Você está na página 1de 14

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE – DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA

GEOLOGIA DOS CARVÕES

OS CONSTITUINTES DO CARVÃO MACERAIS

Constituintes Orgânicos de dois tipos

Restos vegetais com forma e/ou estrutura ainda Produtos de degradação cujas origens vegetais
preservada no estágio de carvão betuminoso já não podem ser reconhecidas

Só visíveis ao microscópio; raramente a olho-nu

Formação dos Macerais depende de: Distinção dos Macerais com base em:

clima Forma
Tamanho Cor
comunidades vegetais condições ecológicas
Relevo Reflectância
pH Eh Morfologia Origem

etc
UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE – DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA

GEOLOGIA DOS CARVÕES

OS CONSTITUINTES DO CARVÃO MACERAIS

São descritivos Conjunto distinto de


Nomes dos MACERAIS propriedades para um
Terminam em -INITE determinado GRAU

GRUPOS DE MACERAIS SUB-GRUPOS MACERAIS MACERAIS SUB-MACERAIS

HUMINITES produtos de incarbonização de


maior teor de
substâncias húmicas, originados
compostos aromáticos
essencialmente da lenhina e celulose e de O
VITRINITES das paredes celulares

restos vegetais relativamente ricos


mais alifáticos e mais
LIPTINITES em hidrogénio, como esporopoleninas,
H
resinas, gorduras e ceras
mesmo material que as vitrinites e teores de C altos,
muito pouco hidrogénio
INERTINITES liptinites, que sofreram
e aromatização
transformações primárias diferentes elevada
UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE – DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA

GEOLOGIA DOS CARVÕES

OS CONSTITUINTES DO CARVÃO MACERAIS


UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE – DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA

GEOLOGIA DOS CARVÕES

OS CONSTITUINTES DO CARVÃO MACERAIS

Macerais Primários Macerais Secundários

Resultam directamente dos materiais Resultam de alteração física e/ou química


vegetais no decurso da incarbonização de outros macerais pré-existentes
UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE – DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA

GEOLOGIA DOS CARVÕES

OS CONSTITUINTES DO CARVÃO MACERAIS


Pré-1994

Actual
UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE – DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA

GEOLOGIA DOS CARVÕES

OS CONSTITUINTES DO CARVÃO HUMINITES / VITRINITES MACERAIS

Percursores químicos e botânicos

propriedades
ÁCIDOS HÚMICOS Côr escura
C – O – H - N
Composição complexa Pesos moleculares e solubilidades variadas
Núcleo aromático com hidroxilo e carboxilo
Turbificação Humificação C C
-OH -COOH
C C
C C
LENHINA e CELULOSE dependem
Materiais de Origem
Anaeróbico Potencial Redox (Eh)
Ácido pH
UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE – DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA

GEOLOGIA DOS CARVÕES

OS CONSTITUINTES DO CARVÃO HUMINITES / VITRINITES MACERAIS

Alterações durante os estágios de turfa e brown coal


Escapam-se
• CO2
Substâncias facilmente hidrolizáveis
Dissacarídeos • Gases • NH3
Pentosanos AÇUCARES
Bactérias • Líquidos • CH
4
Pectinas • H2O
Amido
Celulose Fungos
• Resíduos • Substâncias
Hemicelulose sólidos Húmicas
Proteínas
constituição
do Carvão
Substâncias relativamente estáveis Substâncias menos estáveis
Lenhina
Folhas e Ramos
Cortiça
Mantêm-se preservados ricos em Celulose e
Resinas
até ao Brown Coal pobres em Lenhina
Ceras
Madeiras de
Taninos
Madeiras e cascas de árvore impregnadas de Angisopérmicas
Pigmentos
resinas,ceras, taninos ou pigmentos
Sofrem HUMIFICAÇÃO

Resistentes à decomposição
químico-estrutural
Decompõem-se em
detritos húmicos
Preservação de estruturas vegetais
UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE – DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA

GEOLOGIA DOS CARVÕES

OS CONSTITUINTES DO CARVÃO HUMINITES / VITRINITES MACERAIS

Alterações durante os estágios de turfa e brown coal

HUMIFICAÇÃO é o processo mais importante durante o estágio de TURFA

Oxidação progressiva acelerada por:

Dessecação por descida do Nível Freático


Adição de Oxigénio
Fluxos de água com Oxigénio dissolvido

Calor (trópicos)
ÁCIDOS
Formação de diferentes Á CIDOS H
HÚÚMICOS
MICOS
Humificação das Ligninas na Turfa

Fungos XILÓFAGOS
atacadas por
Bactérias AERÓBICAS

DIAGÉNESE
HUMINAS
Perdem o seu carácter ÁCIDO
ÁCIDOS HÚMICOS por remoção dos grupos HUMINITES
-OH e -COOH
UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE – DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA

GEOLOGIA DOS CARVÕES

OS CONSTITUINTES DO CARVÃO HUMINITES / VITRINITES MACERAIS

Alterações durante os estágios de turfa e brown coal

Reacções de natureza FÍSICO-COLOIDAL


HUMIFICAÇÃO GELIFICAÇÃO PEPTIZAÇÃO
DESSECAÇÃO DO GEL HUMINÍTICO

BIOQUÍMICA GEOQUÍMICA

Fronteira entre o
VITRINITES
TURFA e BROWN COAL BROWN COAL BAÇO

BROWN COAL BRILHANTE

Brown coal Lignite Sub-betuminoso

Gelificação geoquímica de huminites,


demonstrada pela compacção e
homogenização duma banda de huminite
UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE – DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA

GEOLOGIA DOS CARVÕES

OS CONSTITUINTES DO CARVÃO HUMINITES / VITRINITES MACERAIS

Alterações durante os estágios de carvão betuminoso a antracite

Determinação do
Propriedades ÓPTICAS
VITRINITES Propriedades QUÍMICAS
Alteração mais uniforme que
qulaquer outro maceral GRAU DE
INCARBONIZAÇÃO
Teores de
OXIGÉNIO
VOLÁTEIS BMV
HIDROGÉNIO
1° Cv BAV – 80% C – 43% MV – 0.6% PR
CARBONO
P.REFLECTOR 2° Cv BMV – 87% C – 29% MV – 1.3% PR
3° SA/A – 91% C – 8% MV – 2.5% PR
4 SALTOS DE 4° A/MA – 93.5% C – 4% MV – 3.7% PR
INCARBONIZAÇÃO

Meta- Mager- Ess- Fett- Gas- Gasflamm- Flamm- Glanz- Matt- Weich-
Gra- Anthra-
phite
Anthra-
zit
Torf Alemanha
zit Steinkohle Braunkohle
Sub-Bit
Meta-An

A B C
Gra- Anthra- Semi- Low Volatile Medium Volatile
Lignite Peat E.U.A.
phite cite Anthracite Bituminous Bituminous A B C
High Volatile Bit.

PR
4,0 3,0 2,0 1,8 1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2
MV
4 8 12 16 20 24 28 32 36 40 44 48 52 56 60 64 68
C
+91 +87 +77 +71
UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE – DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA

GEOLOGIA DOS CARVÕES

OS CONSTITUINTES DO CARVÃO HUMINITES / VITRINITES MACERAIS

Alterações durante os estágios de carvão betuminoso a antracite

1° Cv BAV – 80% C – 43% MV – 0.6% PR


4 SALTOS DE 2° Cv BMV – 87% C – 29% MV – 1.3% PR
INCARBONIZAÇÃO 3° SA/A – 91% C – 8% MV – 2.5% PR
4° A/MA – 93.5% C – 4% MV – 3.7% PR

também ocorre nas liptinites,


coincide + com o início da formação de petróleo
marcado nas liptinites,
causado por uma drástica redução do O2, libertado como CO2 e H2O,
início da libertação de H2 na forma de metano (CH4),
Anisotropia Óptica
coincidindo + com o fim de produção de petróleo

libertação de grandes quantidades de H2 como CH4,


forte aromatização e condensação de anéis dos complexos humínicos
UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE – DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA

GEOLOGIA DOS CARVÕES

OS CONSTITUINTES DO CARVÃO LIPTINITES MACERAIS

Percursores químicos e botânicos

MATERIAIS VEGETAIS RICOS Cutina Resinas/Ceras Súber


EM HIDROGÉNIO

Esporopolenina

Bálsamos/Látex

Gorduras/Óleos
[1]

PRODUTOS DE DEGRADAÇÃO DE
PROTEÍNAS, CELULOSE E OUTROS
CARBO-HIDRATOS Acção Bacteriana
UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE – DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA

GEOLOGIA DOS CARVÕES

OS CONSTITUINTES DO CARVÃO LIPTINITES MACERAIS

Alterações durante a Turbificação e Incarbonização

turbificação  carvões sub-betuminosos Liptinites relativamente estáveis


não sofrem Humificação
Gelificação

Inicia alteração irregular dos 1° SALTO DE


carvão sub-betuminoso/betuminoso AV
constituintes Lipídicos INCARBONIZAÇÃO

formação de petróleo em rochas-mãe e nos carvões


adsorvidas pelas substância húmicas permanecem livres na forma de EXSUDATINITE

forma-se MICRINITE (I) como produto residual


Este processo dá-se para um teor de MV = 44-40%

carvão betuminoso MV (MV=29%) Destruição do Petróleo 2° SALTO DE


INCARBONIZAÇÃO
libertação súbita de HIDROGÉNIO e VOLÁTEIS
LIPTINITE e VITRINITE Mesmas propriedades químicas e ópticas

L
antracite liptinites reflectem mais que as verdadeiras vitrinites
V
UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE – DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA

GEOLOGIA DOS CARVÕES

OS CONSTITUINTES DO CARVÃO INERTINITES MACERAIS

Percursores químicos e botânicos

BASICAMENTE OS MESMOS DAS


HUMINITES/VITRINITES GELIFICAÇÃO FUSINITIZAÇÃO

Celulose Lenhina Produz substâncias com


 % Carbono relativamente alto
Das paredes celulares das plantas  % Hidrogénio baixo

INERTINITES Alto grau de


PR Inertinites > PR Vitrinites  Aromatização
 Condensação
 Charring
 Oxidação
FUSINITIZAÇÃO
 Humificação
 Ataque de Fungos

Alterações durante a Turbificação e Incarbonização

maioria das inertinites sofrem pouca alteração  já estão ‘pré-incarbonizadas’

perdem o resto do oxigénio e hidrogénio


tornam-se enriquecidos em carbono ligeiro aumento da sua reflectividade