Você está na página 1de 54

Fernanda Neto 1

Objectivos da Relação Pedagógica

• DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA
PERSONALIDADE NOS ÂMBITOS MOTOR,
COGNITIVO E AFECTIVO e SOCIAL

DESENVOLVER:
 AUTONOMIA, SOCIALIZAÇÃO, AUTO-CONFIANÇA
E EXPRESSÃO VERBAL
 COGNIÇÃO, CRIATIVIDADE
 ATENÇÃO, CONCENTRAÇÃO, INTERESSE
 MOTRICIDADE GLOBAL E FINA
Fernanda Neto 2
 ORGANIZAÇÃO MENTAL E ESPACIAL
OBJECTIVOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

a) Promover o desenvolvimento pessoal e social da criança


com base em experiências de vida democrática numa
perspectiva de educação para a cidadania;
b) Fomentar a inserção da criança em grupos sociais
diversos, no respeito pela pluralidade das culturas,
favorecendo uma progressiva consciência do seu papel
como membro da sociedade;
c) Contribuir para a igualdade de oportunidades no acesso
à escola e para o sucesso da aprendizagem;
d) Estimular o desenvolvimento global de cada criança, no
respeito pelas suas características individuais, incutindo
comportamentos que favoreçam aprendizagens
significativas e diversificadas;
Fernanda Neto 3
OBJECTIVOS da RELAÇÃO PEDAGÓGICA

 e) Desenvolver a expressão e a comunicação através da


utilização de linguagens múltiplas como meios de relação, de
informação, de sensibilização estética e de compreensão do
mundo;
 f) Despertar a curiosidade e o pensamento crítico;
 g) Proporcionar a cada criança condições de bem-estar e de
segurança, designadamente no âmbito da saúde individual e
colectiva;
 h) Proceder à despistagem de inadaptações, deficiências e
precocidades, promovendo a melhor orientação e
encaminhamento da criança;
 i) Incentivar a participação das famílias no processo educativo
e estabelecer relações de efectiva colaboração com a
comunidade.

Fernanda Neto 4
Objectivos da Relação Pedagógica

a) Proporcionar às crianças experiências que


concorram para o seu crescimento como
pessoa, satisfazendo as suas necessidades de
ordem física, intelectual, afectiva e social;
b) Criar um ambiente propício ao
desenvolvimento da personalidade de cada
criança, por forma a ser capaz de se situar e
expressar num clima de compreensão,
respeito e aceitação de cada um;
c) Favorecer a inter-relação família-
escola/comunidade-estabelecimento, em
ordem a uma valorização, aproveitamento e
recuperação de todos os recursos do meio.
Fernanda Neto 5
CRECHE

 SALA DOS BEBÉS (BERÇÁRIO) - ATÉ 12


MESES

 SALA DE 1 ANO – 12 MESES AOS 24 MESES

 SALA DOS 2 ANOS – 24 MESES AOS 36


MESES

Fernanda Neto 6
ESTABELECIMENTO DE EDUCAÇÃO
PRÉ-ESCOLAR
 SALA HOMOGÉNEA:
 SALA DOS 3 ANOS
 SALA DOS 4 ANOS
 SALA DOS 5 ANOS

 SALA HETEROGÉNEA: SALAS COM


CRIANÇAS DE TODAS AS IDADES – 3,4
E 5 ANOS

Fernanda Neto 7
ACTIVIDADES PEDAGÓGICAS

 ACTIVIDADES LÚDICAS COM


COMPONENTE EDUCATIVA. IMPLICAM
A EXISTÊNCIA DE UM OU MAIS
OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS, SÃO
REALIZADAS COM A FINALIDADE DE
DESENVOLVER ALGO NA CRIANÇA.

Fernanda Neto 8
Comunicação e Técnicas Pedagógicas

 PICOTAR
 RECORTAR
 COLAR
 RASGAR COM OS DEDOS
 ESTAMPAR ( com batatas, rolhas de cortiça,
esponjas...)
 IMPRESSÃO (de diferentes objectos)
 MODELAGEM: barro, pasta de papel, madeira, moldar,
plasticina, massas de cor...
 TÉCNICAS DE PINTURA
 TÉCNICAS DE DESENHO
 TÉCNICAS DE COLAGEM (diferentes materiais)
 EXPRESSÃO DRAMÁTICA
 EXPRESSÃO MUSICAL
 EXPRESSÃO PSICOMOTORA
Fernanda Neto 9
TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO PEDAGÓGICA

 EXPRESSÃO PLÁSTICA, CONSTRUÇÕES


 JOGOS PEDAGÓGICOS
 DANÇA
 HISTÓRIAS E CANÇÕES INFANTIS
 VISITAS Á COMUNIDADE, PASSEIOS, VISITAS
DE ESTUDO
 CIÊNCIA DIVERTIDA
 CULINÁRIA
 JOGOS DIDÁCTICOS (BRINQUEDOS)
 ESPAÇOS PEDAGÓGICOS (CANTINHOS:
GARAGEM, BIBLIOTECA, CARPINTARIA…)

Fernanda Neto 10
ACTIVIDADES PEDAGÓGICAS:
METODOLOGIA
 1) ACTIVIDADES EM PEQUENO GRUPO
(4/5)
 2) ACTIVIDADES EM GRANDE GRUPO
 3) ACTIVIDADES INDIVIDUAIS

Fernanda Neto 11
EXECUÇÃO DAS DIFERENTES
ACTIVIDADES LÚDICO-PEDAGÓGICAS
* TRABALHAR OS HÁBITOS DE HIGIENE E LIMPEZA
* UTILIZAR DIFERENTES MATERIAIS E TÉCNICAS
* ESTIMULAR A ACTIVIDADE COGNITIVA ATRAVÉS
DA OBSERVAÇÃO DIRECTA, MANIPULAÇÃO E
EXPERIMENTAÇÃO; REFORÇAR A AUTONOMIA
* BOA PLANIFICAÇÃO DA SESSÃO, ACTIVIDADES E
MATERIAL A UTILIZAR
* MOTIVAR AS CRIANÇAS, EXPLICAR O QUE VÃO
FAZER E PORQUÊ
Fernanda Neto 12
EXECUÇÃO DAS DIFERENTES
ACTIVIDADES LÚDICO PEDAGÓGICAS
* SITUÁ-LAS NO CONTEXTO DE CADA TEMA
* DESPERTAR A CURIOSIDADE E A VONTADE
* MOSTRAR A UTILIDADE DA ACTIVIDADE, INTEGRAR
NA REALIDADE QUE ENVOLVE A CRIANÇA
* ESCOLHER O MOMENTO IDEAL E DIVIDIR AS
TAREFAS A REALIZAR POR ACTIVIDADE E POR
VÁRIAS SESSÕES
* CRIAR UM AMBIENTE SERENO, DESCONTRAÍDO E
ABERTO ÀS EXPERIÊNCIAS ESTÉTICAS
Fernanda Neto 13
EXECUÇÃO DAS DIFERENTES
ACTIVIDADES LÚDICO-PEDAGÓGICAS
* TER EM CONTA QUE AS CRIANÇAS SE CANSAM
FACILMENTE DAS ACTIVIDADES
* FAZER AS ACTIVIDADES PRINCIPALMENTE NO
INICIO DA MANHÃ E PONTUALMENTE NO INICIO
DA TARDE
* DAR IMPORTÂNCIA AOS INTERESSES,
MOTIVAÇÕES E ESTADO DE ESPÍRITO DAS
CRIANÇAS. NÃO FORÇAR
* RESPEITO PELAS PRODUÇÕES PRÓPRIAS E DOS
Fernanda Neto 14
OUTROS
EXECUÇÃO DAS DIFERENTES
ACTIVIDADES LÚDICO-PEDAGÓGICAS
• FORMAR O GRUPO POR ACTIVIDADES
(COMPLEXIDADE DAS TAREFAS, CARACTERÍSTICAS
DAS CRIANÇAS…)
• OCUPAR AS CRIANÇAS QUE NÃO ESTÃO A
PARTICIPAR NA ACTIVIDADE ORIENTADA
• NÃO TIRAR O PROTAGONISMO DAS CRIANÇAS. NÃO
SER EXIGENTE AO QUERER TRABALHOS PERFEITOS.
EVITAR A EXCESSIVA “CRÍTICA REALISTA”
• NÃO DIRIGIR CONSTANTEMENTE AS ACTIVIDADES.
AJUDAR QUANDO NECESSÁRIO

Fernanda Neto 15
CANÇÕES INFANTIS
 DESENVOLVE O SENTIDO ARTÍSTICO: BELEZA E
HARMONIA DA MELODIA, O RITMO, A POESIA DA
PALAVRA
 DESENVOLVE A LINGUAGEM VERBAL E NÃO
VERBAL
 TRANSMITE NOVOS CONHECIMENTOS
 ESTABELECE UM CLIMA DE COMUNICAÇÃO E
DE UMA RELAÇÃO AFECTIVA
 PROVOCA MOTIVAÇÃO, ENTUSIASMO E
INTERESSE
 EXPLORA OS SONSFernanda
E OSNetoRITMOS 16
TÉCNICAS DE DESENHO

 DESENHAR É REPRESENTAR
GRAFICAMENTE OBJECTOS, ANIMAIS,
CENAS,ETC., POR MEIO DO TRAÇADO
DE LINHAS. ACTIVIDADE PLÁSTICA
“NATURAL” E MUITO FREQUENTE NA
ETAPA INFANTIL

Fernanda Neto 17
DESENHO INFANTIL

 INDICADOR DO DESENVOLVIMENTO
MATURATIVO E INTELECTUAL DA CRIANÇA
 RELAÇÃO ENTRE O DESENVOLVIMENTO DO
DESENHO INFANTIL E O DAS
APRENDIZAGENS INSTRUMENTAIS
(SOBRETUDO A ESCRITA)
 FAVORECE A ACTUALIZAÇÃO E A AQUISIÇÃO
DE CONHECIMENTOS
 PODE CONSTITUIR UM IMPORTANTE MEIO
DE DIAGNÓSTICO E TERAPIA INFANTIL

Fernanda Neto 18
EVOLUÇÃO GRÁFICA
 VÁRIAS FASES EVOLUTIVAS
 A EVOLUÇÃO GRÁFICA TEM INFLUÊNCIA DE
NUMEROSOS FACTORES:
AMADURECIMENTO NEUROFISIOLÓGICO,
CAPACIDADE PERCEPTIVA E MOTORA, A
EXERCITAÇÃO E EXPERIMENTAÇÃO
PREMATURAS, SUA SEGURANÇA AFECTIVA…

Fernanda Neto 19
PINTURA
 PINTAR É REPRESENTAR UMA IMAGEM
GRÁFICA POR MEIO DE FORMAS E
CORES. FINALIDADE:
REPRESENTATIVA, EXPRESSIVA E
DECORATIVA

Fernanda Neto 20
ORGANIZAÇÃO DA SALA
 DISPOR CONVENIENTEMENTE AS ZONAS OU
ESPAÇOS DE PINTURA
 ESCOLHER E PREPARAR OS MATERIAIS
NECESSÁRIOS (FÁCIL ACESSO)
 PREVER A UTILIZAÇÃO DE ÁGUA, SABÃO, TOALHAS,
PAPEL, PANOS… PARA SE LIMPAREM DURANTE A
ACTIVIDADE
 ORGANIZAR UM SISTEMA DE RECOLHA DE
MATERIAIS E DE LIMPEZA DO ESPAÇO QUE
FAVOREÇA A PARTICIPAÇÃO
 ESPAÇO PARA SECAR E EXPÔR OS TRABALHOS

Fernanda Neto 21
MATERIAIS DE PINTURA
 LÁPIS DE CERA
 LÁPIS DE COR
 LÁPIS DE CARVÃO
 CANETAS DE FELTRO E MARCADORES
 CANETAS PARA TECIDO E OUTRAS
SUPERFICIES
 TINTAS, GUACHES, TINTAS EM PÓ, TINTAS
NATURAIS…
 PINCEIS, RECIPIENTES VÁRIOS
 RECURSOS E MATERIAIS NATURAIS E
PESSOAIS
 DIFERENTES SUPORTES
 MATERIAIS DE LIMPEZA
Fernanda Neto 22
EXERCICIOS DE PSICOMOTRICIDADE

BASE: EMOÇÕES ACÇÕES SENSAÇÕES

RELAÇÃO: CORPO OBJECTO TEMPO


ESPAÇO

DESENVOLVE: ATENÇÃO, CONCENTRAÇÃO E MEMÓRIA


SABER UTILIZAR O CORPO NA DESCOBERTA DOS
OBJECTOS, DO ESPAÇO E DO TEMPO

Fernanda Neto 23
FUNÇÃO DO EDUCADOR/
ANIMADOR
1. Entusiasmo: motivar as crianças;
2. Empatia: compreender as crianças, colocar-
se no lugar delas;
3. Atitude construtiva: ser positivo, demonstrar
seriedade, comentários positivos;
4. Ter espírito de adaptação;
5. Organizar o espaço;
6. Possuir uma grande variedade de
actividades/jogos;
7. Planificar e preparar os jogos /actividades
com antecedência;
8. Apresentar os jogos/actividades com clareza;
9. Observar e acompanhar as crianças durante
os jogos/actividades.
Fernanda Neto 24
PLANIFICAÇÃO E ESCOLHA DOS JOGOS

Ter em conta:
A) O objectivo do jogo: apresentação, aquecimento,
descontracção, relaxação, desenvolvimento motor,
interacção entre as crianças, desenvolver
determinadas habilidades;
B) O espaço e condições climatéricas;
C) A duração do jogo;
D) A sua preferência e das crianças. Estado de espírito
do grupo;
E) Os meios materiais, humanos e financeiros;
F)As características do grupo, dificuldades, interesses,
motivações.

Fernanda Neto 25
NARRAÇÃO DE HISTÓRIAS
 O RITMO TEM QUE SER DINÂMICO
 USAR TERMOS QUE A CRIANÇA CONHEÇA, MAS
INTRODUZINDO NOVAS PALAVRAS
 NARRAR COM FLUIDEZ, ESPONTANEIDADE E RIQUEZA
DE EXPRESSÃO
 BOA COLOCAÇÃO DE VOZ, MUDANÇA DE INTENSIDADE,
ALTURA E TIMBRE
 PERCORRER O OLHAR POR TODAS AS CRIANÇAS
 SOLICITAR A PARTICIPAÇÃO DAS CRIANÇAS
(COLOCANDO ALGUMAS QUESTÕES…)
 FAZER EXPRESSÕES GESTUAIS, EXAGERANDO-AS
 UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES MATERIAIS, IMAGENS E
ESTRATÉGIAS DE NARRAÇÃO DA HISTÓRIA
 O MOMENTO DA NARRAÇÃO DEVE SER SERENO, AS
CRIANÇAS DEVEM ESTAR ATENTAS E MOTIVADAS
 A MELHOR DISPOSIÇÃO DAS
Fernanda Neto CRIANÇAS É EM CÍRCULO
26
MODALIDADES DE REPRESENTAÇÃO

 PANTOMINA (REPRESENTAÇÃO COM


GESTOS OU ATITUDES DE POSTURA)
 TEATRO DE FANTOCHES E MARIONETAS
 TEATRO DE SOMBRAS
 TEATRO INFANTIL:
 NARRADOR E REPRESENTAÇÃO MIMADA
 NARRADOR E REPRESENTAÇÃO COM ALGUMAS
PALAVRAS E/OU FRASES MAIS IMPORTANTES
 NARRADOR E REPRESENTAÇÃO APENAS COM
ALGUNS SONS
 REPRESENTAÇÃO SEM NARRADOR

Fernanda Neto 27
ROTINAS
 SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM QUE SE
APRESENTEM DE FORMA SISTEMÁTICA E
QUE FAVORECEM O DESENVOLVIMENTO DA
CONSCIÊNCIA TEMPORAL DAS CRIANÇAS,
AO MESMO TEMPO, TRANSMITEM
SEGURANÇA E ESTABILIDADE.
 SUCESSÃO DE TAREFAS/ACTIVIDADES QUE
ENVOLVEM RITMO E ORGANIZAÇÃO

Fernanda Neto 28
EXEMPLO DE ROTINA
 8:00 – 10:00 : ACOLHIMENTO
 10:00 – 11:00 : ACTIVIDADES LIVRES
/ORIENTADAS
 11:00 – 11:30 : HIGIENE
 11:30 – 12:30 : ALMOÇO
 12:30 – 13:00: HIGIENE
 13:00 – 15:00 : SESTA
 15:00 – 15:30 : HIGIENE
 15:30 – 16:00 : LANCHE
 16:00 – ATÉ À SAÍDA: ACTIVIDADES LIVRES

Fernanda Neto 29
EXEMPLO DE ROTINA
 9:00 – ACOLHIMENTO
 10:00 – ACTIVIDADES ORIENTADAS
 10:30 – LANCHE
 11:00 – ACTIVIDADES ORIENTADAS
 11:50 – ARRUMAÇÃO, HIGIENE
 12:00 – ALMOÇO (EM CASA OU NO REFEITÓRIO
APOIADO PELA AUTARQUIA)
 13:00 – 15:30 : ACTIVIDADES LIVRES (OU
ORIENTADAS)
 15:30 – ARRUMAR, HIGIENE, SÍNTESE DE MEMÓRIA
 16:00 – SAÍDA OU LANCHE E PROLONGAMENTO
 PROLONGAMENTO : PERIODO DA MANHÃ, DO ALMOÇO E
FINAL DO DIA
Fernanda Neto 30
EXEMPLO DE ROTINA
 7:30 : ACOLHIMENTO
 8:30 : LANCHE
 9:00 : DISTRIBUIÇÃO DAS CRIANÇAS PELAS SALAS
 9:30 : CANÇÕES E/OU HISTÓRIA, PRESENÇAS, PLANIFICAÇÃO
DE ACTIVIDADES; DIÁLOGO
 10:00 : ACTIVIDADES ORIENTADAS
 11:00 : ACTIVIDADES LIVRES NO EXTERIOR
 11:50 : HIGIENE
 12:00 : ALMOÇO
 12:50 : HIGIENE
 13:00 : SESTA
 15:00 : HIGIENE E ARRUMAÇÃO CAMAS
 15:15 : ACTIVIDADES LIVRES
 15:50 : HIGIENE
 16:00 : LANCHE
 16:25 : HIGIENE
 ATÉ À SAÍDA ( 19:00): ACTIVIDADES LIVRES NO EXTERIOR E
POSTERIORMENTE NOS CANTOS
Fernanda Neto PEDAGÓGICOS 31
ACTIVIDADES DIÁRIAS NAS ENTIDADES
DE APOIO À INFÂNCIA

1) ACTIVIDADES LIVRES
2) ACTIVIDADES ORIENTADAS

3) ACTIVIDADES NÃO-ESCOLARES
4) ACTIVIDADES ESCOLARES
5) ACTIVIDADES COMPLEMENTARES

Fernanda Neto 32
ACTIVIDADES NAS ENTIDADES DE APOIO À
INFÂNCIA

1) ACTIVIDADES LIVRES:
AS QUE SE DESENVOLVEM
INFORMALMENTE A PARTIR DE
DETERMINADA ORGANIZAÇÃO DO
ESPAÇO- MATERIAIS E QUE NÃO SÃO
DIRECTAMENTE DIRIGIDAS PELO
EDUCADOR
Fernanda Neto 33
ACTIVIDADES NAS ENTIDADES DE
APOIO À INFÂNCIA

2) ACTIVIDADES ORIENTADAS:

AS QUE SE DESENVOLVEM GERALMENTE


EM GRANDE GRUPO, ORIENTADAS PELO
EDUCADOR E/OU POR UMA DAS CRIANÇAS

Fernanda Neto 34
ACTIVIDADES NAS ENTIDADES DE
APOIO À INFÂNCIA

3) ACTIVIDADES NÃO-ESCOLARES:
AS QUE FAZEM PARTE DA ROTINA DO
JARDIM DE INFÂNCIA E CRECHE E CUJO
POTENCIAL EDUCATIVO PODE SER
IGUALMENTE TRABALHADO PELO
EDUCADOR (EX:PERÍODOS DE ALIMENTAÇÃO
E DE HIGIENE, SESTA)
Fernanda Neto 35
ACTIVIDADES NAS ENTIDADES DE
APOIO À INFÂNCIA

4) ACTIVIDADES ESCOLARES:
AS QUE FAZEM PARTE DA ROTINA DO ATL,
INCLUEM O APOIO ESCOLAR (REALIZAÇÃO
DOS TPC) ÀS CRIANÇAS DO 1º E 2º CICLO.

Fernanda Neto 36
ACTIVIDADES NAS ENTIDADES DE
APOIO À INFÂNCIA

5) ACTIVIDADES COMPLEMENTARES:
AS QUE NÃO ESTÃO INCLUÍDAS NA ROTINA
NORMAL DA VALÊNCIA, SENDO DE CARIZ
FACULTATIVO (EX: AULAS DE INGLÊS,
AULAS DE INFORMÁTICA, GINÁSTICA,
NATAÇÃO…)

Fernanda Neto 37
FUNÇÕES DA AUXILIAR DE
ACÇÃO EDUCATIVA
 ACOMPANHAMENTO DE CRIANÇAS NAS VISITAS DE
ESTUDO OU PASSEIOS.        
 ORGANIZAÇÃO, MANUTENÇÃO E HIGIENE DA SALA.
 ORIENTAR A HIGIENE.
 ORIENTAR O PERÍODO DA SESTA (E DESCANSO).
 ORIENTAR AS REFEIÇÕES.
 ACOMPANHAR AS ENTRADAS, ACOLHIMENTO E
SAÍDA DAS CRIANÇAS.
 ACOLHER OS PAIS E/OU ENCARREGADOS DE
EDUCAÇÃO.
 PRESTAR CUIDADOS PRIMÁRIOS DE SAÚDE.
 ACOMPANHAMENTO E VIGILÂNCIA NO TRANSPORTE
(CARRINHAS).
Fernanda Neto 38
FUNÇÕES DA AUXILIAR DE
ACÇÃO EDUCATIVA
 PARTICIPAÇÃO EM REUNIÕES.
 PARTICIPAÇÃO NA ORGANIZAÇÃO DE FESTAS.
 PARTICIPAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE
ACTIVIDADES LÚDICO-PEDAGÓGICAS.
 VIGILÂNCIA E ACOMPANHAMENTO DAS CRIANÇAS
NO RECREIO.
 APOIO NA ORGANIZAÇÃO E MONTAGEM DE
EXPOSIÇÕES DE TRABALHOS EFECTUADOS PELAS
CRIANÇAS.
 APOIAR CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIAS MOTORAS.
 APOIAR NOS PROLONGAMENTOS.

Fernanda Neto 39
TAREFAS NO PERÍODO DO SONO
(SESTA)
 COLOCAR AS CAMAS NOS LOCAIS CERTOS; FAZER
AS CAMAS.
 ORIENTAÇÃO DA HIGIENE ANTES E DEPOIS DA
SESTA.
 COLOCAR FRALDAS QUANDO NECESSÁRIO.
 VERIFICAR A TEMPERATURA DA SALA; ESCURECER
A SALA.
 APOIAR AS CRIANÇAS NO DESPIR E VESTIR.
 VIGILÂNCIA DURANTE O PERÍODO DA SESTA,
GERIR POSSÍVEIS CONFLITOS.
 PRESTAR ATENÇÃO A CADA UMA DAS CRIANÇAS,
ACALMANDO-A, RECONFORTÁ-LA COM A NOSSA
PRESENÇA. Fernanda Neto 40
TAREFAS NO PERÍODO DA
ALIMENTAÇÃO
 AJUDAR AS CRIANÇAS A LAVAREM AS MÃOS
E COLOCAREM OS BABETES.
 COLOCAR AS MESAS E INCENTIVAR AS
CRIANÇAS A FAZÊ-LO.
 PREPARAR AS CRIANÇAS PARA A REFEIÇÃO.
 AJUDAR A SENTAREM-SE.
 SERVIR AS CRIANÇAS.
 AUXILIÁ-LAS SEMPRE E TRANSMITIR
REGRAS DE HIGIENE E COMPORTAMENTO À
MESA SEMPRE QUE NECESSÁRIO.

Fernanda Neto 41
TAREFAS NO PERÍODO DA
ALIMENTAÇÃO
 MANTER AS MESAS LIMPAS.
 VERIFICAR A TEMPERATURA DOS
ALIMENTOS.
 RETIRAR OS PRATOS SUJOS.
 PREPARAR A FRUTA.
 GERIR OS CONFLITOS.
 COMUNICAR AOS FAMILIARES A FALTA
DE APETITE DA CRIANÇA OU OUTRAS
SITUAÇÕES.

Fernanda Neto 42
REGRAS NO PERÍODO DA
ALIMENTAÇÃO
 AJUDAR A PÔR CORRECTAMENTE A MESA
 SEMPRE QUE POSSÍVEL AJUDAR A SERVIR OS COMPANHEIROS
 COMER DE BOCA FECHADA
 NÃO GESTICULAR COM OS TALHERES NA MÃO
 USAR ADEQUADAMENTE OS TALHERES
 LIMPAR A BOCA ANTES DE BEBER PELO COPO
 ENXUGAR A BOCA APÓS BEBER QUALQUER LIQUIDO
 FALAR BAIXO E UM DE CADA VEZ
 NÃO FALAR COM ALIMENTOS NA BOCA
 MASTIGAR OS ALIMENTOS
 NÃO COMER NEM MUITO DEPRESSA NEM MUITO DEVAGAR
 NÃO APOIAR OS COTOVELOS NA MESA
 LEVANTAR O DEDO SEMPRE QUE NECESSITE DE ALGO
 ESPERAR QUE TODOS TERMINEM DE COMER PARA RETIRAR OS
PRATOS DA MESA
 ARRUMAR E LIMPAR ADEQUADAMENTE O SEU LUGAR
 PARTICIPAR NA LIMPEZA E ARRUMAÇÃO DO ESPAÇO DE REFEIÇÕES
Fernanda Neto 43
HÁBITOS A PROMOVER COM AS
CRIANÇAS

 UTILIZAÇÃO CORRECTA DE TODOS OS


INSTRUMENTOS E FERRAMENTAS
 ORGANIZAÇÃO, LIMPEZA E ORDEM DURANTE A
REALIZAÇÃO DAS ACTIVIDADES
 RECOLHA E ARMAZENAMENTO IMEDIATO DOS
MATERIAIS, COM A PARTICIPAÇÃO E
RESPONSABILIZAÇÃO DAS CRIANÇAS
 RESPEITO E CUIDADO PELOS TRABALHOS
PRÓPRIOS E DOS OUTROS
Fernanda Neto 44
ESTRUTURA DA SESSÃO
 MOTIVAÇÃO PLÁSTICA INICIAL (OBSERVAÇÃO DE
IMAGENS, OBJECTOS, MATERIAIS...)
 OBSERVAÇÃO E MANIPULAÇÃO LIVRE DOS MATERIAIS
OU FERRAMENTAS A UTILIZAR
 PROPOSTAS DE FICHAS OU MODELOS DE TRABALHO,
QUE PROVOQUEM CURIOSIDADE E QUE NÃO LIMITEM
A CRIATIVIDADE DAS CRIANÇAS
 PERÍODO FLEXÍVEL DE REALIZAÇÃO PLÁSTICA, SE
NECESSÁRIO EXPLICAR AS NORMAS DE
PROCEDIMENTO DAS TAREFAS
 EXPOSIÇÃO FINAL DOS TRABALHOS, DEVIDAMENTE
IDENTIFICADOS

Fernanda Neto 45
LIMPEZA E CONSERVAÇÃO DA SALA
 COLOCAR NO CHÃO JORNAIS, PANOS OU PLÁSTICOS
 COLOCAR PLÁSTICOS FINOS NAS PAREDES DOS
CANTINHOS OU OFICINAS
 COLOCAR JORNAIS OU PLÁSTICO TRANSPARENTE NAS
MESAS DE TRABALHO
 TER SEMPRE DISPONÍVEL ESPONJAS, TOALHAS DE
PAPEL, PANOS, E RECIPIENTES COM ÁGUA, SABÃO...
 PREPARAR UM BALDE OU CAIXA DE CARTÃO PARA
DEPOSITAR OS RESTOS QUE PODEM SER UTILIZADOS
OU NÃO

Fernanda Neto 46
AVALIAÇÃO
 PRETENDE-SE QUE CADA CRIANÇA ATINJA O MÁXIMO DE
DESENVOLVIMENTO POSSÍVEL DAS SUAS CAPACIDADES
DE ACORDO COM AS SUAS POSSIBILIDADES
 AVALIAR É UM PROCESSO GLOBAL E CONTÍNUO QUE,
TOMANDO COMO INDICADORES DE AVALIAÇÃO OS
OBJECTIVOS GERAIS DA ETAPA DE DESENVOLVIMENTO
DE CADA NÍVEL ETÁRIO, PERMITA COLOCÁ-LOS EM
RELAÇÃO COM AS CARACTERÍSTICAS E AS
POSSIBILIDADES DAS CRIANÇAS
 REALIZAR O ACOMPANHAMENTO AO LONGO DO
PROCESSO EDUCATIVO, VALORIZANDO E AJUSTANDO A
SUA INTERVENÇÃO EDUCATIVA, EM FUNÇÃO DOS DADOS
OBTIDOS Fernanda Neto 47
FORMAS DE REGISTO E AVALIAÇÃO

 FICHAS – REGISTOS DE OBSERVAÇÃO


 INFORMAÇÃO PARA A FAMÍLIA
 FICHAS PEDAGÓGICAS – REGISTO DE
OBSERVAÇÃO INICIAL
 REGISTO FINAL DO PERÍODO
 REGISTO FINAL DE CADA NÍVEL ETÁRIO

Fernanda Neto 48
PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO

 DESENVOLVIMENTO DO ESQUEMA
CORPORAL
 DESENVOLVIMENTO AFECTIVO
 DESENVOLVIMENTO SOCIAL
 DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL

Fernanda Neto 49
SOCIALIZAÇÃO

 PROCESSO PSICO-SOCIAL (INFLUÊNCIA


MÚTUA QUE SE EXERCE ENTRE UMA
PESSOA E O MEIO SOCIAL) ATRAVÉS DO
QUAL SE FORMA A PERSONALIDADE
(SOCIAL) DE BASE, SOBRE INFLUÊNCIA DO
MEIO E, PARTICULARMENTE, DAS
INSTITUIÇÕES EDUCATIVAS, FAMILIARES,
RELIGIOSAS, ETC.

Fernanda Neto 50
PAPEL/ESTATUTO

 PAPEL: É A FUNÇÃO QUE O


INDIVÍDUO DESEMPENHA DE ACORDO
COM A SUA POSIÇÃO

 ESTATUTO: É A POSIÇÃO QUE O


INDIVÍDUO OCUPA NA PIRÂMIDE
SOCIAL

Fernanda Neto 51
FINALIDADE DA SOCIALIZAÇÃO

 PREPARAR O INDIVÍDUO PARA


FUTUROS PAPÉIS E INTEGRÁ-LO NA
SOCIEDADE.

Fernanda Neto 52
AGENTES DE SOCIALIZAÇÃO

 FAMÍLIA
 ESCOLA (OUTRAS INSTITUIÇÕES)
 GRUPOS DE IGUAL
 MEIOS DE COMUNICAÇÃO DE MASSA
 MEIO FÍSICO, SOCIAL E CULTURAL

Fernanda Neto 53
CULTURA

 CONJUNTO DE OBJECTOS, VALORES,


SIGNIFICADOS SIMBÓLICOS E
FORMAS DE COMPORTAMENTO QUE
GUIAM A CONDUTA DOS MEMBROS DE
UMA SOCIEDADE. NÃO SE HERDA,
ADQUIRE-SE.

Fernanda Neto 54

Você também pode gostar