Você está na página 1de 27

Composição e Perspectiva

Fotográfica

Banca FBV

Daniel Meirinho
danielmeirinho@hotmail.com
Composição estética
 1ª Regra – Simetria
 Centralidade, Ordem, Poder e Autoridade
 Linha central divide e direciona ao elemento mais importante da imagem

 Linha do Horizonte

 2ª Regra – Repetição
 Delimita ritmo e padrões na imagem
 É o que é previsto
 Pode ser usado para direcionar o olho do observador para o elemento

Matemáticos, filósofos e artistas definem que o


conceito de beleza pode ser medido
Composição Fotográfica
 A fotografia se assenta em princípios que regem para a estética da
“boa foto”
 Iso, Velocidade do Obturador, Abertura, Diafragma, Distância Focal
 Composição: A disposição dos elementos de um quadro
 Equilíbrio dos elementos visuais que compõem a imagem

“O ato de combinar partes ou elementos


para formar um todo”(Hedgecoe, 2005)
 Várias técnicas de composição podem estar em uma fotografia
 Perspectivas •Texturas
 Linhas •Composição Simétrica / Radial
 Enquadramento – A “Regra” dos Terços Sobreposição / Em círculo /
•Sombras e Reflexos
•Cores, Planos e Ângulos
•Plano de fundo
Composição Fotográfica
 Ligada a sensibilidade estética do fotógrafo - ponto de vista
 Causa dois tipos de sensação no observador:
 Conforto - quando há harmonia, equilíbrio e unidade estética na imagem
 Desconforto - quando há desorganização estética, poluição visual e falta
de hierarquia entre os elementos

 Uma imagem equilibrada apresenta uma boa composição, de


forma que há hierarquização ou simetria dos elementos,
Perspectiva
 Representação de uma superfície plana (bidimencional) de um Real visto
pelos nossos olhos (tridimencional)
 Duas Características:
 As propriedades se acentuam quanto mais próximo o objeto do observador
 Esforço dado na distorção das formas e convergências das linhas

 Fotógrafo não pretende reproduzir o que os olhos veem (objetividade)


 Mas sim, utilizar a perspectiva para transmissão eficaz da mensagem
 É a perspectiva que dá a noção de distância entre as coisas, e da distância
entre elas e nós

 Toda a imagem é dotada de perspectiva – O fotógrafo necessita tirar


o maior proveito
Perspectiva
 Usada inicialmente no Século XV – Fillipo Brunelleshi
 As pinturas renascentistas começam a ter volume e profundidade

 Leonardo da Vinci – Tratado da Pintura (1490 – 1517)


 Perspectiva Linear – Faz com que as linhas sigam para convergir em
um, dois ou três Pontos de Fuga (dentro da imagem)
 Quanto mais exagerada for a convergência, mais profundidade de
campo e atenção teremos do observador

 O controle é feito pelo uso das lentes adequadas


 Uma grade angular tende a um ângulo de visão mais aberto e criará um efeito
maior de perspectiva
 Ângulos picados e contrapicados ajudam a potencializar a perspectiva
 Aparece mais evidente quando as linhas forem as mais retas possíveis
Perspectiva Aérea
 Mudança de tonalidade e nitidez dos objetos a medida que estão
próximos ou distantes da câmera
 Comum em paisagens
 Fotos desfocadas
 Claro e escuro
 Hierarquia sobre o que está no primeiro e segundo plano

Uma perspectiva cromática da imagem


fotográfica
Linhas
 Convergem esteticamente para o assunto
 Delimitam objetos e padrões a serem destacados na imagem

 Força o observador a correr seus olhos através de linhas que


direcionem e limitam o assunto

Linhas Linhas Verticais Linhas Diagonais Linhas Curvas


Horizontais

Podem transmitir a Podem transmitir Adicionam um Agem como


ideia de poder e força, senso dinâmico de diagonais, sendo
estabilidade, segmentação, ação e movimento com mais sutileza,
tranquilidade e contraste e suavidade e
descanso - crescimento – harmonia
Permanência Impacto
Enquadramento:
A Regra dos terços
 Onde colocamos os objetos na imagem fotográfica?
 No centro, no canto, no lado direito?

 A proporção áurea – Usada por arquitetos e escultores desde a


Grega Antiga até pintores renascentistas (Da Vinci, Boticelli)
 Organização das proporções que atribuem ao universo uma
constante de harmonia e beleza

Espiral de Fibonacci 
“Regra” dos terços
 É uma simplificação da proporção áurea
 A proporção áurea é 1.618 e a proporção
do terço é 1.666

 Jake Garn – Fotógrafo de Moda


 Aplica o espiral de Fibonacci sobreposta
às suas fotos

 Distribuição de volumes na fotografia


Terços ou pontos de ouro
 Três colunas e três linhas - Nove quadrantes
 Divide a imagem em 3 terços
 Quatro pontos de interseção
Pontos de Ouro
 A leitura inicial da fotografia dar-se nestes 4 pontos ouro
 Os objetos importantes posicionados nestes pontos
 A proporção harmônica deve ser representada por 1/3 ou 2/3
da imagem fotográfica
Relação entre proporcionalidade, regra dos terços e
pontos ouro confere a harmonia para a imagem

Tridimensionalidade
Profundidade
Conclusão
 Técnicas de composição servem como orientação para harmonia
e equilíbrio

 E uma salvaguarda de baixo risco

 Na perspectiva criativa alguns modelos de desequilíbrio aguçam a


curiosidade interpretativa

 O verdadeiro fotógrafo é aquele que procura inserir na imagem


uma informação não prevista pelo aparelho fotográfico

Transgredir os padrões e limites estéticos é intervir na


construção de outras perspectivas
Exercício Prático
 Identifique as linhas Horizontais, verticais, diagonais e
curvas nas fotografias
 Procure de perspectiva de um ponto de fuga
 Aplique a regra dos terços nas imagens
 Identifique os “Pontos de Ouro”
 Compreenda a composição de cada imagem a partir de
uma disposição harmônica
Referências Bibliográficas
 ADAMS, Ansel. A câmera. São Paulo: SENAC, 1999-2000.
 BARTHES, Roland, A câmara clara: nota sobre a fotografia. Rio de Janeiro:
Nova Fronteira, 1984.
 FOLTS, James A. Manual de fotografia. São Paulo: THOMSON, 2007.
 FREUND, Gisele, A Fotografia Social. Lisboa: Vega, 1994
 GURAN, Milton. Linguagem fotográfica e informação. 1.ed. Rio de Janeiro:
Rio Fundo, 1999.
 Hedgecoe, John. NOVO MANUAL DE FOTOGRAFIA, O. Senac, 2005.
 KUBRUSLY, Cláudio A. O que é fotografia. 2.ed. São Paulo: Brasiliense,
1991.
 SONTAG, Susan. Ensaios sobre fotografia. Editora Arbor. Rio de Janeiro,
1981.
 VILÉM, Flusser, Filosofia da caixa preta – elementos para uma futura
filosofia da fotografia. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2002.