Você está na página 1de 23

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

PCP

Planejamento e Controle da Produção


5 - Atividade de programação

Prof. Wagner Drumond


Email: wagnerdrumond@uniaraxa.edu.br
TEL: (34) 9958-8999

INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E HUMANAS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO


Objetivos :

• Conhecer os aspectos para emissão de ordens de


compra e produção/montagem
• Ser capaz de aplicar os conceitos básicos de
Programação e Balanceamento bem como propor
soluções.

INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E HUMANAS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO


Emissão e Liberação de Ordens
Marketing Planejamento
Previsão de Estratégico da Plano de
Vendas Produção Produção

Acompanhamento e Controle da Produção


Pedidos em

Desempenho
Avaliação de
Carteira
Planejamento-mestre
da Produção Plano-
Engenharia
mestre de
Estrutura do Produção
Produto
Roteiro de Programação da Produção
Fabricação Administração dos
Estoques
Sequenciamento
Emissão e Liberação
Compras Ordens Ordens Ordens
de de de
Pedidos Compras Fabricaçã Montage
de o m
Compras
Fornecedore Estoques Fabricação e
s Montagem

Clientes
Emissão e Liberação de Ordens
A partir do sistema de gestão de estoques serão geradas a cada período de
programação as necessidades de compras, fabricação e montagem dos
itens para atender ao PMP

• Convencionalmente, as ordens de compras, uma vez geradas, são


encaminhadas para o setor encarregado das compras e saem da
esfera de ação do PCP

• Já as necessidades de fabricação e de montagem precisam


normalmente passar pôr um sistema produtivo com limitações de
capacidade. A adequação do programa gerado aos recursos
disponíveis (máquinas, homens, instalações, etc.) é função do
sequenciamento
Emissão e Liberação de Ordens

A programação materializa-se através da emissão de ordens. Estas ordens são


de dois tipos: ordens de produção (fabricação e montagem) e ordens de
compra.

As ordens devem conter as seguintes informações:


A) Especificação de item a ser produzido ou comprado.
B) Quantidade.
C) Prazo de entrega ou conclusão da produção.

Cada sistema de produção (Tradicional, MRP ou Just-in-time) possui


particularidades e características próprias para a programação.
Emissão e Liberação de Ordens
A última atividade do PCP antes do início da produção propriamente dita,
consiste na emissão e liberação das ordens de fabricação, montagem e
compras, que permitirão aos diversos setores operacionais da empresa
executarem suas atividades de forma coordenada no sentido de atender
determinado PMP.

Até serem emitidas e liberadas, as ordens são apenas planos que se


pretendem cumprir.

Uma vez formalizada a documentação e encaminhada aos seus


executores, estas ordens entram na esfera operacional do processo
produtivo.
Ações são tomadas e recursos alocados para a sua
efetivação, fazendo com que seja difícil e antieconômico
mudanças nesta programação.
Emissão e Liberação de Ordens
As ordens de compra são encaminhadas ao Departamento de Compras;

As ordens de fabricação e montagem, antes de liberadas, necessitam ser


verificadas quanto a disponibilidade de recursos humanos, máquinas e
materiais.
Programação da Produção
(ou programação das ordens de produção)
Programar é a atividade que determina quando cada tarefa necessária a
execução de um produto ou serviço deve ser iniciada e concluída.

Princípios da programação
a. Princípio da duração ótima da tarefa: A programação tende a atingir sua
máxima eficiência quando a duração das tarefas é pequena e todas as tarefas
são da mesma ordem de grandeza.

b. Princípio do plano de produção ótimo: A programação tende a atingir sua


máxima eficiência quando o trabalho é planejado de forma que a carga de
todos os centros produtivos seja igual.

c. Princípio da sequência ótima de operações: A programação tende a atingir


sua máxima eficiência quando o trabalho é planejado de forma que os centros
produtivos sejam normalmente usados na mesma sequência.
Programação da Produção
(ou programação das ordens de produção)

Contínuos
Contínuos Repetitivos Sob
Sob
Massa
Massa em Lotes Encomenda
Encomenda

Alta Demanda/Volume de Produção Baixa


Baixa

Baixa Flexibilidade/Variedade dede


Flexibilidade/Variedade itens
itens Alta
Alta

Baixo Lead Time


Detalhamento daProdutivo
Programação Alto
Alto

Logística das MP/PA GarantiaAlto


da data
BaixoTempo
e PMP Define Custos
Explosão dos itens (MRP) e
de entrega
de Ciclo para sequenciamento das ordens por
balanceamento da capacidade finita
recurso
linha ou PERT/CPM)
Sequenciamento das ordens de produção

 Como normalmente temos várias ordens de produção para serem


processadas nos mesmos recursos é necessário estabelecer um
sequenciamento destas ordens.

 O sequenciamento é a programação de um conjunto de ordens.

 O sequenciamento estabelece a ordem segundo a qual cada ordem de


produção será executada levando em conta certos critérios.
Sequenciamento nos processos contínuos

 Como os processos contínuos se propõem a produção de poucos itens, não


existem problemas de sequenciamento quanto a ordem de execução das
atividades

 Os problemas de programação estão focados na definição da velocidade que


será dada ao sistema produtivo para atender a determinada demanda
estabelecida no PMP.
Sequenciamento nos processos repetitivos em massa

 O trabalho da programação da produção nos processos em massa consiste em


buscar um ritmo equilibrado entre os vários postos de trabalho conhecido
como "balanceamento" de linha, de forma a atender economicamente uma
taxa de demanda, expressa em termos de "tempo de ciclo" de trabalho.
Balanceamento de linhas de montagem
Componentes

ROP = TC ROP = TC ROP = TC ROP = TC

MP PA

TC = TD/D

ROP = TC ROP = TC ROP = TC ROP = TC

 Montadores disposto sequencialmente em postos de trabalhos


 Conjunto de operações-padrão ou rotina de operações-padrão (ROP),
 Limitado a um tempo de ciclo (TC),
 Para cada TC um produto acabado seja montado.
Balanceamento de linhas de montagem
Ordem Operações-padrão Tempo (min.)
1 Soltar cabos 0,132
2 Fazer ligação na placa de bornes 0,648
3 Colocar ponte de ligação e porcas com arruelas 0,527
4 Pegar parafusadeira e fixar porcas na placa de bornes 0,156
5 Dobrar cabos com terminais 0,196
6 Pegar caixa de ligação e posicionar na bancada 0,102
7 Posicionar e prensar aterramento na caixa de ligação 0,074
8 Posicionar parafusos na caixa de ligação 0,351
9 Pegar caixa de ligação e posicionar sobre o motor 0,345
10 Pegar parafusadeira e fixar caixa de ligação 0,370
11 Enrolar duas pontas do cabo da resistência 0,207
12 Pegar estanhador e estanhar cabo da resistência 0,415
13 Cortar conector e retirar rebarba 0,593
14 Conectar cabos da resistência no conector 0,611
15 Parafusar conector na caixa de ligação 0,590
16 Conectar cabos do termostato no conector 1,030
Tempo Total 6,347

Montagem da Placa de Bornes e Caixa de Ligação – Operações-padrão


Balanceamento de linhas de montagem

TD
CP 
TC
CP = Capacidade de produção em unidades por dia
TC = Tempo de ciclo em minutos por unidade
TD = Tempo disponível para produção em minutos por dia

O tempo da operação gargalo (operação 16) é importante, pois define para o


PCP o limite de capacidade de produção (CP) do centro de trabalho
Balanceamento de linhas de montagem

TD
CP 
TC

480 min/dia
CP   424 unid/dia
1,130 min/unid

Operação-padrão gargalo = 1,030 minutos


Deslocamentos = 0,100 minutos
TC = 1,130 minutos por unidade

Está se admitindo que a linha é focada a uma família de motores, ou seja, não
há setups, e que todas as operações-padrão são operações manuais, ou seja,
exigem a presença do operador para executá-las, e está se colocando vários
operadores na linha, sendo que um deles dedicado apenas à operação 16,
admitindo-se ainda que esse operador precise pegar e devolver o item a
bancada, consumindo mais 0,100 minutos
Balanceamento de linhas de montagem

TD 480 min/dia
TC  TC   2,40 min/unid
D 200 unid/dia
D 200 unid/dia
TX  TX   0,416 unid/min
TD 480 min/dia
TC = Tempo de ciclo em minutos por unidade
TX = Taxa de produção em unidades por minuto
TD = Tempo disponível para produção em minutos por dia
D = Demanda média em unidades por dia

Admitindo-se que a demanda média esperada por dia seja de 200 unidades
desses motores, a linha de montagem tem que ser balanceada para um TC de
2,40 minutos por unidade, o que equivale a uma TX de 0,416 unidades por
minutos
Balanceamento de linhas de montagem

Para TC 1,5 min (320 unid/dia)


Operação-padrão Linha Retilínea
Ordem T min ROP T.op. T.mov. Total
1 0,132
2 0,648 Posto 1 1,307 0,100 1,407
3 0,527
4 0,156 Está se admitindo que cada posto de trabalho
5
6
0,196
0,102
tenha que pegar a carcaça do motor (0,050 min)
Posto 2 1,224 0,100 1,324
7 0,074
0,351
na bancada e, após as operações-padrão,
8
9 0,345 recolocá-la (0,050 min) para o próximo operador
10 0,370
11 0,207 Posto 3 0,992 0,100 1,092
12 0,415
13 0,593
Posto 4 1,204 0,100 1,304
14 0,611
15 0,590 Posto 5 0,590 0,100 0,690
16 1,030 Posto 6 1,030 0,100 1,130
Balanceamento de linhas de montagem
Atividade
• Admitindo-se que um produto é montado em uma linha que trabalha
480 minutos por dia (8 horas) a partir de seis operações sequenciais,
com os seguintes tempos unitários:
Operação 1 Operação 2 Operação 3 Operação 4 Operação 5 Operação 6
0,8 min. 1,0 min. 0,5 min. 1,0 min. 0,5 min. 0,7 min.

CP = Capacidade de produção por dia;


TP TP TP = Tempo disponível para a produção por dia;
CP= TC  TC = Tempo de ciclo em minutos por unidade;
TC D
D = Demanda esperada por dia.

Calcule a capacidade máxima teórica de produção da linha e o número de


postos de trabalho para uma produção de 240 unidades.
Balanceamento de linhas de montagem
Balanceamento de Fluxo de produção

B D
0,6 0,7 G
A
0,6 I
0,2 E
C 0,4
0,3 H
0,4
0,1
F

0,5
Balanceamento de linhas de montagem
Balanceamento de Fluxo de produção
B D
A 0,6 0,7 G
0,6 I
0,2 E
C H 0,4
0,3
0,4
F 0,1
0,5

1° Passo – Calcular o tempo total necessário para a produção:

Tempo total de Produção = 0,2 + 0,6 + 0,4 + 0,7 + 0,3 + 0,5 + 0,6 + 0,1+ 0,4 = 3,80

2° Passo – Calcular a quantidade de operadores / estágios necessários

Qtde. Operadores = Tempo de produção / tempo de ciclo = 3,80Minutos / 1 min =

Qtde. Operadores = 3,8 ~ 4 operadores


Balanceamento de linhas de montagem
Balanceamento de Fluxo de produção

3° Passo – Balancear o fluxo usando 4 operadores

Operador Tarefa Tempo 1 Tempo 2 Tempo 3 Tempo Total


1 AeB 0,2 0,6 0,8
2 CeFeH 0,4 0,5 0,1 1,0
3 DeE 0,7 0,3 1,0
4 GeI 0,6 0,4 1,0
Balanceamento de linhas de montagem
Balanceamento de Fluxo de produção
Faça o balanceamento do fluxo de produção abaixo para uma
produção de 12 unidades de produto por hora.
D

1,0

B H

2,0 G 9,0
A E
4,0
3,0 3,0
C
5,0
F

3,0

Você também pode gostar