Você está na página 1de 24

ESCOLA DE ENFERMAGEM SÃO

VICENTE DE PAULA

PADRÕES DE ISOLAMENTO

PROFª GRAZI FERREIRA


Pontos importantes

Modos de transmissão de patógenos


Por que isolar?
Quem deve saber que o paciente está isolado?
 Momento de contato desprotegido
Comprovação da transmissão
Recomendação
Transmissão da infecção
Envolve três elementos:
Fonte
paciente, profissionais, artigos, visitantes
 Hospedeiro suscetível
paciente, profissionais, visitantes
Via de Transmissão
contato, aérea, veículo comum, vetor
Modo de transmitir

Sangue e fluidos corpóreos


Contato direto ou indireto
Gotículas
Aerossol
Por que isolar o paciente?
 Paciente Profissional de
Evitar infecção cruzada saúde (PS)
Ambiente hospitalar Risco ocupacional
 com bactérias Hospedeiro
multiresistentes saudável
 Paciente suscetível Vetor de
Controle das infecções transmissão
hospitalares Controle das
infecções
hospitalares
TIPOS DE PRECAUÇÕES

Precauções Padrão
Isolamento de contato
Isolamento respiratório:
Gotículas ou aerossóis
PRECAUÇÕES PADRÃO

Medidas de proteção adotadas por todos os


profissionais, em relação a todos os pacientes
Visando evitar qualquer tipo de contato
Sangue e fluidos corpóreos (pele íntegra, não
íntegra, mucosas ou acidentes pérfuro-cortantes)
Fluidos corpóreos inclui todos os tipos de
secreções e excreções,
exceto suor
Precaução padrão – aplicável a todos os pacientes
Principal medida isolada –

1º Higienização das mãos


A higiene das mãos é uma das medidas mais
importantes para o controle e prevenção das
infecções hospitalares.
Medidas adicionais
Uso de luvas
Uso de máscara (procedimentos de risco)
Uso de protetor ocular
Usar sabão com antisséptico
Usar luvas quando houver possibilidade de contato
com mucosas, pele com lesões, sangue ou outros
fluidos potencialmente infecciosos.
Remover as luvas após cuidar do paciente. Não usar o
mesmo par de luvas para cuidar de mais de um
paciente e não lavar as mãos enluvadas.
Trocar as luvas se for mudar de um local do corpo
contaminado para outro limpo no mesmo paciente
QUANDO HIGIENIZAR AS MÃOS?
Quando estiverem visivelmente sujas ou contaminadas
com matéria orgânica.
Após contato com materiais contaminados com matéria
orgânica.
Antes de comer ou após usar o banheiro.
Antes e após contato direto com o paciente.
Entre procedimentos no mesmo paciente.
Após retirar as luvas.
Antes de realizar procedimentos invasivos.
Após manipular objetos que tenham contato direto com
o paciente (incluindo equipamento médico)
2º Sangue e fluidos corpóreos
Isolamento de contato
Estão são indicadas para pacientes com infecção
ou colonização por microrganismos com
importância epidemiológica e que são
transmitidos por contato direto (pele-a-pele)
Indireto (contato com itens ambientais ou itens
de uso do paciente).
(Exemplo: infecções gastrintestinais,
respiratória, pele e ferida colonizada, entéricas e
grandes abscessos).
Quarto privativo

 Quando os pacientes estiverem acometidos pela mesma doença


transmissível.

Os recém-nascidos podem ser mantidos em incubadora.

Crianças e outros pacientes, que não deambulam

 Não requerem quarto privativo desde que as camas tenham um


afastamento maior do que 1metro entre elas
Uso de luvas quando entrar no quarto do paciente.
 Após o contato com material que contenha grande
concentração de microrganismos (por exemplo:
sangue, fezes e secreções), as luvas devem ser
trocadas e as mãos lavadas.
Após a lavagem das mãos, deve-se evitar o contato
com superfícies ambientais potencialmente
contaminadas
Uso de avental limpo, não estéril, quando entrar no
quarto, se for previsto contato com o paciente que possa
estar significativamente contaminando o ambiente
(diarréia, incontinência, incapacidade de higienização,
colostomia, ileostomia, ferida com secreção abundante
ou não contida por curativo).

O avental deve ser retirado antes da saída do quarto, e


deve-se evitar o contato das roupas com superfícies
ambientais potencialmente contaminadas;
O transporte de pacientes para fora do quarto
deve ser reduzido ao mínimo. As precauções
devem ser mantidas durante o transporte.

Os itens que o paciente tem contato e as


superfícies ambientais devem ser submetidas à
limpeza diária
Equipamentos de cuidado com os pacientes e materiais
como estetoscópio, esfigmomanômetro ou cômoda ao
lado do paciente, sempre que possível, devem ser usados
somente por um único paciente.

Se não for possível, a desinfecção deste material é


recomendada entre o uso em um e outro paciente.
Isolamento respiratório
São indicadas para pacientes portadores de
microrganismos transmitidos por gotículas que podem
ser geradas durante tosse, espirro, conversação ou
realização de diversos procedimentos.

(Exemplo: coqueluche, difteria, streptococos


pneumoiae, neisseria meningitides e caxumba). 
Quarto privativo ou de pacientes com o mesmo agente
etiológico.

A distância mínima entre dois pacientes deve ser de 1


metro.
A porta pode permanecer aberta.

Máscara deve ser utilizada se houver aproximação ao


paciente, numa distância inferior a um metro.
Por questões operacionais, as máscaras podem ser
recomendadas para todas as vezes que o profissional
entrar no quarto.

Devem-se incluir os visitantes e acompanhantes

Transporte dos pacientes deve ser limitado ao mínimo


indispensável e, quando for necessário, o paciente deve
usar máscara. 
Isolamento por Gotículas/aerossóis

São indicadas para pacientes com suspeita ou


infecção comprovada por microrganismos
transmitidos por aerossóis que ficam suspensos no
ar e que podem ser dispersos a longas distâncias.

(Exemplo: varicela, sarampo, tuberculose). 


Quarto privativo que possua pressão de ar
negativa em relação às áreas vizinhas

 Cuidados com o ar que é retirado do quarto


(filtragem com filtros HEPA) antes da
recirculação em outras áreas do hospital.

As portas devem ser mantidas fechadas 


Proteção respiratória com máscara que possua
capacidade adequada de filtração e boa vedação lateral,
máscara nº 95.

 Indivíduos suscetíveis a sarampo e varicela não devem


entrar no quarto de pacientes com suspeita ou
portadores destas infecções; 

O transporte dos pacientes deve ser limitado, mas se for


necessário eles devem usar máscara (a máscara
cirúrgica é suficiente).