Você está na página 1de 58

UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul

EE - Escola de Engenharia
DEMEC - Departamento de Engenharia Mecânica

Medições Mecânicas
(ENG03353-Medições Mecânicas)
Prof. Herbert Martins Gomes

Aula 1
Medições Mecânicas
SÚMULA
Instrumentos de medida e de controle: de temperatura, de pressão, de nível, de vazão, de força, de
rotações e de outras grandezas de ocorrência em engenharia. Métodos de medição e de aferição dos aparelhos.
 
OBJETIVOS
Esta disciplina objetiva apresentar, revisar e ampliar os seus conhecimentos em termos de
uso e manipulação de instrumentos, chamando a atenção para suas principais características. São
salientados aspectos importantes de certas técnicas de medição, bem como aferição e calibração
de instrumentos, o uso do computador na aquisição e processamentos de dados de laboratório,
simulações de medições, etc. Nisto incluem-se os conceitos de medição, unidades e padrões de
medidas, incertezas de medição, sensores e condicionadores de sinais, medidas de tensões e
deformações, medidas de força e torque, medidas de velocidade e aceleração, medidas acústicas.

 METODOLOGIA E EXPERIÊNCIAS DE APRENDIZAGEM


Serão conduzidas aulas expositivas com o auxílio audiovisual e aulas em laboratório, onde serão
analisados casos de medições com diferentes tipos de sensores por grupos de alunos. Eventualmente haverá
visitas a empresas que apresentem casos práticos a serem analisados e vistos pelos alunos referentes à
instrumentação de linhas de produção, ensaios, etc. Adicionalmente, atividades não presenciais estão
programadas na forma de leituras e listas de exercícios disponíveis na internet. 
Medições Mecânicas
SISTEMA DE AVALIAÇÃO:
a)    P1, 1a Prova até metade do conteúdo programático (0,30).
b)    P2, 2a Prova com o resto do conteúdo programático (0,40).
c)    MR, Média dos Relatórios das aulas de laboratório (0,30).

NF=P1 x 0,30 + P2 x 0,40 + MR x 0,30

Conceito FF (Frequência < 75%)


Conceito D (NF < 6,0)
Conceito C (6,0< NF <8,0)
Conceito B (8,0 < NF <9,0)
Conceito A (9,0 < NF < 10,0)

A frequência será averiguada a cada período de aula de 2h. Apenas para alunos que tiverem frequência
acima de 75% (no máximo 8 períodos de 2h faltosos), será permitido obter, no final, uma nova Nota em um
Exame (NE) com todo o conteúdo programático. A média aritmética da Nota do Exame com a Nota Final
deverá ser superior a 6,0. (NE+NF)/2 > 6,0.
 
Medições Mecânicas
BIBLIOGRAFIA:
 
Básica Essencial
BECKWITH,, T. G.; MARANGONI, R. D.; LIENHARD V, J. H. Mechanical Measurements, 5th Edition, Addison-
Wesley Publishing Company, 1993, 866p.
DOEBELIN, E., Measurement Systems, McGraw-Hill, 5th. Edition, 2003.
HOLMAN, J. P., Experimental Methods for Engineers, Ed. McGraw Hill, 2000.
 
Básica
DALLY, J.; RILEY, W. F.; MCCONNELL, K. G. Instrumentation for Engineering Measurements, John Willey & Sons,
1993, 584p.
DALLY, J., RILEY, W. F., Experimental Stress Analysis, Mcgraw-Hill College; 3rd edition, 672p., 1991.
FIGLIOLA, R. S.; BEASLEY, D. E., Theory and Design for Mechanical Measurements, 3rd Edition, Wiley Ed., 632p.,
2000.
 
Complementar
ZARO, M. A.; BORCHARDT, I. G., Extensômetros de resistência elétrica, Ed. UFRGS, 1982.
ZARO, M. A.; BORCHARDT, I. G., Instrumentação: guia de aulas práticas, Ed. UFRGS, 1982.
FIALHO, A. B. Instrumentação Industrial: conceitos, aplicações e análises, Ed. Érica, 2002, 276p.
POBLET J. M., Tranductores y medidores electrónicos, Marcombo Boixareu Editores, 1983.
WHEELER, A. J.; GANJI, A. R., Introduction to Engineering Experimentation, Ed. Prentice Hall, 1995.
Medições Mecânicas
A medição se faz presente no cotidiano das atividades do ser humano
Medições Mecânicas
O sistema de Medição Generalizado

Detector ou Sensor – parte do sistema que reponde diretamente ao mensurando

Transdutor – parte do sistema que traduz o valor do mensurando em uma outra medida analógica
de mais fácil medição (p.e., voltagem, deslocamentos, etc.)

Condicionador de sinais – parte do sistema de medição que filtra, amplifica, atenua, integra,
diferencia, converte frequência para voltagem, etc., o sinal vindo do transdutor.

Registradores – parte do sistema de medição que registra os valores da medição


Medições Mecânicas
Vantagens dos Transdutores Elétricos
• Amplificação e atenuação podem ser obtidos facilmente;
• Efeitos Inerciais são minimizados;
• Efeitos de atrito são minimizados;
• Indicação e gravação remota do mensurando;
• Geralmente são miniaturizáveis;
• Atualmente a maioria dos equipamentos de requerem entrada/saída elétrica.

O Sistema Transdutor-Sensor
A principal função do sensor/transdutor é sentir o mensurando e fornecer uma saída analógica
(p.e. microfone);
• Na verdade o sensor/transdutor medirá tanto a quantidade de interesse quanto “Ruído”, ou
seja, quantidades que não são de interesse;

Exemplos de Sensores/ Transdutores:


-Termopares (diferenças de temperatura em voltagem);
-Strain Gauges (deformações em variações de resistência);
-Células fotoelétricas (luz em energia);
-Manômetros de tubo(diferença de pressão em altura de coluna de líquidos).
Medições Mecânicas
O que se deve conhecer sobre o mensurando?
• Se as grandezas são estáticas ou dinâmicas (em relação ao tempo de medição);
• Qual Amplitude de variação da quantidade? (limites de variação);
• Se a quantidade medida tem caráter repetitivo (Componente de frequências);
• Se há alguma forma de transformar a quantidade de interesse em grandezas elétricas.

O que se deve conhecer sobre o sensor?


• Qual o princípio físico de operação? (implica em limitações na medida?);
• Se sua Resolução é capaz de avaliar com exatidão o mensurando;
• Se sua Sensibilidade consegue capturar pequenas variações no mensurando;
• Qual o seu tempo de resposta? (é capaz de acompanhar as variações do mensurando?);
• Qual a sua faixa de operação (é capaz de capturar todas as variações possíveis do mensurando?)

A necessidade de Calibração
• Ao invés de aceitar cegamente os valores do instrumento, através da calibração estabelece-se a exatidão da
medida do instrumento.
• Envolve geralmente a comparação do instrumento com:
-Um padrão primário (difícil de ser conseguido)
-Um padrão secundário (com exatidão conhecida e maior que a do instrumento). Geralmente um “sinal”
de entrada precisamente conhecido.
Medições Mecânicas
Medidor de pressão de pneu Medidor de pressão tipo Bourdon
Registrador

Transdutor

Sensor/ detector
Medições Mecânicas
Instituições Dedicadas à Normatização
• International Organization for Standardization (Normas ISO)

• Americam Standardization (Normas ASTM)

• Associação Brasileira de Normas Técnicas (Normas ABNT)

• Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (INMETRO)

• Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM)

• Sistema Inter-Americano de Metrologia(SIAM)


(Organização Regional de Metrologia para as Américas)

• Rede Brasileira de Calibração (RBC)

1
Medições Mecânicas
Rede Brasileira de Calibração na Rede Metrológica Internacional

1
Medições Mecânicas
Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM - 1995) Grandezas e
Unidades
Grandeza - Atributo de um fenômeno, corpo ou substância que pode ser qualitativamente
distinguido e quantitativamente determinado.
Grandeza de Base - Grandeza que, em um sistema de grandezas, é por convenção aceita como
funcionalmente independente de uma outra grandeza.
Grandeza Derivada - Grandeza definida, em um sistema de grandezas, como função de grandezas
de base deste sistema.
Dimensão de uma Grandeza - Expressão que representa uma grandeza de um sistema de
grandezas, como produto das potências dos fatores que representam as
grandezas de base deste sistema. Grandezas Bases L,M,T, Grandezas derivadas Pressão: LMT -2,
Densidade:ML-3, etc.
Grandeza Adimensional – Grandeza sem Grandeza de Base, p.e., deformação linear relativa,
coeficiente de atrito, etc.
Unidade de Medida - Grandeza específica, definida e adotada por convenção, com a qual outras
grandezas de mesma natureza são comparadas para expressar suas magnitudes em relação àquela
grandeza.
Sistema Coerente de Unidades - Sistema de unidades de medida no qual todas as unidades
derivadas são coerentes, p.e., Sistema Internacional de Unidades, SI:
m; kg; s; m2, m3, Hz=s-1, m.s-1, ms-2,N=kg.m.s-2, Pa=kg.m-1.s-2
Sistema Internacional de Unidades - Sistema coerente de unidades adotado e recomendado pela
Conferência Geral de Pesos e Medidas (CGPM). 1
Medições Mecânicas Grandezas e Unidades
Grandezas de Base do Sistema Internacional

Valor de uma Grandeza –Expressão quantitativa de uma grandeza específica, geralmente sob a
forma de uma unidade de medida multiplicada por um número, p.e., massa: 0,125 kg=125 g,
quantidade de matéria: 0,016 mol de H2O, etc. 1
Medições Mecânicas

1
Medições Mecânicas

1
Medições Mecânicas Grandezas e Unidades
Valor Verdadeiro (VV) -Valor consistente com a definição de uma dada grandeza específica. É
um valor que seria obtido por uma medição perfeita. Valores verdadeiros são, por natureza,
indeterminados.

Valor Verdadeiro Convencional (VVC) - Valor atribuído a uma grandeza específica e aceito, às
vezes por convenção, como tendo uma incerteza apropriada para uma dada finalidade.
Frequentemente, um grande número de resultados de medições de uma grandeza é utilizado
para estabelecer um valor verdadeiro convencional, p.e., a constante de Avogadro é definida
sendo A= 6,0221367 x 1023 mol-1, a constante gravitacional, etc.

Erro de Medição - Resultado de uma medição menos o valor verdadeiro do mensurando,


EM=RM - VV

Escala de Referência Convencional - É um conjunto de valores ordenados, contínuos ou


discretos, definidos por convenção e como uma referência para classificar em ordem crescente
ou decrescente grandezas de mesma natureza, p.e., escala de pH em química, escala de
temperaturas Kelvin, etc.

1
Medições Mecânicas Medições
Mensurando - Objeto da medição. Grandeza específica submetida à medição. A especificação de
um mensurando pode requerer informações de outras grandezas como tempo, temperatura ou
pressão.

Grandeza de Influência - Grandeza que não é o mensurando, mas que afeta o resultado da medição
deste, p. e., a temperatura de um micrômetro usado na medição de um comprimento, etc.

Medição - Conjunto de operações que tem por objetivo determinar um valor de uma grandeza.

Procedimento de Medição - Conjunto de operações, descritas especificamente, usadas na


execução de medições particulares, de acordo com um dado método.

Repetitividade - Grau de concordância entre os resultados de medições sucessivas de um mesmo


mensurando efetuadas sob as mesmas condições de medição.

Reprodutibilidade - Grau de concordância entre os resultados das medições de um mesmo


mensurando efetuadas sob condições variadas de medição.

1
Medições Mecânicas Resultados de Medição
Desvio Padrão Experimental - Para uma série de “n” medições de um mesmo mensurando, a
grandeza “s”, que caracteriza a dispersão dos resultados, é dada pela fórmula:

n n
(x i  x) 2
x i

s
s i 1
x i 1   lim x
n 1 n
n  n
Incerteza de Medição - Parâmetro, associado ao resultado de uma medição, que caracteriza a
dispersão dos valores que podem ser fundamentadamente atribuídos a um mensurando.

Erro/Incerteza de Repetitividade (Aleatório) – Resultado de uma medição menos a média que


resultaria de um infinito número de medições do mesmo mensurando efetuadas sob condições
de repetitividade. Ex.: erros humanos, erros das condições ambientais, falta de sensibilidade dos
instrumentos, etc.

Erro/incerteza de Exatidão (Sistemático) – Média que resultaria de um infinito número de


medições do mesmo mensurando, efetuadas sob condições de repetitividade, menos o valor
verdadeiro do mensurando. Ex.: calibração, erros humanos, defeitos do equipamento, resolução
do instrumento, erro de paralaxe.

1
Medições Mecânicas Resultados de Medição
Sensibilidade - Variação da resposta de um instrumento de medição dividida pela correspondente
variação do estímulo.

Resolução - Menor diferença entre indicações de um dispositivo mostrador que pode ser
significativamente percebida.

Exatidão - Grau de concordância entre o resultado de uma medição e um valor verdadeiro do


mensurando.

Nem repetitivo nem Repetitivo mas não


exato exato

Exato mas não repetitivo Repetitivo e Exato


1
Medições Mecânicas
Frequência de ocorrência

Distribuição de frequência das


medidas

Erro de Exatidão (Sistemático)

Erro de Repetitividade
(Aleatoriedade)

Erro Total combinado

Xverdadeiro(VV) Xm x

Incerteza Total = [ (Incerteza Exatidão)2 + (Incerteza Repetitividade)2 ]1/2


2
Medições Mecânicas Resultados de Medição
Zona Morta - Intervalo máximo no qual um estímulo pode variar em ambos os sentidos, sem
produzir variação na resposta de um instrumento de medição.

Estabilidade - Aptidão de um instrumento de medição em conservar constantes suas


características metrológicas ao longo do tempo.

Deriva – Variação lenta de uma característica metrológica de um instrumento de medição.

Tempo de Resposta - Intervalo de tempo entre o instante em que um estímulo é submetido a uma
variação brusca e o instante em que a resposta atinge e permanece dentro de limites
especificados em torno do seu valor final estável.

Exatidão de um Instrumento – Aptidão de um instrumento de medição para dar respostas


próximas a um valor verdadeiro.

Classe de Exatidão –Classe de instrumentos de medição que satisfazem a certas exigências


metrológicas destinadas a conservar os erros dentro de limites especificados.

2
Medições Mecânicas
Calibração – Conjunto de operações que estabelece, sob condições especificadas, a relação
entre os valores indicados por um instrumento de medição ou sistema de medição ou valores
representados por uma medida materializada ou um material de referência, e os valores
correspondentes das grandezas estabelecidos por padrões.

Ajuste - Operação destinada a fazer com que um instrumento de medição tenha desempenho
compatível com o seu uso.

Rastreabilidade - Propriedade do resultado de uma medição ou do valor de um padrão estar


relacionado a referências estabelecidas, geralmente padrões nacionais ou internacionais, através
de uma cadeia continua de comparações, todas tendo incertezas estabelecidas.

Faixa Nominal (Range)- Limites de medição de um instrumento

Amplitude da Faixa Nominal (span) – Diferença em módulo das duas faixas limites

Mobilidade – Maior variação do estímulo que não produz variação detectável na resposta do
instrumento.

Discrição – Aptidão do instrumento de medição em não alterar a grandeza medida.

2
Medições Mecânicas Padrões
Padrão -Medida materializada, instrumento de medição, material de referência ou sistema de
medição destinado a definir, realizar, conservar ou reproduzir uma unidade ou um ou mais
valores de uma grandeza para servir como referência.
Padrão Internacional - Padrão reconhecido por um acordo internacional para servir,
internacionalmente, como base para estabelecer valores a outros padrões da grandeza a que se
refere.
Padrão Nacional - Padrão reconhecido por uma decisão nacional para servir, em um pais, como
base para estabelecer valores a outros padrões da grandeza a que se refere.
Padrão Primário - Padrão que é designado ou amplamente reconhecido como tendo as mais
altas qualidades metrológicas e cujo valor é aceito sem referência a outros padrões de mesma
grandeza.
Padrão Secundário - Padrão cujo valor é estabelecido por comparação a um padrão primário da
mesma grandeza.
Padrão de Referência - Padrão a partir do qual as medições lá executadas são
derivadas.
Padrão de Trabalho - Padrão utilizado rotineiramente para calibrar ou controlar medidas
materializadas, instrumentos de medição ou materiais de referência.
Padrão de Transferência - Padrão utilizado como intermediário para comparar padrões
Padrão Itinerante - Padrão, algumas vezes de construção especial, para ser transportado entre
locais diferentes.

2
Medições Mecânicas
Dígitos Significativos, Arredondamento e Truncamento
Número – Uma série de dígitos com suas casas decimais para representar uma grandeza
Número inteiro – Número sem parte fracionária
Número Misto – Número que contém parte fracionária
Dígitos Significativos – Dígitos que são necessários para atribuir um valor realístico a um resultado.
Dígitos não-significativos – números que não acrescentam significado a um resultado
Truncamento – Simplificação de um número por simples corte arbitrário em determinado dígito significativo
Arredondamento – Descarte de dígitos significativos e aumento ou diminuição do dígito significativo vizinho
à esquerda.
# se o dígito a arredondar for maior que 5, aumentar em 1 decimal o restante
# se o dígito a arredondar for menor que 5, diminuir em 1 decimal o restante
# se o dígito a arredondar for 5, aumentar 1 se o vizinho significativo for ímpar e deixar como estar
se for par

Manipulação de Dígitos Significativos


Adição ou subtração – o resultado não deve ser mais preciso que o menos preciso
dos números manipulados
Multiplicação ou divisão - o resultado deve conter dígitos significantes não maiores que o
número com menos dígitos significativos usado.

2
Medições Mecânicas
-Os zeros são significativos apenas para reservar casas decimais

Exemplo: Seja a especificação de uma frequência f =1700 Hz


-pode ser o arredondamento de 1699.8 Hz para quatro dígitos significativos
então neste caso os dois zeros são significativos, o correto seria 1.700x10 3 Hz
(4 dígitos significativos)
-pode ser o arredondamento de 1696 Hz p/ 3 algarismos significativos
então neste caso apenas o 1o zero é significativo , o correto seria 1.70x10 3 Hz
(três dígitos significativos)
-pode ser o arredondamento de 1667 Hz p/ 2 algarismos significativos
então neste caso nenhum zero é significativo, o correto seria 1.7x10 3 Hz
(dois dígitos significativos)

Preferencialmente especificar os números em potências quando possível a fim de evitar dúvidas quanto ao
número de dígitos significativos

160.45 + 6.732 =167.182 => 167.18 6.234+8.2+4.95=19.384 => 19.4

0.000172 X 100.40=0.0172688 =>0.0173

45.621 + 4.3 - 6.41 = 43.5

6.234 x 8.20/4.9585=10.309327 => 10.3 2


Medições Mecânicas
Propagação de Erros
Método Kline e McClintock

Se uma grandeza é definida em função de outras através de uma relação funcional do


tipo:
Z  f ( X 1 , X 2 ,..., X n )
Então o erro resultante em Z devido aos erros nas outras grandezas é dado por:

Z Z Z
Z  ( X 1 )  (
2
X 2 )  ...  (
2
X n ) 2
X 1 X 2 X n
Exemplo: Dados dois resistores R1=20  2% e R2=300   2%, determine a
resistência equivalente e seu respectivo erro para a associação em série e paralelo.

-Série Rc=R1+R2 Rc=320  Rc=  [(1x0.4)2 + (1x6)2]1/2= 6,01 


Rc= 320  6,01  = 320  1,87%

-Paralelo 1/Rc=1/R1+1/R2 Rc= 18.75 


Rc=  [(0.879x0.4)2 + (0.0039x6)2]1/2= 0,35 
Rc= 18.75  0,35 = 18.75  1.9% 2
Medições Mecânicas
Erros introduzidos por Instrumentos Analógicos (Incerteza de Exatidão)
É representado pelo índice de classe que é o quociente entre o valor absoluto máximo do erro,
suposto constante em toda gama de medições, e o valor máximo da escala de medição. Assim o erro
máximo da escala de medição será:

( I .C . VFE )
 máx  VFE - Valor do fundo da escala
100%
Exemplo: Um voltímetro possui erro de 5% (I.C.=5%) de fundo de escala e está sendo utilizado na
escala de 1000 V, para medir 220 V. Qual o erro da medida?

=(2205%1000) V = (22050)V = (220V23%)

Erros Introduzidos por Instrumentos Digitais (Incerteza de Exatidão)


1)Erro devido ao sinal de entrada, que é um percentual da grandeza medida
2)Erro de resolução dada, em termos do número de dígitos da década menos significativa.

Exemplo: Um voltímetro digital de 41/2 dígitos tem especificado erro de (0.8% da leitura + 3
dígitos). Está na escala de 20V o valor indicado é de 8,0 V. Qual o erro associado a esta leitura?
1=  0,8% 8,0V=0.064V
2=  0.003 c= (0.0032+0.0642)1/2 V= 0.06V
2
Medições Mecânicas
Erros introduzidos para Medições Dimensionais
(Incerteza de Exatidão)

Réguas de aço
Classe 1- (50+0.15L) m L em mm
Classe 2- (100+0.3L) m L em mm

Trenas de Aço
Classe 1- (0.3+L/10000) mm L em mm
Classe 2- (0.6+L/5000) mm L em mm

Trenas de Fibra
Classe 1- (0.3+0.2L) mm L em m
Classe 2- 2(0.3+0.2L) mm L em m

Paquímetros e similares (resolução de x)


(0.29x)

Cada equipamento utilizado para medição possui, associado a ele, suas incertezas induzidas na
exatidão, ao serem utilizados para fazer medições de grandezas
2
Medições Mecânicas
Revisão de Estatística – Tratamento do Erro de Repetitividade

-Média -é a soma de todos os valores, dividida pelo número desses valores


10; 2; 9; 6; 8
= (10 + 2 = 9 + 6 + 8) /5 = 7

-Mediana - é o valor que ocupa a posição central das ordenadas, metade dos dados são menores
ou iguais à mediana
71; 82; 57; 68; 78; 75; 64; 61; 85
Ordenando :57; 61; 64; 68; 71; 75; 78; 82; 85

-Moda -é o valor que ocorre com mais frequência.


5; 4; 3; 6; 6; 3; 1; 6; 2 moda 6

-Amplitude total - a diferença entre o maior e o menor valores


2; 3; 6; 9; 11; 10; 9; 7; 4 A=11-2= 9

-Desvio médio - Dm 
 di   ( x  x )
n n
2
Medições Mecânicas
Função de Densidade de Probabilidade de Gauss (amostras >30)
(Distribuição de Gauss)

1 ( x   )2
f(x) f ( x)  exp[ ]
 2 2 2

1
a b  2

 x1 x2 x
 
2 2
3 3
3
Medições Mecânicas
Função de Distribuição Acumulada de Gauss
F(x) F ( x)   f ( x)dx

1,0

0,5

 x

3
Medições Mecânicas x2
P[ x1  x  x2 ]   f ( x) dx  F ( x2 )  F ( x1 )
x1
n n
x i  i
( x  x ) 2

  lim i 1
  lim i 1
n  n n  n
P[   1  x    1 ]  0.683 (68.3%)
P[   1.64  x    1.64 ]  0.90 (90%)
Intervalos de Confiança
P[   1.96  x    1.96 ]  0.95 (95%) (c%) ou fator de abrangência
(k)
P[   3  x    3 ]  0.997 (99.7%)

Distribuição Normal Padrão – Grandes Amostras


x 1 z2
z f ( z)  exp[ ] a integral desta função é
  2 2 tabelada

x    z
3
Medições Mecânicas
zc / 2  z0.95/ 2  z0.475  1.96
Exemplo: Encontrar qual o
intervalo de confiança 95% p/
distribuição de Gauss

P[   1.96  x    1.96 ]  0.95

3
Medições Mecânicas
Distribuição t-Student – Pequenas Amostras (n<30)
n n
x i  i
( x  x ) 2
t
x 
x i 1
S i 1
S/ n
n n 1

f(t)
Graus de liberdade   n 1   30

 6
 1

3 2 1 1 2 3 t
0

3
Medições Mecânicas
Exemplo: Encontrar o
Intervalo de confiança(fator de
abrangência k) para nível de significância
de 90% de uma distribuição de Gauss e t-
Student

α%=1-C%
Área sobre a curva t-
Student, com a tabela
unicaudal

Se n>30 (Gaussiana)
zc / 2  z0.9 / 2  z0.45  1.64
Se n<30 (p.e., n=11, =11-1=10)

t / 2;  t(10.9) / 2;  t0.05;  1.812


3
Medições Mecânicas
Exemplo: Sabendo-se a média e o desvio padrão de certa população, encontrar o número de
amostras necessárias para se ter, com nível de confiança de 95%, a média especificada com
uma tolerância de b%.
x  b% x e nível de confiança de 95%
S
x  b% x  x  t / 2
S n
b% x  t / 2 e com t / 2  f ( )  f (n  1)
n
• Assume-se um valor de n
• Calcula-se =n-1
  1 c
• Calcula-se
t / 2
• Calcula-se
• Resolve-se a equação abaixo para “n”, arredondando para um número inteiro o
resultado S
b% x  t / 2
n
• Repete-se até “n” ficar constante

3
Medições Mecânicas
Exemplo: Encontrar o número de amostras necessárias para se ter, com nível de confiança de
95%, a média especificada com uma tolerância de 5%.

Dados: x  78.4 S  6.04

0.05  78.4  t0.025 6.04 / n


p/ n=20 =19 =0.05 t0.025=2.09 n=10.4
p/ n=11 =10 =0.05 t0.025=2.23 n=11.8
p/ n=12 =11 =0.05 t0.025=2.20 n=11.5

Assim é necessário uma amostra com tamanho no mínimo 12 para assegurar uma
tolerância de 5% na avaliação do valor médio, com um nível de confiança de 95%

3
Medições Mecânicas
Comparação entre médias de amostras pelo Teste t-Student
Como comparar duas populações (com médias e desvios padrões dados) para
saber se são iguais ou diferentes?

Coeficiente t de comparação Graus de Liberdade


1   2 [( S12 / n1 )  ( S 22 / n2 )]2
t  2
( S12 / n1 )  ( S 22 / n2 ) ( S1 / n1 ) 2 ( S 22 / n2 ) 2

n1  1 n2  1

Comparação

Se t  t / 2; Então as médias não são significativamente


diferentes no nível de confiança adotado
3
Medições Mecânicas
Ajuste Linear pelo Método dos Mínimos Quadrados
Quando o erro nos dados “y” seja substancialmente maior que os dados em “x”, o
método da regressão linear possibilita calcular a linha y(x)=ax+b que minimiza os erros
quadráticos entre o valor ajustado e os valores experimentais.
n
S   [ yi  f ( xi )]2
2

i 1
Pelo método dos mínimos quadrados chega-se a:

n xi yi   xi  yi  i  i  xi  xi yi
y x 2

a b
n x  ( xi )
2
i
2
n xi2  ( xi )2
O coeficiente de correlação r2 dá uma indicação se o ajuste feito é bom (quanto mais
próximo de 1 o valor r, melhor o ajuste):
n xi yi   xi  yi
r a
2

n yi2  ( yi ) 2
Para valores de | r | > 0.9, um melhor indicador do ajuste é (quanto mais próximo de
0 o valor H, melhor o ajuste):
H 2  1  r2
3
Medições Mecânicas
E o desvio padrão para o ajuste linear vem dado por:

S2
Sy 
n2
Supondo que o ajuste tenha sido feito num número de amostras inferior a 30 (n<30),
Então podemos especificar intervalos de confiança (c%) para a inclinação da reta
ajustada “a” e para o ponto de intersecção “b”.

Sy 1 xm2
a  t / 2, b  t / 2, S y  2
Sx n Sx
Sendo

 n2 graus de liberdade

  1 c nível de significância para


intervalo de confiança c%
n
S x 2   ( xi  xm ) 2 Variância dos valores de x
i 1
4
Medições Mecânicas

y(x)

Sy
Sy

Distribuição da precisão do erro em y


(Sy)
b y(x)=ax+b

4
Medições Mecânicas
Critério para Rejeição de Dados Coletados “Outliers”
(Critério de Chauvenet)

Em geral amostras que tenham desvio para média maiores que 3S (três desvios
padrões da amostra) devem ser descartadas:

Se di  | xi  x |  3  S descartar amostra
Este critério pode ser estendido para pequenas amostras (Critério de Chauvenet –
probabilidade de que a amostra tenha desvio da média inferior a 1/n )

Se di  | xi  x |  d  S descartar amostra
onde

4
Medições Mecânicas
Exemplo: Sejam 100 medidas de pressão como indicadas abaixo:
Pressão (MPa) Número de Resultados Desvio, d d2
3.970 1 -0.038 144.4x10-5
3.980 3 -0.028 78.4x10-5 Amostra
3.990 12 -0.018 32.4x10-5 Descartada
4.000 25 -0.008 6.4x10-5
4.010 33 0.002 0.4x10-5
4.020 17 0.012 14.4x10-5
4.030 6 0.022 48.4x10-5
4.040 2 0.032 102.4x10-5
4.050 1 0.042 176.4x10-5

Total: 400.770 100 1858x10-5


n n
 xi  i
( x  x ) 2

x i 1
 4.008 MPa s i 1
 0.014 MPa
n n 1

d  S  2.81 S  0.03934 MPa


4
Medições Mecânicas
Exemplo: Sejam 10 amostras de resistores com valor nominal de 18 k e uma tolerância
descrita pelo fabricante de 10% com nível de confiança de 95%. Tem-se um lote de 10
amostras medidas com um multímetro digital de 31/2 dígitos e erro especificado de (2.0% da
leitura + 2 dígitos) para a escala de 20k . Deseja-se saber como obter o valor das resistências
do lote de amostras com um nível de confiança de 95%.

Número Resistência(k) Desvio


1 18.12 0.80
2 17.95 0.63
3 18.17 0.85
4 18.45 1.13
Ok!
5 16.24 -1.08
6 17.82 0.50
7 16.28 1.04
8 16.32 1.00
9 17.91 0.59
10 15.98 -1.34

x  17.32 K  S  0.9820 K  Chauvenet=> d  S  1.96  S  1.9247


4
Medições Mecânicas
-Erro de Repetitividade (Aleatoriedade)
  10  1  9 graus de liberdade (pequenas amostras)
  1  c  1  0.95  0.05
S
t / 2  t0.025  2.262 R  t / 2  0.7024
n
então (17.32  0.7024) K  com nível de confiança de 95%
Rc=0.7024k
-Erro de Exatidão (Sistemático+Precisão)
1=  2% x =0.3464 k 
2=  0.02 k  Ec= (0.022+0.34642)1/2 k=0.3469k

-Incerteza Total
Ic= (Ec2+ Rc2)1/2=0.78 k

então (17.32  0.78) K  com nível de confiança de 95%


4,5% 4
Medições Mecânicas

Características Estáticas de
Sistemas de Medição

4
Medições Mecânicas
Caracterização de Sistemas de Medição
-Faixa de Operação -Mobilidade
-Sensibilidade -Discrição
-Resolução -Rastreabilidade
-Erro
-Linearidade
-Conformidade
-Histerese
-Repetitividade
-Exatidão
-Tolerância
-Confiabilidade

Função de Transferência (representa o sistema medição)


y = f (xm, xe1, xe2, xe3, ...., xek, ...., xe)
Xm- mensurando
y – variável de saída obtida (elétrica, mecânica, etc)
xe –outras variáveis de entrada 4
Medições Mecânicas
Faixa de Operação (Fundo de Escala)
– Limites superior e inferior do mensurando que podem ser medidos

y=f(x1)
Fundo de escala de saída
FSs

Faixa de Operação Fundo de escala da entrada


(saída) FSe

x1
Faixa de Operação
(entrada)

4
Medições Mecânicas
Sensibilidade Estática (Ganho)
-Variaçãoda resposta de um instrumento de medição dividida pela
correspondente variação do estímulo.

f
Sxk 
x k x , x , x ,...
1o 2o 3o

y=f(x1)

df

dx1 x1
4
Medições Mecânicas
Resolução de Entrada (Threshold)
– Menor variação do mensurando para a qual o sistema de medição responderá
(dxmin)

Resolução de Saída
– Maior salto da medida em resposta a uma variação infinitesimal do mensurando
(dymax)

y=f(x1) dydy
max
max

dxdx
min
min

Resolução
%= dxmn/FSe
de Entrada

x1 Resolução
%= dymax/FSs
de Saída

5
Medições Mecânicas
Linearidade
- Quantifica o quão linear é a função de transferência
-Máximo desvio da função de transferência do instrumento de uma reta de
referência
-Aplica-se a sistemas de medição projetados para serem lineares

y=f(x1)
Difmax
Linearidade % =  100.Difmax/FSs

x1

5
Medições Mecânicas
Reta de Referência

– Linearidade teórica
Reta unindo a saída teórica mínima e máxima
– Linearidade terminal
Reta unindo os pontos de zero e fundo de escala de entrada e saída
– Linearidade independente
Linha média entre linhas paralelas o mais próximas uma da outra
contudo englobando todos os valores obtidos durante o procedimento
de calibração
– Linearidade mínima quadrática
Linha para a qual a soma dos quadrados das diferenças entre os valores
lidos e a reta de referência é mínima

5
Medições Mecânicas
Conformidade
– Quantifica o quão a função de transferência do instrumento se conforma
à função de transferência prevista teoricamente
– Máximo desvio da função de transferência do instrumento em relação a
uma curva de referência
– Aplica-se a sistemas de medição não lineares

y=f(x1)
Difmax Conformidade % =100.Difmax/FSs

x1

5
Medições Mecânicas
Histerese
– Quantifica a máxima diferença entre leituras para um mesmo
mensurando, quando este é aplicado a partir de um incremento ou
decremento do estímulo

y=f(x1) Histma
Histerese % =100.Histmax/FSs %

x1

5
Medições Mecânicas
Repetibilidade
– Quantifica a variação nas medidas fornecidas pelo instrumento em resposta
ao mesmo valor de mensurando, quando este é aplicado sob as mesmas
condições e na mesma direção.
– Quantifica os erros não sistemáticos ou a incerteza

curva média
y=f(x1)
Precisão % =  100.ymax/FSs %
ymax

ymax valor estatístico


x1

5
Medições Mecânicas
Exatidão
– Quantifica a concordância entre o valor da medida e o valor ideal da
medida quando o instrumento é estimulado com um padrão de comparação
• Padrões de comparação são estabelecidos pelo “National Institute of
Standards and Technology” (NIST)
– Quantifica erros sistemáticos e não sistemáticos (todos os erros)
– Estabelece o conceito de Banda de Erro

y=f(x1)
Banda de Erro
Expressa como percentagem do
curva ideal valor de fundo de escala
Erro max.

Exatidão% =  100.(Erro max) /FSs


x1

5
Medições Mecânicas
Confiabilidade (reliability)
– Procura quantificar o período de tempo em que o instrumento fica
livre de falhas.

Sobrecarga (overshoot)
-Valor em que o mensurando pode ultrapassar FSe sem afetar
permanentemente as características do instrumento.

Tempo de Vida
• Armazenagem
• Operação
• Ciclagem
– número mínimo de excursões em toda a faixa de operação
(ou parte especificada dela) que podem ser efetuadas sem
que nenhuma das características do instrumento sejam
afetadas.
5
Medições Mecânicas
Mobilidade
– Maior variação do estímulo que não produz variação detectável na resposta do
instrumento.

Discrição
– Aptidão do instrumento de medição em não alterar a grandeza medida.