Você está na página 1de 36

Prof.

Cezar Romeu de Almeida Quaresma


Muito mais do que uma
ferramenta de coleta de dados
sobre o cliente, devemos encarar
a entrevista como uma variável de
controle que permite criar um
relacionamento de confiança e
colaboração ”.
 A entrevista pode ser um método:
A) Para Coletar Dados
B) Para Análise Epidemiológica
C) Para Avaliação Clínica

Objetivo de uma entrevista clínica:


 Fornecimento de informação para ao formulação e avaliação de estratégias
de intervenção.

A entrevista também serve como :


1. Contato inicial entre o psicólogo e o cliente
2. Oportunidade de comunicação entre o psicólogo e as pessoas significativas
do ambiente do cliente.
3. Exerce influência sobre (a) as expectativas do cliente, (b) o resultado das
avaliações subseqüentes e (c) a intervenção futura
Objetivo: Fornecer informação relativa ao cliente para que o terapeuta
possa conceptualizar seus problemas (comportamentos-alvo do
cliente) bem como os determinantes destes.

 Poucas investigações empíricas realizadas para verificar a eficácia


de seus componentes, procedimentos e estratégias.

 A ênfase nos determinantes ambientais é maior que dos outros


sistemas psicológicos (obtenção dos fatores antecedentes e
conseqüentes dos comportamentos problemáticos ou não do
cliente).

 Busca maior de informação quantificável .


Características:
 Identificação e Especificação dos Comportamentos-Alvo:
 Identificar as fontes dos problemas de comportamento e as

interações significativas do cliente.


 Especificar o(s) próprio(s) problemas(s) do cliente para poder

facilitar avaliações adicionais e intervenção futura.


 CUIDADOS:

- Os comportamentos problemáticos raramente são discretos ou


circunscritos (clientes perturbados / não conseguem identificar
o comportamento problemático que o perturba)
- Possibilidade de mudança de comportamento-alvo ao longo da

avaliação (julgamentos equivocados do cliente sobre o seu


próprio problema).
 A relação causal entre comportamento
encoberto e comportamento observável
ainda é controversa, mas hipotetiza-se
que os eventos internos (como estados
fisiológicos, estímulos cognitivos)
podem servir de estímulos
discriminativos para comportamentos
observáveis. Nessa medida, a
manipulação dos eventos privados e
fisiológicos pode resultar em mudanças
de comportamento observável.
(Haynes, 1978)
 É a probabilidade de uma intervenção vir a
ser bem sucedida.
 Estimada por meio:
- do grau de perturbação provocado pelas trocas
verbais;

- Pelo valor das contingências que se seguem à


mudança comportamental entre o relato do cliente
e a experiência por ele vivida;

- Pela interferência que as mudanças possam ter


com os problemas competitivos nas vidas dos
clientes.
O potencial de mediação pode ser inferido pelo terapeuta, considerando
índices não quantitativos da entrevista: pontualidade às sessões, atendimento
ás solicitações, comportamentos durante a entrevista, entre outros.
 Grande ênfase é colocada sobre a necessidade de

haver inteira compreensão por parte do cliente

sobre os procedimentos e objetivos do processo de

intervenção, de modo a permitir que eles ocorram

somente com seu consentimento.


1. Discussão do processo global de intervenção (início com avaliação, seus
propósitos, os alvos específicos de atenção, os métodos de intervenção e
procedimentos a serem empregados.

2. Estabelecimento de um contrato explicitando o número mínimo de sessões a


serem desenvolvidas
 No processo de terapia é fundamental que
seja esclarecido o que é um contrato
terapêutico.
 Duração e frequência do acompanhamento
psicológico:
 A psicoterapia costuma ocorrer uma vez por

semana, isso implica que a regularidade é


importante neste processo. Porém a sua
freqüência deve-se as necessidades
individuais, podendo então, aumentar ou
diminuir, geralmente com 50 minutos de
duração.
 Confidencialidade: As informações que são
levadas para o setting terapêutico (local onde
as sessões ocorrem) serão mantidas em
estrita confidencialidade.

 Todavia, a lei não garante confidencialidade


em situações de risco de vida que o (a)
envolva ou a outros, ou em situações em que
crianças sejam postas em risco (por exemplo,
por abuso sexual ou físico, ou negligencia).
 Honorários: O preço por uma sessão
individual de terapia é norteado pelo
Conselho Federal de Psicologia.

 Se tiver necessidade de cancelar a marcação


(apenas por assuntos urgentes, ou doença)
faça-o com antecedência pois caso contrario
a sessão será paga de igual forma. O
pagamento é feito após a sessão ou
mensalmente.
 Telefone e contatos de urgência:
 Sempre que necessitar contato por assuntos

urgentes poderá ligar para o telefone


disponibilizado para isso.

 Liberdade de desistência: O paciente tem o


direito de dar por terminada a terapia a
qualquer momento. Podendo inclusive, trocar
de terapeuta caso desejar.
Pontos de discussão:

 Uso de gravadores, vídeos e bloco de notas para


anotações sobre a sessão.

 Taxas a serem pagas.

 Atrasos e faltas.

 Explicitação de sua abordagem.


A estrutura da entrevista pode variar de acordo com:

a) o grau de controle exercido pelo terapeuta sobre


o comportamento do cliente.

b) o grau de limitação imposto sobre o


comportamento do terapeuta.

c) os parâmetros temporais da entrevista, tais como


a duração e os esquemas de horário.
 “Uma entrevista flexível ou não estruturada é
aquela que impõe uma limitação mínima
sobre os tópicos discutidos pelo cliente.
 Neste tipo de entrevista, o terapeuta é
menos diretivo, mais reflexivo e mais aberto
no estilo de questionamento”.
 Este tipo de entrevista deve ser desenvolvido

quando o cliente tem múltiplos problemas

comportamentais ou quando os mesmos não

foram sinalizados antes do contato inicial.


 Ainda que relativamente não estruturadas,
elas têm certa estrutura, considerando-se os
objetivos e suas funções no contexto de
atendimento.

 Nas entrevistas estruturadas, os tópicos são


discutidos seguindo-se um formato
previamente delineado.
O terapeuta deverá dirigir o
comportamento de conversação do
cliente e será menos flexível com
relação a tópicos de conversas
tangenciais.
A duração e a distribuição das várias sessões
da entrevista serão função das características
do cliente e das limitações externas:
Incompatibilidade de tempo
Custos
Considerações de eficiência
Uma entrevista em geral varia de uma a três
horas, porém a dimensão temporal tradicional
respeita os 45 minutos.
 Planejar para seguir o  Estar sensível às dicas
encadeamento das dadas pelos clientes
questões levantadas ou
incorporar novas  Ser flexível quanto à
estrutura planejada
 Toda questão levantada
tem um objetivo
específico
 Estar pronto para
desviar-se da estrutura
original
 Ter modelos
diferenciados de
entrevistas
Obrigado!
Obrigado

Você também pode gostar