Você está na página 1de 19

NATUREZA

E
CULTURA
Ação instintiva
• Primeiro lampejo de inteligência
(dos animais menos evoluídos - insetos);
Ação instintiva
• Mero reflexo rígido, totalmente
programado, hiper-especializado
(falsa ideia de perfeição);

• Instinto cego (ignora a finalidade da


ação);
Ação instintiva
• Leis biológicas válidas igualmente
para todos os indivíduos da mesma
espécie;

• Não constrói cultura e nem história


(é apenas natural);

• Linguagem: Índice rígido/fixo/único;


Inteligência
Concreta
Inteligência Concreta
* Quem dispõe dela não deixa de
possuir instintos (supera
conservando);
* Própria dos animais mais evoluídos
– mamíferos;
* Capaz de responder criativa/
improvisada/inteligentemente aos
problemas e situações novas;
Inteligência Concreta

* Inteligência súbita, por estalo,


insight, relação entre os elementos
concretos (visíveis) presentes (aqui e
agora);

* Mais flexível que o instinto:


diferenças entre indivíduos da
Inteligência Concreta
* Capaz de responder criativa/
improvisada/ inteligentemente aos
problemas e situações novas;

* Indivíduo não é totalmente


determinado pela programação da
espécie (capaz de realizar o não-planejado);
Inteligência Concreta
* Programável: Outras programações
artificiais são possíveis (adestramento);

* Ligado à experiência vivida (tudo se


esgota no próprio ato – Não há passado, nem
presente e nem futuro);

* Não inventa/ não aperfeiçoa/ não


conserva/ não transmite os
instrumentos;
Inteligência Concreta
* Podem criar sociedades: formas de
sobrevivência, hierarquia, instrução
dos mais jovens

* Porém, não produz cultura não


ultrapassa os ditames da natureza;

* Não transforma o meio, adapta-se


ao meio;
A linguagem humana

* Abstrata, Convencional, Distante


da Experiência, Simbólica, Versátil,
Flexível, Universal, Consciente da
Finalidade, Formal,Ordenadora do
Mundo.
A linguagem humana
• Caracteriza os humanos, embora estes
não deixem de ter em si instintos e
inteligência concreta;
• Não é dada naturalmente – depende do
contato com o mundo humano (com o
símbolo);
• Linguagem não-programada
naturalmente (do instinto) nem mecânica
do adestramento (inteligência concreta);
A linguagem humana
• Não é adaptação do homem ao mundo,
mas sim transformação do mundo;
• A linguagem é a porta de entrada no
mundo humano – sem linguagem ocorre
a desumanização;
• Pelo trabalho e pela linguagem o
homem produz a sua existência (não
simplesmente a conserva);
A linguagem humana
• O trabalho altera o mundo e o
próprio homem;
• A existência humana precede a sua
essência – o trabalho cria a essência
humana (“o homem não é o que é, mas é o
que não é”);

• O ser humano se autoproduz


(transcendência, liberdade, criatividade);
A linguagem humana
• Cultura: Transformação do mundo
pelo trabalho e pela linguagem;
• O ser humano não está mergulhado
na natureza, mas supondo-a - a
transforma;
• A cultura é uma produção simbólica
coletiva, realizada em sociedade (que
precisa da linguagem – possibilidade de
diálogo)
A linguagem humana
• Recebemos a cultura (conjunto de
valores já dados) e a transformamos
(criamos outros/ transformamos os
existentes);

• Assim, a vida humana é toda natural


e cultural;
• O corpo não é mera anatomia, pois a
cultura o atinge: tabus, normas,
costumes, mutilações...
A linguagem humana
• A diluição do sujeito na cultura
(coletivismo) e a atomização do
indivíduo (individualismo) já são
expressões culturais;
• Ideal de nossa cultura ocidental
contemporânea: senso crítico – viver
em sociedade (coletividade) com certo
distanciamento crítico (sem
massificação)
A linguagem humana
• Mudanças culturais contemporâneas
- Sociedade da informação e do
conhecimento;
- Crises econômicas do
capitalismo e estatismo;
- Movimentos sócio-culturais
(ambientalistas, feministas, direitos
humanos);