Você está na página 1de 18

Eu Sou ...

Advogado(a) Criminalista

Dr. Roberto Bartolomei


Parentoni
DIA DO ADVOGADO-A

O dia 11 de agosto é a data da lei de criação dos


cursos jurídicos no Brasil e é também o Dia do
Advogado. Já o dia 19 de maio é o dia
do padroeiro dos Advogados, Santo Ivo.

O dia do Advogado é também conhecido como o "Dia do Pendura", uma tradição do


início do século 20, quando comerciantes costumavam homenagear os
estudantes de Direito deixando-os comer de graça.

O dia é até hoje temido nos restaurantes, pois dizem que a tradição de
comer sem pagar continuou a ser seguida...
ALGUMAS FRASES CÉLEBRES

Ninguém é tão grande Um livro é como uma


que não possa janela: quem não o lê
aprender, fica distante dela e só
nem tão pequeno que pode ver uma
não possa ensinar pequena parte da
paisagem

Píndaro Kahlil Gibran


poeta romano escritor libanês
ALGUMAS FRASES CÉLEBRES

Investir no
Conhecimento é
conhecimento
Poder
rende sempre
melhores juros

Francis Bacon Benjamim Franklin


filósofo francês cientista norte americano
LIVROS – PENAL E PROCESSO PENAL

Com militância na Advocacia Criminal há mais de 17 anos eu destaco alguns


autores como :

- Nelson Hungria Inicie sua biblioteca


com livros de:
- Delmanto
Defesa (Delmanto),
- Rogério Greco Acusação (Greco) e
- Mirabete Magistratura (Nucci)
- Luis Régis Prado
- Heleno Cláudio Fragoso
- José Frederico Marques
- Basileu Garcia
- Bento de Faria
- Damásio
- Guilherme Souza Nucci
LIVROS - TRIBUNAL DO JÚRI

Com militância no Tribunal do Júri há mais de 17 anos eu destaco alguns autores como:
Ary Franco, Edgard de Moura Bittencourt e Hermínio Marques Porto.

E, além disso, alguns dos títulos da copiosa literatura sobre casos do Júri:

- A Defesa Tem a Palavra - Evandro Lins e Silva


- Defesas que Fiz no Júri - Dante Delmanto
- A Beca Surrada - Alfredo Trajan
- Reminiscências de um Rábula Criminalista - Evaristo de Morais
- Discursos de Defesa - Henrique Ferri
- Grandes Processos do Júri - Carlos de Araújo Lima
- Grandes Advogados, Grandes Julgamentos - Pedro Paulo Filho
- O Advogado no Tribunal do Júri - Vitorino Prata Castelo Branco
- Defesas Penais - Romeiro Neto
- Júri-As Linguagens Praticadas no Plenário - Thales Nilo Trein
- Como Julgar, Como Defender, Como Acusar - Roberto Lyra
- Agenda Literária para Júri - Lilia A. Pereira da Silva
- Júri - Firmino Whitaker
- Orações - Marco Túlio Cícero
LIVROS - DIVERSOS

- Pedro Paulo Filho (Advogados e Bacháreis)


- Rodrigo D. Bertozzi (Marketing Jurídico)
- Rick Crandall, Ph.D. (Marketing de Serviços)

- Napoleon Hill (A Lei do Triunfo)


- Deepack Chopra (As sete leis espirituais do sucesso)
- Paulo Coelho (O alquimista)

- Zig Ziglar (Além do topo)


- George S. Clason (O homem mais rico da Babilônia)
- Sun Tzu (A arte da guerra)

- Biblía
PROFISSÃO: ADVOGADO-A

• A escolha da profissão de advogado deve ser, como qualquer outra, pautada pela
análise e reflexão saudáveis e sensatas das habilidades e desejos profundos da
alma, pois que nascemos com uma missão a cumprir, o que torna a escolha da
profissão uma decisão árdua, mas dignificante. Ou seja, há que se ter vocação,
talento, predestinação. A contribuição dos pais, amigos e principalmente das
dificuldades encontradas para essa escolha, das quais as financeiras é uma das
mais difíceis, devem ser colocadas em lugares derradeiros e, de incontáveis formas,
serem dissolvidas.

• A profissão de advogado é controvertida. Muitos a elogiam e muitos a condenam. É,


porém, a única que consta em nossa Constituição Federal, como um dos pilares da
Justiça e indispensável à sua administração.

• Quem escolher a profissão de Advogado, deverá estar preparado para não ter
reconhecida sua competência, mesmo “dando seu sangue” por uma causa – o
cliente sempre achará que, afinal, era um direito dele! - e, não obtendo o sucesso
esperado, saber que a culpa sempre será do Advogado, não importando a
dificuldade da própria causa e os elementos que a compõem. Portanto, terá que ter
desprendimento.
PROFISSÃO: ADVOGADO-A

• Essa “ingratidão” não deverá, no entanto, ser motivo de desgosto. Deve constar nas
habilidades deste profissional o saber lidar com esta situação e sempre fazer o
melhor. Haverá sempre as exceções que trarão a satisfação e o orgulho de ser um
Advogado.

• Não se nega que muitos profissionais contribuem para a má visão que muitos têm do
advogado, pois agem irresponsavelmente, pensando apenas em auferir lucros, sem
se importar com a moralidade ou a integridade dos seus atos. Isso, porém, não
interessa àqueles que tomam sua profissão, e a tudo, como a expressão da
manifestação do que há de melhor em si, pois dentro da sua atuação profissional ou
de suas habilidades em qualquer atividade, está a manifestação da própria vida.

• Assim, é necessário que se defenda a honra e a importância da profissão de


Advogado, o que é feito pela Ordem dos Advogados do Brasil – OAB e pelos
profissionais que a compõem. Temos, pois, o Código de Ética, que norteia os
desavisados, não sendo tão necessário aos que cumprem com suas obrigações e
têm dentro de si a percepção e a consciência dos requisitos dignificantes que são
necessários à sua atuação. Estes, além de bons advogados, são bons homens.

02
PROFISSÃO: ADVOGADO-A

• Levemos em consideração que depende de cada advogado a manutenção da boa


fama e reputação de toda a classe. Apesar de toda a balbúrdia e intenções
contrárias, a Advocacia é dignificante e possui tradição, já que há uma história da
Advocacia, ordem social e jurídica no País.

• Aquele que escolhe ser advogado deve saber que a partir do momento em que
estiver apto a exercer sua profissão, ou seja, após realizado o exame da Ordem dos
Advogados do Brasil, obrigatório em todo o País, estará imbuído de
responsabilidades. Ao falar, ao comportar-se, ao agir, ao escrever, ao opinar, ao
atuar, não poderá mais portar-se como o estudante que, anos atrás, ingressou nas
lidas dos estudos jurídicos em uma Faculdade ou Universidade. Nem mesmo como o
mesmo homem. Já terá de ter-se adaptado ao mundo jurídico, moldado-se às suas
exigências, fato que será fator de sucesso na sua profissão.

• Se você detesta usar terno, gravata ou desgosta-se de leituras, se é impaciente


demais, ou se aborrece facilmente, terá vida curta dentro da Advocacia. A menos
que uma das suas qualidades seja a capacidade de adaptar-se.
03
A ADVOCACIA CRIMINAL

• A Advocacia Criminal, a qual muitos se referem como “o mais apaixonante


ramo do direito”, é uma área muito importante e exige de seus profissionais
muitas habilidades que diferem das exigidas pelos profissionais de outras
áreas, como a cível e a trabalhista, por exemplo.

• Algumas das habilidades que os Criminalistas devem possuir, além da


vocação, são os conhecimentos científicos sobre criminologia e medicina
legal, além de oratória, caso desejem atuar no Tribunal do Júri. Não
podemos esquecer, ainda, que as habilidades de psicologia também são
bem vindas, uma vez que tratará sempre com pessoas e os problemas que
as afligem, geralmente graves.

• Algumas qualidades são essenciais e, segundo Manoel Pedro Pimentel, ao


Advogado Criminalista cabe : “coragem de leão e brandura do cordeiro;
altivez de um príncipe e humildade de um escravo; fugacidade do
relâmpago e persistência do pingo d’água; rigidez do carvalho e a
flexibilidade do bambu”.
A ADVOCACIA CRIMINAL

• O estudo, conhecimento da alma humana, leitura de bons livros fora de temas


jurídicos – que agreguem valores, ajudem no aumento do vocabulário -,
conhecimento das leis, jurisprudências e arestos dos Tribunais, perspicácia na
análise das provas, exercício da oratória, atenção a tudo e a todos, boa impressão
pessoal, tato, diplomacia, capacidade de convencimento - de forma agradável e
precisa, são ações indispensáveis ao Advogado Criminalista.

• O próprio Curso de Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais está incurso na área de


Ciências Humanas. É impossível, pois que uma pessoa que nada compreenda da
natureza humana, tampouco tenha um espírito capaz de se sensibilizar com a
tragédia humana, possa servir nos balcões da Advocacia, especialmente a Criminal.

• Aquele que escolhe esta área para atuar, deverá sempre ter em mente que estará
defendendo a pessoa e seus direitos e não o crime do qual o cliente é acusado. O
Advogado Criminalista é a voz, cabeça e mãos dos direitos que cabem a qualquer
pessoa.
02
A ADVOCACIA CRIMINAL

• O processo criminal sempre trará em seu seio histórias trágicas, da vítima e do


acusado, pois que não é menos trágico o cometimento de um crime, apesar de
parecer, num primeiro plano, que a vítima é a que mais “perde”.

• O Advogado Criminalista tem a função e obrigação de analisar as provas


diligentemente, além de verificar se o processo prima pela regularidade perfeita, pois
disso depende que seja feita a justiça e é a garantia de que defesa de seu cliente foi
realizada de forma primorosa e eficaz.

• Os Advogados Criminalistas precisam “ter estômago”, como dizem, serem


combativos, guerreiros e corajosos, trazerem consigo um espírito de luta, não só
para lutar, dentro do processo criminal a favor de seu cliente, contra as cotas da
acusação ou eventuais injustiças das sentenças, mas também para enfrentar a
oposição ainda maior da sociedade que muitas vezes não compreende suas ações.

03
A ADVOCACIA CRIMINAL

• Os desavisados e ignorantes têm em mente que o Advogado Criminalista


“defende bandidos”, solta os criminosos que a polícia se esforça para
prender, o que não é verdade.

• O Advogado Criminalista defende os direitos de toda pessoa humana,


garantidos pela Constituição Federal, em seu artigo 5º, assim como pugna,
como um bom e combativo advogado, para que todos os procedimentos e
leis sejam cumpridos quando uma pessoa sofre uma acusação ou é
recolhida à prisão.

• Não cogitam os mesmos desavisados que muitos inocentes sofrem a


prepotência da ação policial, que às vezes agem fora das normas e
preceitos legais, consciente ou inconscientemente, não importa. Importa
que o Advogado esteja ali para lutar pelos direitos da pessoa. Todos os
desavisados com certeza gostariam que assim se procedesse com eles
próprios, caso a “água batesse em suas costas”.
04
A ADVOCACIA CRIMINAL

• O advogado criminalista lida com a liberdade das pessoas, com a


repercussão das ações criminosas praticadas e as agruras da alma
humana. Quão difícil e complicada a alma humana com todas suas
subjetividades e relatividades!

• A fama que leva o Advogado Criminalista de abrir as portas das cadeias


para os clientes criminosos é absolutamente maldada, uma vez que o
Advogado é uma das peças da constituição judiciária, não tendo esse
poder, nem age injustamente, pois outras peças agem dentro do processo,
com igual ímpeto de realizar bem as suas obrigações.

• Se por muitas vezes o Advogado Criminalista sofre as agruras da profissão,


muitas recompensas ele também agrega, principalmente quando consegue,
agindo com integridade e esforço, evitar uma injustiça, salvar da prisão um
inocente, abrandar uma pena severa demais.
05
A ADVOCACIA CRIMINAL

• Aquele que escolhe a profissão de Advogado, e Criminalista, deve, pois, orgulhar-se


das habilidades que possui, de ter escolhido uma profissão digna e de ajudar a
manter a ordem social e jurídica do seu País, auxiliando na manutenção da ordem e
da paz.

• Não por menos, os nomes lembrados e laureados são nomes de Criminalistas


consagrados através do tempo, que entram para a História, não ocorrendo o mesmo
com grandes civilistas. Aqueles ganham o direito a esta posteridade exatamente por
ousar agir em uma causa impopular, enfrentando toda uma sociedade indignada, na
defesa do acusado. Coloca-se, naquele momento ao lado do mais fraco e
desafortunado, não porque defende a ação da qual o cliente é acusado, mas por
dever ético, profissional e humano. É preceito Constitucional que ninguém pode ser
condenado sem defesa.

• Ainda que o crime seja nefasto, em nenhum momento o conceito atribuído ao cliente
deve se confundir com a reputação do advogado.
06
A ADVOCACIA CRIMINAL

• Ainda assim, os Advogados Criminalistas sofrerão muitas vezes com os abusos de


poder e a pressão da sociedade, que têm início junto aos seus clientes e mistura-se
à personalidade do defensor, o que resulta em situações em que os profissionais
vêem-se forçados a violar o sigilo profissional, através de buscas ilegais em seus
escritórios.

• Há, no entanto, a jurisprudência a garantir que os advogados têm o direito de exercer


com liberdade a profissão em todo o território nacional, na defesa dos direitos ou
interesses que lhe forem confiados; fazer respeitar, em nome da liberdade de defesa
e do sigilo profissional, a inviolabilidade do seu domicílio, do seu escritório e dos
seus arquivos, como coisas intocáveis.

• O artigo 7º, II, do Estatuto da Advocacia e da Ordem dos Advogados do Brasil


garante o direito do advogado de ter respeitada, em nome da liberdade de defesa e
do sigilo profissional, a inviolabilidade de seu escritório ou local de trabalho, de seus
arquivos e dados de sua correspondência e de suas comunicações, inclusive
telefônicas ou afins, salvo caso de busca e apreensão determinada por magistrado.
07
A ADVOCACIA CRIMINAL

• Por fim, a Advocacia Criminal é personalíssima e não se organiza em grandes


escritórios ou empresas. Não há clientela, como no caso dos Civilistas, Tributaristas
e Advogados Trabalhistas, por exemplo.

• Faço minhas as palavras de Sir Francis Bacon: “Conhecimento é Poder”

Abraço Fraternal.

Roberto Bartolomei Parentoni


Professor e Advogado Criminalista militante
www.parentoni.com

Presidente do IDECRIM – Instituto de Direito e Ensino Criminal

08