Você está na página 1de 53

INSTITUTO SUPERIOR DOM BOSCO

MÓDULO DE ÉTICA E DEONTOLOGIA


PROFISSIONAL
ESPECIALIDADES DE MECÂNICA E
RECEPÇÃO

Resumo dos seminários


&
Síntese dos tópicos seguintes

Maputo, Abril de 2019


Tópico 1: A Dignidade Humana e Teoria dos Direitos Fundamentais

DISTINÇÃO ENTRE DIREITOS FUNDAMENTAIS & HUMANOS.

DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS HUMANOS


São aqueles direitos São aqueles direitos
indispensáveis a pessoa inerentes a condição
humana e garantido no humana, válido para todos
ordenamento jurídico maior os povos, em todos os
de um Estado – Constituição. tempos e celebrados em
tratados e convenções
internacionais.
Histórico dos Direitos Humanos

Marcos Históricos

1215 1776

1789 1945

1949
Histórico dos Direitos Humanos
 Revoluções Inglesa, Americana e Francesa.

◦ 1215 – Magna Carta Inglesa – garantias contra arbitrariedade


da coroa e influenciou documentos como “acto habeas corpus” –
primeira tentativa de impedir as detenções ilegais (1679);

◦ 1776 – Declaração Americana da Independência – Referencia


aos direitos naturais do homem que o poder político deveria
respeitar, não fazia referencia a direitos humano;

◦ 1789 – Declaração dos Direitos do Homem (França) –


reivindicações em prol da liberdade. Alargou o campo dos
direitos humanos e definiu os direitos econômico;
• 1945 - Fim da 2ª. Guerra. Marco na história do direito do homem.
Criação da ONU.

• 1948 – Declaração Universal dos Direitos Humanos – ONU.

• Nota:
“A criação das Nações Unidas simboliza a
necessidade de um mundo de tolerância, de
paz, de solidariedade entre as nações, que faça
avançar o progresso social e econômico de
todos os povos.”
ONU

“A criação das Nações Unidas


simboliza a necessidade de um
mundo de tolerância, de paz, de
solidariedade entre as nações, que
faça avançar o progresso social e
econômico de todos os povos.”
Gerações dos Direitos Humanos

1ª Geração 2ª Geração

3ª Geração
1ª Geração

Fundamenta-se nos direitos que dizem respeito às liberdades


públicas e aos direitos políticos, ou seja, direitos civis e políticos
a traduzirem o valor de liberdade – influência histórica das
revoluções americana e francesa.
1ª Geração

É a passagem de um Estado

Estado de
Autoritário
Direito

Foco: RESPEITO as Liberdades Individuais


Dizem respeito:

As Liberdades Aos
Públicas Direitos Políticos

Aos
As
Direitos Civis e
Liberdades
políticos
2ª Geração

Fundamenta-se nos direitos sociais, culturais e econômicos,


correspondendo aos direitos de igualdade. Que são os direitos
à prestação, tais como o direito ao trabalho, à seguridade, à
segurança, lazer, moradia.
3ª Geração

Fundamenta-se nos direitos de natureza difusa, isto é, são


direitos que tem por destinatários indivíduos indeterminados,
como ocorre com o direito ao meio ambiente ecologicamente
equilibrado – 225 CF.
Observação Importante

Os direitos de terceira geração destacam-se pela


titularidade difusa ou coletiva, uma vez que são
concebidos para a proteção não do homem isoladamente,
mas da coletividade, de grupos, isto é solidariedade.
4ª Geração

Não é aceite pela maioria das doutrinas. Foram as demandas


da coletividade em prol do RESPEITO às minorias que
possibilitou o seu surgimento: São os direitos das minorias, ou
ainda os direitos humanos à democracia, ao pluralismo e a
informação.
Características dos Direitos Humanos

Historicidade

Imprescritibilidade Irrenunciabilidade

Relatividade Concorrência

Universalidade
Fundamentação das Características

• Históricos – nasce no cristianismo, passa pelas revoluções e até os dias atuais;

• Inalienáveis – estão fora do comércio jurídico;

• Imprescritíveis – não sofrem pelo decurso do tempo;

• Irrenunciáveis – não podem ser renunciados;

• Relatividade – não são absolutos (relativos)

• Concorrência – podem ser exercidos cumulativamente;

• Universalidade – todos tem direito;


Organização dos Direitos Fundamentais

Direitos individuais Direitos Coletivos e Difusos

Direitos de Nacionalidade Direitos Políticos

Direitos Sociais
Classificação dos direitos fundamentais

• Direitos individuais e coletivos – ligados ao conceito de

pessoa humana e de sua personalidade: vida, dignidade,


honra, liberdade – artigo 5.

• Direitos Sociais – ligados ao trabalho, a educação, a

saúde, a moradia, a segurança, assistência aos


desamparados, a previdência social, a proteção a
maternidade, o lazer e a infância – artigo 6.
 Direitos de nacionalidade – é o vinculo jurídico-político que

liga um individuo a certo e determinado Estado. Fazendo


deste individuo um componente do povo, capacitando-o a
exigir sua proteção e sujeitado-se ao cumprimento dos
deveres impostos – artigo 12.

 Direitos políticos – conjunto de regras que disciplina as

formas de atuação da soberania popular. São direitos


públicos subjetivos que investem o individuo no “status
Civitatis” – artigo 14.
• Direitos relacionados a existência, organização e

participação em partidos políticos – instrumentos


necessários e importantes para preservação do Estado
Democrático de Direito assegurando autonomia e plena
liberdade de atuação – artigo 17.
Conceito de Direitos Fundamentais

JOSÉ AFONSO DA SILVA

Define como sendo a expressão que designa em nível do direito


constitucional positivo, àquelas prerrogativas e instituições que ele
concretiza em garantias de uma convivência digna, livre e igual de todas
as pessoas.
Eficácia dos Direitos Fundamentais.

• Tradicionalmente os direitos fundamentais são aplicáveis


no âmbito do Direito Público, com foco a actividade:
• Legislativa,
• Administrativa e
• judicial.

Surgimento da
Proteção aos Limitação do arbítrio e
Direitos interferência estatal no âmbito
Fundamentais da liberdade dos indivíduos
Eficácia “Irradiante” dos direitos fundamentais.
•A importância da dimensão objetiva dos direitos
fundamentais é sua “eficácia irradiante” com foco:

• Para o Legislativo – ao elaborar a lei;

• Para a Administração Pública – ao governar; e

• Para o judiciário – resolver eventuais conflitos.


• Âmbito legislativo – a atividade legislativa deve estar em
conformidade com todos os direitos fundamentais e não pode deixar de
produzir as normas indispensáveis à regulamentação de alguns deles.

• Âmbito administrativo – a atividade administrativa pode ser


invalidada pela violação de direitos fundamentais, bem como pode se
furtar a aplicar lei ou ato normativo que se afigure inválido.

• Âmbito jurisdicional – a atividade jurisdicional é predisposta a

concretização dos valores subjacentes aos direitos fundamentais.


Finalidade dos Direitos Fundamentais

•O RESPEITO aos direitos humanos fundamentais,


principalmente pelas autoridades públicas, é pilastra
mestra na Constituição de um verdadeiro Estado
Democrático de Direito.

•A PREVISÃO dos direitos humanos fundamentais


direciona-se basicamente para a proteção à DIGNIDADE
DA PESSOA HUMANA em seu sentido mais amplo.
Tópico 2: Diferença entre trabalho, emprego e profissão

• Trabalho, emprego, e profissão são três palavras comuns

no ambiente profissional, e muitas vezes usadas das


formas mais erradas possíveis. Cada uma tem sua
própria definição e uso no mundo dos Recursos
Humanos.

Nota: Entenda melhor a seguir:


O que é trabalho?

• O trabalho é uma atividade ou conjunto de atividades

realizadas por um ou mais indivíduos para atingir um


objetivo ou meta.

• No ambiente profissional, o trabalho é todo o esforço

realizado por profissionais em uma empresa ou


individualmente para manter o negócio funcionando e
competindo no mercado.
O que é emprego?

• Emprego é uma definição burocrática e jurídica de uma

relação contratual estabelecida entre duas partes: o


empregador e o empregado. Este fornece seu
conhecimento, seu tempo, sua força física, enfim, sua
mão de obra ao empregador, em troca de uma
compensação monetária.
O que é profissão?

• Profissão é uma vocação que requer conhecimento de

alguma área específica ou formação em um curso


técnico, superior, ou de pós graduação. A profissão
envolve uma remuneração e a capacitação específica
para exercer uma dada atividade.
Trabalho e profissão: diferença

• Várias profissões podem fazer um trabalho em conjunto.

Mas vários trabalhos não formam uma profissão. Por


exemplo, em uma empreiteira, você terá várias profissões
envolvidas no funcionamento da empresa: pedreiros,
carpinteiros, engenheiros, arquitetos, administradores,
etc. Esses profissionais realizam trabalhos diferentes
mas, no fim do dia, todos estão trabalhando em conjunto
para que a empresa funcione.
Cont.
• Uma mesma profissão pode realizar vários tipos de

trabalhos diferentes, e diferentes profissões podem fazer


um mesmo trabalho. Porém, apenas um grupo específico
de tarefas e trabalhos serão parte intrínseca de uma
profissão, enquanto os trabalhos continuarão sendo
trabalhos.
Trabalho e emprego: diferença

• O emprego é basicamente a contratação do trabalho ou

conjunto de trabalhos que um ou mais indivíduos são


capacitados a realizar. O emprego é a remuneração legal
por um trabalho realizado através da relação 
entre empregador e empregado.
Emprego e profissão: diferença

• O emprego é a contratação de um profissional para

exercer uma dada tarefa. Basicamente, o emprego é o


estabelecimento de um profissional no mercado de
trabalho formal, seja através da assinatura da carteira de
trabalho do indivíduo ou através do próprio indivíduo
abrindo sua empresa, trabalhando como autônomo 
ou como profissional liberal.
Tópico 3: Ética e Deontologia Profissional para o
ensino

• A ética assume um papel fundamental no desempenho da

profissão. Acontece que, tendo o profissional consciência


das suas responsabilidades éticas, não ignora que o
profissionalismo é feito de comportamentos concretos,
reais e humanos fundamentado na prática da ética
apesar das dificuldades que possa encontrar.
Cont.
• Um profissional comprometido com a ética não se deixa

corromper em nenhum ambiente, ainda que seja obrigado


a viver e conviver com ele. O profissional tem o dever
ético de ser honesto integralmente, pois transgredindo os
princípios da honestidade, não prejudica só seu usuário,
mas toda uma classe e até uma sociedade.
Cont.
• As leis de cada profissão são elaboradas com o intuito de

proteger os profissionais da categoria como um todo e os


indivíduos que dependem desse profissional, assim, a
ética profissional é um conjunto de normas de condutas
que regem a prática de qualquer profissão.
Tópico 4: Direitos Humanos e Cidadania no
Contexto Profissional
• DIREITOS HUMANOS
São universais e indivisíveis;
Tem como alicerce a dignidade humana;
Obrigações morais coletivas.

“...aquilo que é considerado um direito humano em


Mocambique, também deverá sê-lo com o mesmo nível de
exigência, de respeitabilidade e de garantia em qualquer país do
mundo, porque eles não se referem a um membro de uma
sociedade política; a um membro de um Estado; eles se referem
à pessoa humana na sua universalidade”. (Benevides, 2004, p.
5).
CIDADANIA
Conjunto formalmente definido de direitos e obrigações de um
indivíduo perante a sociedade.
Obrigações e direitos do indivíduo em sua relação com o
Estado.
Os direitos do cidadão e a própria ideia de cidadania não são
universais no sentido de que eles estão fixos a uma específica e
determinada ordem jurídico-política. (Benevides, 2004, p. 4).

Nota: Agora que vimos as características de cidadania e direitos


humanos vamos pensar o que representam em nossas vidas.
Cont.
• A ética representa as decisões que tomamos, certas ou erradas,
em relação a nós mesmos ou aos outros. Exemplo: fumar afeta
quem fuma e quem está a sua volta.

A cidadania representa nossos direitos e


Cidadania
deveres como parte de um país. Exemplo:
C
pagar impostos e ter direito à saúde.
Ética

Os direitos humanos representam as garantias que temos, como


pessoa humana, em qualquer lugar do mundo. Exemplo: não ser
torturado.
Nota: Entenda melhor a diferença entre direitos humanos, ética
e cidadania!
• Uma criança não tem certos direitos do adulto, nem tem
deveres em relação ao Estado (cidadania), não é
responsável pelos seus atos, nem em relação aos outros
(ética); no entanto, ela tem integralmente o conjunto dos
Direitos Humanos.
• Como vimos a ética coletiva apresenta uma ampliação do
conceito tradicional de cidadania: como o pleno exercício dos
direitos que possibilitam a cada pessoa participar plenamente
da vida política e social da sua comunidade.

SIM!

Cidadania e direitos humanos estão indissoluvelmente


associados e ser cidadão ou cidadã significa ter garantidos e
poder exercer livre e plenamente todos os direitos
fundamentais que um indivíduo possui pelo simples fato de ser
humano: tanto os civis e políticos como os econômicos, sociais,
culturais e ambientais.
Desafio atual
• Um dos maiores desafios atuais é superar a noção tradicional
de cidadania como conjunto de direitos e deveres vinculado a
uma determinada ordem político-jurídica, e ampliá-la para que
abranja a totalidade dos direitos universalmente reconhecidos
como fundamento para a plena realização da dignidade
humana.
Tópico 5: Deontologia e regulação Profissional
• Responsabilidades profissionais no ensino

• Os primeiros responsáveis pelas crianças – nomeadamente


pela sua educação – são as mães e pais, naturalmente. A
responsabilidade parental é uma responsabilidade de cuidado,
afectiva e pedagógica pelas filhas e filhos.
- Responsabilidade de cuidado pela protecção da sua
integridade física, psicológica, moral, saúde e bem-estar.
- Responsabilidade afectiva pelo carinho de que precisam para
crescer felizes, em harmonia consigo próprios e com os outros.
- Responsabilidade pedagógica pelo desenvolvimento da sua
personalidade, nomeadamente pela formação da sua
consciência moral.
Responsabilidade pedagógica

• A responsabilidade dos profissionais da educação tem

várias dimensões, mas a mais específica é a

responsabilidade pedagógica, cujo conteúdo é mais

denso que a responsabilidade pedagógica das mães e

pais. Tem uma dimensão interpessoal, institucional e

cívica.
Responsabilidade interpessoal

• A responsabilidade interpessoal é o núcleo ético e a essência da

responsabilidade pedagógica. As educadoras e educadores são


responsáveis, acima de tudo, pelo bem dos titulares do direito à
educação que são principalmente crianças, adolescentes ou
jovens. E o seu bem essencial é o valor da liberdade como
capacidade de autonomia (moral, intelectual, existencial). A
responsabilidade pedagógica interpessoal deve ser exercida como
uma sábia e serena dialéctica de afecto-autoridade, no interesse
superior dos titulares do direito à educação, principalmente
quando são crianças.
Responsabilidade institucional

•A responsabilidade institucional é principalmente a


responsabilidade pela escola a que as crianças,
adolescentes ou jovens, têm direito, no que respeita às
aprendizagens que ela deve proporcionar, às suas
condições, meios e outros factores, materiais e não
materiais, da qualidade da educação como direito
humano. Para todos os efeitos, a escola é as professoras
e professores que tem.
Responsabilidade cívica

• A responsabilidade cívica é a responsabilidade de agir

para que a política da educação seja uma política do


direito à educação, isto é, uma política que respeite a sua
integridade normativa e interdependência com os outros
direitos humanos dos estudantes, assim como a sua
correlação com os direitos das mães, pais e profissionais
da educação.
Responsabilidade contratual

• Como quaisquer outros trabalhadores e trabalhadoras, os

profissionais da educação têm obrigações para com as


suas entidades empregadoras.

• Responsabilidade colegial
• Cada profissional é responsável pela dignidade, honra e

prestígio da sua profissão.


Tópico 6: Excelência ética e sabedoria
pedagógica
• Capacidade e Disposições do Educador/professor

• O respeito pela autoridade do professor é condição de toda a relação de

ensino ou prática relacional motivada pela intenção de apoiar o processo


de desenvolvimento de outra pessoa. Comprometermo-nos no acto
educativo implica aceitar o peso dessa responsabilidade, da qual não
podemos demitirmo-nos sem negar a essência da função docente. Daí a
pertinência do lugar da ética e da deontologia na formação dos
professores, capacitando-os para as exigências da relação interpessoal,
para a decisão profissional e para a resolução de problemas, conflitos e
dilemas éticos. 
Cont.
• O professor só poderá exercer a sua responsabilidade com

eficácia e sabedoria em cooperação com outros actores


envolvidos na tarefa educativa, salientando aqui o papel crucial
das famílias. Além de que a autoridade do professor é
indissociável da autoridade da própria escola enquanto
instituição.

• Nota importantissima: O respeito pela autoridade do professor

não começa nem acaba dentro das comunidades educativas.


Tópico 7: Código da ética profissional
Desafios da profissão docente
 Estrutura e organização escolar (Escolas de
massas/inculturação);
 Degradação do estatuto do professor;
 Adequação curricular (programas desarticulados);
 Apoio aos alunos (pedagógicas, psicológicas);
 Escassez de conteudos (literatura)
 Colaboração com as famílias (relação escola/familias);
 Formação permanente.
Tópico 8: Princípios do código de conduta
profissional do professor Moçambicano

1. Compromisso com os alunos;

2. Compromisso com os pais e encarregados de


educação;

3. Compromisso com a sociedade;

4. Compromisso para com a profissão;

5. Compromisso de integridade.
FIM