Você está na página 1de 33

PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS EM

MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES

MÓDULO
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

AULA 6

NPG1449
0,91

ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO DE


CONCEITO DE SEP POTENCIA – SEP. Trafo
Abaixador
SE
SE
Trafo Trafo SE
 
Elevador Abaixador
LT
G
Trafo
Abaixador
Elevadora Distribuidora
Abaixadora
1,82

 O SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA:


CONCEITO DE SEP
Para empresas concessionárias de energia elétrica, o Sistema Elétrico de
Potência - SEP é o conjunto das instalações e equipamentos destinados a
geração, transmissão e distribuição de energia elétrica até a medição,
inclusive.

Objetivo:
Objetivo:
  ÉÉ gerar
gerar energia
energia elétrica
elétrica em
em quantidades
quantidades suficientes
suficientes ee nos
nos locais
locais mais
mais
apropriados,
apropriados, transmiti-la
transmiti-la em
em grandes
grandes quantidades
quantidades aos
aos centros
centros de
de carga
carga ee então
então
distribuí-la
distribuí-la aos
aos consumidores
consumidores individuais,
individuais, em
em forma
forma ee qualidade
qualidade apropriada,
apropriada, ee
com
com oo menor
menor custo
custo ecológico
ecológicoeeeconômico
econômicopossível.
possível.
2,73

 O SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA:


CONCEITO DE SEP: Organização do Sistema Elétrico de Potencia –SEP.
SE SE
RADIAL
LT C1
50 MW
G
- ok
60 MW
100 MW 110 MW ?
 

SE SE
LT 50 MW -ok
G C2

100 MW 100 MW - ?

SIN => Menos que 2% não está interligado


3,64

Organização do Sistema Elétrico de Potencia


SE RADIAL SE 50 MW
G C1
LT 60 MW
100 MW 110 MW

SE SE
 
50 MW
G C2
LT 100 MW
100 MW

SE SE
30 MW
G C3
LT
200 MW
4,55

Organização do Sistema Elétrico de Potencia

SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA


LT

LT LT
NE SIN CE/
SE

LT

S
5,45

 O SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA: SEP

Geração
Usina
Usina Estação
Estação A eletricidade apesar de parecer instantânea
Geradora
Geradora Elevadora
Elevadora percorre um longo caminho desde a geração até
o consumidor final.
Distribuição
Transmissão de Energia
Estação
Estação Subestação Transformador
Rebaixadora Transformador
Rebaixadora
Alta Tensão
Baixa Tensão
Para uma melhor visualização de onde
Grandes Pequenos
nos situamos dentro de um sistema de
fornecimento de energia elétrica, é CONSUMIDORES
necessário que conheçamos os
componentes do mesmo.
6,36

 O SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA:


Usina Hidroelétrica
Represa de rio, para produção de energia elétrica. Transformação de energia mecânica
em energia elétrica através do magnetismo. Utiliza-se dos recursos hídricos para a
produção de eletricidade em corrente alternada.
7,27

 O SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA: SEP


Gerador
Utiliza a força da queda d'água para movimentar as turbinas e desta forma
produzir energia elétrica.
8,18

 O SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA: SEP


Subestação Elevadora
Transferência de energia da subestação elevadora para a transmissão.
9,09

 O SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA: SEP


Linhas de Transmissão
Significa o transporte de energia elétrica gerada até os centros consumidores.
10,00

 O SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA: SEP

Subestações Abaixadoras (Subestação Rebaixadora AT / MT)


Estão situadas nas periferias e nos centros consumidores (cidades) e tem como função
abaixar o valor da tensão a níveis adequados (padronizados) de distribuição.
10,91

 O SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA: SEP


DISTRIBUIÇÃO: LINHAS DE DISTRIBUIÇÃO
São os circuitos que fazem a distribuição da energia elétrica, é a parte do sistema
dentro dos centros consumidores (cidades, bairros, indústria, etc.). A distribuição inicia-
se na subestação abaixadora onde a tensão da linha de transmissão é abaixada para
valores padronizados, ou seja: (11 kV, 11,4 kV, 13,2 kV, 13,8 kV, 15 kV, 25 kV e 34,5
kV). O valor usado de distribuição depende da Concessionária.
11,82

Organização do Sistema Elétrico de Potencia – SEP

SUBESTAÇÃO
 

Subestação – Parte de um sistema de potência concentrada em um dado local,


compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão e/ou de
distribuição, com os respectivos dispositivos de manobra, controle e proteção,
incluindo as manobras civis e estruturas de montagem, podendo incluir também,
transformadores, equipamentos conversores e outros equipamentos.
12,73

Organização do Sistema Elétrico de Potencia – SEP

Estão situadas próximas ou ao lado das Subestações Abaixadoras (Subestação


Rebaixadora AT / MT) e tem como função alimentar as redes aéreas e redes
subterrâneas de distribuição.

Subestações
Distribuidoras MT
13,64

 O SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA: SEP


Das
Dassubestações,
subestações,partem
partemas asredes
redesdededistribuição
distribuiçãoprimárias
primáriasquequeatravés
atravésdede
transformadores
transformadores de de distribuição
distribuição abaixam
abaixam aa tensão
tensão (redes
(redes de
de distribuição
distribuição
secundárias)
secundárias)aaníveis
níveisde
deutilização,
utilização,ououseja:
seja:(380/220
(380/220V,
V,220/127
220/127V,V,230/115
230/115V,
V,
etc.).
etc.). OO valor
valor usado
usado dada tensão
tensão usada
usada nana rede
rede secundária
secundária depende
depende da da
Concessionária
Concessionáriaeedo dotipo
tipodedecircuito
circuito(urbano
(urbanoouourural).
rural).
14,55

 O SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA: SEP


CONSUMIDORES
Consumidor, denominado pela ANEEL, na Resolução N° 456, de 29/11/2000
como "Pessoa física ou jurídica, ou comunhão de fato ou de direito,
legalmente representada, que solicitar a concessionária o fornecimento de
energia elétrica e assumir a responsabilidade pelo pagamento das faturas e
pelas demais obrigações fixadas em normas e regulamentos da ANEEL, assim
vinculando-se aos contratos de fornecimento, de uso e de conexão ou de
adesão, conforme cada caso".
15,45

 PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS:


 O SISTEMA INTEGRADO NACIONAL: SIN
Com tamanho e características que permitem
considerá-lo único em âmbito mundial, o
sistema de produção e transmissão de
energia elétrica do Brasil é um sistema
hidrotérmico de grande porte, com forte
predominância de usinas hidrelétricas e
com múltiplos proprietários. O Sistema
Interligado Nacional é formado pelas
empresas das regiões Sul, Sudeste, Centro-
Oeste, Nordeste e parte da região Norte.
Apenas 1,7% da energia requerida pelo país
encontra-se fora do SIN, em pequenos
sistemas isolados localizados principalmente
na região amazônica.
16,36

 PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS:


 EQUIPAMENTOS E DISPOSITIVOS ELÉTRICOS:
 PRONTUÁRIO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - (PIE)?
O PIE sintetiza o conjunto de procedimentos, ações, documentações e programas que
a Empresa mantém ou planeja executar para proteger c trabalhador dos riscos
elétricos. Todas as Empresas com potência instalada superior a 75 kW devem manter
o PIE atualizado.
17,27

 PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS:

 RESUMO DAS LEIS TRABALHISTAS:

 HIERARQUIA DAS LEIS:


CONSTITUIÇÃO FEDERAL: Normatiza de forma mais ampla, os conceitos são mais
genéricos, menos detalhadas que as Leis e Normas inferiores.
LEIS COMPLEMENTARES: A lei complementar à Constituição é por esta definida
quanto às matérias. Requer maioria absoluta de votos nas duas casas do Congresso
para aprovação.
LEIS ORDINÁRIAS: A lei ordinária diz respeito à organização do poder judiciário e do
ministério público, à nacionalidade, cidadania, direitos individuais, políticos e eleitorais,
planos plurianuais e orçamentos e a todo o direito material e processual, como os
códigos civil, penal, tributário e respectivos processos.
DECRETOS, REGULAMENTOS, PORTARIAS, NORMAS REGULAMENTADORAS
ETC
18,18

 PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS:

 IMPORTÂNCIA NA SEGURANÇA DA VIDA MODERNA :


 A MÁQUINA ESTÁ SEGURA COMO A NORMA PRECONIZA?

O tema segurança em máquinas vem se tornando


cada vez mais relevante no Brasil, portanto, não
podemos desconsidera-lo. Adotar medidas de
segurança é tão importante para as empresas quanto
para os operadores. Por isso a importância de se
entender "segurança em máquinas e
equipamentos e instalações", com as maiores
informações sobre as normas aplicáveis e produtos
disponíveis.
19,09

 PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS:

 IMPORTÂNCIA NA SEGURANÇA DA VIDA MODERNA :


 UMA MÁQUINA FOI PROJETADA E VENDIDA:
20,00

 PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS:

 IMPORTÂNCIA NA SEGURANÇA DA VIDA MODERNA :


 A MÁQUINA ESTÁ SEGURA COMO A NORMA PRECONIZA?

* TRABALHADOR ACIDENTADO - PARADA DE PRODUÇÃO – QUEDA DE


FATURAMENTO - REDUÇÃO NOS LUCROS

* NO MUNDO: 270.000.000 DE ACIDENTES COM MÁQUINAS E


EQUIPAMENTOS POR ANO.
20,91

 PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS:

 IMPORTÂNCIA NA SEGURANÇA DA VIDA MODERNA :


 A MÁQUINA ESTÁ SEGURA COMO A NORMA PRECONIZA?
ENCLAUSURAMENTO

É PRECISO EVITAR PERIGOS QUE PONHAM EM RISCO A VIDA DOS


COLABORADORES CONSTRUINDO-SE MÁQUINAS SEGURAS.
21,82

 PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS:

 IMPORTÂNCIA NA SEGURANÇA DA VIDA MODERNA :


 A MÁQUINA ESTÁ SEGURA COMO A NORMA PRECONIZA?

A NR-12 DESCREVE REQUISITOS PARA CONSTRUÇÃO E


INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

 PROCESSO PARA TORNAR UMA MÁQUINA SEGURA:


IDENTIFICAÇÃO DO RISCO REDUÇÃO DO RISCO VERIFICAÇÃO
22,73

 PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS:

 IMPORTÂNCIA NA SEGURANÇA DA VIDA MODERNA :


 AVALIAÇÃO DO RISCO:

- Identificar e avaliar todos os perigos


causados pela máquina.
- Identificar todos os riscos razoavelmente
previsíveis tais como corte e esmagamento.
- Considerar o ciclo de vida, como
comissionamento e manutenção.
- Considere o modo de operação, se
automático ou de ajuste.
- Analise o risco em função da probabilidade de ocorrência e gravidade dos danos
em potencial.
23,64

 PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS:

 IMPORTÂNCIA NA SEGURANÇA DA VIDA MODERNA :


 AVALIAÇÃO DO RISCO:
- O resultado destas
análises nos aponta o Risco
Residual
risco original relacionado aceitável
ao perigo identificado.
- O Risco Original deverá
ser reduzido ao Risco
Residual aceitável. Risco Reduzido

Para se reduzir o Risco, pode-se adotar a metodologia ABNT NBR ISO 12100:2013,
Segurança de máquinas — Princípios gerais de projeto — Apreciação e redução de
riscos.
24,55

 PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS:

Prioridade de Risco

Altamente
provável
Possível
Provável
Provável
Pode
acontecer
Improvável

Insignificante Marginal Sério Crítico Catastrófico


25,45

 PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS:

 IMPORTÂNCIA NA SEGURANÇA DA VIDA MODERNA :


 ABNT NBR ISO 12100:2013 :
Esta Norma especifica a terminologia básica, princípios e uma metodologia para
obtenção da segurança em projetos de máquinas. Ela especifica princípios para
apreciação e redução de riscos que auxiliam projetistas a alcançar tal objetivo.
1- MEDIDAS INERENTES AO PROJETO:
Enclausurar por meio de proteções fixas ou
móveis.
26,36

 PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS:

 IMPORTÂNCIA NA SEGURANÇA DA VIDA MODERNA :


 RISCO RESIDUAL: ABNT NBR ISO 12100:2013 :
1- MEDIDAS INERENTES AO PROJETO:
No entanto, ao abrir a porta ainda
permanece um Risco Residual ainda Ainda girando
não aceitável.

Portanto, novas medidas devem ser


implementadas.
27,27

 PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS:

 IMPORTÂNCIA NA SEGURANÇA DA VIDA MODERNA:


 ABNT NBR ISO 12100:2013 :

2- MEDIDAS TÉCNICAS ADICIONAIS:


Agora em repouso.
A instalação de uma chave que
monitore a posição de uma porta pode
ser uma possível medida técnica.
Nesta caso, a porta ao ser aberta não
haverá movimento da roldana
cortante.
28,18

 PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS:

 IMPORTÂNCIA NA SEGURANÇA DA VIDA MODERNA:


 ABNT NBR ISO 12100:2013 :

2- MEDIDAS TÉCNICAS ADICIONAIS:

Associada a uma unidade de avaliação


e dois atuadores, a abertura da porta
levará a máquina a um estado seguro.
Através de um dispositivo de comando
de emergência adicional, o Operador
poderá ainda desligar a máquina em
caso de perigo.
29,09

 PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS:

 IMPORTÂNCIA NA SEGURANÇA DA VIDA MODERNA:


 ABNT NBR ISO 12100:2013 :

2- MEDIDAS TÉCNICAS ADICIONAIS: