em um


fundo chapado.
Já a pintura renascentista busca representar objetos, pessoas e paisagens como eram
de fato no mundo real.

Entre as características, cria-se a ilusão de profundidade na tela, além de movimento.

Imagem: Anunciação / Sandro Botticelli (1445 – 1510) /


Disponibilizada por Eloquence / Domínio Público.
disponibilizada por Eloquence / Domínio Público.
Imagem: Anunciação - datada do ano de 1020 /
Autoria do Mestre de Hitda-Evangeliars /
LEONARDO DA VINCI
PERSPECTIVA
LEONARDO DA VINCI - ANATOMIA
LEONARDO DA VINCI- ENGENHEIRO
Johannes Gutenberg
Em meados de 1455, o alemão Johannes
Gutenberg realizou seu grande sonho. Após anos
de pesquisas e trabalho duro, pegou nas mãos seu
trunfo em forma de livro, impresso com uma
técnica inédita e infalível: a prensa de tipos
móveis. A técnica de impressão com moldes não
era novidade – já tinha sido iniciada havia 14
séculos na China por meio da impressão de
gravuras. Mas, agora, com a criação de Gutenberg,
que moldara os tipos em um material bem mais
resistente e durável que os usados pelos chineses,
ela ficava muito mais eficaz e rápida. A impressão
em massa, possibilitada a partir daí,
transformaria a cultura ocidental para sempre.
RENASCIMENTO NA ALEMANHA

Albert Durer, XV, representa o céu e o inferno.


RENASCIMENTO NA ALEMANHA

Albert Durer, XV, autorretrato.


RENASCIMENTO NA ALEMANHA

Retrato de Ana de Cleves, Hans Holbein, 1539.


RENASCIMENTO NA ALEMANHA

Prédio da Prefeitura de Augsburg, Alemanha. XV, Elias Holl


RENASCIMENTO NA FRANÇA

Gravura do século XIX que representa Michel de Montaige.


RENASCIMENTO NA FRANÇA

A vida de Gargântua e Pantagruel. Françoies Rabelais, século XVIII.


RENASCIMENTO EM PORTUGAL

Luiz Vaz de Camões. Os Lusíadas, 1572, poema épico que narra os feitos de Vasco da
Gama.
RENASCIMENTO EM PORTUGAL

Torre de Belém, Lisboa, século XV.


RENASCIMENTO NA ESPANHA

El expolio, óleo sobre tela de El Greco, 1579.


RENASCIMENTO NA ESPANHA

Dom Quixote de La mancha, Miguel de Cervantes, 1605.


RENASCIMENTO NA INGLATERRA

William Shakespeare, Teatro: Henrique V, Romeu e Julieta, Sonho de uma noite de verão,
Hamlet, Macbeth e rei Lear.
RENASCIMENTO EM FLANDRES

Adoração do Cordeiro Místico, Jan na Eyck, 1432.


RENASCIMENTO EM FLANDRES

A Tentação de Santo Antônio, Hieronymus Boch, XVI.


RENASCIMENTO EM FLANDRES

Torre de Babel, Pieter Bruegel, o velho, 1563.


Nicolau Maquiavel

É reconhecido como fundador do


pensamento e da ciência política
moderna, pelo fato de haver escrito
sobre o Estado e o Governo como
realmente são e não como deveriam
ser.
O "Príncipe" é provavelmente o
livro mais conhecido de Maquiavel
Imagem: Nicolau Maquiavel / pintura de
Santi di Tito / Disponibilizada por Thomas
Os fins justificam os meios. Gun / Domínio Público

"O homem prudente deve seguir sempre as vias traçadas pelos


grandes personagens…".
1
.
2. “Leonardo [da Vinci] analisou a anatomia humana durante toda sua vida; considerava que a
natureza havia criado todas as coisas visíveis que poderiam tornar-se pintura. (...) Escrevendo
sobre o horror de cadáveres esquartejados com os quais costumava passar as noites, Da Vinci
diz que de nada lhe serviriam caso não soubesse também desenhar perfeitamente; a dissecção
de corpos deveria ser acompanhada por um conhecimento da perspectiva, dos métodos de
demonstração geométrica, do método do cálculo de força e de poder dos músculos. A pintura
deveria levar em conta os fenômenos naturais, a estrutura das coisas, o mecanismo dos corpos.”

Teresa Aline Pereira de Queiroz. O renascimento. São Paulo: Edusp, 1995, p. 55.

O texto refere-se a três características centrais do Renascimento cultural dos séculos XV


e XVI:

 a) o naturalismo, a rusticidade das representações e o simbolismo.

 b) o abstracionismo, o contraste entre claro e escuro e a despreocupação com as proporções


na representação do corpo.

 c) o experimentalismo, a pesquisa científica e a valorização do homem.

 d) o reconhecimento da submissão absoluta do homem a Deus, o platonismo e a ausência de


perspectiva.
3. Em relação à história da Europa moderna, assinale a alternativa
correta.

A) Os humanistas eram indivíduos que, inspirados pela escolástica,


propagavam um saber centrado apenas no Cristianismo.

B) O contato dos europeus com os ameríndios não alterou as características


do pensamento renascentista, exclusivamente voltado para a imitação dos
autores gregos e romanos.

C) O deslocamento das rotas comerciais europeias para os entrepostos


localizados no Mar Mediterrâneo ocorreu no século XVI.

D) A ascensão da burguesia, no século XIV, ocasionou a fragmentação do


poder monárquico e o desenvolvimento de Estados capitalistas.

E) A difusão da imprensa, a partir do século XV, foi importante para o


desenvolvimento de novas práticas culturais.
4. (Enem)

(...) Depois de longas investigações, convenci-me por fim de que o Sol é uma
estrela fixa rodeada de planetas que giram em volta dela e de que ela é o
centro e a chama. Que, além dos planetas principais, há outros de segunda
ordem que circulam primeiro como satélites em redor dos planetas
principais e com estes em redor do Sol. (...) Não duvido de que os
matemáticos sejam da minha opinião, se quiserem dar-se ao trabalho de
tomar conhecimento, não superficialmente, mas duma maneira
aprofundada, das demonstrações que darei nesta obra. Se alguns homens
ligeiros e ignorantes quiserem cometer contra mim o abuso de invocar
alguns passos da Escritura (sagrada), a que torçam o sentido, desprezarei os
seus ataques: as verdades matemáticas não devem ser julgadas senão por
matemáticos.

(COPÉRNICO, N. De Revolutionibus orbium caelestium)


Aqueles que se entregam à prática sem ciência são como o
navegador que embarca em um navio sem leme nem
bússola. Sempre a prática deve fundamentar-se em boa
teoria. Antes de fazer de um caso uma regra geral,
experimente-o duas ou três vezes e verifique se as
experiências produzem os mesmos efeitos. Nenhuma
investigação humana pode se considerar verdadeira
ciência se não passa por demonstrações matemáticas.
(VINCI, Leonardo da. Carnets)
O aspecto a ser ressaltado em ambos os textos para
exemplificar o racionalismo moderno é:

a) a fé como guia das descobertas.


b) o senso crítico para se chegar a Deus.
c) a limitação da ciência pelos princípios bíblicos.
d) a importância da experiência e da observação.
e) o princípio da autoridade e da tradição.
5. (Enem 2011) Acompanhando a intenção da burguesia renascentista de
ampliar seu domínio sobre a natureza e sobre o espaço geográfico,
através da pesquisa científica e da invenção tecnológica, os cientistas
também iriam se atirar nessa aventura, tentando conquistar a forma, o
movimento, o espaço, a luz, a cor e mesmo a expressão e o sentimento.

SEVCENKO, N. O Renascimento. Campinas: Unicamp, 1984.

O texto apresenta um espírito de época que afetou também a produção


artística, marcada pela constante relação entre:

A) fé e misticismo
B) ciência e arte.
C) cultura e comércio.
D) política e economia.
E) astronomia e religião
6. (ENEM-2001) O texto foi extraído da peça Tróilo e Créssida de William
Shakespeare, escrita, provavelmente, em 1601.

"Os próprios céus, os planetas, e este centro reconhecem graus, prioridade, classe,
constância, marcha, distância, estação, forma, função e regularidade, sempre iguais;
eis por que o glorioso astro Sol está em nobre eminência entronizado e centralizado no
meio dos outros, e o seu olhar benfazejo corrige os maus aspectos dos planetas
malfazejos, e, qual rei que comanda, ordena sem entraves aos bons e aos maus."
(personagem Ulysses, Ato l, cena III).

Shakespeare, W. Tróilo e Créssida: Porto: Lello & Irmão, 1948.

A descrição feita pelo dramaturgo renascentista inglês se aproxima da teoria:

(A) geocêntrica do grego Claudius Ptolomeu.


(B) da reflexão da luz do árabe Alhazen.
(C) heliocêntrica do polonês Nicolau Copérnico.
(D) da rotação terrestre do italiano Galileu Galilei.
(E) da gravitação universal do inglês Isaac Newton.
7. Podemos afirmar que as obras A divina comédia, escrita por Dante
Alighieri no início do século XIV, e Dom Quixote, escrita por Miguel de
Cervantes no início do século XVII,

(A) parodiaram as novelas de cavalaria e defenderam a hegemonia da Igreja Católica


e da aristocracia, respectivamente.

(B) derivaram de registros orais e foram apenas organizadas e sistematizadas na


escrita de seus autores.

(C) contribuíram para a unificação e o estabelecimento da forma moderna dos


idiomas italiano e espanhol.

(D) assumiram forte conotação anticlerical e intensificaram as críticas


renascentistas à conduta e ao poder da Igreja Católica.

(E) retrataram o imaginário da burguesia comercial ascendente na Itália e na


Espanha do final da Idade Média.
8. O Renascimento Cultural se iniciou na Itália no século XIV,
expandindo-se para outras partes da Europa nos séculos
seguintes. Uma de suas características foi:

a) a adoção de temas religiosos, com o objetivo de auxiliar o


trabalho da catequese.
b) a pesquisa técnica e tecnológica na busca de novas formas
de representação.
c) a rejeição dos valores da nobreza devido à valorização da
cultura popular.
d) a manutenção dos padrões culturais medievais na busca da
imitação da Natureza.
e) a rejeição da tradição clássica e de seu principio
antropocêntrico.
9. O Heliocentrismo, de Nicolau Copérnico e a obra O Príncipe de Maquiavel, são
fundamentais para o estudo cultural da:

a) mentalidade medieval, da ética protestante e do espírito capitalista, presentes na


expansão marítima ibérica e na formação do Absolutismo italiano.

b) divisão do mundo feita no Tratado de Tordesilhas e da progressão aritmética da


produção alimentícia e geométrica da densidade demográfica na Terra.

c) superioridade científica das cidades-estados italianas durante o processo da


expansão marítima, do desenvolvimento do metalismo e do liberalismo absolutista.

d) órbita elíptica das estrelas do modelo ptolomaico, que influenciou a expansão


marítima européia, e do princípio da circulação do sangue nas artérias.

e) expansão ultramarina superando a visão medieval e católica de mundo e da formação


do Absolutismo, com base na identificação física entre o rei e o Estado.
10. O Humanismo foi um movimento que não pode ser definido por: 

a) ser um movimento diretamente ligado ao Renascimento, por suas


características antropocentristas e individuais. 

b) ter uma visão do mundo que recupera a herança greco-romana, utilizando-a


como tema de inspiração. 

c) ter valorizado o misticismo, o geocentrismo e as realizações culturais


medievais. 

d) centrar se no homem, em oposição ao teocentrismo, encarando-o como


"medida comum de todas as coisas". 

e) romper os limites religiosos impostos pela Igreja às manifestações culturais.