Você está na página 1de 324

Centro Tecnológico Estadual Parobé

Máquinas e Equipamentos

Nomes: Maria Helena, MARIA ENI, INAJARA,


DIEGO
Turma: 141 T1
Turno: Tarde
2
CHAVE DE VIRAR FERRO

Aste metálica dotada de dentes em sua


extremidade. Existe uma chave para cada
diâmetro de ferro.

Usada para dobrar vergalhões.ate 2 polegadas

3
4
EQUIPAMENTO DE SOLDA
ELÉTRICA

Consiste em um transformador e retificador, que


reduz a tensão da rede.

Usado para soldar perfis, chapas, vergalhões e etc.

5
6
MÁQUINA DE CORTAR FERROS

Mecanismo que trabalha fixado a uma superfície


que mediante o acionamento manual de uma
alavanca, corta vergalhões por cisalhamento.

Usado para cortar vergalhões de grande diâmetro


(até 2’’)

7
8
TESOURÃO OU CORTA
VERGALHÕES
Ferramenta cortante, formada de duas lâminas
reunidas por um eixo sobre o qual se movem.

É usado parar cortar vergalhões por esmagamento,


com capacidade de cortar até ½’’.

9
10
TORNO DE ARMADOR OU
CHAPA DE ARMADOR
Chapa de aço com três pinos cilíndricos
engastados. O diâmetro dos pinos e a
distância entre eles são determinados pelo
diâmetro do vergalhão a ser dobrado.
Trabalha fixada á bancada de armador.
• Para fixar a dobragem dos vergalhões,
dando á curvatura um raio adequado ao
diâmetro do mesmo.

11
12
13
Bomba de concreto
equipamento rebocável composto de um
reservatório (que recebe o concreto), motor e
bomba de pistões. O concreto é jogado no
reservatório e é bombeado para uma mangueira,
podendo atingir normalmente 50 m na vertical e
200 m na horizontal. Chega a bombear 100m
metros cúbicos por hora dependendo do modelo.
Levar concreto a grandes distâncias e grandes
alturas para concretagens rápidas. Em alguns
casos recomenda-se para obras menores quando
existem dificuldades de layout e movimentação.

14
 

15
Betoneira
Máquina destinada ao preparo de concreto, pela
adequada mistura dos materiais previamente dosados.
Quanto ao princípio de funcionamento pode ser:
• Tambor giratório ou de gravidade: são as mais
comuns. Caracterizam-se por efetuarem um
movimento de rotação da caçamba em torno do eixo
horizontal. Possuem palhetas internas fixadas à
caçamba, e a mistura do concreto se dá pelo
revolvimento dos componentes.
• Pás giratórias ou contracorrente: se destinam ao
amassamento de concretos muito secos e são
caracterizadas por terem nas suas pás, e
eventualmente também no seu tambor, movimento de
rotação em torno do eixo vertical para a mistura dos
componentes.

16
17
Aplica-se no preparo do concreto e argamassa em
obras e edificação de uma maneira geral. Existe
uma grande variedade de betoneiras que podem
ter capacidade de 0,100 metros cúbicos a 2,5 m
cúbicos. As betoneiras mais usuais em obras de
edifícios, são as de gravidade e tambor
basculante com capacidade de produzir cerca de
0,250 m cúbicos a 2,5 m cúbicos de concreto por
vez. Podem ou não possuir carregador
automático.

18
 

19
Caminhão-betoneira
Caminhão dotado de caçamba giratória (dentro da
qual existem palhetas) que pode girar em ambos
os sentidos e em várias velocidades. Possui
também reservatório para água. Recebe o
concreto da central produtora em um sentido.
Possui normalmente capacidade para 5 a 7 m
cúbicos. A inversão da rotação, aliada a um
aumento de velocidade, projeta o concreto para
fora da caçamba, em dutos de descarga.

Transportar e misturar concreto das centrais até a


obra.

20
21
22
Central de concreto
São instalações para a produção de grandes
quantidades de concreto compostas de um ou
mais silos para cimento, depósitos de brita e
areia, balança dosadora e depósito de água. A
areia e a brita normalmente ficam na base da
estrutura e são levadas a seus depósitos por pás
de arrasto ou correias transportadoras.
Tipos:
• Usinas dosadoras: só fazem o proporcionamento
dos constituintes que depois são levados aos
caminhões-betoneira que efetuam a mistura.

23
Usinas misturadoras: dosam e misturam o concreto
que depois é levado aos caminhões-betoneira.

Tipos intermediários: variam com a finalidade da


usina e o equipamento disponível.

Usadas em obras de vulto, ou em instalações


permanentes, tais como na pré-fabricação de
peças de concreto, na fabricação de concreto
para venda...

24
25
Máquina acabadora de
superfície
Equipamento semelhante à enceradeira, de
acionamento elétrico, dotado de pás giratórias.

Dar acabamento ao concreto em lajes e pisos.

26
27
Vibrador

Mecanismo normalmente elétrico destinado a gerar,


através de movimento excêntrico de uma peça,
vibrações necessárias ao adensamento do
concreto.

Os vibradores são utilizados para vibrar concreto,


obter melhor adensamento e distribuição
homogênea dos agregados, assegurando um
concreto de boa qualidade sem vazios ou falhas.
28
 

29
TIPOS

Vibrador de imersão: define-se por um


equipamento formado por um motor, um
mangote e um bulbo. No interior desse último,
gira uma peça excêntrica que produz a vibração.
É o mais utilizado. A Aplicação é feita
introduzindo-se o bulbo no concreto recém-
lançado para obter o adensamento em vigas,
lajes, pilares.

30
31
• Régua vibratória: define-se por uma régua
metálica adaptada a um vibrador de grande
potência. Aplicada em adensamento de lajes.
Muito pouco usada no Brasil devido à baixa
resistência das fôrmas de madeiras utilizadas. O
seu melhor emprego está em edificações com
estrutura metálica, que absorve melhor os
esforços produzidos.

32
33
Vibrador externo: define-se por um vibrador que
trabalha preso à fôrma. Aplicado a adensar o
concreto através da vibração da fôrma. Pouco
utilizado pelas mesmas razões da régua
vibratória.

34
35
36
Esquadro ou esquadro de
pedreiro
instrumento constituído por duas réguas
perpendiculares de madeira ou aço.

obter e conferir os ângulo retos em fôrmas,


alvenarias, ferragens e esquadrias. Não se presta
à conferência em grandes dimensões.

37
 

38
Linha

Qualquer fio de algodão ou fibra sintética.

Utilizada para orientar e conferir alinhamentos de


serviços de fôrma, alvenaria, revestimentos...

39
40
Mangueira para nível

Tubo plástico transparente e flexível, cheio de


água.

Obtenção de horizontais em longas distâncias


pelo princípio de vasos comunicantes. Utilizada
normalmente em obra para pequenos serviços de
topografia, nivelamento de pisos, fôrmas,
alvenarias...

41
42
Metro de pedreiro
Réguas articuladas e graduadas que se abrem
para formar uma régua de certa rigidez,
normalmente com 2 m.

Medições em geral. Possui a vantagem de poder


ser transportado facilmente, por exemplo, no
bolso do operário.

43
 
 

44
Nível de bolha
Peça de madeira ou perfil metálico, com um
tubo de vidro, engastado na direção de sua maior
dimensão, cheio de éter (ou outro líquido de
pouca viscosidade) colorido. Neste líquido há uma
pequena bolha.
Determinação de níveis horizontais em
pequenos vãos. Alguns níveis com dois tubos de
vidro perpendiculares podem também fornecer
verticais para pequenos vãos. Utilizado por
pedreiros, para alvenarias, carpinteiros e
marceneiros no assentamento de fôrmas e
esquadrias.

45
 

46
Nível ótico
Instrumento ótico semelhante a luneta, que
combina a imagem obtida com uma escala. O
instrumento possui um nível de bolha de alta
precisão e parafusos de regulagem para garantir a
sua horizontalidade. Os ângulos horizontais são
medidos por transferidor de alta precisão.
Determina a horizontalidade de um terreno pela
medição da diferença de cotas entre diversos
pontos. Muito usado para obtenção de horizontais
em grandes distâncias, para nivelamentos,
conferência e levantamento topográfico, medida
de ângulos e obtenção de perpendiculares. Muito
utilizado em topografia e na construção de
estradas. Na construção de edifícios é utilizado
para nivelamento do terreno e na locação da obra.
47
 
 

48
49
Paquímetro
Instrumento composto de duas réguas de aço ou
plástico graduadas, que são acopladas e deslizam
uma sobre a outra.

Utilizada na medida de precisão, para pequenos


comprimentos. Com eles são medidos diâmetros
de tubos, espessura de chapas e largura de uma
peça qualquer.

50
51
Prumo
Instrumento formado por uma peça de metal ou de
pedra suspensa por um fio, e que serve para
determinar a direção vertical. Tipos:
Prumo de face ou prumo de pedreiro: alinhamento
de alvenarias e fôrmas com a direção vertical.
Prumo de centro: utilizado no alinhamento vertical
de pontos entre planos, sendo aplicado
principalmente na locação de obras.

52
53
Régua de estucador ou sarrafo

Peça de madeira dura ou perfil de alumínio oco de


seção transversal retangular. Pode Ter diversos
comprimentos.

Alisar a argamassa arremessada pelo estucador na


parede ou no teto. Conferir o serviço do
estucador, revelando ondulações porventura
existentes no emboço.

54
55
Teodolito

Instrumento ótico semelhante à luneta que combina a


imagem obtida com uma escala. O aparelho possui um
nível de bolha acoplado para garantir sua horizontalidade.
Os ângulos horizontais e verticais são medidos por
transferidores de alta precisão.

Medir com precisão ângulos horizontais e verticais, e


distâncias por processo indireto. Usado na topografia e na
construção de estradas.
Em edificação é usado para locação no terreno e no controle
da construção, verificação da verticalidade de colunas e
paredes, da horizontalidade e planura de superfícies como
pisos, lajes, telhado...

56
57
Trena
Fita de aço ou lonas especiais de grande
comprimento (10, 20, 30, 50 m) com escala
gravada.

Medição de grandes distâncias. Utilizada na locação


de obras, pequenos serviços de topografia,
conferências de fôrmas...

58
59
60
Diamante
Ferramenta formada de um fragmento de diamante
ou de outro cristal de grande dureza, fixo a um
cabo.

Utilizado para cortar vidros e azulejos.

61
62
Guilherme
Ferramenta similar à planta cuja lâmina estreita
ocupa toda seção da ferramenta.

Destinado a entalhar ressaltos e rebaixos na


madeira. Utilizado por marceneiros.

63
64
Plaina
Chapa metálica dotada de duas empunhadeiras, na
superfície da qual de situa uma fenda onde
ressalta uma lâmina regulável responsável pelo
corte.

Alisar e desbastar peças de madeira.

65
66
Serra circular
bancada à qual é adaptado um motor que faz girar
um disco de serra. Este disco deve ser
obrigatoriamente protegido por uma coifa, que
desliza sobre a madeira quando esta é colocada
na serra de modo a manter o disco de serra
permanentemente encoberto protegendo assim o
operador.

utilizado na carpintaria de todas as fases da obra


para o desdobramento de madeira para fôrmas
de concreto, estruturas de telhado e outros.

67
68
Serra de arco

ferramenta composta de duas partes: o arco e a


lâmina intercambiável de aço duro. A lâmina é
fixada por parafusos que a tensionam por tração.
cortar metais (tubos, vergalhões, perfis.).

Cuidados: a lâmina deve estar sempre paralela ao


corte. Não permite o corte em curva, que pode
acarretar a quebra da lâmina.
69
70
Serra para mármore ou makita
serra circular portátil, que aciona um disco
diamantado (sem dentes). A ferramenta se
distingue das serras circulares comuns pela alta
velocidade de rotação, e por possuir o motor
protegido contra o pó abrasivo que resulta do seu
corte.
cortar mármores, granitos, peças de cimento-
amianto, telhas cerâmicas ou qualquer outra peça
de material duro, quando o corte tem que ser
preciso e com bom acabamento. Para absorver o
calor e lubrificar o corte, é sempre necessário
aplicar água corrente sobre o corte.
71
72
Serrote de mão

ferramenta manual composta por uma lâmina de


aço denteada e cabo para empunhadura.

no corte da madeira para trabalhos leves e em


acabamentos.

73
74
Serrote de corte cruzado ou de
traçar

serrote de lâmina longa dotada de grandes dentes e


duas empunhaduras para ser utilizado por duas
pessoas.
empregado nos trabalhos com toras pesadas de
madeira macia, nas quais a rapidez é mais
importante que acabamentos perfeitos ou
medidas exatas.

75
76
77
CAVADEIRA
Haste metálica pesada com extremidade
achatada.

Destorroamento de solos rijos e feitura de orifícios


no solo através de percussão de sua extremidade
afiada no mesmo.

78
79
Cavadeira articulada

Duas conchas de chapa metálica, articulada à


semelhança do alicate, presas a cabos de
madeira.
Penetrando o solo, permite a cavação de orifícios
estreitos, retirando o material solto. Ideal para
assentar moirões e postes.

80
81
Enxada

Ferramenta de aço com uma extremidade larga


terminada em gume, normalmente encabada com
madeira.

Usada para desbastar taludes, capinar e revolver


terra. Muito utilizada também para o
amassamento manual do concreto e argamassas.

82
83
Enxadão

Enxada com uma lâmina maior, mais resistente e


recurva.

Utilizada para cavar o solo, desbastar taludes e


cortar raízes. Utilizada em terrenos compactos.

84
85
Pá de bico
Ferramenta constituída de uma parte larga e
achatada de aço com extremidade arredondada
ou pontiaguda presa a um cabo de madeira.

Utilizada para cavar em solos pouco compactos.

86
87
Pá quadrada

Ferramenta semelhante à pá de bico, apresentando


a parte metálica sob forma de quadrado.

Transportar agregados, entulhos, aterros, concretos


e outros materiais, com a finalidade de carregar
carrinhos, padiolas e betoneiras. Carregar e
descarregar caminhões.

88
89
Picareta

Ferramenta de aço, recurva e dotada de orifício


para engastar o cabo. Apresenta uma
extremidade pontiaguda e outra chata.

Escavar terrenos duros ou arrancar pedras,


desagregar o solo, desbastar taludes. O material
desagregado pela picareta deve ser retirado com
a pá quadrada.

90
•V

91
Rompedores ou marteletes

Ferramenta normalmente pneumática dotada de


uma empunhadura e ponta de aço duro. O
êmbolo percussionando a ponta de aço transmite
à esta, energia para romper. Conhecida
erroneamente como britadeira.

Romper concreto armado e concreto asfáltico para


executar reparos ou mesmo demolições. Usado
também no desmonte de rochas.
92
 

93
Trado
Os trados usualmente são de dois tipos: helicoidal
ou concha. O helicoidal consiste em uma lâmina
em forma de hélice cilíndrica. O de concha consta
de duas lâminas paralelas com a extremidade
curvada para dentro e de bordos cortantes.
Ambos os tipos são presos a hastes metálicas que
imprimem um movimento de rotação do trado. O
movimento de rotação pode ser manual ou
mecânico.

Fazer furos no solo para sondagens de pequena


monta, com ou sem retirada de amostras. É
também indicado para execução de pequenas
estacas moldadas no local. 94
 

95
96
Xibanca

Ferramenta de aço semelhante à picareta, com


duas extremidades achatadas em planos
perpendiculares.

Utilizada para cavar e desbastar taludes em


terrenos duros. A ferramenta também é
indicada para cortar raízes.

97
 

98
99
Andaime metálico modulado
Quadros contra ventados constituídos de perfis
metálicos, conectáveis entre si, permitindo a
montagem de uma estrutura vertical.

Utilizado sempre que se precisa de uma estrutura


vertical provisória, principalmente com o auxílio
dos estrados de madeira sobre os quais
trabalham operários. Serve, por exemplo, para
pintores e estucadores trabalharem em paredes
externas de pequenos edifícios e casas de vários
andares.
100
101
102
Andaime suspenso
Estrado suspenso por cabos. Corre ao longo das
fachadas das edificações através do enrolar e
desenrolar dos cabos em catraca.

Para argamassa (possui no mínimo 4 catracas e 4


cabos. O assoalho e a proteção são feitos na
obra. Cargas maiores, como necessárias para
aplicação de emboço nas alvenarias);
Para pintura (possui 2 cabos e 2 catracas, estrado
para assoalho e corrimão. Pintura e outros
serviços leves).

103
104
Escoramento mecânico
Haste composta de dois tubos metálicos de
diâmetros diferentes que se interpenetram
telescopicamente. Um pino de aço fixa as hastes
em uma determinada posição. Na extremidade
inferior existe uma rosca para o ajuste fino da
altura desejada, enquanto que na extremidade
superior existe uma peça destinada a apoiar a
fôrma.

Escoramento em geral, particularmente muito


usado para escorar as fôrmas durante a pega e
endurecimento do concreto, em substituição às
peças de madeira.
105
106
107
108
Alargador

Cone de aço.

Alargar a boca de tubos ou canos de chumbo para


facilitar encaixe e fixação.

109
110
Bomba
Máquina utilizada para movimentar fluidos.
Usualmente, refere-se à bomba rotativa, ligada à
motor elétrico, gasolina ou diesel para bombear
água. Esta compõe-se de caixilho no interior do
qual giram palhetas, aumentando a pressão da
água por centrifugação. Existe grande variedade
de bombas, às características de uso, podendo
ser submersíveis, trabalhar à sucção ou recalque.

Elevar a água para reservatórios superiores, obter


água sob pressão para limpeza ou
encharcamento das fôrmas, bombeamento de
água acumulada nas fundações de prédios em
construção, no esgotamento de valas, poços.

111
112
Chave de grifo

ferramenta com dentes cuja abertura é regulada


por uma rosca.

apertar ou desapertar roscas, girar e fixar canos.


Normalmente utilizada pelo bombeiro.

113
114
Concha (para chumbo)

cadinho de ferro fundido preso a um cabo longo.


utilizado para servir de recipiente para fundição e
transporte do chumbo utilizado na vedação dos
cabos telefônicos.
Observação: no passado o chumbo era utilizado
para serviços hidráulicos de águas servidas, ainda
se encontrando este material em prédios antigos.

115
116
cossinetes

ferramenta de corte feita em aço especial duro.

cortar metal na feitura de roscas pelos bombeiros


nas instalações de água quente e gás em tubos
de ferro galvanizado. Seu alto custo exige que
receba cuidados especiais, devendo trabalhar
bem lubrificado e manejado por operário
experiente.

117
118
Tarraxa de ferro

ferramenta suporte de cossinetes executada


geralmente em ferro fundido ou aço.

suportar e transmitir o torque aos cossinetes para


fazer roscas.

119
120
Tarraxa de PVC

anel de aço com a face interna provida de dentes


acoplada a uma haste metálica par permitir a
torção da peça.

efetuar roscas de PVC. Normalmente é uma peça


que apresenta desgaste, compensado pelo seu
baixo custo.

121
122
123
Alicate
ferramenta composta de duas barras de aço que se
cruzam, presas por um eixo sobre o qual se
movem, terminando em pontas chatas ou
recurvadas.
Tipos:
Alicate universal (prender, cortar e apertar);
Alicate de bico chato (apertar e prender objetos);
Alicate de bico fino (trabalhos delicados em obra,
geralmente utilizado pelo eletricista);
Alicate de corte (cortar fios e arames);
Alicate par condutores (cortar e desencapar fios
elétricos);
Alicate de pressão regulável (devido ao seu sistema
de pressão e fixação permite trabalhar com peças
sem aplicação constante de força).
124
125
Chave de boca

haste metálica achatada, com extremidades


espalmadas, abertas em dente ou furo.

utilizada para apertar ou soltar um parafuso de


cabeça facetada ou sua porca. A chave entra pelo
lado da cabeça do parafuso ou porca e pode
assim torcê-lo.

126
127
Chave inglesa

ferramenta com dois dentes cuja abertura é


regulada por uma rosca.

apertar ou desapertar parafusos com cabeças


facetadas ou porcas de diâmetros variados.

128
129
Chave de parafusos

• Haste com cabo cuja a extremidade adapta-se ao


parafuso para imprimir rotação de modo a
apertá-lo ou retira-lo
• Chave de fenda, possui extremidade em cunha
para um parafuso com fenda
• Chave “Philips”, possui extremidade em cruz
• Chave Allen, pequena barra sextavada em
formato de ele

130
131
Lima
bastão de aço duro com a superfície lavrada em
estrias. Possui uma das extremidades afilada de
modo a encaixar num cabo de madeira. Conforme
o formato da sua seção transversal ela pode ser:
triangular, quadrada, chata, em faca, redonda ou
meia cana. Quanto à forma dos dentes, pode ser:
bastarda (estrias cruzadas), mursa (estrias em
um único sentido) ou grossa (não possui estrias,
e sim rebarbas cortantes).

é utilizada para raspar ou desbastar metais ou


outros materiais duros.

132
133
Pé de cabra

alavanca de aço cuja extremidade e fendida, à


semelhança do casco da pata de uma cabra.

Aplicação: alavanca para retirar peças cravadas,


fôrmas das estruturas, abrir caixotes...

134
135
Torno de bancada
ferramenta de aço com duas mandíbulas, uma fixa
e outra móvel. A peça a ser trabalhada é
apertada entre as duas mandíbulas que possuem
serrilhado a não permitir à peça torcer e soltar-
se.

fixar peças que requeiram trabalho de corte,


desbaste ou retificação. Utilizada principalmente
para fixar canos e ferramentas que precisem ser
afiadas ou trabalhadas.
136
137
138
Torquês

espécie de alicate com tenazes em lâminas de corte.

cortar fios, arames e pequenas peças metálicas


(pregos, parafusos...). Arrancar peças cravadas
em superfícies. Muito utilizada pelos armadores,
que cortam, fixam e apertam arames empregados
na montagem das ferragens. Também utilizada
para cortes de cerâmica.

139
140
141
Bate-estacas:
mecanismo destinado à cravação de estacas no solo por
percussão.
Tipos:
• Manual (pequena estrutura dotada de pilão, cordas e
polias. O pilão varia de 0,5 a 2 kN e a altura da queda é
geralmente de 1 m. Crava estacas pré-moldadas metálicas,
de madeira ou de concreto).
• Mecânico de queda livre ou de gravidade (equipamento
móvel composto de uma estrutura metálica associada a
motor, caixa de engrenagens, cabos de aços, roldanas e
pilão. O pilão é elevado a uma determinada altura e
liberado em queda livre. Normalmente o peso do pilão é
aproximadamente igual a uma ou duas vezes o peso da
estaca, conforme se trate de estacas de concreto ou de
madeira. Nos modelos destinados à cravação de estacas
tipo Franki, o pilão não corre preso a trilhos. Crava estacas
tipo Franki e pré-moldadas de madeira, metálicas e de
concreto).
142
• À vapor (mecanismo que percussiona a estaca
com energia de vapor sob pressão, podendo
chegar até 40 golpes por minuto nos modelos de
simples efeito. Os modelos de duplo efeito, onde
o vapor é utilizado também para acelerar a
descida do pilão, podem ultrapassar 200 golpes
por minuto. Crava estacas pré-moldadas, de
madeira, metálicas e de concreto).

• De explosão ou bate-estacas diesel (equipamento


semelhante ao bate-estacas a vapor, mas que
obtém a sua energia pela combustão interna do
óleo diesel. Atua da mesma forma que o bate-
estacas à vapor, sendo que sua velocidade de
cravação é bem maior).

143
144
145
146
Formão

ferramenta tendo um gume de aço cortante em


uma das extremidades e um cabo na outra.

destinado a entalhar e realizar pequenos cortes em


madeira através da percussão do formão por
martelo ou marreta.

147
148
Marreta

grande martelo para serviços pesados.

quebrar pedras, alvenarias e concreto, quando o


objetivo for apenas demolição. Serve também
para percutir outras ferramentas, como o
ponteiro e a talhadeira.

149
150
Martelo
ferramenta de aço duro temperado, geralmente
com cabo de madeira, destinado a bater e
especialmente a cravar pregos na madeira.

Tipos:
Martelo simples ou de pedreiro (utilizado para
cravar pregos em madeira ou fazer buracos e
cortes em alvenaria).
Picador (fazer buracos e cortes em alvenarias).
Martelo de orelhas e unha (empregado em
carpintaria para colocar e retirar pregos).

151
152
Pixote
cunha de aço.

vários pixotes cravados por percussão na rocha


segundo o seu plano de clivagem provocam o seu
rompimento. Utilizado em pequenos desmontes
de rochas.

153
154
Ponteiro ou ponteira
haste feita com pedaço de vergalhão de aço, com a
extremidade em ponta.

desbastar ou cortar pedras, concreto, alvenarias...


Deve ser percutida por marreta.

155
156
Talhadeira

peça de aço, com forma de uma haste redonda ou


facetada, com uma das extremidades achatadas,
formando bisel de corte, e a outra extremidade,
chata, destinada a receber as pancadas de
martelo ou marreta.

cortar e desbastar concreto, cortar vergalhões finos


e rasgar alvenarias.

157
158
159
Arco de pua ou pua

ferramenta manual que utiliza o princípio da


manivela para imprimir torque a uma broca
fixada em sua extremidade.

utilizada para fazer orifícios em madeira.

160
161
Broca
instrumento cilíndrico, de aço, lavrado em hélice,
com ponta cortante que pode ser revestida de
material mais duro, ou ter peça cortante dura
engastada.

Tipos:
Broca para concreto (identifica-se pela presença de
uma peça engastada de material duro em sua
extremidade).
Broca para madeira (a extremidade tem bordas
afiadas, do mesmo material que o resto da
broca).
Aplicação: abrir orifícios circulares através de
movimento de rotação. 162
163
Furadeira
ferramenta que consiste em um motor que aciona
um mandril no qual são colocadas brocas. O
conjunto é dotado de uma empunhadeira e
acionado por um gatilho.

fornecer torque à broca com intuito de fazer furos.


No mandril podem ser colocados esmeris,
escovas de aço, lisas..., para das diversas
utilidades à ferramenta. Algumas furadeiras são
dotadas de mecanismo de impacto que imprimem
uma vibração à broca, facilitando a perfuração do
concreto.

164
165
Máquina para sondagem
tripé metálico em cujo vértice situa-se uma
roldana, na qual corre um cabo de aço. Este cabo
destina-se a erguer um peso padrão, cuja queda
provoca a penetração de um tubo, também
padronizado, no rolo.

conhecida a altura de queda do peso padrão, a


penetração no terreno e as características do
tubo, pode-se tirar informações da resistência do
solo. Além disso, mediante a retirada de
amostras do solo pelo tubo, determina-se a
composição do perfil do terreno e o nível do
lençol freático.
166
167
168
Perfuratriz

pequena estrutura ligada a um motor destinado a


acionar hastes conectáveis, na ponta das quais se
encontra uma broca.

fazer furos longos destinados a fazer desmonte de


rocha.

169
170
171
Bandeja de tinta
bandeja usualmente de plástico composta por um
plano inclinado terminando em um pequeno
reservatório.

utilizada nas pinturas com rolo, servindo de


reservatório para impregnar o rolo com a tinta na
medida adequada. Impregna-se o rolo no
reservatório e retira-se o excesso de tinta no
plano inclinado.
172
173
Broxa

pincel grande de formato redondo ou retangular


com cerdas longas.

pinturas ordinárias, com caiação e, para espargir


líquidos como por exemplo quando se quer
umedecer uma superfície com água.
174
175
Colher de pedreiro

instrumento feito de uma chapa de aço triangular,


com pequeno cabo de madeira.

manipulação de argamassa, assentamento de


tijolos e acabamento. Arremesso de massa para
emboço e massa de chapisco.

176
177
Desempenadeira de aço lisa
ou denteada
chapa fina de aço com alça em uma das faces e
duas de suas bordas denteadas.

as bordas lisas servem para acabamentos lisos em


estuque ou gesso. As bordas denteadas são
utilizadas para espalhar substâncias colantes em
superfícies. Os ladrilheiros a utilizam muito para
espalhar na parede nata de cimento ou adesivo
especial para assentar azulejos. Os dentes
asseguram uma distribuição regular da massa.
178
179
Desempenadeira de madeira

peça de madeira retangular, com uma alça em uma


face, e a outra face bem aplainada.

distribuir o emboço ou reboco de modo a obter uma


superfície homogênea e plana; alisar cimentados
e outras superfícies que requeiram acabamento.
Serve também de apoio para a massa de
chapiscar.

180
181
Espátula

chapa delgada e flexível, de aço inoxidável presa a


um cabo de madeira ou plástico.

utilizada por pintores para raspar superfícies,


espalhar massa corrida ou estuque.

182
183
Jateador de areia

máquina que mediante um jato de ar comprimido


arremessa grãos abrasivos sobre a superfície a
ser limpa. Possui um depósito para o abrasivo e
um mangote dotado de bocal.

retirada de pintura, musgos, fuligens, oxidações, de


superfícies em geral.

184
185
186
Lixa

papel ao qual de aglutina substância abrasiva.

utilizada no preparo de superfícies para pintura,


polimento de metais, madeiras...

187
188
Lixadeira
máquina elétrica ou pneumática que aciona uma
lixa. O seu tipo de funcionamento pode ser:

• Orbital (imprime pequenos movimentos circulares


à lixa. Pequenos serviços de marcenaria).
• Circular (giram um disco de lixa. Serviços
maiores e mais pesado do que a orbital. Pode
lixar madeiras, metais, tintas... Utilizada também
para desbastar madeiras.
• De fita (faz correr uma fita entre dois cilindros.
Máquina pesada. Utilizada para aparelhar e dar
acabamento em pisos de tábua corrida, tacos...

189
190
Peneira

caixilho de madeira com fundo de tela metálica.

separar torrões e pedregulhos do saibro e da areia.

191
192
Pincel

objeto constituído de um tubo de pêlos ou de fibras


fixados na extremidade de uma cabo.

espalhar tintas, vernizes e colas em pequenas


áreas, superfícies curvas e quinas externas.

193
194
Pistola

ferramenta utilizada para pintura, lançando a tinta


em pequenas partículas sobre a superfície a ser
pintada. Trabalha associada a um pequeno
compressor.

pintura de superfícies em geral, quando se pretende


maior rapidez nos serviços, ou quando existem
locais de difícil penetração para a pintura manual
com pincel ou rolo.

195
196
Raspadeira

pequena chapa de aço recurvada presa a um cabo.

raspar tábuas e assoalhos. Retirar pinturas e


revestimentos em cantos e locais de difíceis
condições de trabalho para equipamento
mecânico.

197
raspadeira

198
Rolo
rolo de papelão ou plástico revestido por espuma
plástica ou lã, transpassado em seu eixo por uma
haste metálica presa a um cabo.

utilizada para espalhar tintas em grandes


superfícies. Tipos:
• Rolo de espuma (adequado ao trabalho com
tintas);
• Rolo de lã (mais usado para tintas plásticas).
199
200
Sistema de fixação à pólvora

ferramenta utilizada para posicionar e detonar


cápsulas, com uso de pólvora, para permitir a
fixação de chumbadores em tetos de concreto.

utilizado para fixar elementos conectivos para


suportar rebaixamento de tetos.

201
202
Trincha

pincel espalmado.

pintar grandes superfícies, superfícies onduladas e


superfícies irregulares. É utilizado principalmente
em superfícies nas quais a tinta espalhada pelo
rolo não consegue atingir as reentrâncias.

203
204
205
Botas
calçado de segurança para a proteção dos pés,
normalmente feito de couro, dotado de biqueira
de aço, resistente ao impacto ou compressão, e
palmilhas de aço, contra penetração.

proteger os pés do trabalhador contra perfurações,


esmagamentos, impactos, cortes e queimaduras.

206
207
Capacete
elemento de proteção constituído pelo casco,
suspensão ou carneira e eventualmente por um
barbicacho. O casco é um dispositivo rígido,
usualmente em plástico, cujo formato é de casca
semi-esférica. A carneira é um sistema de tiras
de plástico ou couro adaptada à cabeça do
trabalhador, responsável pela absorção de
energia proveniente de eventuais impactos. O
barbicacho é a peça que fixa o conjunto à cabeça
do trabalhador, prendendo-o ao queixo.

proteger a cabeça do usuário contra os eventuais


impactos.
208
209
Cinturão de segurança
cinto de couro ou material sintético com pastilhas e
elemento de fixação. Trabalha ligado a cordas ou
talabarte, que ficam presos à estrutura.

em serviços onde é necessário aparar quedas ou


suspender operários. Tipos:
• Cinturão com talabarte (além do cinto
propriamente dito, possui uma alça que se
prende à estrutura, servindo de apoio ao corpo
do trabalhador. Serve para sustentação estática
do trabalhador);
• Cinturão de cordas (cinturão preso a cordas
fixadas à estrutura. Serve para proteger o
trabalhador contra eventuais quedas).
210
211
Extintor de incêndio
cilindros de aço portáteis que contém, sob pressão
ou não, os agentes extintores e que permitem o
seu lançamento sobre o fogo. São caracterizados
pelo tipo de agente extintor em seu interior, a
saber:
• Extintor de espuma (extintor de baixo custo,
baseado na reação química entre bicarbonato de
sódio e sulfato de alumínio. Serve para proteger
incêndios tipos classe A e B);
• Extintor de água pressurizada (contém água sob
pressão para ser esguichada sobre o incêndio.
Serve para proteger incêndios classe A);

212
• Extintor de dióxido de carbono (extintor que
contém e lança gás carbônico sobre as chamas.
Serve para proteger incêndios classes B e C);
• Extintor de pó químico (extintor que lança sobre
as chamas uma nuvem de pó que, sob ação do
calor, se decompões quimicamente, produzindo
carbonatos, dióxido de carbono e água. Serve
para incêndios classes B, C e D).

213
214
Extintor de incêndios

• Classes:
• A madeiras, papéis, fibras;
• B líquidos inflamáveis;
• C incêndios em equipamentos ou instalações
elétricas;
• D metais pirofóricos (Sódio, Alumínio em pó,
Potássio, Magnésio).

215
216
Luvas
equipamento de proteção individual para mãos e
braços de trabalhadores, feito geralmente com
couro ou lona plástica.

em serviços onde é necessário amenizar fricções;


evitar a penetração de farpas e objetos
pontiagudos; evitar o contato com substâncias
agressivas à pele como cal e cimento.

217
218
Máscaras de proteção
proteção de papel filtrante ou feltro que se adapta
ao rosto mediante armação de borracha ou
moldagem especial do papel. Prende-se à nuca
através de elástico. Encontram-se também
máscaras com filtro de carvão, mas seu uso é
apropriado em construção civil, visto que
destinam-se à absorção de gases e vapores
nocivos.

em serviços onde é necessário evitar a aspiração de


partículas irritantes ou nocivas à saúde.

219
220
Óculos de proteção
em construção civil, refere-se a óculos de vidro
plano com tratamento térmico, montado em
armação de borracha de vinil ou material similar,
dotado de proteções laterais confeccionados de
telas metálicas, de acetato, náilon ou outro
material plástico. No caso de óculos para solda a
arco, as lentes são também filtros especiais.

em serviços onde é necessário proteger os olhos


dos operários contra fragmentos, poeiras e
radiações.

221
222
Protetor auricular
equipamento destinado à proteção contra ruídos.
Tipos:

• Protetor auricular de inserção (pequena peça de


material sintético introduzida no ouvido. Aplicada
em serviços onde é necessário impedir a entrada
de sons de alta intensidade no ouvido);
• Protetor auricular tipo fone ou circunauriculares
(proteção semelhante aos fones de ouvido que
cobrem ambas as orelhas e se fixam sob pressão.
Aplicada em serviços onde é necessário a
absorção de ruídos de alta intensidade).

223
224
225
Retroescavadeira
Trator em forma de guindaste que tem em sua
extremidade caçamba para escavação, para
erguerem toras de madeira e outras peças para
fins específicos.

empregado principalmente para o movimento e


deslocamento de terra, deixando-as de lado. Em
sua operação é possível escavar e terraplanar
simultaneamente.
226
227
228
229
230
Colher prensora ou Clamshell
trator em forma de guindaste equipado com uma
colher de pressão, ou seja, duas pás que
penetram o terreno pelo peso próprio e se
fecham ao serem erguidas, através de cabos ou
mecanismo hidráulico, permitindo e retirada do
material.

utilizada em terrenos frouxos. Equipamentos com


este tipo de colher, permite a execução de
movimentos de terras de grande envergadura,
mas apresenta o inconveniente de não se prestar
a escavações precisas de pequena monta. Não
pode ser usado racionalmente senão em terreno
mole e com rochas desintegradas.

231
232
233
234
Compactadores
máquina movida a motor elétrico, diesel ou a
gasolina que gera movimento oscilatório ou de
percussão em uma chapa de aço na sua parte
inferior.

compactação de valas de esgoto, aterros em geral,


calçamentos.
Tipos:
• Compactador de percussão ou sapo
(equipamento portátil composto de motor que
aciona um soquete, cuja sapata percussiona o
solo. Utilizado em pequenas áreas);

235
• Compactador vibratório (consiste em
chapa de aço sobre a qual se apóia um
mecanismo vibratório de grande potência.
O conjunto é manuseado por um operador,
através de uma grande alça. Além das
aplicações gerais dos compactadores, ela
permite vibrar pisos de concreto)
• Rolo compactador vibratório (rolo
autopropelido semelhante ao rolo
compressor, mas com menores dimensões.
O seu rolo vibratório pode ser carregado
com água para aumentar o peso total.
Aplicado em compactação de solos
granuladores em geral).
236
237
238
239
Draga de arrasto ou dragline
são máquinas dotadas de grandes guindastes,
montadas em tratores, que fazem escavação
sobre a capa superficial do terreno, mediante
caçambas presas ao guindaste.

utilizada em terrenos frouxos. Este equipamento se


presta bem para a retirada de terras amontoadas
nos taludes da escavação. É também empregado
para exploração de cascalheiras ou de minas a
céu aberto, para o desmonte de terrenos virgens
e trabalhos que requerem um grande raio de
ação. Não é adequado a escavações precisas e de
pequena monta.
240
241
242
243
244
Escarificador (Ripper)
espécie de rastelo ou grade de grandes dimensões,
com dentes ou unhas espaçadas e
intercambiáveis.

rebocado por trator, crava seus dentes no solo e


destorroa o terreno por camadas sucessivas de
aproximadamente 40 cm. Em seguida o terreno
pode ser facilmente retirado sem sacrifício para
as lâminas das máquinas movimentadas de
terras. Utilizado para terraplanagem em longas
extensões de terreno muito duro.

245
 
246
Escavadeira

são grandes guindastes, com pá e caçamba,


montadas em tratores e que escavam de baixo
para cima.

permite escavar terrenos e taludes, assim como


recolher a pedra amontoada arrancada e
esmiuçada com explosivos. Não permite
escavações em profundidade.

247
248
249
Motoniveladora (Patrol)
máquina automotora sobre pneus, com lâminas de
perfil recurvado, orientável e inclinável.

trabalhos de terraplanagem. Abertura de caminhos


e estradas em terreno favorável, roçadas em
terreno plano, abertura de valetas, taludamento
de cortes, regularização de plataforma,
abaulamento da pista, espalhamento e mistura
do material de revestimento e conserva de
estradas não pavimentadas.

250
251
Pá carregadora
máquina que se movimenta sobre rodas ou
esteiras, dotada de uma caçamba que báscula na
extremidade de braços articulados de elevação.

terraplanagem e movimentação de materiais.


Tipos:
• Com colher dotada de movimento vertical;
• Com colher que descarrega para trás;
• Com colher dotada de movimentos combinados
horizontais e verticais.
• Algumas dessas pás carregadoras possuem
movimento de rotação, mas somente são
utilizáveis em terrenos muito moles ou terras
previamente esponjadas. Não deve ser utilizada
para escavação. 252
 

253
 

254
255
Retroescavadeira
trator em forma de guindaste que tem em sua
extremidade caçamba para escavação, para
erguerem toras de madeira e outras peças para
fins específicos.

utilizada para escavações em terrenos


relativamente duros. Este equipamento é muito
útil para abertura de valas destinadas às
canalizações, à colocação de cabos de drenagens.
Esta máquina também pode ser usada para a
colocação e instalação dos tubos de drenos de
grande diâmetro e para efetuar o enchimento da
escavação. Quando o local disponível o permita,
se usará esse mesmo equipamento para realizar
as escavações requeridas para fundações de
edifícios.
256
257
258
259
A menor retro escavadeira

260
Retroescavadeira

máquina que se movimenta sobre rodas, dotada de


caçambas invertidas em cada uma das duas
extremidades. Também conhecida por
Retroescavadeira simplesmente.

movimentação de materiais e escavações. Muito


utilizada em construção devido a sua
versatilidade, pois conjuga as funções de pá-
carregadeira e da retroescavadeira.
261
262
263
264
265
Rolo compressor
máquina pesada, rebocada ou de autopropulsão
que rola sobre cilindros.

utilizado como auxiliar na construção de estradas,


praças, urbanizações, galerias... Para a
compactação de solos em geral, em locais
delimitados. Tipos:
• Rolo liso (o cilindro é liso. São mais empregados
na compactação de acabamento e em terrenos de
mistura de areia e argila, de plasticidade média
ou baixa);
266
• Rolo pneumático (consiste em diversos pneus de
borracha com eixos individuais e acabamento
liso. São empregados para solos de granulação
fina arenosa, em acabamentos de asfalto e outros
acabamentos lisos);
• Rolo pé-de-carneiro (o cilindro metálico é provido
de saliências que penetram no solo. Ideal par
solos argilosos, propiciando um ótimo
entrosamento entre as camadas compactadas).

267
268
269
270
271
Soquete
ferramenta composta de haste de madeira com
peso engastado na extremidade. Normalmente
consiste de uma lata cheia de concreto com cabo
engastado.

compactar terrenos, dando-lhes consistência em


torno de postes, moirões... Serve também para
firmar lajes, pedras..., nos calçamentos.

272
273
Trator de lâmina (Bulldozer)

equipamento constituído por um trator de rodas ou


esteiras, dotado com uma lâmina frontal que
pode se deslocar verticalmente.

utilizado para deslocar a terra ou materiais


procedentes de escavações, e para estender e
igualar terraplanagens.

274
275
276
277
278
279
Balde

vaso em forma de tronco de cone, de metal ou


plástico com laça. Os baldes para concreto
possuem uma alça na sua parte inferior para
facilitar o lançamento do concreto na fôrma.

utilizado para transportar agregados, cimento,


argamassas, concretos e líquidos.

280
281
Caçambas

grandes recipientes metálicos com laça para serem


transportados por guindaste ou guincho, cuja
parte inferior se abre para despejar o conteúdo.

transporte e lançamento de grandes quantidades de


concreto.

282
283
Caminhão basculante
veículo automóvel com quatro ou mais rodas,
dotado de caçamba presa a uma articulação e a
um mecanismo hidráulico que a torna passível de
ter a sua parte frontal erguida para descarregar o
seu conteúdo.

transporte de agregados, entulhos e aterros, em


grande quantidade (urbano = 3 m 3 até 16 m 3;
fora de estrada = 16 m 3 a 45 m 3). Sua
aplicação torna-se produtiva para um raio de
ação acima de 500 m.
284
285
286
287
288
Carrinho de mão
caçamba de uma só roda e dois varais na parte
oposta.

utilizado no transporte de agregados, sacos de


cimento, tijolos. É muito útil no transporte de
concreto, quando então deve ser de roda de
borracha com câmara de ar, para diminuir a
trepidação e conseqüente sedimentação dos
agregados. Seu volume útil é de
aproximadamente 0,09 m 3 e seu raio de ação
produtivo em torno de 90 m.

289
290
291
Correia transportadora

esteira de lona que corre sobre roletes acionada por


um motor elétrico. Em construção civil fica
montada em uma estrutura transportável.

elevação de materiais granulares como terra, brita,


areia e entulho. Carregamento de caminhões e
betoneiras de grande porte. Transporte de
agregados em centrais de concreto.

292
293
Dumper
os dumpers são pequenos veículos autopropelido
que levam uma caixa, uma caçamba ou, em
alguns casos, uma betoneira. As rodas dianteiras
são motrizes e estão colocadas sob a caçamba.
As rodas traseiras são diretrizes. Os dumpers
usualmente têm capacidade de 0,6 a 2 m 3 e sua
velocidade média é de 5 a 10 km / h. Seu raio de
ação produtivo é cerca de 500 m. Sua caçamba
báscula para frente e, em alguns casos,
lateralmente.

transportar concreto, agregados, terras...

294
295
Galeota (gerica)
caçamba apoiada em um eixo com duas rodas e
cujo formato apresenta um fundo menor do que a
boca, permitindo báscula par descarregar
facilmente seu conteúdo. Na sua parte externa,
apresenta duas pequenas hastes para transporte
manual.

transporte de materiais, concretos, agregados. Tem


capacidade de 0,1 a 0,3 m 3. Seu raio de ação
produtivo é cerca de 200 m.
296
297
Guincho
pequeno guincho acionado eletricamente que pode
ser fixado a uma coluna por braçadeiras. A
roldana por onde passa o cabo vai ao gancho é
presa em hastes metálicas, o que mantém a
carga afastada da estrutura.

elevar caçambas de concreto, máquinas, madeiras,


tijolos.

298
299
Guindaste ou grua
equipamento formado por torre e lança, composto
de elementos estruturais de treliça metálica.

destinado ao deslocamento vertical e horizontal de


cargas em grandes obras. Utilizado para o
transporte de tijolos, concreto, peças pré-
moldadas, armaduras, madeiras... Tipos:
• lança horizontal (a lança situa-se no topo da
estrutura e apresenta movimento apenas no
plano horizontal. A lança desloca-se num sistema
de roldanas destinado a movimentação vertical
de cargas.

300
• Lança móvel (nestes guindastes a lança é
articulada na sua ligação com a estrutura vertical.
A carga não se movimenta ao longo da lança
permanecendo sempre fixa na sua extremidade.
O movimento horizontal da carga é obtido
mediante o erguimento ou abaixamento da lança
e a sua rotação em torno do eixo vertical. É
utilizado em obras estreitas ou quando há grande
número de guindastes próximos. Este emprego
se justifica devido a sua grande manobrabilidade
que permite o uso da lança em diversos ângulos.
Os guindastes usuais variam, em relação a sua
capacidade, de 300 a 15000 kN.m, sendo que os
de 300 kN.m são os mais comuns, abrangendo a
grande maioria das obras.

301
302
303
Pá arrastadora

grande pá em forma de concha, presa a um cabo de


aço tracionado por um motor que se situa na
outra extremidade do mesmo e é fixo. O controle
do motor encontra-se na empunhadura da pá.

transporte de agregados e aterros em


pequenas distâncias.
304
305
Padiola
caixa de madeira com um volume definido. Possui
quatro hastes para o transporte. Suas dimensões
são tais que se adaptem à betoneira e
mantenham as hastes justas ao corpo do
operário, enviando assim o balanço e
conseqüente perda de material.

medir e transportar agregados do depósito à


betoneira, de modo que um número inteiro de
padiolas de cada material forme um traço de
concreto.

306
307
Roldana

sistema com uma roda que gira em torno de um


eixo fixo, acionada por uma corda adaptada a um
sulco na periferia da roda.

a roldana é usualmente fixada a uma travessa


escorada, feita de madeira, e é empregada para a
subida de baldes com argamassa ou concreto,
madeiras, tijolos e outras pequenas cargas.

308
309
Talha (guincho)

sistema de roldanas cadernais e eventualmente de


engrenagens, onde se permite a redução de
esforços para a elevação de grandes cargas.

elevar grandes cargas manualmente. A capacidade


de carga é proporcional ao número de roldanas,
podendo atingir algumas toneladas. Servindo
para elevar pré-moldados, máquinas...

310
311
Tirfor

maquinismo dotado de alavanca e gancho que,


através de movimentos sucessivos na sua
alavanca, caminha ao longo de um cabo de aço
que passa através dele, tracionando o que quer
que esteja preso ao seu gancho.

transportar cargas, movimentar grandes pesos,


esticar cabos de aço, desatolar veículos...

312
313
Torre
estrutura metálica vertical em cuja base se
encontra um motor elétrico. O conjunto deste
sistema traciona ou libera um cabo de aço, que
através de uma associação de roldanas vai ao
topo da estrutura e permite a elevação ou
abaixamento de um carro.

conforme o tipo de carro, a torre faz diferentes


tipos de transporte vertical a saber:
• carro tipo gaiola (transporte de pessoas);
• carro tipo caçamba (transporte de concreto);
• carro tipo estrado ou prancha (transporte de
cargas em geral).

314
315
316
Bomba de alta pressão (lava-
jato)
bomba d’água transportável que fornece água a
alta pressão (7 a 140 MPa) para uma mangueira
dotada de bico intercambiável.

fornecer jato d’água para a limpeza da obra em


geral. Muito utilizada também para limpeza de
fachadas e monumentos. Essas bombas podem
ter várias outras aplicações além da limpeza,
basta citar que o jato da água à uma pressão de
140 MPa é capaz de desintegrar o concreto,
abrindo furos ou até mesmo cortando-o.

317
318
Compressor de ar

máquina resultante da associação de um motor


elétrico, gasolina ou diesel, com uma bomba de
ar.

fornecer ar comprimido para o funcionamento de


máquinas pneumáticas. O ar comprimido é
também utilizado para limpeza de fôrmas,
desmoldagem de pré-moldados, pressurização de
tubulações, retirada dos resíduos de perfuração
(air-lift)...

319
320
Grupo gerador
associação entre motor a diesel ou gasolina, com
alternador para fornecimento de energia elétrica.
Os grupos geradores podem ser desde pequenas
máquinas a grandes equipamentos rebocáveis ou
fixos, fornecendo centenas de KVA.

fornecer energia elétrica onde esta não é


diretamente acessível. Para acionar máquinas e
equipamentos como betoneiras, serras, guinchos,
são necessários grupos geradores de grande
potência, rebocados ou fixos. São utilizados
também como equipamentos de emergência,
fornecendo energia a instalações que não podem
sofrer corte no fornecimento.

321
322
Maçarico

aparelho que permite obter chama a uma


temperatura muito elevada, por combustão de gás.

utilizado no aquecimento de instrumentos para solda


de impermeabilização e nos trabalhos com chumbo
em instalações.

323
324

Você também pode gostar