Você está na página 1de 81

ÍNDICE

Apresentação 1 3 Apresentação 5 43

Apresentação 2 13 Apresentação 6 53

Apresentação 3 23 Apresentação 7 63

Apresentação 4 33 Apresentação 8 73

2
Apresentação 1

Humanismo e Renascimento
 Humanismos: uma nova visão do ser humano e do
mundo
 Renascimentos artísticos e culturais
 Europa em transformação
 Renovação científica
 O Renascimento artístico

3
A sociedade feudal
O rei era mais um entre os senhores feudais. No entanto, era
considerado o primus inter pares (o primeiro entre seus
iguais).

Havia falta de segurança nas estradas, e cada feudo


cunhava sua própria moeda.

O comércio era limitado, e os burgueses não conseguiam


expandi-lo.

4
O rei e a burguesia

Os burgueses desejavam mudança. Os reis, por sua vez, necessitavam


Assim, procuraram se aproximar de dinheiro para manter exército
dos reis. forte, treinado e permanente.

Resultado da
união entre rei e
a burguesia

Centralização
Surgimento das
Poder senhorial do poder real
monarquias
enfraquecido em partes da
nacionais
Europa 5
Monarquias nacionais
Durante algum tempo, houve a permanência de diversos aspectos da sociedade feudal,
apesar da centralização do poder do rei.

Funções Cuidar da ordem e da


reais segurança nas estradas.
Inglaterra
(Século XI)
Recebimento de impostos
pagos pelos homens livres.
Monarquias França (Séculos
nacionais XI e XII) Criação de moeda válida para
todo o reino.

Portugal Controle do comércio, da


(Século XII) educação e da justiça.
6
O Humanismo
Surgido a partir das tentativas de renovação do sistema educacional no século XIV por
teóricos e estudiosos.

Proposta de mudanças

Nova cultura nas


Superação da antiga
universidades
tradição intelectual
laicas, surgidas a
medieval.
partir do século XI.

Interesse dos humanistas estendia-se por várias áreas do conhecimento. 7


O Renascimento

Origem do termo:
Movimento de renovação "renascer" o pensamento
artística e intelectual. e a arte dos antigos
gregos e romanos.

Regiões em que alcançou Em cidades dessas


maior esplendor: regiões, o comércio
Península Itálica, nos impulsionou o
Países Baixo e na enriquecimento da
Alemanha. burguesia, que financiava
artistas.
8
Os mapas passaram a configurar o
Influência de Ptolomeu na produção de mundo segundo medidas de longitude
mapas do século XV. e latitude.

A Revolução
Científica
A representação da esfericidade da A intensificação da prática da autópsia.
Terra.

9
Heliocentrismo Em 1543, houve a publicação do livro de Nicolau
Copérnico negando o geocentrismo.

Segundo Copérnico, não era o Sol que girava em torno


da Terra, e sim a Terra que girava em torno do Sol. Essa
teoria ficou conhecida como heliocentrismo.

Giordano Bruno e Galileu Galilei também defenderam


essa teoria e foram condenados pela Inquisição.

10
Renascimento artístico
Arte medieval

Preocupação com o
Falta de realismo da obra
Arte
realismo nas
bidimensional
obras

Aplicação de
Arte a partir do século XIV conhecimentos
recém-‑adquiridos

Representação
tridimensional 11
Mecenas
Inovações no campo científico e artístico atraíram a atenção de reis, príncipes e famílias
de grandes negociantes e comerciantes.

Possuir obra de arte passou a ser símbolo de poder e de riqueza.

Por isso, muitos passaram a financiar os trabalhos de artistas renascentistas.

Importantes mecenas: a família Médici, na Itália.


12
Apresentação 2
Reforma e Contrarreforma

 Reformas religiosas: a cristandade fragmentada


 A Reforma Protestante
 A Contrarreforma
 Desenvolvimento do movimento reformista
 Aspectos da Contrarreforma
 A Inquisição
13
A Reforma Protestante

Objetivo Reformar a estrutura da Igreja Católica.


inicial

Final da Idade Média, quando a Igreja passou a ser


Início alvo de críticas.

Corrupção, abusos morais, poder


Principais excessivo do papa, enriquecimento da
críticas
Igreja, entre outros.

14
Lutero e a Igreja
Martinho Lutero,
A intenção era
monge alemão, Em 31 de outubro de
recuperar os
contesta a venda de 1517, ele publica
princípios originais
indulgências pela suas 95 teses.
do Cristianismo.
Igreja.

Lutero também
defendia que o poder Em janeiro de 1521, Sob a proteção de um
civil devia ser Lutero foi príncipe, Lutero
independente do excomungado pelo traduziu a Bíblia do
poder religioso. papa. latim para o alemão.

15
A cristandade fragmentada

A imprensa de As ideias de Principais


tipo móvel foi Lutero se reformadores da
fundamental para difundiram pela igreja: o suíço
a difusão das Alemanha e, em Ulrich Zwinglio, o
ideias de Lutero. pouco tempo, já francês João
haviam alcançado Calvino e o inglês
outros países Henrique VIII.
europeus.

16
Religiões protestantes
• Originado do pensamento de Martinho Lutero.
• Relação direta entre Deus e os fiéis;
Luteranismo simplificação dos rituais religiosos.
• Celibato não obrigatório.

• Originado do pensamento de João Calvino.


• Crença na predestinação de pessoas à
salvação.
Calvinismo • Sinais de predestinação: sucesso no trabalho.

17
Religiões protestantes

• Originado do pensamento do rei Henrique VIII,


da Inglaterra, entre 1509-1547.
• Celibato voluntário, celebração de missas em
inglês e condenação das indulgências.
Anglicanismo
• Manutenção do batismo e da eucaristia como
sacramentos.

Na Inglaterra, o rompido com a Igreja Católica


ocorreu após o papa Clemente VII negar o direito do
rei Henrique VIII de se separar de sua esposa. 18
Contrarreforma
Diante do avanço das ideias protestantes, a Igreja Católica
respondeu com a Contrarreforma.

Principais autoridades católicas participaram de reuniões, entre


1545 e 1563.

Esses encontros ocorreram na cidade italiana de Trento, por isso


ficaram conhecidos como Concílio de Trento.

Esse movimento reviu valores e princípios, e reafirmou os dogmas


tradicionais católicos.

Reafirmou antigas ordens religiosas e criou novas congregações.


19
A Companhia de Jesus
Fundada pelo espanhol Inácio de Loyola, em 1540.

Participou ativamente das reuniões do Concílio de Trento.

Tornou-se um dos principais representantes da Contrarreforma.

Os jesuítas fundaram vários colégios, a fim de ensinar a fé católica.

20
Tribunal da Inquisição

Criado no século XIII com o


Também conhecido como
objetivo de investigar e
Tribunal do Santo Ofício.
combater as heresias.

Juízes do Tribunal da
Ganhou forças no
Inquisição torturaram e
movimento de
condenaram à morte
Contrarreforma.
milhares de pessoas.

21
A Inquisição
Principais alvos Punições

Cristãos-novos sob
Prisão, tortura, confisco
suspeita de manter
de bens, degredo e a
suas antigas crenças
morte.
em segredo.

Pessoas que As execuções eram


praticavam a alquimia, feitas em grandes
a magia e a astrologia, eventos, chamados
isto é, os pagãos. autos de fé. 22
Apresentação 3

Desenvolvimento de tecnologia e
expansão marítima

As descobertas científicas e a expansão marítima


O avanço dos saberes náuticos
Conceito de Grandes Navegações
As rotas das navegações
Os desdobramentos da expansão ultramarina
Revolução Comercial
23
Antes das Grandes Navegações

As viagens marítimas dos Os europeus acreditavam que


Inexistiam conhecimentos e
europeus limitavam-se a mares havia seres fantásticos fora da
tecnologia náutica que
fechados, como o Europa. Os portugueses
Mediterrâneo, ou a costa dos permitissem fazer viagens
chamavam o Atlântico de Mar
oceanos. pelos oceanos.
Tenebroso.

24
Novos saberes náuticos
Sob incentivo do governo português, estudiosos recuperaram informações
náuticas de outros povos, como fenícios, gregos, árabes e egípcios.

A partir dessas informações, passaram a elaborar cartas náuticas mais precisas.

Novos modelos de embarcações foram construídos, e instrumentos de navegação


foram aperfeiçoados ou criados.
25
Embarcações
Até o início do século XV, os navios eram barcaças
rústicas e pesadas.

Caravela
• Mais leve, boa para navegar nos oceanos, rios e
enseadas, velas triangulares, maior velocidade.
• Desvantagem: tamanho reduzido.

Nau
• Maior do que a caravela, carregava maior
número de carga e pessoas. Foi a embarcação
mais utilizada no século XVI.
26
Instrumentos náuticos
Com os novos instrumentos, os marinheiros tiveram condições de se
localizar mesmo em alto-mar.

• Usado em alto-mar para observar a altura dos astros e


Balestilha
identificar a latitude em que se encontra a embarcação.

• Permitia medir a altura dos astros e, assim, ajudar na


Astrolábio
localização das embarcações em alto-mar.

• Invenção chinesa aperfeiçoada pelos europeus, foi um


Bússola
importante instrumento de localização em alto-mar.
27
As Grandes Navegações

Conjunto de expedições
marítimas realizadas entre Realizadas, sobretudo, por
os séculos XV e XVI. Portugal e Espanha, por meio
delas buscavam-se novos
territórios, especiarias e metais
preciosos.

28
Empreendimento português
Marco da expansão portuguesa: em 1415, conquista de Ceuta,
cidade do norte da África.

• Conquista portuguesa da costa atlântica africana.


• Início: conquista de Ceuta (1415).
Primeira fase • Término: chegada ao extremo sul da África (1487).

• Conhecida como a Era das Grandes Navegações.


• Início: chegada de Vasco da Gama às Índias (1498).
Segunda fase • Término: início do século XVII.

29
Novas rotas marítimas
Em 1453, os turcos otomanos conquistaram Constantinopla e dominaram o
Mediterrâneo oriental, passando a cobrar altas taxas das caravanas de comerciantes.
Assim, os navegantes europeus começaram a buscar novos caminhos às Índias.

Fonte: DUBY, Georges. Grand atlas


historique. Paris: Larousse, 2008. p. 64-
65. 30
- Contato entre povos de diferentes continentes.
- Intercâmbio de mercadorias, de conhecimentos
Consequências das tecnológicos, de hábitos e de costumes entre diversas
Grandes Navegações culturas.
- Sistema comercial da Europa integrou-se à África, à Ásia e à
América.
- Os espanhóis conquistaram regiões ricas em ouro e prata
na América.
- Portugueses estabeleceram contatos comerciais com
quase todas as partes do mundo por meio de feitorias ou da
colonização dos territórios conquistados.

- No século XVI, Inglaterra, França e Holanda também


entraram na disputa por territórios e pelo controle do 31
comércio marítimo.
Revolução comercial
Entre os século XVI e XVIII,
Com as explorações das
houve uma acirrada
colônias, a economia das
competição comercial
metrópoles obteve grandes
entre as potências
lucros.
coloniais.

Diversas guerras entre os


Houve a ascensão da europeus por controle de
burguesia mercantil. colônias e entrepostos
comerciais.

Os ingleses acumularam
A partir do século XVI, o riquezas e estabeleceram
dinheiro passou a ser a as bases para a Revolução
principal forma de troca Industrial, a partir do século
nas relações comerciais. XVIII. 32
Apresentação 4
O Novo Mundo

 Diversidade étnica no continente americano


 Civilizações americanas
 Maias
 Astecas
 Incas
 Aspectos culturais dos primeiros habitantes do Brasil
 Povos indígenas no Brasil atual
33
A América pré-colombiana
No século XV, a América era habitada por cerca de 50
milhões de indígenas, distribuídos por todo o continente.

Os europeus
Os europeus
chamaram a América
Cristóvão Colombo depararam-se com
de Novo Mundo, em
chega à América em populações com
oposição à Europa,
1492. crenças e costumes
denominada Velho
próprios.
Mundo.

34
Os maias
Habitavam a Península do Yucatán e algumas
áreas próximas.

A civilização maia teria começado a se


desenvolver por volta de 2000 a.C. A partir do
século X, começou a declinar.
O período mais notável dessa civilização
ocorreu entre 250 d.C. e 900 d.C., chamado
Período Clássico.

Chegou a possuir mais de dois milhões de


habitantes e cerca de 50 cidades-Estado.

35
Cultura e sociedade maia
Formada por cidades-Estado, a base da economia era a agricultura.

Sociedade maia
Desenvolvimento de saberes
matemáticos, de astronomia e
de arquitetura. Governantes,
sacerdotes e
chefes militares.

Conhecimentos Dois calendários (um religiosos Escribas, pintores


maias e um civil) e escrita hieroglífica. e escultores.

Camponeses e
Construção de pirâmides, artesãos.
usadas como templos. Religião
politeísta.
36
Aspectos socioculturais astecas
Desenvolvimento
A escrita asteca de vasta
Religião politeísta.
usava pictogramas. infraestrutura
urbana.

População chegou a, Intenso comércio


aproximadamente, 15 por todo o país.
milhões de habitantes no
final do século XV.
38
Os incas
Estabeleceram-se no vale do Cuzco, em meados do século XIII.

Por meio de alianças, conquistaram outros povos e estabeleceram seu domínio


na região.
A partir daí, passaram a formar um império de mais de 3​000 quilômetros de
extensão.

Economia

Criação de estoques e uso da


Atividades agrícolas e Cultivo de mais de 70 plantas
lhama para o transporte de
pastoris. nativas.
alimentos.
39
Sociedade e desenvolvimento técnico
inca

Casas e Organização social


Entre uma pontes feitas
Amplo
cidade e por meio do Inca, como era
sistema de
outra, havia encaixe de chamado o soberano
estrada e
postos de pedras. do Império.
pontes.
correios.
Chefes militares, juízes,
administradores e
contadores.

Carpinteiros, pedreiros
e os agricultores.
40
Os povos indígenas no Brasil
Modo de vida em 1500 Brasil atual

Grande parte dos povos Muitos indígenas vivem em


indígenas vivia em pequenas reservas, mas têm suas terras
aldeias. ameaçadas.

Sociedade igualitária: os
recursos naturais pertenciam a Ações ambientais como
todos. queimadas de florestas
também afetam a vida dos
indígenas.
A educação das crianças era
feita por toda a comunidade.
Os saberes eram passados
oralmente. 41
Povos indígenas no Brasil: antes e depois de 1500

Antes de 1500 Depois de 1500

Milhares de indígenas
falavam mais de mil Chegada dos
línguas diferentes portugueses

Tronco
Tronco Tupi
Macro-Jê
Novos
Missões povoados
Em geral, Em geral,
viviam no viviam no
litoral interior

Contatos não
Brasil atual: mais de 240
Contatos amistosos e amistosos e
povos falando mais de 150
extração de pau-brasil. colonização das
línguas.
terras. 42
Apresentação 5
A colonização da América
 Encontro entre europeus e indígenas da América
 Genocídio americano
 Aspectos da administração espanhola
 Aspectos da colonização inglesa e francesa na América
 Portugueses na América
 Terra Brasilis
 O choque cultural
 Primeiras formas de exploração
 Aspectos da colonização portuguesa da América
43
Europeus na América
Chegada de Cristóvão Colombo à América: 12 de outubro de 1492.

População nativa composta por diferentes sociedades, cada uma com


seus hábitos e sua cultura.

Havia desde pequenos grupos habitando as florestas até grandes


impérios.

Interesse dos conquistadores: ouro e prata, e o enriquecimento rápido.

Sobreviventes das guerras de conquista foram incorporados ao


processo de colonização.
44
Genocídio americano
Genocídio: extermínio de pessoas motivado por diferenças étnicas, raciais,
religiosas, políticas etc.

Estima-se que a população da América na época da chegada dos


europeus era de 50 milhões de pessoas.

Causa da morte de indígenas: guerras de conquista, fome, violência e


doenças.

O resultado é que milhões de indígenas foram dizimados.

45
Colonização espanhola
Elementos da administração espanhola na América.

• Dois vice-reinos foram criados: o de Nova Espanha e o do Peru.


Vice-reinos

• Tinham amplos poderes para governar, mas prestavam contas ao


Vice-reis Conselho das Índias.

• Auxiliares do governo, eram tribunais responsáveis pela


Audiências aplicação da justiça.

• Nas cidades maiores, havia os cabildos. Seus membros eram


Cabildos proprietários de terras e comerciantes.
46
Ingleses e franceses na América
Ingleses Franceses

Colonos compostos, em sua Colonização realizada por


maioria, por puritanos (calvinistas). companhias de comércio.

Primeiras colônias fundadas na


Sofriam perseguições religiosas na
região do Canadá, mas houve
Europa, além de fome.
resistência inglesa e nativa.

Nas Antilhas, os franceses deram


Colonização inicial foi uma início ao cultivo de produtos
iniciativa privada. Em 1607, foi tropicais, usando mão de obra
fundada a primeira colônia inglesa: escrava. Na América do Sul, eles
Jamestown. colonizaram o território da atual
Guiana Francesa. 47
Os portugueses no Brasil

Em 22 de abril de 1500, Pedro


Álvares Cabral chegou às Havia, em 1500, cerca de 5 A colonização no Brasil durou
terras hoje pertencentes à milhões de pessoas. três século.
Bahia.

Esse período é conhecido A colonização iniciou-se a


pelos historiadores como partir de 1530 e tinha como
período colonial ou Brasil objetivo defender o território de
Colônia. outros povos europeus.

48
O choque entre dois mundos
Diferentemente dos portugueses, os indígenas foram vistos pelos europeus como
“selvagens”, “bárbaros” e “criaturas sem almas”

• Muitos povos não conheciam o dinheiro.


Indígenas • Tinham suas próprias crenças e hábitos, como andar
nus.

• Interessados no ouro, na prata e no enriquecimento.


Portugueses • Procuraram impor sua religião e sua forma de ver o
mundo aos indígenas.

49
Terra Brasilis
Trata-se da reprodução de um mapa elaborado em 1519 pelos cartógrafos do governo
português.

Aspectos do mapa:
 Bandeiras portuguesas: o território
representado pertenceria a Portugal.
 Palavras escritas: nomes dados pelos
portugueses às regiões.

Desenhado sobre pergaminho, é um


dos primeiros mapas a representar
os territórios
portugueses na América.
50
Colonização
O pau-brasil foi o produto que mais interessou aos europeus no início da exploração do
território.

Para essa exploração:


 Feitorias: foram criadas feitorias em vários pontos do litoral.
 Escambos: relação comercial baseada na troca, estabelecida entre portugueses e
indígenas.

Instituição das Capitanias Hereditárias

Os donatários, que
Expedição chefiada por
O governo português recebiam lotes de terras,
Martim Afonso, em 1532,
instituiu o sistema de eram responsáveis por
fundou a Vila de São
capitanias hereditárias. promover sua
Vicente.
colonização.
51
Governo-Geral
Em 1549, foi implantado um governo centralizado no Brasil. O primeiro
governador foi Tomé de Souza.

Auxiliares do Governo-Geral

Ouvidor-mor Provedor-mor Capitão-mor

Responsável pela
Responsável por Responsável por
segurança do
aplicar a justiça recolher os impostos
território

Além disso, vieram os jesuítas para implementar a catequização dos indígenas. 52


Apresentação 6
Produção açucareira
 As lógicas mercantis e o domínio europeu sobre os mares e o
contraponto Oriental
 A importância do açúcar
 A sociedade do engenho
 Os holandeses na colônia

53
Impérios coloniais
As Grandes Navegações proporcionaram a formação de Impérios coloniais europeus, com
resultados diferentes para metrópoles e colônias.

Metrópoles Colônias
• Criação de Companhias de Comércio • As conquistas ultramarinas significaram
das Índias Orientais e das Índias violência, trabalho escravo, intolerância
Ocidentais na Inglaterra e na Holanda. cultural e religiosidade.
• A expansão marítima significou a • As regiões só podiam produzir aquilo
acumulação de poder e de riquezas. que era interessante para as metrópoles.

54
A política mercantilista
 Forte intervenção do Estado na economia.
 Adotada no contexto da expansão marítima europeia.
 Marca o crescimento do comércio e a criação de um mercado mundial.

Balança
Protecionismo Metalismo comercial
favorável

Para incentivar o
consumo dos
A riqueza de um país
produtos nacionais, O objetivo era
era medida pela
o governo exportar mais
quantidade de
estabelecia altos produtos e diminuir
metais preciosos
impostos sobre as importações.
que possuía.
produtos
estrangeiros.
55
Japão no século XVII
Temendo a ocupação de suas terras por outros povos, o Japão criou, entre 1633 e 1639,
um conjunto de leis restringindo seu contato com as demais regiões do mundo.

Medidas tomadas pelo governo japonês

Proibiu a construção de navios capazes de navegar


pelos oceanos.

Interditou a importação e a exportação de


mercadorias.

Obrigou os imigrantes que viviam no Japão a se


mudarem para um ilha no porto de Nagasaki.
56
A chegada à Nova Zelândia

Em 1642, navegadores holandeses chegaram a um dos últimos lugares do planeta ainda


desconhecido: a atual Nova Zelândia.

• Os marinheiros eram liderados pelo comandante holandês Abel Janszoon Tasman, a


serviço da Companhia das Índias Orientais.

Embarcações foram ancoradas em uma baía dominada pelos maoris, população nativa.
Houve conflito entre europeus e nativos.

• Somente em 1769, os europeus retornaram à ilha. Essa tarefa ficou a cargo do


explorador britânico James Cook. 57
Cana-de-açúcar no Brasil
Obtido da cana-de-‐ Nos séculos XV e XVI, Por isso, foi o produto
açúcar, o açúcar é uma escolhido para iniciar o
tinha grande valor
das substâncias mais processo de colonização
econômico.
consumidas no mundo. do Brasil.

Os portugueses também
tinham experiência no No Brasil, o açúcar foi
plantio e na produção de produzido nos
cana nas ilhas do litoral engenhos.
africano.
58
A estrutura dos Os engenhos eram grandes propriedades rurais onde
engenhos no Brasil se realizavam as etapas da produção do açúcar, por
meio, sobretudo, do trabalho escravo.

Elementos que compunham os engenhos:


 Canaviais
 Matas
 Senzalas
 Roças
 Casa-grande
 Capela
 Moradia dos trabalhadores livres
 Casa de engenho
 Rio
59
Os holandeses no Brasil
A invasão holandesa no Nordeste brasileiro fez parte de um processo político que
envolveu a Espanha, a Holanda e Portugal.

1624
Holandeses
1581 invadem
Independência Salvador
1580-1640 holandesa
União Ibérica 1654
Expulsão
1630 definitiva
Conquista dos
1625
de Olinda e holandeses
Expulsão
holandesa de Recife
da cidade
de Salvador 60
Área de ocupação holandesa
 Após a conquista de Olinda e de
Recife, os holandeses expandiram
seus domínios para outras regiões do
Nordeste.
 Em 1637, o nobre holandês João
Maurício de Nassau-
-Siegen foi enviado para
administrar a região
batizada de Nova Holanda.

Fonte: BRASIL 500 anos


(1620-1714). v. 3. São Paulo:
Nova Cultural. p. 137.
61
O governo de Nassau
A administração de Nassau buscou recuperar a economia local, prejudicada pelas guerras de
conquista. As principais medidas tomadas por ele foram:

Empréstimo de dinheiro Fiscalização do Garantia de liberdade


aos senhores de fornecimento de mão de culto aos judeus e
engenho. de obra escravizada. católicos.

Igualdade de direitos a
todos os moradores, Transformação da
Contratação de artistas.
holandeses ou paisagem de Recife.
portugueses.
62
Apresentação 7

Escravidão e emergência do
capitalismo
 As lógicas internas das sociedades africanas
 O ser humano como mercadoria
 O tráfico de escravizados na África
 O navio negreiro
 Desembarque na colônia

63
O continente africano
 Grande diversidade de povos,
com sua própria língua,
tradições e religiosidade.
 Entre os séculos VI e XV, havia
grupos nômades, pequenas
comunidades grandes reinos e
Impérios.

Fonte: BLACK, Jeremy (Ed.).


World History Atlas. Londres:
Dorling Kindersley, 2005. p. 62. 64
Reinos e impérios africanos
• Formado a partir da união de vários povos instalados na região atual
Mauritânia.
• As aldeias se ligavam a um rei, conhecido como gana.
Reino de Gana • Para estender sua influência, o rei podia casar-se com várias mulheres
ou promover guerras.
• Dominava a metalurgia.

• No século XIII, a região entre os rios Níger e Senegal era povoada por
aldeias dos povos mandingas, as quais passaram a ser lideradas por
Sundiata Keita no século XIII.
Reino de Mali • Os antigos chefes exerciam o poder local, mas cederam o título de
mansa (rei) a Sundiata Keita.
• Unidade do reino era relativamente frágil.
65
• O povo songai conquistou o Reino do Mali e formou um poderoso
império na região do rio Níger.
• Melhoraram o abastecimento de água em Tombuctu, possibilitando
O Império Songai uma agricultura maior e mais estável.

• Foi fundado próximo ao rio Congo, no final do século XIV.


• A capital desse reino era chamada Banza Congo, e nela vivia o mani
Congo, seu principal governante.
• O reino era muito forte e estava dividido em províncias
Reino do Congo
• No Reino do Congo havia enormes mercados.

66
Outros povos da África

Civilização iorubá Os bantos


• Povos unidos por traços linguísticos e culturais. • Formados por diversos povos africanos
• Desde o século I compunham reinos espalhados que falam uma língua comum.
pelo vale do Rio Níger. • Originalmente viviam na região dos
• Desenvolveu-se em torno de cidades e aldeias atuais Camarões e Nigéria.
independentes entre si. • Havia comunidades independentes
• O obá de Ifê Ifê era o mais poderoso. bantos, mas houve reinos bantos
importantes.

67
A escravidão na África
No século XVI, havia povos africanos que praticavam a escravidão.

Justificativa para a Atividades desempenhadas pelos


escravidão escravos

Realização de delitos
Doméstica
graves
Agricultura e
Prática de adultério
mineração
Rapto de crianças

Endividamento
Inimigo vencido na
guerra
Os escravos não eram essenciais para o funcionamento dessas sociedades e não eram
vistos como mercadorias.
68
O ser humano como mercadoria
No século XV, os portugueses começaram a explorar a costa atlântica do
continente africano.

A partir daí, passaram a comprar africanos escravizados para serem


vendidos na Europa.

Os cativos eram tratados como mercadorias e seu número aumentou.

A maioria dos escravizados estava destinada ao trabalho na agricultura.

69
Etapas do tráfico humano na África
Os africanos eram Portugueses ou luso‐
brasileiros negociavam
capturados em suas com os chefes
aldeias. africanos.

Os comerciantes Os africanos eram


ofereciam produtos levados para as
em troca de feitorias próximas aos
escravizados. portos.

Nas feitorias eles


ficavam presos,
aguardando sua
partida à América. 70
A viagem pelos tumbeiros
As viagens nos navios podiam durar meses.

Era transportado um número excessivo de escravizados por


navios.

A água e os alimentos eram insuficientes.

Devido à alta mortalidade de africanos, os navios ficaram


conhecidos como tumbeiros.

71
O desembarque no Brasil
 Ao desembarcar na colônia, os africanos eram vendidos nos portos.
 Famílias capturadas que haviam conseguido ficar unidas eram, então, desfeitas.
 Os escravos eram minuciosamente analisados pelos compradores.

Principais portos de desembarque Principal destino dos escravizados

Salvador, Recife e Rio de Janeiro. Fazendas agrícolas.


72
Apresentação 8

A expansão colonial e conflitos


 A expansão colonial
 A agricultura de subsistência
 As fazendas de gado
 O Tratado de Madri
 Em busca de escravos (Bandeirantismo)
 Ouro na colônia
 Fiscalização, impostos e contrabando
 Revolta em Vila Rica
73
A expansão Um dos principais acontecimentos na América portuguesa no
colonial século XVII: a expansão territorial.

Inexistência de disputas por terras entre Portugal e Espanha


durante a União Ibérica (1580-1640).

A partir de 1580, novos núcleos de povoamento surgiram nas


atuais regiões Norte e Nordeste.

Criação de gado estendeu-se ao interior nordestino, originando


novos povoados.

As entradas da vila de São Paulo também contribuíram para a


expansão colonial.
74
Agricultura de subsistência
Primeiros tempos coloniais, a agricultura de subsistência era produzida
nos quintais, hortas e pomares de vilas e povoados.

Nos quintais Nas hortas,


Os colonos
criavam-se portos, plantavam-se
consumiam
cabras, galinhas, verduras e legumes
alimentos de
patos. populares na
origem portuguesa,
metrópole, além de
indígena e africana.
espécies nativas.

75
As fazendas de gado
 O gado foi sendo transportado
para o interior do Brasil no século
XVII.
 As fazendas e currais do interior
requeriam baixo capital para sua
instalação e pouca mão de obra.

Fonte: FUNDAÇÃO
Getúlio Vargas. Atlas
histórico do Brasil.
Disponível em: <https://
atlas.fgv.br/marcos/
caminhos-do-gado/
mapas/o-nordeste-dacana-
e-do-gado-noseculo-
17>. Acesso em:
21 set. 2018.
76
Tratado de Madri
Entre os tratados assinados por Portugal e Espanha para estabelecer
os limites territoriais nas colônias americanas, o principal deles foi o
Tratado de Madri.

Assinado em 1750, nesse tratado prevaleceu o princípio do uti


possidetis.

As fronteiras seriam determinadas, principalmente, por acidentes


geográficos, como rios e montanhas.

77
Bandeirantismo
 Na São Paulo de Piratininga, localizada na capitania de São Vicente, os habitantes
dedicavam-se ao cultivo de trigo, milho e mandioca.
 Os paulistas escravizavam indígenas para utilizá-los como mão de obra.

Tipos de bandeira

Bandeiras de preação Bandeiras de prospecção

Realizadas para atender à


O objetivo era a captura de
Coroa portuguesa. Corria‐se
indígenas. pelo interior em busca de
metais preciosos.
78
Ouro na colônia
Bandeirantes paulistas encontraram em 1693 as primeiras
porções de ouro na região do atual estado de Minas Gerais.

Com a descoberta, houve grande deslocamento de pessoas para


a região, a fim de explorar o ouro.

Os principais núcleos urbanos surgidos na região das minas


foram Vila Rica, Mariana e São João del-Rei.

Entre 1707 e 1709, houve a Guerra dos Emboabas, conflito entre


paulistas e não paulistas pela exploração do ouro.

79
O controle metropolitano
O governo de Portugal criou
leis que assegurassem os
privilégios da Coroa na Foram enviados, para a região
mineração. das minas, militares e outros
servidores, a fim de aplicar as
novas leis.

Criação da Intendência das minas

• Tinha sob sua responsabilidade a fiscalização e a exploração das minas, além de garantir
a aplicação das leis e de cobrar impostos.
• Cargo mais alto – superintendente, auxiliado pelos guardas-mores e guardas-menores.

80
O quinto e contrabando
Uma das leis criadas pela
Mineradores que não
metrópole determinava que a
queriam pagar o quinto
quinta parte (ou 20%) do
usavam vários recursos para
total do ouro devia ser
burlar a lei da fiscalização.
enviada a Portugal.

Para impedir o contrabando,


o governo proibiu a
construção de novas Provedores e escrivães eram
estradas e instalou nas já responsáveis pela cobrança
existentes postos de do imposto sobre o ouro que
fiscalização, conhecidos ainda não havia sido pago.
como registros.
81
A Revolta de Vila Rica
• Criação das Casas de Fundição pelo governo português.
• Todo o material extraído deveria ser levado a essas casas, onde seria fundido
1719 e cobrado o quinto.

• Um grupo de mineiros se reuniu para reivindicar o fim das casas de fundição.


1720 • Os líderes eram Pascoal da Silva Guimarães e Filipe dos Santos.

Reação portuguesa
 Mobilização das tropas dos Dragões Reais.
 Principais líderes do movimento foram presos, e suas casas foram incendiadas.
 O tropeiro Filipe dos Santos foi o único condenado à forca.

82