Você está na página 1de 25

DISCIPLINA: Políticas de Juventude e Contextos

de Intervenção
UFCD 8974 Informação aos jovens – contextos e
práticas, nacionais e internacionais
DISCIPLINA: Políticas de Juventude e Contextos de Intervenção
Módulo 4 Informação aos jovens – contextos e práticas, nacionais e internacionais

:: O que é o trabalho de Informação aos jovens?


_Princípios e valores “chave” do trabalho com jovens
_Princípios e valores “chave” do trabalho de Informação aos jovens
_Carta europeia de Informação para jovens
_Princípios da Informação online para jovens
_Atividade de informação aos jovens – funções e características
:: O jovem e a informação
_Os adolescentes e as necessidades de informação
_Trabalho de informação aos jovens
_Necessidades de informação aos jovens das gerações digital e não-digital
_Comunicação e características de diferentes tipos de comunicação: comunicação presencial, comunicação
online
(continua)
DISCIPLINA: Políticas de Juventude e Contextos de Intervenção
Módulo 4 Informação aos jovens – contextos e práticas, nacionais e internacionais

:: Metodologias para o trabalho de informação aos jovens


_Tipo/ instrumentos
_Entrevista/conversa estruturada e dirigida: o modelo das 6 fases/etapas
_Ferramentas de apoio ao trabalho de informação aos jovens
_Planificação de ações futuras
_Avaliação
_Comunicação com os jovens que procuram informação e aconselhamento
_Tipos de comunicação: comunicação presencial, comunicação online
:: Avaliação da informação – bases para uma informação de qualidade
_Características da informação de qualidade: fatores de qualidade
_Consequências de respostas erradas ou incompletas
_Como utilizar as redes locais de informação aos jovens
:: Boas práticas em informação aos Jovens
_Organismos e projetos europeus de informação aos jovens
_Exemplos de boas práticas em Informação aos Jovens
:: Planificação de ações futuras e avaliação – campanha de informação
O que é o trabalho de Informação aos jovens?

O trabalho na área de informação aos jovens abarca todos os temas de interesse para os jovens e
pode incluir um vasto leque de atividades: informação, aconselhamento, orientação, apoio,
 acompanhamento com estabelecimento de relações de confiança com os jovens, treino e
formação, trabalho em rede e encaminhamento para serviços especializados.

Estas atividades podem ser facultadas por centros de informação aos jovens, por serviços de
informação de outras estruturas, ou utilizando meios eletrónicos ou de outro tipo.

Em Portugal esse trabalho é assegurado pelo IPDJ, através da rede de Lojas Ponto JA, pelo Portal da
Juventude e pela Linha da Juventude 707 20 30 30.
E também pela rede Eurodesk, que está presente em 31 países e pretende facilitar informação aos
jovens sobre áreas do seu interesse em toda a União Europeia.
O que é o trabalho de Informação aos jovens?

O que é a Eurodesk?
A Eurodesk é uma rede europeia de informação com serviços em 31 países e é um ponto de acesso à
informação europeia para os jovens e para os profissionais da área de juventude.

Quem está envolvido?


Em cada país participante os parceiros nacionais da Eurodesk são organizações que trabalham na
área da Juventude (organismos governamentais ou organizações não governamentais) que foram
selecionadas pelos responsáveis políticos em cada país para prestarem os Serviços Eurodesk.
Estes parceiros trabalham juntos enquanto em Rede e são apoiados pela unidade de coordenação
sediada em Bruxelas a Eurodesk Brussels Link, AISBL.
Os parceiros nacionais da Eurodesk cooperam com mais de 500 parceiros locais de forma a alargar a
disponibilização dos serviços de informação aos jovens a nível local.
Carta europeia de Informação para jovens

O trabalho na área da informação aos jovens pode ajudá-los a atingir as suas aspirações e pode
promover a sua participação como membros ativos na sociedade. A informação deve ser
facilitada de modo a ampliar as hipóteses de escolha disponíveis a promover a autonomia e a
capacidade de ação dos jovens.

O respeito pela democracia, pelos direitos humanos e pelas liberdades fundamentais implica o
direito de todos os jovens ao acesso a informação completa, objetiva, compreensível e fiável sobre
todas as suas questões e necessidades. Este direito à informação foi reconhecido na Declaração
Universal dos Direitos do Homem, na Convenção sobre os Direitos da Criança, na Convenção
Europeia para a proteção dos Direitos do Homem e na Recomendação Nº (90) 7 do Conselho da
Europa, relativa à Informação e Aconselhamento aos Jovens na Europa. Este direito constitui
igualmente a base para as atividades em informação aos jovens das ações empreendidas pela União
Europeia.
19 Novembro de 2004, Agência Europeia de Informação e Aconselhamento para Jovens (ERYICA)
Carta europeia de Informação para jovens

Os princípios desta Carta destinam-se a ser aplicados a todo o tipo de informação para jovens de
carácter generalista. Constituem a base para critérios mínimos de qualidade que devem ser
estabelecidos em cada país, enquanto elementos para uma abordagem compreensiva, coerente e
coordenada do trabalho de informação aos jovens, que é uma parte da política de juventude.

Princípios
Os princípios seguintes constituem as linhas orientadoras para o trabalho na área da informação aos
jovens, os mesmos procuram garantir o direito dos jovens à informação

19 Novembro de 2004, Agência Europeia de Informação e Aconselhamento para Jovens (ERYICA)


Carta europeia de Informação para jovens

1. Os centros e serviços de informação para jovens deverão estar abertos a todos os jovens sem
exceção.
2. Os centros e serviços de informação aos jovens deverão garantir a todos os jovens igualdade no
acesso à informação, independentemente da sua situação, origem, género, religião ou categoria
social. Deve ser dada especial atenção a grupos desfavorecidos e jovens com necessidades
específicas.

3. Os centros e serviços de informação aos jovens deverão ser facilmente acessíveis, sem necessidade
de marcação prévia. Deverão ser atrativos para os jovens, com uma atmosfera agradável. As horas de
funcionamento devem ter em conta as necessidades dos jovens.
4. A informação disponível deverá ter como base os pedidos dos jovens e a perceção das suas
necessidades de informação. Deverá cobrir todos os tópicos que podem interessar os jovens e deverá
evoluir de maneira a cobrir novos assuntos.

19 Novembro de 2004, Agência Europeia de Informação e Aconselhamento para Jovens (ERYICA)


Carta europeia de Informação para jovens

5. Cada utente deve ser respeitado como indivíduo e a resposta a cada questão deve ser
personalizada. Este trabalho será feito de maneira a fomentar capacidade de ação dos utentes, a
promover a sua autonomia e a desenvolver as suas competências para analisar e utilizar a
informação.
6. Os serviços de informação aos jovens devem ser gratuitos.
7. A informação será facilitada de modo a respeitar, tanto a privacidade dos utentes como o seu
direito ao anonimato.
8. A informação será facilitada de maneira profissional, por pessoal formado para este propósito.
9. A informação dada é completa, atualizada, precisa, prática, e de fácil utilização
10. Devem fazer-se todos os esforços para assegurar a objetividade da informação, mediante o
pluralismo e a comprovação das fontes utilizadas.
11. A informação dada deverá ser isenta de qualquer influência

19 Novembro de 2004, Agência Europeia de Informação e Aconselhamento para Jovens (ERYICA)


Carta europeia de Informação para jovens

12. Os centros e serviços de informação aos jovens devem esforçar-se para chegar ao maior número possível de
jovens, de maneira efetiva e apropriada aos diferentes grupos e necessidades, devem ser criativos e inovadores
na escolha de estratégias, métodos e ferramentas.
13. Os jovens devem ter oportunidade de participar de modo apropriado nas diferentes etapas do trabalho em
informação aos jovens, a nível local, regional, nacional e internacional. Estas podem incluir, entre outras: a
identificação de necessidades de informação, a gestão e avaliação da mesma e atividades com grupos pares.
14. Os centros e serviços de informação aos jovens devem colaborar com outros serviços e estruturas para a
juventude, especialmente com os situados na sua área geográfica, e trabalhar em rede com os intermediários e
outras entidades que trabalham com os jovens.
15. Os centros e serviços de informação aos jovens deverão ajudar os jovens, tanto no acesso a informação
facilitada através das modernas tecnologias de informação e comunicação, como no desenvolvimento das suas
capacidades para uso das mesmas.
16. Nenhuma fonte de financiamento do trabalho em informação para jovens poderá impedir um Serviço ou
Centro de informação para jovens de aplicar o conjunto dos princípios desta Carta.

19 Novembro de 2004, Agência Europeia de Informação e Aconselhamento para Jovens (ERYICA)


Princípios da Informação online para jovens

A Internet é uma poderosa fonte de informação e comunicação, que constitui parte integrante do
meio social dos jovens. A transmissão de informação de carácter generalista e o aconselhamento
online, assim como a orientação na Internet, são tarefas recentes, complementares ao trabalho já
existente da Informação para Jovens.
Para além do papel de Informação para Jovens, que os ajuda a encontrar a informação certa e a
tomar as suas próprias decisões, a Informação Online ajuda-os também a tirar o máximo partido
dos benefícios da Internet e a reduzir os seus riscos potenciais.
A Informação Online para Jovens faz parte do trabalho da Informação para Jovens e por isso deve
obedecer aos princípios enunciados na Carta Europeia de Informação para Jovens.
No entanto, devido à especificidade do tema, é necessário um conjunto adicional de diretrizes.
Com o objetivo de assegurar a qualidade dos serviços da Informação Online para Jovens e para
garantir as suas mais valias e fiabilidade, a ERYICA – Agência Europeia de Informação e
Aconselhamento para Jovens adotou os seguintes princípios
Princípios da Informação online para jovens

1. A informação online para jovens deve ser precisa, atualizada e comprovada. A data em que é
produzida ou atualizada deve estar claramente mencionada.
2. O conteúdo deve basear-se nas necessidades dos jovens. Essas necessidades devem ser
identificadas e avaliadas num processo contínuo.
3. O conteúdo deve conter informação selecionada, relevante e
livre de encargos que proporcione uma panorâmica das diferentes opções disponíveis. Os
critérios de seleção utilizados devem ser públicos e compreensíveis.
4. A informação online para jovens deve ser compreensível para os jovens e apresentada de
forma apelativa.
5. Os serviços de informação online para jovens devem estar
operacionais para toda a população jovem, tendo em
consideração os utilizadores e grupos com necessidades especiais.
5 de dezembro de 2009, Agência Europeia de Informação e Aconselhamento para Jovens (ERYICA)
Princípios da Informação online para jovens

6. Sempre que os jovens possam fazer perguntas online deve ser


claro o período de tempo para resposta, que deve ser personalizada, devendo, também, ser
claro quem a fornece.
7. Quando estiverem envolvidos jovens na produção de
conteúdos, a exatidão do conteúdo final continua a ser da responsabilidade da organização de
informação para jovens.
8. Encorajar os jovens a darem feedback deve ser parte
integrante do contínuo processo de desenvolvimento dos serviços de informação online para jovens,
devendo este ser avaliado e utilizado para ajustar conteúdos. Deve ser dado conhecimento aos
jovens sobre o impacto dos seus contributos nos serviços.
9. O autor e o objetivo da informação online para jovens devem ser evidentes e visíveis. Caso sejam
utilizados conteúdos de terceiros a fonte deve estar claramente identificada.

5 de dezembro de 2009, Agência Europeia de Informação e Aconselhamento para Jovens (ERYICA)


Princípios da Informação online para jovens

10. Deve ser evidente para os utilizadores quem fornece o serviço de informação e quais as suas
motivações. Todos os contactos dos serviços devem estar indicados de forma clara e precisa, assim como
as fontes de financiamento existentes.
11. Os serviços de informação online para jovens devem
providenciar métodos e diretrizes que ajudem os jovens a aumentar a sua literacia informática e as suas
competências online.
12. Os serviços de informação online para jovens devem informar e orientar os jovens sobre a forma de
atuar de maneira segura e responsável em ambientes online.
13. Os serviços de informação online para jovens devem proporcionar um ambiente seguro
de navegação.
14. A informação online para jovens respeita e protege a privacidade dos utilizadores e permite-lhes
modificar ou apagar os seus dados pessoais.
15. Os serviços de informação online para jovens respeitam o copyright de terceiros e respeitam o seu.
16. Os trabalhadores de informação online para jovens devem estar aptos a utilizar as ferramentas
informáticas e ter competências de literacia informática. Devem estar a par dos novos
desenvolvimentos e das leis relevantes e manterem-se informados sobre as tendências e novas práticas
online entre os jovens.
5 de dezembro de 2009, Agência Europeia de Informação e Aconselhamento para Jovens (ERYICA)
Atividade de informação aos jovens

Informação aos e às jovens


– apoiar ou criar centros de informação juvenis ou centros de aconselhamento;
– tomar medidas específicas para responder às necessidades das e dos jovens que têm
problemas em aceder à informação (pessoas com deficiências e incapacidades, quem não tem
acesso à Internet ou não sabe usar um computador, quem vive em bairros desfavorecidos ou
áreas rurais, etc.);
– criar e garantir padrões de qualidade relativamente a serviços informativos para jovens;
– assegurar que os serviços informativos mantenham esses padrões.
O jovem e a informação

É importante adaptar e diversificar os meios de comunicação aos diferentes grupos.


Podemos usar diferentes tipos de comunicação: comunicação presencial, comunicação
online. (relembrar o exercício que fizemos na aula sobre uma campanha em que
usávamos diferentes formatos – workshops, palestras, cartazes, flyers, passa a palavra,
campanhas nas redes sociais, etc.)

Devemos também ter em atenção o nosso estilo de comunicação. (Relembrar exercícios


que fizemos nas aulas sobre comunicação e os diferentes estilos de comunicação,
focando no estilo assertivo)
Comunicação presencial

Na comunicação presencial é fundamental entre outros aspetos respeitar certos princípios mediante o contexto ou grupo:
– Manter contacto visual e sorrir;
– Estar, preferencialmente, de pé ou ao mesmo nível da(s) pessoa(s) com quem se mantém um dialogo;
– Falar pausadamente e de forma correta dando a necessária entoação às frases;
– Promover um tom de voz adequado que não deve ser nem muito baixo nem exageradamente alto;
– Motivar através da exposição que efetua a pessoa que o escuta;
– Procurar transmitir a mensagem em curto espaço de tempo;
– Dialogar usando um vocabulário simples e de fácil interpretação para quem escuta;
– Revelar interesse pelo tema em apreço;
– Falar corretamente e num tom de voz educado com o interlocutor;
– Denotar simpatia e disponibilidade para esclarecer;
– Gesticular em sintonia com a mensagem que está a transmitir, sem exageros;
– Reformular sempre que lhe pareça que o destinatário não está a compreender;
– Implementar e conservar uma postura formal, embora aberta – evitar gestos de braços cruzados, por exemplo;
– Evitar frases feitas, vulgares ou uma linguagem demasiado informal;
– Tentar criar pausas que funcionem como intervalos ao expor ideias para facilitar a interpretação;
– Fomentar diálogos positivos tentando na medida do possível evitar expressões negativas, como o uso recorrente do “não”.
O Estruturador ajuda-o a transmitir a sua mensagem

O Estruturador do PowerPoint sugere estruturas profissionais


para a sua apresentação, com base nos conteúdos nos seus
diapositivos.

O Estruturador só está disponível para subscritores. Se tiver


uma subscrição do Office 365, o próximo diapositivo mostra
como esta funciona numa nova apresentação.
Como utilizar o Estruturador do PowerPoint

Como funciona:

1 Inicie uma nova apresentação ao aceder a Ficheiro > Novo >


Apresentação em Branco.

2 No primeiro diapositivo, adicione uma imagem: aceda a Inserir


> Imagens ou Inserir > Imagens Online e selecione a imagem.

Sugestão: tem de estar online quando adicionar a imagem.

3 Quando o PowerPoint pedir a sua permissão para obter ideias


de estrutura, selecione Vamos Lá.

4 Selecione uma estrutura que pretende a partir do painel de


tarefas Ideias de Estrutura.
Modificação
A Modificação cria animações e movimentos de objetos suaves
na sua apresentação. São utilizados dois diapositivos
semelhantes para efetuar a animação, mas o público fica com a
ideia de que a ação ocorre apenas num diapositivo.

Reproduzir o vídeo à direita para ver um exemplo rápido.

A Modificação só está disponível para subscritores. Se tiver uma


subscrição do Office 365, pode experimentá-la através dos
passos no próximo diapositivo.
Configurar a Modificação

Experimente-a com este dois "planetas" simples:

1 Duplique este diapositivo: clique com o botão


direito do rato na miniatura do diapositivo e
selecione Duplicar Diapositivo.

2 No segundo destes dois diapositivos


idênticos, altere as formas à direita de
algum modo (mover, redimensionar, alterar
cor) e, em seguida, aceda a Transições >
Modificação.

3 Regresse ao primeiro dos dois diapositivos e


prima o botão Apresentação de Diapositivos
e, em seguida, selecione Reproduzir para ver
a modificação do seu círculo!

Sugestão: as Opções de Efeito fornecem-lhe


mais opções para a Modificação.
Trabalhar em conjunto em tempo real
Quando partilhar a sua apresentação com outras pessoas, irá
vê-las a trabalhar consigo em simultâneo.

Como funciona:

1 Selecione Partilhar no friso que se 2 Quando outras pessoas estão na 3 ...e a parte do diapositivo que estão
encontra acima ou através do atalho apresentação, um marcador mostra quem a editar.
Alt+ZS para convidar pessoas para está nos diapositivos...
trabalharem consigo (neste passo
pode guardar na nuvem).
É um especialista com a caixa Diga-me o que pretende fazer
A caixa Diga-me o que pretende fazer encontra o comando adequado quando precisa,

E
ONE-M
para que possa poupar tempo e focar-se no seu trabalho. SELECI

Experimente:

1 Selecione a imagem do Robô à direita.

2 Escreva animação na caixa Diga-me o que e,


em seguida, selecione Adicionar Animação.

3 Escolha um efeito de
animação, como Zoom e
veja o que acontece.
Explorar sem sair dos seus diapositivos
A Pesquisa Inteligente traz as pesquisas diretamente para o PowerPoint.

Experimente:

1 Clique com o botão direito do rato na 2 Selecione Pesquisa Inteligente e repare 3 Por diversão, tente utilizar a Pesquisa
palavra escritório seguinte expressão: que os resultados são contextuais para Inteligente novamente ao clicar com o
mobilia de escritório essa frase e não para aplicações do botão direito do rato na palavra Office no
Microsoft Office. Passo 2.
Tem mais perguntas sobre o PowerPoint?

Selecione o botão Diga-me e escreva o que pretende saber.

Visite o blogue da equipa do PowerPoint

Aceda à formação gratuita do PowerPoint

SELECIONE A SETA QUANDO ESTIVER EM MODO DE APRESENTAÇÃO DE DIAPOSITIVOS

Você também pode gostar