Você está na página 1de 13

O que é Coesão Textual e

Coerência Textual?

De forma bem objetiva, a Coesão Textual é


uma expressão formal de uma outra
competência muito importante: a três, que
trata de Coerência Textual.
Coerência tem relação com sentido
 Coesão, então, é a expressão dessa Coerência
no papel. Sim, com palavras. Isso acontece de
duas formas: evitando repetições ao longo do
texto e, é claro, conectando as partes desse
texto. Essas duas formas são as
famosas Coesão Referencial e Coesão
Sequencial, respectivamente. Vamos falar um
pouco delas?
Coesão Referencial

A Coesão Referencial é responsável por evitar


repetições entre as palavras, e utiliza recursos e
catafóricos, se referindo a termos que vêmanafóricos
antes ou depois do mecanismo de coesão,
respectivamente. Os recursos utilizáveis são inúmeros;
entre os principais, temos os pronomes, os sinônimos,
outros grupos de palavras muito úteis,
os hipônimos e hiperônimos, os epítetos,
as metonímias, os advérbios e os numerais.
Anáfora:
João comprou um carro, o veículo
é lançamento da...
Coesão Sequencial

 Os elementos de coesão sequencial são


responsáveis – como o próprio nome sugere –
pelo sequenciamento ou andamento do texto.
Estabelecem as principais ligações entre as
partes da sua redação, de forma que a coesão
textual se manifeste mais notoriamente. Entre
os principais recursos, destacam-se as frases
de apoio, os conectivos e os ganchos
semânticos.
Sabe o cimento que liga os tijolos em um muro? A Coesão Sequencial
funciona exatamente da mesma forma: ela conecta os parágrafos, os períodos,
as orações, criando uma linha de raciocínio e deixando seu texto bem
completo!
Quando falamos de ligações – objetivo principal das duas formas
de coesão -, há três níveis que precisam ser considerados:  
 O intrafrasal
 O interfrasal
 Interparagrafal

 É muito importante que você conheça esses


três níveis, já que o seu papel é garantir a
coesão entre eles – seja evitando repetições,
seja conectando as partes.
Uma dica muito importante: assim
que terminar o rascunho do seu
texto, tente trocar os parágrafos de
desenvolvimento de lugar. Se,
ainda assim, seu texto fizer
sentido, há alguma coisa errada.
O seu texto precisa fazer sentido
apenas na organização
que você escolheu fazer. Nessa
tarefa, conectivos como “em
primeiro lugar”, “além disso”, “por
outro lado” etc. 
Coerência Textual
A coesão encontra-se no texto como uma forma de “tecer o
tecido do texto”, porém a coerência não se encontra no
texto, mas constrói-se a partir dele, em dada
situação comunicativa. Para a produção de sentidos do texto,
é preciso que o leitor ative conhecimentos previamente
constituídos e armazenados na memória. Sendo assim,
podemos dizer que a coesão e a coerência estão ligadas, pois
enquanto a coerência é a sequência lógica das ideias de
um texto, a coesão é a manifestação formal da coerência
de forma que estabelece nexos entre as partes do texto.
Responsáveis pelas competências 3 e 4 de sua redação,
a Coesão e a Coerência somam 400 (quatrocentos!) pontos
na sua nota do ENEM.
 Vamos praticar?
1. (Simulado INEP)

Aumento do efeito estufa ameaça plantas, diz estudo.


O aumento de dióxido de carbono na atmosfera, resultante do
uso de combustíveis fósseis e das queimadas, pode ter
consequências calamitosas para o clima mundial, mas
também pode afetar diretamente o crescimento das plantas.
Cientistas da Universidade de Basel, na Suíça, mostraram que,
embora o dióxido de carbono seja essencial para o
crescimento dos vegetais, quantidades excessivas desse gás
prejudicam a saúde das plantas e têm efeitos incalculáveis na
agricultura de vários países.
O Estado de São Paulo, 20 set. 1992, p.32.
O texto acima possui elementos coesivos que promovem sua
manutenção temática. A partir dessa perspectiva, conclui-se que

a) a palavra “mas”, na linha 2, contradiz a afirmação inicial do texto: linhas 1


e 2.
b) a palavra “embora”, na linha 4, introduz uma explicação que não encontra
complemento no restante do texto.
c) as expressões: “consequências calamitosas”, na linha 2, e “efeitos
incalculáveis”, na linha 6, reforçam a ideia que perpassa o texto sobre o
perigo do efeito estufa.
d) o uso da palavra “cientistas”, na linha 3, é desnecessário para dar
credibilidade ao texto, uma vez que se fala em “estudo” no título do texto.
e) a palavra “gás”, na linha 5, refere-se a “combustíveis fósseis” e
“queimadas”, nas linhas 1 e 2, reforçando a ideia de catástrofe.
Tempos ansiosos?
Saber lidar com as preocupações se tornou uma característica
desejada, porque a ansiedade foi relegada ao posto de vilã do
mundo moderno. Apesar de ser essencial para a sobrevivência, ela
ganhou o estigma de atrapalhar as relações pessoais, a
competência no trabalho e todo tipo de situação delicada. “Se o
candidato não consegue dominar a ansiedade na hora da seleção
de emprego, já questionamos como ele agirá no ambiente de
trabalho”, diz Adriana Vilela, analista de recursos humanos da
RHBrasil, empresa que recruta candidatos para o mercado de
trabalho. É muito comum, aliás, as pessoas reclamarem que são
ansiosas demais e os especialistas chamarem os nossos tempos de
“era da ansiedade”.
Mas essa noção de que vivemos numa época especialmente
estressante é coisa ultrapassada, na verdade. A ideia de “era da
ansiedade” nasceu antes da internet e do computador. Apareceu
pela primeira vez em 1947, num poema do inglês Wystan Hugh
Auden, que, desiludido com a humanidade depois da 2ª Guerra
Mundial, criticou o homem e sua busca sem sentido por significado.
Desde então, há pelo menos uma obra por década que afirma que
o ser humano está passando pelos tempos mais difíceis de sua
história e que, coitados de nós, sofremos demais com a ansiedade.