Você está na página 1de 43

Flip - Flop

Aula 2
• Para os próximos assuntos a serem tratados
será necessário a utilização dos CIs
identificados a seguir e por isso devem ser
pesquisados para a próxima aula.

• 74HC04
• 74HC279
• 74HC74
• 74HC107
• O campo da eletrônica digital divide-se em
lógica combinacional e lógica sequencial.

• Na lógica combinacional, as células básicas


para a construção dos circuitos dos circuitos
são as portas lógicas.

• Na lógica sequencial, as células básicas são


os circuitos biestáveis ou flip-flops.
• Circuitos Sequenciais

• Têm as saídas diferentes das variáveis de


entrada e/ou de seus estados anteriores que
permanecem armazenados, sendo,
geralmente, sistemas pulsados, ou seja,
operam sob o comando de uma sequencia
de pulsos denominada “clock”.
• Flip- Flops
– Introdução:

Os flip-flops são os componentes básicos


de vários dispositivos, dentre os quais
destacam-se as memórias semicondutoras e os
contadores.
• Aplicação:

• É o caso do comando de um elevador em


que há necessidade de memorizar as
chamadas a partir do acionamento dos
botões correspondentes.
• Os flip- flops podem ser classificados em dois
tipos principais:

– a) Flip - Flops Síncronos ou com “CLOCK”.


– b) Flip – Flops Assíncronos ou sem “CLOCK”.

• Os flip-flops síncronos exigem, para seu


perfeito funcionamento, um pulso de
gatilhamento também chamado “clock”, além das
entradas normais. Deste modo, nos flip-flops
síncronos as mudanças só ocorrerão durante o
pulso de sincronização, ou clock.
• Já os flip-flops assíncronos, as transações
acorrem após ter sido completadas as
mudanças nas entradas normais, sem haver
a necessidade de pulsos de sincronização.

• De acordo com o funcionamento de suas


entradas existem diversos tipos de flip-flops,
sendo os mais comuns: S-R, T, D e JK.
• De forma geral, podemos representar o
flip-flop como um bloco onde temos 2
saídas: Q e Q’, entradas para as variáveis
e uma entrada de controle (clock). A saída
Q será a principal do bloco.
• Funcionamento

• Este dispositivo possui basicamente dois estados


de saídas. Para assumir um destes estados é
necessário que haja a combinação das variáveis e
do pulso de controle (clock). Após este pulso, o
flip- flop permanecerá neste estado até a chegada
de um novo pulso de clock e, então, de acordo
com as variáveis de entrada, mudará ou não de
estado.
• Flip-Flop RS- Resumo do funcionamento

• Pode ser comparado a um sistema de


partida de um motor trifásico onde existe o
botão liga e o botão desliga. Pode –se
afirmar que o botão liga é o set e o botão
desliga é o reset. A saída, quando ativada,
equivale ao motor em funcionamento.
• Flip-Flop RS Básico (Assincrono):
Construído a partir de portas NE e
inversores.
• Tabela verdade que define a operação do
flip-flop RS.

S R Qf

0 0 Qa

0 1 0

1 0 1

1 1 X
• Na condição S=0 e R=0, não se pode
concluir o valor de Q, pois dependerá de
uma condição anterior de S e R.

• Na condição S=0 e R=1, a saída Q


forçosamente estará em zero (Q’ =1). Na
condição inversa, ou seja, S=1 e R=0, a
saída Q assume nível lógico 1 (Q’ =0)

• Na condição S=1 e R=1 não é permitida no


flip-flop RS, porque isso levaria as duas
saídas para o nível 1, o que é contraditório,
pois Q e Q’ são saídas complementares.
• Flip-Flop RS com Entrada Clock (Sincrono)

• Neste circuito flip-flop sua mudança de


estado é controlada pela entrada de clock.
• Para isso basta trocarmos os 2 inversores
por portas NE, e ás outras entradas destas
portas, injetamos o clock.
• Tabela Verdade Resumida
CK Qf CK S R Qf

0 Qa Nada acontece o Flip Flop


1 RS básico 0
permanece no seu estado.

Pulso 0 0 Qa

Pulso 0 1 0

Pulso 1 0 1

Pulso 1 1 X
• Funcionamento

• Neste caso, quando a entrada do clock for


igual a 0, o flip-flop irá permanecer no seu
estado, mesmo que as entradas S e R
variem. Quando a entrada de clock assumir
o valor 1, o circuito irá comportar-se como
um flip-flop RS básico.
• De maneira geral, podemos concluir que o
circuito irá funcionar quando a entrada clock
assumir valor 1 e manterá travada esta
saída quando a entrada clock passar para 0.
• Este Flip-flop pode ser representado como
mostra a figura a seguir:
• Modo de Operação
• Os Flip- Flops operam com o clock em nível
lógico 1 ou 0. Para que o Flip-flop seja
habilitado com clock em nível 0, é
necessário que a entrada de clock possua
um inversor.
• Tipos de Flip – Flops sincronizados
• Os flip-flops sincronizados podem ser
classsificados quanto ao modo como o pulso
de sincronização (C) controla as
informações de entrada. Assim temos:

• Flip- Flops sincronizados por nível;


• Flip- Flops sincronizados por borda;
• Flip- Flops sincronizados (disparo) por nível,
a entrada C permite que as entradas de
informação atuem durante todo o tempo
em que o pulso de clock se encontra em
determinado nível ativo.
• Flip- Flops sincronizados (disparo) por
borda;
• Quando o disparo ocorre na transição do
pulso de clock de 0 para 1, ele se chama
disparo por borda positiva. Quando o
disparo ocorre na transição de 1 para 0,
chama-se disparo de borda negativo.
• Flip – Flop JK (Síncronos)
• Este é o mais versátil dos flip-flops pois,
corrigem o problema da indeterminação das
saídas que existe no flip-flop RS quando R e
S forem iguais a 1.
• Podem ser disparados por Nível ou por
Borda
• Flip- Flop JK disparado por nível é
implementado a partir de portas NÃO E e é
mostrado a seguir:
• Símbolos Lógicos do Flip-Flop JK disparado
por nível 1 e disparado por nível 0
respectivamente.
• Tabela Verdade que representa o
funcionamento do JK.
J K Qf

0 0 Qa

0 1 0

1 0 1

1 1 Qa'
• Para J e K igual a 1, haverá uma inversão
no final de saída (Qa’). A cada pulso de
clock a saída será trocada, se a saída
estiver em 0, com o pulso, ela passará para
1 e assim sucessivamente.
• O flip-flop JK disparado por nível tem o
inconveniente de não apresentar a condição
desejada na saída se, durante o estado ativo
do sinal de clock, houver uma alteração dos
sinais das entradas J e K.
Flip- Flop JK disparado por borda: tem
por finalidade transferir imediatamente os
sinais das entradas J e K para a saída no
instante da transição do sinal de clock.

Seu funcionamento é idêntico ao JK


disparado por nível, exceto pelo instante de
transferência do sinal de entrada para a
saída.
Tabela verdade do Flip-Flop JK
disparado por borda
• Flip Flop Tipo T síncrono (Toggle ou Chave)
Este foi desenvolvido para aplicações em
que a saída deve ser complementada a
cada pulso de entrada.

Exemplo de funcionamento
Uma chave tipo alavanca que muda os
faróis do carro de “alto” para “baixo”, irá
funcionar como um flip-flop tipo T.
Construção:
O flip-flop tipo T é basicamente um JK com
entradas interconectadas, de maneira que
quando a entrada K assume o nível 1, a
entrada J também assume o nível1.
Tabela verdade desse circuito:

J K T Qf

0 0 0 Qa

0 1 não existe X

1 0 não existe X

1 1 1 Qa'

T QF
Tabela verdade resumida
0 QA

1 QA'
Obs. O flip-flop tipo T, não é encontrado na
série de circuitos integrados comerciais,
sendo na prática montado á partir de um JK.
Características de funcionamento:

Se o clock não estiver ativo, o dado da


entrada T será irrelevante e a saída
permanece estática (Qa).
Se o clock estiver ativo, seu
funcionamento se dá conforme visto na
tabela verdade.
Flip-Flop Tipo D
Foi desenvolvido para ser empregado
quando se necessita sincronizar a
transferência de dados de um estágio para
outro.
Construção:
Este possui uma única entrada
denominada “data” (dados). Pode ser
construído a partir de um flip-flop JK cujas
entradas são complementares entre si
Tabela verdade deste circuito

J K D Qf

0 0 não existe /

0 1 0 0

1 0 1 1

1 1 não existe /

Tabela verdade Resumida


D QF

0 0

1 1
Entradas “Preset” e “Clear”
“Preset” (reajustado) e “Clear” (livre)são
entradas que permitem a manipulação da
saída de modo assíncrono e com prioridade.
Utilização
Como antes de receber dados e sinal de
sincronismo C nas entradas, o flip-flop
apresenta as saídas em um estado
arbitrário, é preciso garantir o
posicionamento inicial de suas saídas.
Por Exemplo:

Para que o Flip-Flop assuma a saída


Q=1 basta colocarmos nível 0 no Preset
(Set).

Se quisermos que o Flip-Flop assuma a


saída Q=0 basta colocarmos nível 0 no
Clear (Reset)
Símbolos Lógicos do Flip-Flop com
Preset(PR) e Clear(CLR) e seu diagrama de
blocos
Tabela Verdade:

CLR PR Qf
0 0 Não Permitido
0 1 0
1 0 1
Funcionamento
1 1 Normal

Logo: Nota-se que as entradas Preset e Clear


são entradas que podem tanto habilitar o
funcionamento do Flip-Flop como forçar uma
saída a assumir o valor 0 ou 1 independente
do estado de suas entradas.

Você também pode gostar