Você está na página 1de 30

CATECOANDO

Tempo de formação

DIMENSÃO BÍBLICO-CATEQUÉTICA-NE3 DA CNBB


A Formação do(a) catequista segundo o Novo
Diretório Geral para Catequese.

Professor: Rudigley Patrício


1971 1973 1979

1992-1997 1997 2005


2006
1983 2009

Lançado em 20 de
2014 2014 Junho de 2017
CAPÍTULO IV
A formação dos catequistas
1. NATUREZA E FINALIDADE DA FORMAÇÃO DOS
CATEQUISTAS
2. A COMUNIDADE CRISTÃ, LUGAR PRIVILEGIADO DA
FORMAÇÃO
3. CRITÉRIOS PARA A FORMAÇÃO
4. AS DIMENSÕES DA FORMAÇÃO
5. A FORMAÇÃO CATEQUÉTICA DOS CANDIDATOS ÀS
SAGRADAS ORDENS
6. CENTROS DE FORMAÇÃO
NATUREZA E FINALIDADE
DA FORMAÇÃO DOS
CATEQUISTAS
130. Ao longo dos séculos, a Igreja nunca deixou
de dar prioridade à formação dos catequistas.
No início do cristianismo, a formação que se
vivia de forma experiencial girava à volta do
encontro vital com Jesus Cristo, anunciado com
autenticidade e testemunhado com a vida.
130...O carácter
testemunhal tornava-
se o sinal qualitativo
de todo o processo
formativo, o qual
introduzia
progressivamente no
mistério da fé da
Igreja.
131. A formação é um processo permanente
que, sob a orientação do Espírito e no seio vivo
da comunidade cristã, ajuda o batizado a tomar
forma, isto é, a desvelar a sua identidade mais
profunda que é a de filho de Deus em relação de
comunhão profunda com os outros irmãos...
131...É um processo que, por acontecer no
íntimo do catequista, toca profundamente a sua
liberdade e não pode ser reduzido apenas à
instrução, à exortação moral ou à atualização de
técnicas pastorais...
132. A formação tem por finalidade, antes de
mais, tornar os catequistas conscientes de que,
enquanto batizados, são verdadeiros discípulos
missionários, ou seja, sujeitos ativos de
evangelização e, com base neste fundamento,
habilitados pela Igreja a comunicar o Evangelho e
a acompanhar e educar na fé.
A COMUNIDADE CRISTÃ, LUGAR
PRIVILEGIADO DA FORMAÇÃO

https://cidadesnanet.com/news/municipios/simoes/comunidade-catolica-de-simoes-celebra-
o-domingo-de-pascoa/
133. «A comunidade cristã é a origem, o lugar e a
meta da catequese. É sempre da comunidade cristã
que nasce o anúncio do Evangelho, que convida os
homens e as mulheres à conversão e a seguirem
Cristo. E é esta mesma comunidade que acolhe
aqueles que desejam conhecer o Senhor e
comprometer-se numa nova vida»1.
CRITÉRIOS PARA A FORMAÇÃO
135. .. Uma vez que é necessário formar catequistas
para a evangelização no mundo atual, será necessário
harmonizar com sabedoria a atenção devida às pessoas
e às verdades de fé, o crescimento pessoal e a
dimensão comunitária, o cuidado com as dinâmicas
espirituais e a dedicação ao compromisso a favor do
bem comum. ..
Mais especificamente, considerem-se alguns
critérios.

• Espiritualidade missionária e evangelizadora;


• Catequese como formação integral;
• Estilo do acompanhamento;
• Coerência entre os estilos formativos;
• Perspetiva da docibilitas e da autoformação;
• Dinâmica de laboratório no contexto de grupo;
AS DIMENSÕES DA FORMAÇÃO
• 136. A formação do catequista compreende
várias dimensões. A mais profunda refere-se
ao ser catequista, ainda antes do fazer de
catequista. Com efeito, a formação ajuda-o a
amadurecer como pessoa, como crente e
como apóstolo.
Ser e saber ser com: maturidade humana,
cristã e consciência missionária

• 139. Na dimensão do ser, o catequista


é formado para se tornar testemunha
da fé e guardião da memória de Deus.
A formação ajuda o catequista a
reconsiderar a sua própria ação
catequética como uma oportunidade
de crescimento humano e cristão.
Saber: formação bíblico-teológica e
conhecimento do homem e do contexto social

• 143... A assimilação do conteúdo da fé como


sabedoria da fé acontece antes de mais
através da familiaridade com a Sagrada
Escritura e com o estudo do Catecismo da
Igreja Católica, dos catecismos da Igreja
particular e dos documentos do Magistério.
144. Para isto é necessário que o catequista conheça: a
as grandes etapas da história da salvação: Antigo
Testamento, Novo Testamento e história da Igreja, à luz
do mistério pascal de Jesus Cristo; a os núcleos
essenciais da mensagem e da experiência cristã: o
Símbolo da fé, a liturgia e os sacramentos, a vida moral
e a oração;
• 145. Contudo, na apresentação da
mensagem, é necessário estar atentos ao
modo de o fazer, para que possa ser acolhida
e recebida ativamente. Assim, é necessário
conciliar:
• o carácter sintético e querigmático.
• a qualidade narrativa dos relatos
bíblicos.
• um conhecimento de tipo apologético.
Saber fazer: formação pedagógica e
metodológica

• 148. Na dimensão do saber fazer, o catequista


forma-se para crescer como educador e
comunicador. «O catequista é um educador
que facilita o amadurecimento da fé que o
catecúmeno ou o catequizando realizam com
a ajuda do Espírito Santo.
• 150. Enquanto educador, o catequista terá
também a função de mediar a pertença à
comunidade e de viver o serviço catequético
num estilo de comunhão. De facto, o
catequista leva a cabo este processo educativo,
não individualmente, mas juntamente com a
comunidade e em seu nome.
5. A FORMAÇÃO CATEQUÉTICA DOS
CANDIDATOS ÀS SAGRADAS ORDENS

• 151. Na solicitude da Igreja pela catequese, há uma


responsabilidade que compete a todos os que,
pelo sacramento da Ordem, são constituídos
ministros da Palavra de Deus. De facto, a qualidade
da catequese de uma comunidade depende
também dos ministros ordenados que cuidam dela.
152. Portanto, nos seminários e casas de
formação é necessário

• garantir experiências de primeiro anúncio e


exercícios nas várias formas de catequese;
• aprofundar o Ritual da Iniciação Cristã dos Adultos,
enquanto instrumento precioso para a catequese e a
mistagogia;
• assegurar, no plano de estudos, o estudo da
catequética
6. CENTROS DE FORMAÇÃO

• Centros de formação de base dos catequistas.


• Centros de especialização para responsáveis e
animadores da catequese.
• Centros superiores para especialistas em
catequética
rudigley