Você está na página 1de 66

O I N CL U S IV O:

7297-TURISM
AD E S E DE S A F IO S
OPORTUNID
TURISMO INCLUSIVO: OPORTUNIDADES E DESAFIOS
OBJETIVO:

• Que os profissionais do atendimento turístico comecem a


ver a pessoa com deficiência como um cliente que exige
uma maior atenção, um maior rigor na informação e uma
maior qualidade no serviço prestado.

• Conhecer melhor as necessidades das pessoas/turistas


com deficiência e a de transferir esse know-how para os
profissionais do setor, de forma a que forneçam a esses
clientes um serviço competente e de qualidade
COMPETÊNCIAS DOS PROFISSIONAIS DE
ATENDIMENTO
ENQUADRAMENTO POLÍTICO E NORMATIVO DO
TURISMO INCLUSIVO
ENQUADRAMENTO POLÍTICO E NORMATIVO DO
TURISMO INCLUSIVO

• Na União Europeia a maior parte dos estados membros dispõe na sua legislação clausulas
específicas a favor das pessoas com deficiência, relacionadas com o direito ao emprego, ensino,
acessibilidades de edifícios/cidades.

• A nível internacional existe três instrumentos que são considerados Referências fundamentais no
domínio das políticas sobre as pessoas com Deficiência e incapacidades:
• Convenção das nações unidas sobre os direitos das pessoas com Deficiência;
• Estratégia europeia para a deficiência, da comissão europeia;
• Plano de ação para a deficiência 2006-2015 no concelho da europa.
• A CONVENÇÃO FOI APROVADA EM PORTUGAL NO DIA 7 MAIO 2009
– Aprova a convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência.

Objetivos da presente convenção:

• Comunicação, inclui linguagem, exibição de texto, braille, comunicação, táctil, caracteres


grandes, meios multimédia acessíveis;

• Linguagem falado e linguagem gestual e outras formas de comunicação não faladas;


• Descriminação com base na deficiência – impedir o gozo ou exercício, em condições de igualdade
com os outros;

• Adaptação razoável – modificação e ajustes necessários e apropriados;


• Desenho universal – desenho dos produtos, ambientes, programas e serviços a serem utilizados por
todas as pessoas;

• Promover a formação de profissionais e técnicos que trabalhem com pessoas com deficiência.
REFLITA AGORA:

• No que se refere à participação na vida cultural, recreação, lazer e desporto, o


que faria, a seu ver, a convenção para melhorar as condições das pessoas com
deficiência?
LEGISLAÇÃO NACIONAL
CONCE IT OS P R INC I P A I S
CONCEITOS PRINCIPAIS
DEFICIÊNCIA
TIPOS DE DEFICIÊNCIA:

• FÍSICA (PERDA DE MEMBROS)


• SENSORIAL (CEGUEIRA, SURDEZ…)
• INTELECTUAL (APRENDIZAGEM LENTA, COM DIFICULDADES)
ACESSIBILIDADE

EX:
DESIGN INC L U S IV O
DESIGN INCLUSIVO- O QUE É?
P R O D U TOS D E A P O IO
PRODUTOS DE APOIO
PRODUTOS DE APOIO PARA O TURISMO
P R I NC I P A I S C L I E NT E S
DO T U R I S M O INC L U S I V O
RA , V ISU AL E AUD IT IVA
TES CO M D E FICIÊNC IA M OTO
CLIEN
CLIENTES COM DEFICIÊNCIA MOTORA
CAUSAS DAS CIRCUNSTÂNCIAS EXTERNAS:

• Paralisia cerebral – disfunção causada por uma lesão cerebral que ocorre antes, durante ou
depois do nascimento;

• Espinha bífida – fenda na coluna vertebral;

• Distrofia muscular – é causada por uma perturbação da estrutura muscular, caracteriza-se pelo
enfraquecimento e atrofia progressiva dos músculos.
F I SS I ONA L NA S ÁRE AS DO
FUNÇÕ ES DO P RO
TURISMO
ENTÃO, O PROFISSIONAL DEVE:
• Deve conhecer e saber informar sobre o estacionamento reservado a pessoas
com deficiência;

• Deve informar sobre as condições de segurança na envolvente do local a visitar;


• Deve ter uma preocupação acrescida sobre a aquisição de conhecimentos sobre
as condições reais de acessibilidade relativamente a transportes públicos e
privados
PRODUTOS DE APOIO:
• CADEIRAS DE RODAS (MANUAIS OU ELÉTRICAS);
CLIE N T ES C O M
D E F IC IÊ N C IA VI S U A L
LIMITAÇÕES:
PRODUTOS DE APOIO:
BENGALA
CLIEN T E C OM D EF IC IÊN CI A
AUDITIVA
LIMITAÇÕES E NECESSIDADES ESPECIAIS
Língua Gestual Portuguesa
CON C L U S ÃO
N I C A R C O M C LI E N T ES C O M
CO M O CO M U
C I A M O T O RA , A U D IT I V A E
DE F IC I Ê N
VISUAL
CLIENTES COM DEFICIÊNCIA MOTORA
CLIENTES COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA
CLIENTE COM DEFICIÊNCIA VISUAL