Você está na página 1de 2

Espondilolistese

Def: escorregamento anterior ou posterior, com desvio de uma vértebra sobre outra. Espondilolise mais comum em L5; Espondilolistese Istimica mais
comum em L5-S1, a degenerativa é + comum na L4-L5
Etiol: adquirida(pars + fina e disco – resistente ao cisalhamento, na criança e adolestente) e congênita (esquimós c/ 50%)
Epid: afeta 5% da população em geral, as tipo I e II são das crianças, H=M(no lovell winter fala mais H),paciente precisa andar para ter a
patologia, mais comum é o tipo II, é mais comum nos esquimós e alguns atletas (ginasta mulher, atacante universitaria de futebol americano,
alterofilista, scheuermann)
Classificação: Wiltse e newman: Tipo I(displásica): displasia congênita do sacro superior e da 5º vértebra lombar (a pars interarticularis pode
star intacta porém alongada e inclinada para baixo). Mais comum em mulheres do que em homens e pode causar obstrução no trabalho de
parto.=> Tipo II(ístimica): defeitos na pars, permite escorregamento L5-S1, geralmente não há defeito neurológico por alargamento do canal. é o
tipo mais comum em crianças(07 á 10 anos). O período de deslize mais rápido é entre os 10 á 15 anos geralmente por sobrecarga de flexão e
rotação (considerada a verdadeira espondilolistese). Corresponde á fratura e/ou alongamento da pars interarticularis (secundário á sucessivas
fraturas por estresse consolidadas). => Tipo III(traumática): corresponde á fratura aguda do pedículo, lâmina ou faceta com integridade da pars
interarticularis. => Tipo IV(degenerativa): causada por alterações degenerativas na faceta articular(mais comum em L4). Mais comum em
mulheres com idade > 40 anos;, negras > brancas, 4M: 1H, claudicação neurogênica > 50% dos casos; V patológico ; VI Iatrogênica
Meyerding: I=0-25%;II=26-50%;III=51-75% e IV=76-100%, V=espondiloptose;
Fat. Rel. progr. da lístese: ocorre no estirão de crescimento, mais comum em mulher e nas tipo I, ângulo de Boxall >55º. -Cifose significativa localizada
(alto grau de escorregamento); - Alterações ósseas como L5 trapezóide; - Sacro em forma de domo; - Displasia significativa
Imagem: RX spot PA, P, oblíquos (ver “colera da cachorro”), dinâmico, SPECT(+)ver # da pars agudo X, Crônico, CT, RNMver disco de L5 nas listeses e
ver se há compressão cauda equina) ; Boxall= linha a 90º da tangente da margem posterior de S1 com a linha inferior de L5 (ou superior se porção
inferior muito displásica- fator preditivo de escorregamento é â deslizamento > 55°) .Rx AP chapéu de napoleão invertido(sobreposição de L5-S1)
Clínica: (90%) Lombalgia , (20%) def neurologico, (55%) radiculopatia ; geralmente assintomático, alteração da marcha e postura, dor lombar no estirão do
crescimento(10-15a) do tipo crônica que piora com exercícios ou aguda após hiperextensão, retração de isquitibiais, marcha bamboleante nos casos
mais graves de listese,deficit nervoso raro,pode ter escoliose antálgica ou idiopática , L5 trapezoidal e S1 em cúpula são sequelas da listese .
Hiperlordose lombar., A espondilolisetese é acausa mais comum de dor lombar na criança, se cronica = obs; se aguda apos trauma espscifico = RX e
se nl pedir SPECT e TOMO se fratura = FST, pode ate usa ortese, e restringir esportes após melhora dos sintomas retornar aos esportes mesmo
sem consolidação no Rx. Postura de Phalen-Dickson
TTO: conservador: na adquirida: aguda, documentada pode usar orteses(putti) por 3-6 meses, se não houver consolidação suspender; na crônica: redução
das atividades estenuantes, fortalecimento muscular, orteses se sintomáticos, se assintomáticos liberar atividades e aconhar com rx,; E sintomático
c/ defeito evidente realizar o reparo direto ou artrose se disco degenerado. espondilolistese= <50% e assintomatico = obs(6/6m RX ate final
cresc),Do desenvolvimento: Indicações CX: assint. > 50%, sintomas persistente com 1 ano de ttto conservador, > 75% de escorregamento, GIII e IV,
deslizamento de 30-50% em cca com potencial de cresc. Cirúrgico = artrodese 360º por risco de cisalhamento. Se ângulo de Boxall< 55º somente L5-
S1, se> 55º incluir L4 (fator de mau prognóstico para escoregamento). Redução do escorregamrento: se > 50% considerar redução. O tto
conservador é efetivo na maioria dos adultos.
Técnicas cirúrgicas: Bohlman: descompressão posterior + artrodese postero lateral com enxerto autólogo e transfixação L5-S1 com enxerto de fíbula;
Gaines: Ressecção do corpo de L5 e artrose L4-S1. Edward: redução da artrodese com instrumentação L5-S1.
Complicações: compressão da Raíz de L5, pela massa fibrocartilatinosa, amputação da raíz de S1. piores sresulados cx em: alto grau, sintomas radiculares,
processos trabalhista e baixo grau de escolaridade.
• Espondilolistese ístimica do adulto
- Geralmente adquirida - No adulto geralmente estética e de baixo grau - Pode ser ístimica ou degenerativa
Ístimca: - Não existe em não deambuladores - 2H : 1 M - Esporte e altas cargas - Geralmente não progressiva no adulto
- Sintomas de dor e radiculopatia são freqüentes - Desvio geralmente < 50%
RX: - AP: sinal do chapéu de Napoleão - Luscência sugestiva de fratura de um lado com esclerose contra-lateral à listese - Oblíquo: Scotty Dog
Tratamento: - Conservador : efetiva na maioria dos adultos  Curto período de repouso, AINH, reforço muscular
Cirúrgico: insucesso do tratamento conservador , - Pior resultados em: - Sintomas radiculares; - Processo trabalhista; - Fumantes; Baixa
escolaridade
Redução da espondilolistese : - Alto grau: raro em adulto ; - Quando ocorre, desvio é rígido
• - Se > 50% deve-se considerar redução
• - Até < 50%: não é necessário fazer redução