Você está na página 1de 15

ACESSIBILIDADE

MONTAGEM

ORT.
ACESSIBILIDADE
MONTAGEM
ORTOBRAS
HIDRÁULICA

 VER VIDEO
ACESSIBILIDADE

ESQUEMA ELETRICO
DE
PLATAFORMA
ACESSIBILIDADE
MONTAGEM
ORTOBRAS
HIDRÁULICA
Nomenclatura da plataforma

DZ1 Zona de porta 1 LSC Limite de segurança dos cabos


DZ2 Zona de porta 2 BP1 Chamada de pav. 1
LP1 Limite de parada 1 BP2 Chamada de pav. 2
LP2 Limite de parada 2 S Relé de subida
2C Chamada de cabina pav. 2 D Relé de descida
1C Chamada de cabina pav. 1 PL Carregador de bateria
CP1 Contato de porta pav. 1 U Contatora de subida
CP2 Contato de porta pav. 2 DCA Disjuntor corrente alternada
CT1 Contato de porta pav. 1 DCC Disjuntor corrente continua
CT2 Contato de porta pav. 2 AL Alarme
CHP1 Chave de porta pav. 1 TCC Terminal ligação cabo de comando
CHP2 Chave de porta pav. 2 TCH Terminal de ligação chicotes
RT Relé térmico
Layout do Quadro de Comando
Ligação com tensão 220v (Fase – Neutro)
Ligação com tensão 220v (Fase – Fase)
1 Viga “I” Suporte Cilindro / 02 Cabos
2 Conjunto para Regulagem das Guias da Plataforma
Vertical
3 Conjunto Suporte das Guias
4 Guia T75/B para deslizamento das Corrediças para
conduzir o Carro da Plataforma
5 Cabo de Aço Diam. 9,5 mm, com construção 8x19S +
AF
6 Cabeçote com Polia de Desvio para dois cabos
7 Anel de Segurança (não permite a descida da haste do
cilindro hidráulico e do cabeçote)
8 Conjunto de Fixação do Cilindro na Estrutura
9 Cilindro, Haste Cromada
10 Válvula de Ruptura VP 114
11 Conjunto de Fixação da parte inferior do Cilindro na
Estrutura
12 Parte Inferior do Cilindro confeccionada em um Tubo
quadrado 100 mm
13 Tirante tipo Cunha
14 Amortecedor do Carro da Plataforma
15 Arcata em Viga “U” confeccionada em 5” na posição
Vertical e em 4” na posição Horizontal
16 Bloco do Freio Mecânico Instantâneo com Sistema de
Rolete
17 Sistema de Freio Eletromecânico
18 Unidade Hidráulica
19 Carro da Plataforma com painéis de altura de 1.100 mm
AJUSTE DO PARAFUSO 1
Válvula de Desaceleração

Com a cabina vazia, e a bomba ligada, a cabina tem que permanecer parada durante um período de 1
segundo, antes do movimento. Se a cabina não permanecer parada por este tempo, temos que ajustar o
parafuso “1”, girando para direita (sentido horário) diminui o tempo e girando para esquerda (sentido anti-
horário) aumenta o tempo
AJUSTE DO PARAFUSO 6
Aceleração de descida

Se a bobina “D” esta com tensão, o elevador irá gerar uma curva conforme a regulagem do parafuso “6”.
Girando o parafuso para direita (sentido horário) temos uma curva mais suave, girando para esquerda
(sentido anti-horário) a curva fica mais brusca

DICA:
Girar o parafuso “6” todo para esquerda (sentido anti-horário) e ligar a eletrovalvula “D”, verificando o
comportamento da curva, e aos poucos girando para direita (sentido horário) ate conseguir ajuste com um
bom conforto
AJUSTE DO PARAFUSO 9
Velocidade Nominal Descida

Estando a bobina “D” com tensão, a maior velocidade irá de acordo com a regulagem do parafuso “9”,
girando para direita (sentido horário) diminui a velocidade e girando para esquerda (sentido anti-horário)
aumenta a velocidade
PROCEDIMENTO DE LIBERAÇÃO DO USUÁRIO EM CASO DE EMERGÊNCIA

Em caso de falha do sistema normal de emergência da Plataforma, para retirar o usuário de dentro do
equipamento proceda da seguinte forma:

1. Desça o carro da plataforma até o pavimento do extremo inferior manualmente através do acionando da
Válvula de Emergência localizada na Unidade Hidráulica.

2. Abra a porta do pavimento e auxilie o usuário a sair de dentro da Plataforma


ENSAIO DE OPERAÇÃO DA VÁLVULA DE QUEDA

1) Colocar a cabina no piso superior com a carga nominal.


2) Acessar à válvula e fechá-la.(abrindo a lateral da caixa)
3) Desenroscar a ponta da mangueira oposta ao cilindro.
4) Colocar esta ponta dentro de um recipiente limpo.
5) Abrir a torneira existente na válvula. A plataforma descerá.
6) Na partida colocar um tacômetro para medir a velocidade da cabina.
7) A válvula de queda deverá ser acionada no mínimo quando a velocidade atingir a velocidade de valor
igual nominal de descida da plataforma

Na prática:
• Se for um cabinada (vel. nominal 0,15 m/s), a válvula de queda deverá operar entre 0,15m/s e 0,30 m/s.
• Se for um carro convencional (vel. nominal 0,10 m/s) a válvula deverá operar entre 0,10 m/s e 0,25 m/s.

8) Se a operação não se der com estes valores a válvula deverá ser substituída.
 
Obs. No caso da colocação de mangueira deverá antes ser bloqueado o movimento da plataforma no piso
superior

Você também pode gostar