Você está na página 1de 22

A Importância da integridade com

Deus e com os homens


Texto base: Jó 1.1 – “Havia um homem na
terra de Uz, cujo nome era Jó; homem
íntegro e reto, temente a Deus e que se
desviava do mal.”
INTRODUÇÃO
• Nos dias atuais muitas pessoas acham que ser
cristão se resume a afirmar que tem fé em Jesus
Cristo, frequentar uma igreja, usar roupas
consideradas decentes (saias e vestidos longos,
calças e camisas sociais, etc.), não beber, não
fumar, e coisas do gênero.
• A Palavra de Deus nos mostra que o padrão de
Deus para a vida dos crentes não se resume ao
cumprimento de algumas regras, mas, sim, a
uma vida de integridade e retidão.
 
INTRODUÇÃO
• No nosso texto base vemos que Jó é elogiado
por ser um homem íntegro, reto, temente a Deus
e que se desvia do mal. O próprio Deus o elogia
(v.8).
• A Bíblia nos revela que Deus ama a integridade e
a retidão, e tem promessas grandiosas para
quem cultiva essas virtudes.
• Integridade: Jó 8.20; Salmos 18.25; Salmos
37.37; Provérbios 19.1
• Retidão: Salmos 7.10; Salmos 11.7; Salmos
119.1; Provérbios 14.2; Efésios 4.24
Conceitos
Integridade: honestidade, sinceridade, coerência entre o
interior e o exterior, inteireza. Em Provérbios 11.3 vemos
a integridade como contraposição à falsidade. Pessoa
sem hipocrisia. Procura servir a Deus com inteireza do
seu ser, esforçando-se para que haja coerência entre o
que prega e o que vive. Não é duas caras, não tenta
servir a Deus pela metade.
Jesus chamou os fariseus de hipócritas, pois
exteriormente demonstravam muito zelo pela Lei de
Deus, mas interiormente eram impuros, egoístas,
avarentos, não cumpriam os mandamentos.
(Ex.: Mateus 23.3 e 27)
Conceitos
• Retidão: consciência, honradez, probidade,
seriedade, levar uma vida sempre buscando o
bem, tanto próprio como do próximo; não cultivar
o desejo de fazer o mal, de prejudicar os outros,
nem buscar o benefício pessoal às custas de
outrem.
• Integridade e retidão andam de mãos dadas.
Quem cultiva uma dessas virtudes,
frequentemente cultiva também a outra.
Geralmente a pessoa íntegra também é reta,
assim como o oposto é verdadeiro.
Por que a integridade é tão importante?  
Por que a integridade é tão importante?  
  A importância da integridade. A integridade define
quem somos para os demais. Quando alguém pensa
em nós, inevitavelmente pensará se somos íntegros
ou não. Todos nós estamos buscando a companhia
de pessoas que são genuínas ou verdadeiras.
Mantemos nossa palavra ou nos comportamos
segundo melhor nos convém? Jesus Cristo procurou
seus discípulos entre os menos religiosos, já que a
religião estava muito corrompida em sua época. 
A. A integridade determina como você reagirá em certas
situações ou circunstâncias. Quando você estiver em
circunstâncias onde tenha que optar em fazer o que é
correto ou incorreto, a integridade ou a falta da mesma
determinará o que você fará.
B. A integridade também demonstra sua situação espiritual.
Se alguém não tem integridade, então tem problemas
espirituais, porque Deus quer que todos sejam justos e
íntegros.
 C. Se falta a você integridade, seu testemunho não tem
valor. Se alguém percebe que você não tem integridade,
não lhe escutarão quando tentar falar do Senhor. Quem de
nós escutaria uma apresentação do Evangelho de um
Ananias ou de um Acã? Esses dois homens, segundo
mostram as Escrituras, não tinham integridade.
Situações que não se caracterizam como integridade
e retidão, mas que muitas vezes são vistas na vida
de pessoas cristãs

• 1) Inadimplência contumaz: aquela que resulta da


má vontade em honrar os compromissos.
Geralmente presente em pessoas que não se
importam com a situação alheia. Mesmo que
possua meios de pagar, prefere gastar com
outras coisas e deixar a dívida aumentar, sem
pretensão de quitar o débito. Gênesis 3.19.
Situações que não se caracterizam como integridade
e retidão, mas que muitas vezes são vistas na vida
de pessoas cristãs

2) Obtenção de vantagem às custas de outrem: há


pessoas que vivem buscando formas de levar
vantagem nas situações, mesmo que isso implique em
que o outro tenha algum prejuízo ou de alguma forma
seja lesado.
Podemos exemplificar com o patrão que explora os
empregados atribuindo-lhes carga de trabalho superior
à que corresponde ao salário pago, ou que não paga
corretamente os direitos de seus empregados. (Levítico
19.13; Deuteronômio 24.14; Jeremias 22.13;Malaquias
3.5)
3) Fofoca: fofocar é falar da vida alheia, espalhar informações ou
boatos sobre alguém. Há muitos crentes que vão à Igreja, participam
dos cultos, cantam, oram, choram, esperneiam, pulam, gritam “glórias
a Deus”, mas nem bem acabam de sair da Igreja já se põem a falar da
vida alheia. No seu dia a dia ficam observando as pessoas para
poderem levar “notícias quentinhas” à rodinha de amigos (as) que
compartilham do mesmo “passa-tempo”. Gostam de estar sempre bem
informadas sobre os acontecimentos que envolvem os outros.
A Palavra exorta a não nos metermos na vida alheia, antes, devemos
encontrar ocupação. A fofoca provoca dissensões, discórdias, separa
pessoas, e não é isso que Deus quer que façamos (2 Tessalonicenses
3.11; Provérbios 6.16.19; Provérbios 16.28; 1 Pedro 4.15).
4) Maledicência: é falar mal contra alguém, ter palavras ruins
contra as pessoas. Quando se faz isso, está-se tentando diminuir
o valor da pessoa de quem se fala, quase sempre como uma
forma de tentar aumentar o nosso próprio valor. Não podemos
tentar nos valorizar desvalozirando os outros. Nossas palavras
têm que ser edificantes (Efésios 4.29), precisam abençoar e não
amaldiçoar (Tiago 3.8-13), devem ser equilibradas, agradáveis
(Colossenses 4.6).
As palavras que saem de nossa boca habitualmente demonstram
o que temos em nosso coração (Lucas 6.45). Assim, quem vive
maldizendo aos outros, não está com o coração cheio da Graça
de Deus e de amor, antes, está repleto de sentimentos carnais,
de inveja, ciúmes, arrogância, e nada disso vem de Deus, pelo
contrário, vem do demônio (Tiago 3.13-16).
5) Mentira: um cristão mentiroso deve analisar seriamente a
realidade de sua conversão, porque Jesus foi bastante claro ao
dizer que o pai da mentira é o diabo (João 8.44). Ora, não é
possível ser um filho de Deus e, ao mesmo tempo, conviver
harmoniosamente com a filha do diabo, a mentira. Jesus Cristo é
a verdade, e Ele ama a verdade. A Bíblia nos exorta a falarmos a
verdade (Efésios 4.25), assim como faz pesadas advertências a
quem ama a mentira (Salmo 52.3-5).
A mentira retira toda a credibilidade da palavra de uma pessoa,
não permite que se deposite confiança nela, e provoca situações
capazes de gerar problemas sérios.
Quem mente não anda em integridade e retidão, e, portanto, não
agrada a Deus.
• 6) Omissão diante da necessidade do próximo: muitas vezes
vemos nosso próximo passando necessidade, mas nos
omitimos, não lhe prestamos nenhuma ajuda, mesmo tendo
condições para isso, não oramos por ele, não queremos nos
envolver. A retidão implica em viver buscando o bem não
apenas para si, mas também para o próximo. A Bíblia nos diz
que quem sabe que deve fazer o bem e não faz, está pecando
(Tiago 4.17).
• A parábola do bom samaritano mostra que religiosidade não
agrada Deus, mas, sim, a demonstração prática de amor ao
próximo.
7) Idolatria: o cristão que não é íntegro e reto coloca diversas coisas
no lugar de Deus. As suas prioridades são mundanas. O programa
da televisão tem prioridade sobre a reunião de oração; conservar o
carro novo é mais importante do que colocá-lo à disposição da obra
de Deus; correr atrás de riqueza é mais importante do que adorar a
Deus em espírito e em verdade; imagens feitas por mãos humanas
recebem mais atenção do que Deus, contando com datas especiais,
rezas, festas, etc.; tudo é prioridade, menos Deus e Sua obra.
O cristão íntegro e reto diz a Deus que o ama, e expressa esse
amor em seus atos no cotidiano, tanto no que diz respeito à
comunhão com o Pai, como o amor ao próximo.
“Portanto, meus amados, fugi da idolatria” (1 Cor 10.14). Leia,
também, Lv 19.4.
 
O que a integridade pode fazer por mim?
• 1. Abençoar - Provérbios 20:7: “O
homem justo leva uma vida íntegra,
como são felizes os seus filhos! ”
• 2. Julgar - Jó 31:6: “…Deus me pese em
balança justa, e saberá que não tenho
culpa...” Salmos 7:8: “O SENHOR é
quem julga os povos. Julga-me,
SENHOR, conforme a minha justiça,
conforme a minha integridade. ”
O que a integridade pode fazer por mim?
3. Proteger - Salmos 25:21: “Que a integridade e a
retidão me protejam, porque a minha esperança
está em ti. ” A integridade me protege enquanto sigo
minha vida. Há gente que passa muito tempo
preocupada com o que disse a certas pessoas, ou
como atuou em certa situação, porque não tem
integridade. A pessoa com integridade nunca se
preocupa com o que disse, já que sempre diz o que
é correto, sem aumentar ou diminuir nada. Sua
integridade a protege. Se quiser sair-se bem em um
tribunal, então deve dizer sempre o mesmo. Se sua
tendência é oscilar ao fazer um relato, seu
testemunho é suspeito.
O que a integridade pode fazer por mim?
• 4. Guiar - Provérbios 11:3: "A
integridade dos justos os guias, mas a
falsidade dos infiéis os destrói. ” Com
integridade não nos preocuparemos
com o que devemos fazer em certas
situações, porque sempre confiaremos
em Deus que dirige os nossos passos.
Como se adquire a integridade?
1. Devemos procurar a integridade com
todo o nosso coração. É importante que
passemos toda a vida procurando-a. Cada
vez que fazemos um negócio, a
integridade deve ser parte integrante de
uma decisão honesta e sem vacilo,
baseando nossa vida, assim como nosso
caminhar, nela. Que sejamos capazes de
dizer com Davi: “Julga-me SENHOR
conforme a minha justiça; confiei no
SENHOR sem titubear”. Quando andamos
na integridade, não teremos dúvidas que
mudaremos de direção.
Como se adquire a integridade?
2. Nós a protegemos com todo nosso
coração. Passar toda a vida em busca da
integridade é uma importante precaução;
se não continuamos a procurá-la,
protegendo-a diariamente, vamos perdê-
la. Uma vez que concluímos que a Deus
não se pode enganar e que será ele quem
nos julgará no último dia, será preferível
render-se à sua vontade e ser mais como
Jesus Cristo.
 
Como se adquire a integridade?
• 3. As disciplinas diárias nos ajudam a
criar integridade. Se nos dedicamos à
leitura regular da Bíblia, às Palavras de
Deus, à oração, comunicando tudo a
Deus, aprenderemos a ser íntegros.
Conclusão: Integridade e retidão têm a ver com obediência a Deus,
humildade, submissão, mas principalmente amor a Deus e ao
próximo.
Ao decidir seriamente que já não brincará com Deus e que se renderá
a sua vontade, você será uma pessoa íntegra. Se você baseia sua
vida na Palavra de Deus e em seus princípios, viverá uma vida de
integridade, capaz de mudar a maneira como as pessoas veem os
crentes. A integridade é uma eleição que fazemos todos os dias, antes
de tomar qualquer decisão. Optemos por decidir o que seja de acordo
com a vontade de Deus.
Andar no Espírito conduz à integridade e retidão (Gl 5.14-26), pois
hipocrisia e falta de retidão são obras da carne.
Que sejamos pessoas íntegras e retas, sempre buscando glorificar a
Deus através de nossas vidas, a fim de que nosso testemunho seja
um instrumento de anúncio do Evangelho de Cristo.

Você também pode gostar