Você está na página 1de 33

UNESCO – BRASIL/FCC

Gatti e Barretto, 2009.

PROFESSORES NO BRASIL
IMPASSES E DESAFIOS
“O Sistema Educacional sempre situou a
formação do profissional da educação, ou
seja, a profissionalização docente, no
contexto de um discurso ambivalente,
paradoxal ou simplesmente contraditório,
de um lado, a retórica histórica da importância
dessa formação,
de outro, a realidade da miséria social e
acadêmica que lhes concedeu.”

Imbernón (2000)
O magistério, longe de ser uma ocupação
secundária, constitui um setor nevrálgico
nas sociedades contemporâneas, uma das
chaves para entender as suas
transformações. (Tardif e Lessard, 2005)

... OU ESTAGNAÇÕES
Cenário Cenário
Docentes Licenciandos

 Características
Formação  Marcos Legais

 Salário
 Presencial Carreira  Progressão
 A distância
 Continuada
 Modalidades especiais

Perspectivas
CENÁRIO DOCENTES
OS PROFESSORES NO QUADRO GERAL DE
EMPREGOS NO BRASIL

• Os docentes ocupam o 3º lugar no subconjunto de


ocupações, apenas precedidos pelos escriturários e
trabalhadores dos serviços, e constituem a categoria
ocupacional mais homogênea e de maior nível de
escolaridade do país (nível médio e superior).

Escriturários – 15,2%
Serviços – 14,9%
Docentes – 8,4%

Construção Civil – 4%
OS PROFESSORES NO QUADRO GERAL DE
EMPREGOS NO BRASIL

• 83% dos empregos do magistério estão na esfera


pública, o que tem óbvios desdobramentos em
termos do financiamento do setor educacional.
• 77% constituem postos de trabalho ocupados por
mulheres o que também tem óbvias implicações de
gênero.
Totais
Níveis de educação
N %
Empregos para TOTAL 2 803 761 100,0
professores segundo Educação Básica 2 159 269 77,0
níveis e modalidades Educação Profissional 158 221 5,6
de ensino Educação Especial 16 363 0,6

Educação Superior 469 908 16,8

Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego/ MTE-Rais

* Ensino Fundamental = 55,3%


MARCOS LEGAIS
Estrutura da Formação
Século XIX Escolas Normais
“Primeiras Letras – Nível “Secundário”
Início Séc. XX Formação de Professores
para o “Secundário”

Anos 30: Bacharel +1 (3+1)

Histórica e Socialmente instaurada a diferenciação


entre esses profissionais
Marca Cultural e Material
IDAS E VOLTAS

Vocação Escola Normal (médio)


Pedagogia (Graduação) Natureza controversa
Licenciaturas

Licenciaturas “Curtas” Reformulações


Sucessivas

Educação a Distância - 1998 LDB - 1996


Diretrizes Curriculares
Pedagogia – 2006
CONSEQUENTES
Resolução CNE 01/06
CENÁRIO LICENCIANDOS
PRINCIPAL RAZÃO DA ESCOLHA DA
LICENCIATURA

Outras
Pedagogia % Licenciaturas % Total %

(A) Porque quero ser professor. 65 49 53


Para ter uma outra opção se não
(B) conseguir exercer outro tipo de 13 24 21
atividade.
(C) Por influência da família. 5 3 4
Porque tive um bom professor que
(D) 7 14 12
me serviu de modelo.
(E) Eu não quero ser professor. 5 6 5
É o único curso próximo da minha
(F) 3 4 3,5
residência

Fonte: MEC/Inep/Deaes - Enade


Licenciandos segundo faixa etária, sexo e
atividade laboral
18 – 24 = 46%
IDADE
25 – 39 = 42%

SEXO
mulheres = 75,4%
(Pedagogia = 92,5%)

TRABALHAM 67%
LICENCIANDOS: RENDA MENSAL DA FAMÍLIA

Pedagogia % Outras Licenciaturas Total %


%
(A) Até 3 salários-mínimos. 42 39 39
(B) De 3 a 10 salários-mínimos. 49 51 50
(C) De 11 a 20 salários-mínimos. 6 8 7
(D) De 21 a 30 salários-mínimos. 1 2 1,5
(E) Mais de 30 salários-mínimos. 0,6 0,8 0,7
Fonte: MEC/Inep. Questionário socioeconômico ENADE
LICENCIANDOS: ESCOLARIDADE DAS MÃES

Pedagogia % Outras Licenciaturas Total %


%
(A) Nenhuma escolaridade. 10 7 8
Ensino Fundamental: de 1a a 4a
(B) 43 35 38
série.
Ensino Fundamental: de 5a a 8a
(C) 17 19 18
série.
(D) Ensino Médio. 21 25 24
(E) Superior. 8 13 12
Fonte: MEC/Inep. Questionário socioeconômico ENADE
- LICENCIANDOS -
CONSUMO CULTURAL

Leitura livros (ano): 2 ou menos = 38%


3 a 5 = 35%

Leitura jornal: raramente = 35%

Cinema: preferido = 43%

Acesso Internet: 81%


trabalhos escolares = 93%

Utilização Biblioteca: razoável freqüência = 46%


raramente = 23%
MATERIAL DIDÁTICO MAIS UTILIZADO

Livros/texto e ou manuais = 28%


Apostilas/resumos = 35%
Cópias de trechos de livros = 32%
ONDE ESTUDAM?

LICENCIATURAS PRESENCIAIS
64% dos cursos => Universidades
64% Matrículas Pedagogia => IES Privadas
53% Matrículas demais Licenciaturas => IES
Privadas
LICENCIATURAS EAD
Comparativo => Bacharelados = 71% Presenciais
Licenciaturas = 50% EaD
Matrículas Lic/EaD = 78% IES Privadas

(Fonte: Censo do Ensino Superior – 2009)


BRASIL - 2001 A 2009

CRESCIMENTO DO Nº DE CURSOS
PRESENCIAIS DE LICENCIATURA = 65%
CRESCIMENTO MATRÍCULAS = 39%

=> QUEDA GRADUAL MATRÍCULAS


DEPENDÊNCIA ADMINISTRATIVA

Regiões menos prósperas Regiões mais prósperas


Maioria: Maioria:
Iniciativa Iniciativa
pública privada

Nordeste e Norte Sudeste e Sul

68% 73% 87% 77%


Matrículas públicas Matrículas privadas
QUESTIONAMENTOS SOBRE EAD
• Crescimento desordenado.
• Apressamento das políticas e sua fragmentação.
• Foco apenas no cumprimento de metas do PNE – nº de vagas.
• Necessidade de centralizar nos Projetos Pedagógicos dos
cursos
• Processos Avaliativos Frágeis – do Programa e dos Alunos
• Criação de estruturas paralelas nas IES.
• Terceirização.
• Estágios (?).
• Materiais “auto-suficientes” (?).
TUTORIA-EAD

• Vulnerável
• Vínculos precários
• Formação pouco cuidada
O QUE ESTUDAM?

CURRÍCULOS DAS INSTITUIÇÕES QUE


FORMAM OS DOCENTES
DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS, SEGUNDO AS CATEGORIAS DE
ANÁLISE – PEDAGOGIA

Categorias %
Fundamentos teóricos da educação 22,6
Didática geral 3,4
Sistemas educacionais 5,3
Currículo 5,1
Gestão escolar 4,5
Ofício docente 0,6
Conteúdos do currículo da Educação Básica (infantil e fundamental) 7,5
Didáticas específicas, metodologias e práticas de ensino 20,7
Tecnologias 0,7
Ed. Especial 3,8
EJA 1,6
Educação Infantil 5,3
Contextos não escolares 0,5
Outros saberes/ Atividades Complementares 11,5
Pesquisa e TCC 7,0
Total 100,0
OBSERVAÇÕES OUTRAS LICENCIATURAS

• Predominância da formação disciplinar específica da área.


• Grande dissonância entre os Projetos Pedagógicos das IES e a estrutura do
conjunto de disciplinas e suas ementas.
• Raras instituições especificam em que consistem os estágios e sob que forma de
orientação são realizados.
• Horas dedicadas a Atividade Complementares, Seminários ou Atividades
Culturais sem nenhuma especificação
• Cursos de Licenciatura em Letras e Ciências Biológicas com apenas em torno de
10% de disciplinas ligadas à formação para a docência
EDUCAÇÃO
CONTINUADA
PROFESSORES APONTAM:
• A formação continuada é organizada com pouca sintonia
com as necessidades e dificuldades dos professores e da
escola.
• A maioria dos formadores não têm conhecimento dos
contextos escolares e dos professores que estão a formar.
• Os programas não prevêem acompanhamento e apoio
sistemático da prática pedagógica dos professores.
• Dificuldade em prosseguir com a nova proposta após o
término do programa.
• As descontinuidade das políticas e orientações do sistema
dificultam a consolidação dos avanços alcançados.
SALÁRIO E CARREIRA
Rendimento médio de professores da
Educação Básica: Jornada de 30h ou mais
Brasil – PNAD 2009
Formação
Superior - EI – R$ 1273
- EF – 1º a 5º - R$ 1565
- EF – 6º a 9º - R$ 1710
- EM – R$ 2029
Médio – EI – R$ 758
EF – 1º a 5º - R$ 1083
(Fonte: Adaptado de Alves e Pinto, 2011).
PLANOS DE CARREIRA

• Até 1990 – quase ausência


• Com Fundef (1995) – necessários
• Fator de Progressão: tempo de serviço ou
mudança de função
• Poucos Estados = carreiras mais complexas
• Pouco estímulo à permanência na docência
• CNE (2009) – Diretrizes Nacionais para os Planos
de Carreira
VALORIZAÇÃO DA DOCÊNCIA
• Qualidade da formação
- Básica
- Continuada
• Formas de carreira
• Salários
• Estágio probatório (está na lei)
• Investimentos na educação básica
• Cultura do valor da profissão