Você está na página 1de 38

LOGÍSTICA

EMPRESARIAL

ESTRATÉGIA DE
TRANSPORTES

PROF. PAULO ROBERTO LEITE


GENERALIDADES
 VALOR DE LUGAR E DE TEMPO LOGÍSTICO
 REPRESENTAM EM MÉDIA 50% A 60% DOS CUSTOS
LOGÍSTICOS TOTAIS
 AGENTES ATUANTES: EMBARCADORES;
TRANSPORTADORES; DESTINATÁRIOS; GOVERNO.
 PRINCÍPIOS GERAIS :
• ECONOMIA DE ESCALA: CARGAS FECHADAS x
CARGAS FRACIONADAS
• ECONOMIAS DE DISTÂNCIA : DESPESAS FIXAS X
DISTÂNCIA
• TRADE OFFS : TRANSPORTE X ESTOQUE ;
TRANSPORTE X SERVIÇO AO CLIENTE

PROF. PAULO ROBERTO LEITE


DISTÂNCIAS
CUSTO UNITÁRIO
 CUSTOS FIXOS SÃO DILUÍDOS
QUANTO MAIOR A DISTÂNCIA:
 UMA VIAGEM DE 500KM E DE 50
KM TÊM OS MESMOS FIXOS QUE
SÃO DILUÍDOS EM UMA
DISTÂNCIA MAIOR
 PORTANTO O CUSTO UNITÁRIO
TORNA-SE MENOR.
 TRANSPORTES URBANOS
TENDEM A SER MAIS CAROS
QUE OS INTERMUNICIPAIS

DISTÂNCIA

PROF. PAULO ROBERTO LEITE


VOLUME TRANSPORTADO
CUSTO POR Kg  ECONOMIAS DE ESCALA DO
TRANSPORTE, OU SEJA , O
CUSTO UNITÁRIO DECRESCE
COM O AUMENTO DO PESO A
SER TRANSPORTADO
RELATIVO AO MÁXIMO
POSSÍVEL NO MODAL
ANALISADO.

PESO DA CARGA

PROF. PAULO ROBERTO LEITE


DENSIDADE DA CARGA
 RELAÇÃO ENTRE O
CUSTO POR Kg PESO E O VOLUME DA
CARGA. O PREÇO DO
FRETE SERÁ FUNÇÃO
DO PESO E DO VOLUME
OCUPADO.

DENSIDADE DA CARGA

PROF. PAULO ROBERTO LEITE


CARACTERÍSTICAS DOS
TRANSPORTES
 VELOCIDADE: É A DISTÂNCIA PERCORRIDA PELO
TEMPO CONSUMIDO EM CADA VIAGEM
 DISPONIBILIDADE: A CAPACIDADE DO MODAL
ATENDER A QUALQUER PONTO DE ORIGEM E
DESTINO.
 CONFIABILIDADE: É A MEDIDA DA CERTEZA DE
CUMPRIR O TEMPO DE VIAGEM PROGRAMADO.
 CAPACIDADE: REFERE-SE À POSSIBILIDADE DE
TRANSPORTAR VOLUMES E PESOS EM GRANDE
QUANTIDADE.S,
 FREQÜÊNCIA: REFERE-SE AO NÚMERO DE VIAGENS
EM CERTO INTERVALO DE TEMPO

PROF. PAULO ROBERTO LEITE


CLASSIFICAÇÃO EM ORDEM
CRESCENTE DOS MODAIS
CARACTERÍSTICAS FERROVIÁRIO RODOVIÁRIO AQUAVIÁRIO DUTOVIÁRIO AÉREO
OPERACIONAIS

VELOCIDADE 3 2 4 5 1
DISPONIBILIDADE 2 1 4 5 3
CONFIABILIDADE 3 2 4 1 5
CAPACIDADE 2 3 1 5 4
FREQÜÊNCIA 4 2 5 1 3
RESULTADO TOTAL 14 10* 18 17 16
% PARTICIPAÇÃO NO
TRANSPORTE DE 20,86 % 60,49 % 13,86 % 4,46 % 0,33 %
CARGA BRASIL
ANO 2000 (ton x km)
% PARTICIPAÇÃO NO
TRANSPORTE DE 37,3 % 25,7 % 16,1 % 20,4 % 0,4 %
CARGA USA (1990)
( ton x km)

PROF. PAULO ROBERTO LEITE


CARGAS TRANSPORTADAS
FERROVIÁRIO RODOVIÁRIO AQUAVIÁRIO DUTOVIÁRIO AÉREO

PRODUTOS  PRODUTOS  PRODUTOS  ALTOS  PRODUTOS


DE BAIXO DE MÉDIO DE ALTO VOLUMES DE ALTO
VALOR E VALOR E PESO E  PRODUTOS VALOR
ALTO PESO PESO BAIXO FLUIDOS  PRODUTOS
VALOR DE BAIXO
PESO
 PRODUTOS
DE
URGÊNCIA
INDUSTRIA  PRODUÇÃO  MINERAIS  PETRÓLEO  PEQUENOS
EXTRATIVAS LEVES E  PRODUTOS  ÓLEOS VOLUMES
PESADAS MÉDIAS QUIMICOS PESADOS  INFORMÁTIC
COMMODITIES  MOV. ENTRE  CIMENTO  GÁS A
AGRÍCOLAS ATACADISTAS E  PROD. NATURAL  FLORES
VAREJISTAS AGRICOLAS  PERECÍVEIS

PROF. PAULO ROBERTO LEITE


MALHA DE TRANSPORTES
Km POR 1.000 Km² DE ÁREA DO PAÍS

EUA 447 Km

MÉXICO 57,2 Km

CHINA 38,3 Km

BRASIL 26,4 Km

PROF. PAULO ROBERTO LEITE


PREÇOS RELATIVOS DOS
MODAIS ( US$ /10³ TON X KM)
USA BRASIL BRASIL/
USA
AÉREO 320 5,7/22/35/64 450 22/28/45/50 1,41
Maior do Maior do que:
que:
RODO 56 4 /6 /11 20 1,25 / 2 / 2 0,36

FERRO 14 1,5 / 3 16 1,6 / 1,7 1,14

DUTO 9 1,8 10 1,11 1,11

AQUAVIARIO 5 9 1,8
PROF. PAULO ROBERTO LEITE
FONTE: Coleção Coppead, 2003.
OUTROS CONDICIONANTES
NOS TRANSPORTES
 Facilidade de acondicionamento: dimensões das
unidades de carga, forma geométrica,
 Facilidade no manuseio: dificuldades e uso de
equipamentos especiais no carregamento e descarga . a
embalagem, o nível de unitização, a forma de amarração
das cargas influem nos custos do tranporte
 Responsabilidade: riscos de danos, de roubos,
incêndios, cargas de produtos perigosos, valor das
mercadorias, etc. Influem fortemente nos preços dos
fretes.
 Mercado: as possibilidades de combinação de fretes de
retorno. Retorno vazio significa fretes maiores.
Sazonalidades de mercado influem fortemente na
demanda e oferta de fretes .
PROF. PAULO ROBERTO LEITE
DECISÕES D0
EMBARCADOR
 Escolha dos modais de transporte, projeto da rede de
transporte para distribuição e suprimento, etc com objetivo de
minimizar custo total.
 Custo do frete: valor pago ao transportador função do tipo de
modal, quantidade a ser transportada, distancias, carga de
retorno, frequencia do modal na região, etc.
 Custos de manutenção de estoques em trânsito: função do
valor agregado da mercadoria, das quantidades transportadas
e do tempo de trânsito utilizado.
 Custo das instalações: custos relacionados aos armazéns
necessários, aos transbordos, etc.
 Custos de processamento: relativos ao embarque e
desembarque necessários, utilização de modais auxiliares
(multimodalidade), etc.
 Custo de serviço aos clientes: exigências adicionais de
clientes que exijam condições especiais de transporte.
PROF. PAULO ROBERTO LEITE
DECISÕES DO
TRANSPORTADOR
 Custo do investimento em veículos: caminhões,
navios, barcaças, aviões, vagões, locomotivas,
etc.
 Custos fixos relativos aos terminais: mão de
obra indireta, sistemas de carga e descarga, etc.
 Custos variáveis : mão de obra na viagem,
combustível, manutenção geral para manter em
viagem

PROF. PAULO ROBERTO LEITE


TRADE-OFF DE CUSTOS NOS
TRANSPORTES(Exemplo)
 A empresa Saturno precisa decidir entre três modais de transporte que utilizará
para a transferência de 20.000 unidades por ano de um produto com valor
unitário de R$ 1000,00, entre sua fábrica e o seu centro de distribuição(CD).
Para tanto a empresa verificou que as características de disponibilidade,
confiabilidade e de freqüência são equivalentes para os modais aéreo,
rodoviário e ferroviário que servem as regiões analisadas. Nestas condições
precisa analisar o trade-off entre os três modais por meio dos custos totais,
sabendo que a taxa de manutenção dos estoques na empresa é de 20% ao
ano. Foram coletadas as informações abaixo, onde: Lote mínimo de despacho
é a quantidade mínima aceita por cada modal, sendo a quantidade a ser
mantida em estoque na fabrica e no CD; preço do frete é o valor unitário por
peça transportada no modal; tempo de trânsito é o tempo em dias que dura a
viagem de cada modal. Admite-se que os lotes de envio sejam equivalentes às
quantidades mínimas aceitas pelos modais.
 Aéreo Rodoviário Ferroviário
 Lote mínimo de despacho... 2000 pç 7000 pç 15000 pç
 Preço do frete ....................R$ 100,00 / unid. R$ 4,50 / unid R$ 3,50 /unid.
 Tempo de transito ..............1 dia 5 dias 10 dias

PROF. PAULO ROBERTO LEITE


Formula Aéreo Rodo Ferro
Custo
Compone
nte

Frete Frete x 20.000 x 100= 20.000 x 4,5 = 20.000 x 3,5 =


Consumo 2.000.000,00 90.000,00 70.000,00
Man I x P x ( lote 0,20 x 1000 x 0,20 x 1000 x 0,20 x 1000x
Estoque mínimo / 2 ) 2000/2 =200.000,00 7000/2 = 700.000,00 15000/2=
na saída 1.500.000,00
Man I x P’ x ( lote 0,20 x 1.100 x 0,20 x 1.104,5 x 0,20 x 1.103,5 x
Estoque mínimo / 2 ) 2000/2= 220.000,00 7000/2 = 773.150,00 15000/2 =
na 1.655.250,00
chegada
ao CD
Estoque IxPx 0,20 x 1000 x 0,20 x 1000 x 0,20x 1.000x
em Consumo / 20.000/365 x 1 = 20.000/365 x 5 = 20.000/365 x10
trânsito 365) x tempo 10.958,89 54.790,45 =109.580,90
de viagem

Custo R$ 2.430.958,89 R$ 1.547.944,52 R$ 3.184.839,04


total

PROF. PAULO ROBERTO LEITE


Ver planilha para variações (planilha)
LOGÍSTICA
EMPRESARIAL
ROTEIRIZAÇÃO

PROF. PAULO ROBERTO LEITE


PROGRAMAS DE DECISÃO
LOGWARE ( BALLOU, 2001)

• FORECAST:Previsão de dados de série temporal por meio de ponderação


exponencial e métodos de decomposição de série temporal.
• ROUTE: Determina o percurso mais curto através de uma rede de rotas.
• ROUTESEQ: Determina a melhor seqüência para paradas na rota.
• ROUTER:Desenvolve rotas e programações para vários caminhões que servem a
múltiplas paradas.
• INPOL: Encontra políticas de reabastecimento ótimas, baseadas nos princípios do lote
de econômico compra.
• COG: Encontra a posição de uma única instalação pelo método do centro-de-
gravidade exato.
• MULTICOG: Encontra um número selecionado das instalações pelo método do
centro-de-gravidade exato.
• LAYOUT:Posiciona produtos nos armazéns e em outras instalações.
• MILES: Computa a distância aproximada entre dois pontos usando a latitude-
longitude ou coordenadas da grade linear.
• TRANLP: Resolve o problema pelo método do transporte da programação linear.
ROTEIRIZAÇÃO DO MODAL
 Origem e destino diferentes
• Método da rota mais curta
 Origem e destino múltiplos
• Método do transporte ( otimização por
programação linear)
 Origem e destino coincidentes
• Problema do caixeiro viajante ( resolução por
métodos heurísticos,
Método da rota mais curta
85 E Rede de auto estradas
Origem 90 B 32
A 76
130 65 G
C 45 102
90
230 50 F
H
D 70 140
Destino

Problema: determinar a melhor rota entre a origem e destino

Método manual ou software: entrada com as coordenadas dos nós e as


distancias ou custos entre cada um dos nós. ( ROUTE, BALLOU, 2001)
Origem e destino múltiplos
Método do transporte
 EXIGE CARGAS
COMPLETAS (LOTES
PRÓXIMOS À LOTAÇÃO
DO MODAL),
 NÃO PRECISA DE
ARMAZEM (CD)
INTERMEDIÁRIO,
 NÃO EXISTE
TRANSBORDO DE
MERCADORIAS (RISCOS
COM EMBALAGENS,
ERROS ETC),
 TEMPO DE ENTREGA
MENOR,
 EXIGE CONDIÇÕES DE
RECEBIMENTO NOS
CLIENTES.

Prof. PAULO ROBERTO LEITE


ENTREGAS COM
TRANSPORTE MILK RUN

F2
F1
F3

CLIENTE
OU
F4 CD
F6
F5

•COLETA NOS FORNECEDORES E ENTREGA NO CD


•COLETA NOS FORNECEDORES E ENTREGA NOS
CLIENTES ( CASO DOS SISTEMAS JUST IN TIME )

PROF. PAULO ROBERTO LEITE


ENTREGAS COM TRANSPORTE
AO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO
CD ARMAZENA E FRACIONA A FORNECEDORES CLIENTES

CARGA AOS CLIENTES.

 O SUPRIMENTO DO CD É
PREVISTO PARA O CD
AGREGADO DOS CLIENTES.
 CUSTO DO TRANSPORTE
DE SAIDA É MAIS BARATO
PELA PROXIMIDADE.
 CD ESTOCA MERCADORIAS
OU PODE TROCAR DE
VEÍCULO AO LONGO DAS
DOCAS (CROSSDOCKING).

PROF. PAULO ROBERTO LEITE


ROTEIRIZAÇÃO PELO
MÉTODO DA VARREDURA
6000
4000
1000

ROTA 1 – 10.000 ROTA 3 – 8.000 2000

CD
1000

ROTA 2 – 9.000
1000

4000
3000
5000
RESTRIÇÕES ADICIONAIS NA
ROTEIRIZAÇÃO
 Janela de tempo nas paradas
 Caminhões com capacidades diferentes
 Tempo de trabalho de motoristas
 Barreiras geográficas
 Problemas climáticos
 Etc.
TRANSPORTES NO BRASIL
TRANSPORTE RODOVIÁRIO
% NO TOTAL DO PAÍS

CHINA 8%

AUSTRÁLIA 24%

EUA 26%

BRASIL 60%

PROF. PAULO ROBERTO LEITE


INVESTIMENTOS EM
INFRAESTRUTURA NO BRASIL
Investim entos da União em Transportes
0,82 com o percentual do PIB

0,30 0,28
0,22 0,20
0,15 0,14 0,15

1987 1990 1993 1996 1999 2002 2005*


* valor preliminar.

Estimativas apontam para a necessidade de investimentos anuais – nos


próximos cinco anos - de R$ 4,5 bilhões em rodovias; R$ 3 bilhões em
ferrovias; e R$ 1,2 bilhão em portos.
PROF. PAULO ROBERTO LEITE
TRANSPORTE RODOVIÁRIO
NO BRASIL
 CONDIÇÕES INADEQUADAS DO TRANPORTE
• 33% = DISTÂNCIAS > 1000 Km
• 27% = DISTÂNCIAS DE 500 Km A 1000 Km
• 40% = DISTÂNCIAS < 500 Km
 CONDIÇÕES DAS ESTRADAS
• 10% DE ESTRADAS PAVIMENTADAS
• 68 % CONDIÇÕES DEFICIENTES DO TOTAL DE 42. 825 Km
 ROUBO DE CARGAS
• 1994 = 2.500 OCORRÊNCIAS
• 2001 = 7.500 OCORRÊNCIAS
 IDADE DA FROTA > 14 ANOS
 PREÇOS DEFASADOS
• BRASIL = 18 US$ / 1000 TKU
• EUA = 56 US$ / 1000 TKU

PROF. PAULO ROBERTO LEITE


FERROVIAS NO BRASIL
 12 CONCESSIONÁRIAS DESDE 1996
 MALHA FERROVIÁRIA = 28. 671 Km
 OBJETIVO DE 35 % NA MATRIZ DE TRANSPORTE
 CRESCIMENTO
 1995 = 130 BILHÕES DE TKU
 2002 = 164,6 BILHÕES DE TKU
 TRANSPORTE DE GRÃOS EM 1990:
• 81% RODO - 16% FERRO - 3% HIDRO
 TRANSPORTE DE SOJA 2003
• 60% RODO

PROF. PAULO ROBERTO LEITE


TRANSPORTE MARÍTIMO
NO BRASIL
 93% DO COMÉRCIO EXTERIOR
 50% REDUÇÃO DE CUSTOS PORTUÁRIOS DESDE 1993
 PRODUTIVIDADE AUMENTOU EM 3 VEZES DESDE 1993
 CUSTOS PORTUÁRIOS AINDA 20% MAIOR QUE MÉDIA
MUNDIAL ; 3 VEZES MAIORES QUE CINGAPURA, AMSTERDAN E
HONG KONG
 CUSTOS OPERACIONAIS :
• SANTOS = US$ 320 POR CONTEINER
• BUENOS AIRES = US$ 220
• ROTERDÃ = US$ 100
 PRODUTIVIDADE
 ATUALMENTE PORTO DE SANTOS MOVIMENTA 40
CONTEINERES / h EM COMPARAÇÃO À 11 CONTEINERES / h
EM 1997
 EM 1997 A ATRACAÇÃO EM SANTOS ERA DE 27 HORAS DE
ESPERA E ATUALMENTE É ZERO
PROF. PAULO ROBERTO LEITE
RÁPIDO CRESCIMENTO DA MOVIMENTAÇÃO DE
CONTAINERS NOS TERMINAIS PORTUÁRIOS

PROF. PAULO ROBERTO LEITE


Fonte: Coppead/UFRJ
EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NOS TERMINAIS
PORTUÁRIOS

PROF. PAULO ROBERTO LEITE


Fonte: Coppead/UFRJ
HIDROVIAS BRASILEIRAS
 42.000Km NAVEGÁVEIS E 8.500 Km UTILIZADOS
 CUSTOS 20% A 30% MENORES
 SOJA, MINÉRIOS, OUTROS AGRÍCOLAS,
CIMENTO, ETC.
 HIDROVIA- MOVIMENTO
 MADEIRA = 3,65 MILHÕES DE TON
 TIETÊ-PARANÁ = 1,6 MILHÕES DE TON OU
694.000 TKU
 SÃO FRANCISCO = 43. 000 TKU

PROF. PAULO ROBERTO LEITE


SECRETARIA DOS TRANSPORTES
HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ
PARÂMETROS DE COMPARAÇÃO ENTRE MODAIS DE TRANSPORTE

CONSUMO DE ESPAÇO: Unidades Equivalentes de Capacidade de Carga

MODAIS HIDRO FERRO RODO

1 Comboio 2,9 Comboios Hopper 172 Carretas de 35 t


Duplo Tietê (86 vagões de 70 t) Bi-trem Graneleiras
(4 chatas e empurrador)
Capacidade
de Carga

6.000 t

3,5 km
Comprimento
Total 150 m 1,7 km (26 km em
movimento)
Fonte: DH, TCL
PROF. PAULO ROBERTO LEITE
SECRETARIA DOS TRANSPORTES
HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE TRANSPORTE (MILHÃO DE TKU)

983
1.000 SOJA FARELO DE SOJA
ÓLEO VEGETAL ÓLEO DIESEL 916 894
MILHO SORGO
900 TRIGO AÇÚCAR
858
ÁLCOOL XAROPE DE CANA
CANA CALCÁRIO 752
800 ADUBO AREIA 743
CASCALHO MADEIRA / CARVÃO
Produção (TKU X 10 )

700
6

MANDIOCA ARROZ
PNEUS PROJETADA 590
584
600 550

500 425

400
320 320
300

200

100

0
(*) (*) (*) (*) (*)
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006
( )
* Métodos estatísticos não revisados ANO
PROF. PAULO ROBERTO LEITE
SECRETARIA DOS TRANSPORTES
HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ
PARÂMETROS DE COMPARAÇÃO ENTRE MODAIS DE TRANSPORTE
EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: CARGA / POTÊNCIA (t / HP) EMISSÃO DE POLUENTES:
CO2 (kg/1.000 tku)
5,00
5,00 116
120
4,50
4,00 100
3,50
3,00
80
2,50 60
2,00 34
1,50 0,75 40 20
1,00
0,17 20
0,50
0,00 0
Hidro Ferro Rodo
Hidro Ferro Rodo
CONSUMO DE COMBUSTÍVEL: (LITROS / 1.000 TKU) NOx (g/1.000 tku)
96 4.617
100 5.000
90
80 4.000
70
60 3.000
50
40 2.000
831
30
10 254
20 1.000
5
10
0 0
Hidro Ferro Rodo Hidro PROF.
Ferro PAULO ROBERTO LEITE
Rodo
Fonte: Ministério dos Transportes - 1997 Fonte: DOT/Maritime Administration e TCL
OPERADOR LOGÍSTICO
 GLOBALIZAÇÃO
 PROLIFERAÇÃO DE PRODUTOS
 MENORES CICLOS DE VIDA
 MAIOR EXIGÊNCIA DE SERVIÇOS ( TEMPO
DE RESPOSTA)
 SEGMENTAÇÃO DE CLIENTES, CANAIS,
MERCADOS
 EXIGEM MAIOR ESPECIALIZAÇÃO E
TECNOLOGIA APLICADA AOS
MOVIMENTOS E OPERAÇÕES LOGÍSTICAS

PROF. PAULO ROBERTO LEITE


OPERADOR LOGÍSTICO
 ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS
DE TRANSPORTE , DISTRIBUIÇÃO , EMBALAGEM,
FABRICAÇÃO LOCAL, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO,
ADMINISTRAÇÃO DE ARMAZÉNS, ADMINISTRAÇÃO DE
CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO, ETC.
 CRESCIMENTO DA ATIVIDADE:
• 1.995 = MERCADO DE US$ 7 BILHÕES NOS USA
• 2.002 = MERCADO DE US$ 60 BILHÕES NOS USA.
 MOTIVOS QUE JUSTIFICAM O CRESCIMENTO:
• OPERAÇÕES LOGÍSTICAS MAIS COMPLEXAS
• SOFISTICAÇÃO DAS INFORMAÇÕES LOGÍSTICAS
• BUSCA DE DIFERENCIAÇÃO MERCADOLÓGICA

PROF. PAULO ROBERTO LEITE