Você está na página 1de 10

ANÁLISE BIOMECÂNICA DO SALTO VERTICAL:

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE CRIANÇAS


ESPORTISTAS E NÃO ESPORTISTAS

• Carlos Roberto
• Mateus Henrique da Silva
• Tatiane de Rezende Cezário
• Thainá Aparecida Carneiro Silva
Salto vertical
Introdução:

• A eficiência no salto vertical é imprescindível para atletas de várias


modalidades esportivas; estudos mostram que sujeitos que
realizaram atividades com potência muscular (saltos e corridas de
velocidade) obtiveram maior êxito no salto vertical, quando
comparados a levantadores de peso e indivíduos fisicamente ativos,
consequentemente, os que apresentaram melhor desempenho o
deveram a uma maior duração da fase concêntrica do movimento.
• A força “explosiva” representa o caso particular da manifestação das
capacidades de velocidadee de força relacionadas com esforços
únicos (saltos, lançamentos).
• A força explosiva na atividade desportiva manifesta-se por meio do
trabalho muscular isométrico e dinâmico, no último caso, deverá ser
superada a resistência externa.
• Desta forma, o atleta, durante o movimento de explosão, realiza ao
máximo a força inicial, e a força aceleradora dependerá do valor da
resistência externa e da força máxima muscular.
• Sendo assim, é salutar recorrermos ao uso da biomecânica quando
pesquisamos sobre o salto vertical, pois é uma área de investigação
que apresenta diferentes métodos para avaliar o movimento humano,
sob o ponto de vista das leis da mecânica clássica.
Materiais e métodos:

• Para o estudo, foram utilizados dados baseados em analise cinética e


cinemática do salto vertical. 46 crianças do genero masculino de 9 a 12 anos
constituíram a amostra, sendo 21 alunos da escolinha de basquetebol da
Associação esportiva mocoquense, da cidade de Mococa/SP e 25
voluntarios da escola estadual Profa. Nancy de Rezende Zamarian, também
da cidade de Mococa. Os pais ou responsáveis dos voluntários assinaram o
TCLE (Termo de Consentimento Livre e Esclarecido) e a pesquisa aprovada
pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UNIMEP.
• Uma plataforma de força foi utilizada para o estudo, onde os voluntários
subiam e, a partir da posição ereta, realizavam o salto usando o balanço
natural dos membros para executar a açã referida.
• Doravante os dados coletados via hardware foram calculados os
valores do impulso, velocidade de subida no instante que o individuo
cessa o contato com a plataforma, tempo de subida, força media
aplicada por cada criança durante preparo para o salto, pico de força
e deslocamento vertical do centro de gravidade, recorrendo as
equações da mecânica clássica.
RESULTADOS E DISCUSSÃO

• Pode-se verificar que os alunos do clube tiveram melhor resultado nas


variáveis biomecânicas. Esses resultados, são devido ao fato dos alunos do
clube serem maiores e por fazerem parte de uma iniciação esportiva, ou seja,
eles passam por treinamentos de força o tempo todo, mesmo sem irem para
uma academia.
• É importante ressaltar, que biomecanicamente o impulso se refere à integral
da força em função do tempo e, portanto, não deve ser confundido com o
sentido errôneo, mas bastante comum para se referir à altura do salto ou até
mesmo a força de impulsão vertical. Sendo assim, valores elevados pelo
impulso podem ser resultado de um maior tempo de contato e/ou maiores
picos de força. Em estudo que avaliou o impulso vertical de crianças de 7 a
11 anos de uma rede pública de ensino, e os resultados encontrados, foram
comparados através do teste t com os alunos da escola e do clube desse
estudo. Os resultados obtidos mostram estatisticamente que há diferença
significativa em p.
• Os resultados da tabela 2 atestam que provavelmente os valores superiores
para os sujeitos do clube, sejam consequência de sua média de idade superior e
o seu nível de aptidão física melhor devido à participação no programa de
iniciação esportiva. Tais resultados apresentaram diferenças estatisticamente
significantes entre os dois grupos, entretanto o pico de força foi inferior ao de
um estudo que analisou 19 meninos na faixa etária entre 6 a 11 anos, tendo
como força de reação vertical do solo média de 111,8 kgf, quando todos
realizaram um salto na plataforma de força12.
• Na tabela 3, constatamos a existência de quatro correlações negativas (força x
tempo de subida; força x altura do salto; tempo de subida x pico de força e
altura do salto x pico de força). Tal fato evidencia que existe uma razão
inversamente proporcional entre os pares de variáveis, ou seja, quanto maior
uma delas, menor a outra será. As correlações positivas foram quatro também:
força x pico de força; velocidade de subida x impulso; tempo de subida x altura
do salto e impulso x pico de força. Estas correlações positivas possibilitam
afirmar que existe uma proporcionalidade direta entre cada par de variáveis, ou
seja, quando uma aumenta, a outra também aumenta ou vice-versa.
• Na tabela 4 é possível verificar a significância positiva em p< 0,05
entre as variáveis biomecânicas, que para os sujeitos dessa pesquisa,
essa correlação mostra que quanto maior a força, maior o impulso.
Uma forma de utilização da biomecânica é através da análise cinética,
que possibilita determinação das forças externas que atuam sobre o
corpo do sujeito e a estimação das forças internas, onde podemos
reconhecer o nível de sobrecarga que as partes do corpo sofrem na
execução do movimento. Tais resultados podem ajudar na
compreensão e otimização das técnicas do movimento de modo a
melhorar a eficiência do gesto locomotor.
CONSIDERAÇÕES FINAIS

• No presente estudo realizou-se análise cinética do salto vertical.


Como limitações do mesmo podemos citar a transversalidade e o
número de sujeitos da pesquisa. Foi notório no estudo que as crianças
do clube, estão mais desenvolvidas, fator esse que pode estar
relacionado ao fato dos mesmos serem um pouco mais velhos e de
participarem de um programa de iniciação esportiva, pois, pelo
menos sob o ponto de vista biomecânico, ficou evidente as vantagens
que a iniciação esportiva proporciona às crianças.

Você também pode gostar